Política, cultura e generalidades

sábado, 3 de maio de 2014

Diferenças entre a Blitz e os Mamonas Assassinas

Resposta para Felipe Rozza no Facebook:

Eu gostava da Blitz. Comprei os três primeiros discos deles. O primeiro foi sensacional. Tinha até o Lobão como baterista. O segundo também foi bom, apenas um pouquinho inferior ao primeiro. O terceiro foi uma lástima. Poucas músicas prestavam. Digna de nota aqui, só a faixa Egotrip. Teria espaço garantido em algum dos discos anteriores. A Blitz é uma boa banda. Tem informação cultural ali. Tem até um lance teatral. O próprio vocalista Evandro Mesquita já era ator antes mesmo da banda existir, e continua sendo ator, atualmente. A Blitz continua sendo a grande representante da new wave brasileira.

Já os Mamonas eu não curtia muito. Só fui a um show deles ao vivo (e "de grátis") no Arpoador, quando ainda eram ilustres anônimos. O suficiente para descobrir que os caras eram apenas excelentes piadistas e excelentes músicos. Mas nada que fizesse dos caras uma boa banda. Muitas das bandas clássicas nem tinham músicos virtuosos (até os Beatles erravam ao vivo!), mas se valiam de boas ideias e vasta bagagem cultural. Não era o caso dos Mamonas, que se calçavam apenas naquilo que era conhecido pelo brasileiro médio.

Música dos Mamonas que eu curtiria hoje, só a Débil Metal, que brinca com clichês do rock pesado, com a mesma virtuosidade das verdadeiras bandas de rock pesado. Algo que a banda Massacration faria anos depois com dois discos inteiros. Não curto nem a faixa Débil Metal porque não curto piada velha e tenho mais o que fazer.

Nenhum comentário:

Postar um comentário