Política, cultura e generalidades

sexta-feira, 19 de agosto de 2016

Que venha o chororô dos frouxos!

Tou nem aí se tem candidato reclamando que está fora dos debates com os candidatos a prefeito, se ele mesmo não reivindica a presença de todos. Ou seja: a dele próprio e dos outros dois preteridos. O Rio tem dez candidatos, mas a Band queria convidar oito, inclusive o candidato chorão, e aqueles sete querem vetar os outros três. Não há muita diferença entre sete, oito e dez candidatos. Então que chamassem logo todos. Ou nenhum, já que nenhum deles merece.

Que venha o chororô dos frouxos! E dos chorões e choronas que os apoiam.

Mais comentários no Facebook.

quinta-feira, 18 de agosto de 2016

A estupidez de candidatos a prefeito do Rio de Janeiro

Tou ficando puto com esses candidatos a prefeito do Rio de Janeiro. Dos mais conservadores aos mais progressistas. Todos eles com planos mirabolantes de obras e ações que onerarão ainda mais os cofres do município, quando a realidade na cara indica que o próximo prefeito do Rio de Janeiro terá que passar o mandato inteiro pagando as dívidas deixadas pelo prefeito anterior, além de manter os serviços públicos já existentes. A estupidez desse pessoal não tem limites.

Pronto, falei.

Mais comentários no Facebook.

terça-feira, 16 de agosto de 2016

O conto de uma família real mista


Contos na ficção existem aos montes. Vários deles sobre reis, rainhas, príncipes, princesas e famílias reais em geral. Contos de fadas também. Contos de fadas sobre princesas sempre houve, mas estes adquiriram aura de mitologia a nível mundial a partir do estrondoso sucesso do filme Cinderella, que já era uma adaptação do antigo conto Cinderella. Os anos passaram, e a Disney continuou fazendo trocentas produções cinematográficas e televisivas, entre as quais os vários filmes com as hoje chamadas Princesas Disney. Até há pouco tempo toda laia de feministas de meia tigela criticava a franquia da Disney, devido à antiga posição subalterna das princesas da Disney, sempre esperando felicidade apenas em casamentos com príncipes encantados. Mas as feministas tiveram que se render à mudança do perfil das princesas da Disney nas últimas décadas. A começar por Ariel, sempre curiosa para saber o que havia fora de seu mundo submarino. Depois houve a Pocahontas liderando o processo de paz entre seu povo e uma tropa estrangeira, Mulan indo pra guerra, Tiana liderando a abertura de seu restaurante, Rapunzel se casando com um ex-ladrão (ao invés de um tradicional príncipe), Merida rejeitando casamento arranjado e Elsa virando rainha, mesmo solteira.

A coisa atingiu níveis mais altos de mudança no perfil das princesas da Disney a partir do momento em que a Disney começou a lançar novas franquias de princesas na televisão, ao invés de lançar no cinema. Seriados permitem a construção de perfis e tramas bem complexos para as protagonistas. As duas novas princesas da Disney lançadas na TV foram criadas pelo produtor Craig Gerber. A primeira foi Sofia, desenvolvida desde 2007 para ser especificamente uma princesa retratada na infância (aos 8 anos) e lançada na TV estadunidense em 2012, e a segunda foi Elena, desenvolvida desde 2012 (logo após o lançamento de Sofia) com inúmeros traços de cultura latina e cujo lançamento na TV estadunidense foi em julho de 2016. O lançamento do seriado e da franquia Elena of Avalor na própria América Latina que inspirou a personagem vem sendo mesquinhamente protelado pela Disney.

Mas aqui o assunto mais específico é a Sofia. A personagem tem uma trama mais complicada que a média de suas colegas de realeza, seja na Disney ou nessa nova onda de girl power na ficção em geral. Sofia é do reino fictício de Enchancia, sendo filha da sapateira Miranda (esta, do também reino fictício de Galdiz) e de um pai ainda não revelado na trama. Extraoficialmente, o pai biológico dela é Birk Balthazar, também migrante como Miranda, mas só que do reino de Freezenburg e tido como um personagem precocemente falecido. Paralelamente, o líder do reino de Enchancia é Rei Roland II, que possuía dois filhos gêmeos, Amber e James (mais velhos que Sofia apenas por questão de meses), além de uma esposa, também tida como falecida tal como Birk Balthazar. Um dia Miranda foi convocada para ir ao castelo do reino vender chinelos para o rei. Os dois personagens se apaixonaram, casaram e resolveram juntar as proles. Roland virou pai das três crianças, assim como Miranda virou mãe delas. Já houve casos de famílias mistas na ficção, inclusive na Disney. Mas esta família real mista é talvez uma das primeiras (senão a primeira) da ficção, e é a primeira da Disney.

Quem nunca viu um episódio do seriado Sofia the First (divulgado no Brasil como 'Princesinha Sofia') pode até imaginar o que aconteceu com a personagem até agora, momento da reta final da terceira temporada. A trama da Sofia é basicamente da menina aldeã que vira princesa da noite para o dia e agora tem que lidar com esse novo mundo da realeza e cumprir as obrigações de uma princesa de verdade. Incluindo os compromissos na Academia Preparatória Real, escola que admite entre os alunos apenas príncipes e princesas, de dezenas de reinos diferentes. Tudo isso sem que Sofia deixe de ser a menina boa, prestativa, gentil, amiga e intrépida que sempre foi. Além de ter lidado eventualmente com problemas de ciumeira entre irmãos, algo comum entre os três filhos de Roland e Miranda até a segunda temporada.

O futuro da personagem Sofia em seu mundo de conto de fadas ainda está sendo escrito pelos autores e roteiristas da Disney. Especula-se que ela tenha dois futuros possíveis. Um é se tornar uma princesa aventureira, tal como a tia dela, Princesa Tilly, normalmente chamada de duquesa no seriado. O outro, dado a inúmeras pistas deixadas ao longo de três temporadas na televisão, é o trono de Enchancia e a realização da alcunha Sofia the First dada pelo nome do seriado. Sofia the First pode ser traduzido literalmente para Sofia Primeira (Sofia I). Um título de rainha, não de princesa. Só isso faria da personagem um avanço considerável nesse mundo das princesas da Disney, pois seria assim uma princesa virando rainha de direito próprio (sem ser rainha consorte) mesmo sendo filha caçula, de fora da linhagem do rei e mesmo tendo um irmão (James, até segunda ordem o atual príncipe herdeiro de Enchancia). Um senhor avanço até em cima da Elsa, que é mais velha que Anna e não tem irmão.

O nível de excelência do seriado 'Sofia the First' atingiu o nível mais alto com o episódio Dads and Daughters Day. Pra não estragar a surpresa pra quem não viu, dá para dizer que é o episódio em que a questão de Sofia ser filha de verdade do Rei Roland (ou de ser uma mera 'step-daughter', ou enteada, em português) é colocada por uma das colegas de escola de Sofia, e depois pela própria Sofia. O resultado é provavelmente o melhor episódio de um seriado televisivo em décadas, incluindo animações e seriados live-action. Um abraço de Sofia e Roland neste episódio ilustra esta postagem.

'Dads and Daughters Day', de 'Princesinha Sofia', tem estreia prevista na TV brasileira no canal Disney Junior no próximo dia 22, segunda-feira, às 19h. Vale a conferida.