Política, cultura e generalidades

sábado, 12 de abril de 2014

O socialismo jamais reconhecerá seu bastardinho ariano, com seu Capitalismo de Estado

Comentários para Rede Liberdade:

Pais cafajestes não reconhecem filhos feios. O socialismo jamais reconhecerá seu bastardinho ariano, com seu Capitalismo de Estado.

O nacionalismo também tem culpa. Gerou um filho com quem lhe é diretamente oposto: o socialismo, que diz pregar a solidariedade internacional dos trabalhadores. Deu no que deu.

Eu já vi nacionalistas reconhecendo que o nazismo nasceu com parte de seu DNA, foi maligno e não pode voltar. Enquanto isso, nas hostes "pogreçistas"...

Outro dia o blogueiro Luciano Ayan caiu no mesmo erro. Rechaçou veementemente que o regime chinês seja capitalista e rechaçou quem diz que seja um regime de Capitalismo de Estado e não socialismo. Só que Capitalismo de Estado é a forma moderna de regime socialista. Admite propriedade privada vigiada, economia planificada pelo Governo e Partido Único. Exatamente a receita do nazismo.

Todo regime extremista perde apoio com o tempo. Perde apoio até de alguns que ajudaram na implantação. Uns porque veem a merda que fizeram, outros por se sentirem prejudicados ou preteridos. Aconteceu com o regime soviético, que perdeu apoio de gente como Leon Trótski. Aconteceu com o regime nazista, implantado com o apoio de muita gente na Alemanha e fora dela, como alguns grupos privados nos EUA e no Reino Unido. Enfim, Capitalistas e Grandes Empresários, pra usar termos de um amigo meu. Aconteceu com o golpe de 1964, que teve apoio de gente bastante diversa, de Carlos Lacerda a Ulysses Guimarães. Lacerda só passou para a oposição depois que cancelaram a eleição direta para a sucessão de Castelo Branco, na qual ele queria ser candidato. Já Ulysses passou para a oposição logo no início. E magistralmente, com o acúmulo de ações democráticas que empreendeu nas décadas seguintes. Foi uma história de redenção, conforme escrevi outro dia.

Pra não dizerem que não encontrei méritos no texto de Elke di Barros, digo que ele acertou ao incluir os social-democratas no campo da esquerda. Um ato de coragem, ainda mais para um texto de esquerda escrito no Brasil.

O parágrafo final do texto merece um destrinchamento.

Não deixa de ser irônico que essa “nova direita” neoconservadora e neoliberal que faz essa propaganda enganosa tenha muitas ideias em comum com os nazi-fascistas: o antimarxismo, a paranoia conspiratória, o militarismo, o policialesco, o racismo/xenofobia, o machismo/homofobia, o conservadorismo religioso, a sacralização da propriedade privada e a defesa da supremacia nórdica-ocidental. Não é muito difícil perceber que o “meritocratismo” da nova velha direita é um eufemismo para o darwinismo social.

O texto utiliza das mesmas técnicas retóricas e propagandistas atribuídas aos críticos. Não define o que seja neoconservadorismo nem neoliberalismo. É neoconservadorismo econômico, comportamental ou ambos? É neoliberalismo econômico, comportamental ou ambos? Ao meu ver, não dá para ser neoconservador e neoliberal ao mesmo tempo. Só é possível ser conservador tradicional (nada dessa frescura de neo) e liberal ao mesmo tempo se o liberalismo se restringir ao campo econômico. O marxismo é visto com simpatia por vários liberais americanos, gente classificada como de direita por boa parte da esquerda. Paranoia conspiradora? Isso se aplica também ao texto do Elke. Que tirem a trave dos próprios olhos antes de falar do cisco nos olhos dos outros. O militarismo foi apoiado por gente tão oposta como o Führer Hitler, o general Pinochet e os comandantes Stalin, Mao, Fidel, Che e Chávez, este um militar de carreira. O policialesco não é apoiado pelo conservadorismo comportamental, pelo menos o cristão, que rejeita o noticiário policial na imprensa brasileira. Machismo é uma vertente do hedonismo sexual com homens subjugando as mulheres, e como tal é rejeitado pelo conservadorismo comportamental. Já os homossexuais nunca tiveram espaço em regimes da extrema direita. E nem da extrema esquerda, que só diz valorizar o coletivo da sociedade inteira, nunca valorizando as demandas individuais ou de grupos específicos por direitos civis.

Chega de destrinchar tanta estupidez. Não sou blogueiro profissional nem militonto. Tenho mais o que fazer.

Pra encerrar: o nazismo reuniu o pior da direita (o financiamento privado de regimes políticos) com o pior da esquerda (Partido Único e dirigismo estatal). E foi um regime da extrema direita com pretensões capitalistas de Estado.

Se alguém não gostou, que vá estudar mais, ler mais e pesquise sobre Capitalismo de Estado.

Mais debate sobre este assunto aqui.

Nenhum comentário:

Postar um comentário