Política, cultura e generalidades

quarta-feira, 31 de dezembro de 2014

Troféu Tolo do Ano 2014

"Já são dez anos que o Vasco está jogando o Campeonato Paulista, e não o Carioca, pois eles não ganham nunca. A felicidade é ver a torcida rival indo embora de cabeça baixa. Roubado é mais gostoso ainda".
Rodrigo, goleiro do Flamengo. Fonte: Lance!.

Jogadores de futebol bem sucedidos costumam servir de inspiração para outras pessoas, especialmente os jovens. Não podem falar barbaridades como essa. Só por essa frase, Rodrigo conseguiu superar todos os candidatos ao Troféu Tolo do Ano 2014, tanto do primeiro como do segundo semestre. E olha que este ano foi pródigo de candidatos, com eventos que foram de um épico 7 a 1 da Seleção da DFB pra cima da Seleção da CBF na já pródiga em lambanças Copa 2014 até o povo que foi pra rua em 2013 protestar e também quebrar tudo, mas em 2014 reelegeu os mesmos políticos picaretas de sempre nas esferas federal e estadual. Alguns destes políticos também sérios candidatos ao troféu, bem como vários candidatos derrotados.

Até o fechamento desta postagem, Rodrigo havia perdido a vaga de titular do time profissional de futebol do Flamengo. Quem sabe assim as besteiras que ele eventualmente fale influenciem menos gente, hoje em dia.

O Troféu Tolo do Ano voltará em 2015, assim como este blogue. Como não tenho muito tempo para escrever e não vivo disto aqui, as postagens continuarão sendo eventuais, sem intervalo definido, como foi em 2014. Aproveito para desejar um feliz 2015 para todos os leitores que nos acompanham e dão sua atenção. Até o ano que vem!

segunda-feira, 29 de dezembro de 2014

Niilistas e etéreos no apoio ao Partido Novo

Primeiro partido de fato e assumidamente liberal econômico surgido no país em décadas, o Partido Novo não enfrenta apenas quem discorda do liberalismo econômico e os ministros do TSE que barram o registro do partido. O Novo tem um discurso ainda etéreo demais. E ainda pode estar sendo atrapalhado por uma série de simpatizantes e possíveis futuros filiados. A ânsia de apoiar algo diferente desse quadro partidário que está aí está fazendo essa gente se precipitar, partindo para atitudes etéreas e até niilistas. Basta ver o que esses caras andam dizendo nos espaços de debate promovidos pelo partido.

Ou esses caras tomam jeito ou o Partido Novo, que pretende ser a terceira via da política nacional, acabará apenas polarizando com o PSTU. Que, assim como o Novo, não tem deputados federais.

domingo, 28 de dezembro de 2014

Lembranças da Cantinho Musical

Comentários para Lojas de discos fechadas: imagens valem mais que palavras publicados no Facebook:

A matéria é verídica, mas exagerou na seleção de fotos. Botaram foto aí de lojas que devem ter fechado há décadas. Só faltou a loja que marcou a minha infância: a Cantinho Musical, que ficava no Largo da Abolição, no Rio de Janeiro. Esquina da Avenida Dom Hélder Câmara com Rua da Abolição. A loja enfrentou problemas que os outros comerciantes da área também enfrentaram: alagamentos constantes. Cheguei a ver cassetes originais do disco V da Legião Urbana encharcados com as águas das enchentes. Hoje funciona no mesmo imóvel uma farmácia.

sexta-feira, 26 de dezembro de 2014

Pessoal baixando porrete pra cima do Chico Alencar e do PSOL

Mesmo discordando de sua linha política, resolvi acompanhar hoje a página oficial de Chico Alencar no Facebook. Hoje Chico questionou o novo ministério de Dilma Rousseff. Pra quê? Pra tudo quanto é seguidor da página baixar porrete no Chico e no PSOL, já que vários próceres do partido apoiaram a reeleição de Dilma Rousseff, pelo menos no 2º turno presidencial de 2014. Resolvi deixar um comentário em cima de comentários de outros internautas:

Conforme já foi dito aqui, o Governo Lula-Dilma está pior do que seria o Governo Aécio. E olha que pra ser pior que o Aécio é necessário um esforço fenomenal.

Também curti alguns comentários contrários ao Chico, ao PSOL e ao Governo Lula-Dilma.

No atual quadro partidário, os melhores candidatos são os derrotados, porque esses fazem merda FORA dos governos. Quem faz merda NOS GOVERNOS são os eleitos.

Mais comentários aqui.

quinta-feira, 25 de dezembro de 2014

Capitalismo dispensa democracia. Liberalismo, não

Uma das discordâncias que tenho com alguns liberalistas econômicos é com a insistência de classificarem alguns conservadores como liberais. Não levo a sério essa gente. Nem conhecem minimamente as ideias políticas e econômicas que defendem. Liberalismo necessita de liberdades individuais. Não existe quando o Estado se mete nas escolhas individuais de cada um. Tem uns imbecis liberais que classificam um sujeito como o general Augusto Pinochet como um liberal, só porque ele apoiou uma liberalidade econômica. Só que o homem era extremamente conservador na política. Combatia as liberdades individuais. Até o rock ele proibiu em todo o território chileno. E se ele promoveu diversas privatizações, nem por isso o Estado chileno deixou de ser um pesado estorvo na vida dos cidadãos. O próprio Estado era comandado por agentes armados dele próprio: os militares. O Estado se insubordinava contra quem lhe banca e a quem deveria servir: os cidadãos chilenos. Não há liberalismo político onde o Estado oprime o cidadão.

Ao contrário do liberalismo, o capitalismo dispensa democracia. Vide aí os maus exemplos dos regimes fechados onde há um capitalismo forte. Tanto o regime pinochetista como o do Partido Comunista da China, que é um regime de Capitalismo de Estado, onde só prosperam os negócios privados (seja com sócios locais ou estrangeiros) que estiverem autorizados e aliados ao governo da China e enquadrados na planificação governamental. Na China é liberalismo zero, portanto. Não há liberalismo econômico nem político. Só há o capitalismo de Estado e comunismo político. Parece ser esse o modelo que o governo cubano pretende atingir agora: capitalismo de Estado e comunismo político. O próprio presidente Raúl Castro já avisou que o sistema político comunista permanecerá.

Na história do liberalismo, tivemos pelo menos um caso de liberal que governou seu país a bordo de um partido conservador: Margaret Thatcher. Ela acreditava que os integrantes do Partido Conservador nos anos 1970 eram conservadores até em questões econômicas, e que eram tão demagogos quanto os trabalhistas. Isso até que ela conseguisse reunir uma maioria de liberalistas econômicos dentro do Partido Conservador suficiente para leva-la ao cargo de primeira-ministra do Reino Unido, sucedendo o trabalhista James Callaghan. Era praticamente impossível haver na gestão de Thatcher uma classe de agentes do Estado subjugando o país inteiro, como aconteceu nos regimes militares latino-americanos. Thatcher teve seu mandato e a maioria partidária no Parlamento ameaçados várias vezes durante sua gestão, e acabou sucedida por John Major, um colega de partido. Mas deixou seu partido mudado para um perfil conservador liberal que permanece até hoje.

domingo, 21 de dezembro de 2014

A falta de coragem das novas gerações do rock nacional

Comentários para Combate Rock publicados no Facebook:

O problema é que, nas novas gerações do rock nacional, há muita gente liberal ou conservadora. Não necessariamente ligados ao rock gospel ou ao rock católico. Mas ficam tudo quietinhos com o cu na mão, com medo que a militância/milícia os chamem de coxinhas, reaças, conservas, neoliberais, tucanalhas, viúvos da ditadura, etc.

Enquanto isso, os populistas dominam a música brasileira. Só ficam putinhos porque Seu Lula viu 2 Filhos de Francisco no Aerolula através de um DVD pirata.

sábado, 20 de dezembro de 2014

Natalie Portman diz que Star Wars quase arruinou sua carreira


Resposta para Cena Pop publicada no Facebook aqui e aqui:

Todo meu apoio a Natalie Portman.

As críticas da moça à produção do Episódio III de Star Wars foram tão pesadas que George Lucas reduziu o papel dela ao mínimo necessário para ser o papel da mulher de Darth Vader e mãe de Luke e Leia.

Agora, convenhamos. Soa meio contraditório criticar Star Wars e depois topar um papel menor nos filmes do Thor. Outra franquia de cinema-pipoca da Disney.

sábado, 13 de dezembro de 2014

Os hipsters que lideram os protestos contra o Governo Lula-Dilma em São Paulo

Resposta para El País publicada no Facebook aqui e aqui:

O difícil será esses garotos tirarem de suas manifestações a presença da direita estatólatra saudosa do regime militar. Inclusive de figuras defastas como as do clã Bolsonaro, a quem não tenho a menor consideração, apesar das richas com os rosários picaretas, os frouxos e os BBBs da vida.

domingo, 7 de dezembro de 2014

Mais candidatos para o Troféu Tolo do Ano 2014

Todos eles indicados por Waldyr Lage, leitor deste blogue:

1. MERVAL PEREIRA e seu estrume bucal;
2. LOBÃO, o otário auto-denominado;
3. FELIPÃO de cangalha e capim;
4. REINALDO AZEVEDO e seu pedantismo e insegurança.

Vale esclarecer: ontem houve em São Paulo mais uma manifestação contra aquela inominável presidenta incompetenta. A respeito da ausência de Aécio Neves na manifestação, Lobão disse:

“Cadê o Aécio? Tô pagando de otário.”



Aécio Neves, o ex-presidenciável do tetra derrotado PSDB, também merece sua indicação para o troféu. O PSDB está rumo ao penta?

Por enquanto, o troféu não irá para o Felipão nem para essa gente da política. Até agora ninguém superou o atual líder da corrida pelo Troféu Tolo do Ano 2014. O ano está acabando. Logo vocês saberão quem é o vencedor do troféu.

sábado, 6 de dezembro de 2014

Que tal uma reação liberal?

Resposta para Correio do Brasil publicada no Facebook aqui e aqui:

Não podemos entrar no jogo desses conservadores que pregam uma solução golpista de agentes do Estado (militares, magistrados, parlamentares, etc) para atacar o Governo Lula-Dilma. Maus agentes do Estado não resolvem problemas do Estado. Contra o conservadorismo, urge uma reação liberal contra a bandalheira de políticos e de agentes estatais, da ultradireita à ultraesquerda.

Se os liberais fizerem caca, partamos pra cima deles, também.

terça-feira, 2 de dezembro de 2014

Deixem Tolkien descansar em paz!

Resposta para Omelete:

Espero que, depois do filme dos cinco exércitos, Peter Jackson e esses caras da New Line e da MGM parem de mexer com a obra de Tolkien. Ainda mais depois do vexame daquele desolador filme do Smaug, que eu não gostei. Nem um amigo meu, professor de inglês e fanzaço da obra de Tolkien, desses que compram e leem todos os livros em inglês.

Função Futebol não melhora os times

Os fabricantes de televisores estão implantando em alguns modelos de aparelhos uma função chamada Função Futebol, que, segundo dizem, realçam alguns elementos das transmissões futebolísticas, como a cor do gramado.

De que adianta função futebol se a dupla Fla-Flu continua dando bobeira e o Vasco e o Botafogo viraram times ioiô (sobem, descem, sobem, descem)?

domingo, 30 de novembro de 2014

Primeiras impressões sobre o primeiro teaser trailer de Star Wars: The Force Awakens



Textos publicados no Facebook:

Ainda vai ter gente com saudade do George Lucas. Desde que comprou a Lucasfilm, os caras da Disney começaram a mudar os sabres de luz. No Rebels, já tivemos sabre de luz com altura do feixe ajustável e o sabre duplo do Inquisidor tem empunhadura circular. E olha que Rebels se passa antes da Trilogia Clássica... Agora essa cruz de luz no teaser do The Force Awakens.

E aquela cabeça de dróide astromático rolando uma bola? Putz...

Enquanto isso, mais um gol da Alemanha!

Jar Jar Abrams fez Star Trek virar Star Wars, segundo os trekkers. Agora Jar Jar fará Star Wars virar o Star Trek do Jar Jar.

Tomara que eu esteja errado.

sábado, 29 de novembro de 2014

Depois do chororô dos tetra derrotados, o chororô dos tetra vencedores

Resposta para Linhaça Atômica e Correio do Brasil publicada no Facebook aqui e aqui:

Governo Dilma parece implantar o programa de Aécio Neves

Dilma, em Fortaleza, tenta acalmar os ânimos da militância petista

Sabem o que é pior que chororô da direita tetra derrotada?

Chororô da esquerda tetra vencedora.

Rumo ao penta? Ao hexa? ...

Se eu fosse dono de fábrica de chupetas e mamadeiras, estaria ficando milionário.

Essa gente faz mi mi mi por motivos que eles mesmos provocaram. Continuarei assistindo de camarote.

Não se metam a besta de reclamar de mim. Não votei nem voto nesses tetra vencedores. Reclamem dos eleitores deles.

quinta-feira, 27 de novembro de 2014

Indignação seletiva contra o futebol

Os amigos que reclamam justamente do massacre midiático em torno da $eleção, do Fluminense, do Flamengo, do Vasco e do Botafogo não reclamam do massacre em torno de times paulistas e mineiros.

O problema dessa gente é só com o futebol carioca e a $eleção. Tou vendo, hein!

sexta-feira, 21 de novembro de 2014

Plebe Rude repudia uso de músicas da banda em manifestações políticas

Comentários para Whiplash publicados no Facebook:

Se o pessoal tivesse visto o patrocínio da Petrobrás no CD R Ao Contrário e do Governo do Distrito Federal no CD/DVD Rachando Concreto, jamais usariam músicas dessa banda.

Falta de conhecimentos gerais dá nisso. Ficam só nos seus infinitos particulares...

quinta-feira, 20 de novembro de 2014

MAVs tentam derrubar página sobre o Partido Novo na Wikipedia

E não foi a primeira! Esta é a segunda vez. Na primeira conseguiram, quando a página se chamava Partido Novo. Agora a página se chama NOVO (partido político).

Segundo um dos editores da Wikipedia, chamado Fabiano, houve burla do título Partido Novo pelo criador da página. Da primeira vez, a página foi provavelmente eliminada porque, além de o partido ainda ser desconhecido, os editores imaginaram que Partido Novo ou Novo são expressões genéricas, não podendo ser nome de partido. Só que agora Novo É nome de partido.

Segundo Fabiano, estes são os critérios para que uma página sobre partido político seja mantida na Wikipedia:

Todos os partidos políticos registrados oficialmente na política oficial de determinado país ou estado, e que tenham participado de alguma eleição.

Partidos que sejam objeto de debates, teses ou demais trabalhos no meio acadêmico; ou que foram por algum motivo objeto de inúmeras reportagens a nível nacional.


Ao meu ver, a página do Partido Novo cumpre ao menos o segundo critério. A página não cumpre o primeiro critério (o Novo não foi ainda registrado no TSE nem disputou eleição) nem foi ainda objeto de discussões acadêmicas, mas cumpre plenamente o critério das reportagens na imprensa nacional.

A página continua aberta, mas foi aberta uma votação pela eliminação ou manutenção, para editores antigos da Wikipedia que tenham feito 300 ou mais alterações de páginas da Wikipedia. A Wikipedia ainda está aberta para votos e comentários dos editores.

A página sobre o Partido Novo tem que ser mantida. Não cabe à Wikipedia atender às chantagens dos MAVs (Militantes em Ambientes Virtuais) que negam o direito à existência aos partidos opostos às suas tendências políticas. Se alguém quiser questionar as ideias e procedimentos do Novo, que faça isso em fóruns e outros espaços de debate, sem negar ao Novo o direito à existência e de ter sua trajetória registrada de maneira isenta e enciclopedicamente na Wikipedia.

Na própria Wikipedia estão colocando várias referências na grande imprensa e na Internet sobre o Partido Novo: Revista Veja, Revista Valor Econômico, Brasil 247, Mercado Popular, IG - Último Segundo, Folha de São Paulo, Instituto Mises, Eleitoral Brasil, Portal PUC-Rio, Colégio Web, Brasília Capital, Eleições Rondônia, +RO, Paraiba.com.br, Infomoney, Folha Política, Diário do Poder, Tribuna Hoje, Terra... E ainda tem as entrevistas do presidente do partido nas revistas Veja e Época. A da Época teve até chamada na capa da revista. No geral, há referências neutras, positivas e negativas. A matéria do Brasil 247 é um bom exemplo de matéria desfavorável. Mas todas juntas corroboram para atestar que o Partido Novo tem relevância jornalística. A página tem que ficar na Wikipedia. E terá mais um motivo para ser mantida, quando o partido for homologado pelo TSE. O registro está pronto e na fila da pauta do plenário do tribunal.

quarta-feira, 19 de novembro de 2014

Saudade de uma tendência: FM é entretenimento, cultura, música, AM é comunicação, futebol, notícia

Os caras mesmos criam uma tendência, e eu fui criado ouvindo essa tendência: FM é entretenimento, cultura, música, AM é comunicação, futebol, notícia, "o fato no ato", como dizia a saudosa JB AM. Aí os caras acabam com a tendência que eles mesmos criaram na década em que eu nasci, fazendo agora a festa de Fausto Silva e de Heródoto Barbeiro que dizem que FM não deve ser diferente de AM, e dos "pogreçistas" que afirmam que FM musical é alienação de música vinda "duzistêites". Aí tome blá blá blá populista demagógico, jabá futebolístico e jornalismo tendencioso no FM, e AMs entregues à picaretagem da fé, que depois também adentrou o FM. Só falta chegar a defensora de amarramento de pessoas em postes ao dial carioca, pra fechar a tampa do caixão do FM. Porque o cadáver já está fedendo. O cadáver do AM já foi enterrado pela incompetenta, com a transferência das AMs para o FM estendido.

E viva a MP3 FM!

Texto publicado originalmente no Blogue do Tributo.

segunda-feira, 17 de novembro de 2014

Tirar o PSDB do poder em 2002 foi pouco

Resposta para Marcelo Pereira publicada no Facebook:

Esse bando de empreiteiras corrompeu o quadro partidário inteiro. Tucanos, petistas, PMDBistas, pepistas...

Acredito que muita gente boa e nem tão boa assim pensa que tirar o PSDB do poder em 2002 foi uma punição suficiente para a bandalheira que cometeram. Tira-los do poder foi pouco!

domingo, 16 de novembro de 2014

Comentários para 'Efeito Francisco: diminuição de católicos'

Comentários para Fratres in Unum:

Sobre a evasão de católicos no Brasil e na América Latina, tomara que todos os que fiquem sejam realmente fiéis, não infiéis. Isso é o que importa. O resto importa à ciência estatística, não à salvação.

Ao colocar o bem-estar material acima do bem-estar espiritual, a Igreja pode se tornar exatamente o que o Papa Francisco disse que a Igreja não deveria ser: uma ONG piedosa. Antes fosse! Na verdade, a Igreja está se tornando tão somente uma ONG. E ONG não piedosa. Haja visto como as autoridades eclesiásticas (como o próprio Papa Francisco) tratam os tradicionalistas.

quinta-feira, 13 de novembro de 2014

Grandes grupos midiáticos subservientes ao Estado prontos para serem atingidos exatamente pelo Estado

Resposta para TV Magazine:

Historicamente a Globo e a Band sempre foram subservientes ao Estado. Não necessariamente ao Governo de plantão, ainda mais o atual. Embora o Governo tenha que atuar necessariamente dentro do Estado, são duas coisas distintas. O Governo é algo que começa e acaba, e pode ser substituído periodicamente por outro Governo, ou a qualquer momento em rupturas institucionais. Enquanto que o Estado só não é permanente na utopia dos anarquistas e dos anarcocapitalistas.

Uma intervenção do Estado no poder global e no bandiano não deixaria de ser uma merecida ironia para quem sempre viveu pendurado no Estado.

Como não mexerão no poder universal, esse projeto está fadado cair sozinho. Por falta de credibilidade e evidente parcialidade. A credibilidade desse projeto é a mesma dos grupos midiáticos que pretende atingir.

sexta-feira, 7 de novembro de 2014

O rádio reduzido a um interminável blá blá blá

Escrevo este texto diante da notícia do fim do rádio musical no outrora pródigo em boas rádios musicais Sistema Globo de Rádio (Mundial AM 860, Eldorado AM 1180, Globo FM 92,5, Eldo Pop FM 98,1). A Beat 98 FM 98,1 (que no passado foi a saudosa Eldo Pop FM e depois 98 FM) está prevista para sair do ar no próximo dia 17, para se tornar uma repetidora da Rádio Globo AM 1220, que está deixando de arrendar a FM 89,5 (ex-Manchete FM, ex-Manchete Gospel, ex-Nova Brasil FM e ex-Nossa Rádio FM). A Beat 98 e todo o sistema de rádio musical do Sistema Globo estão sendo transferidos para o portal Rádio Beat, que não traz nada de novo em relação a portais e serviços de rádio online melhores que há por aí.

Por algum tempo, entre os anos 70 e 90, nós tínhamos uma segmentação no rádio. Havia rádios de vários segmentos. E havia também uma segmentação entre os dials. Rádio falado no AM, com comunicação, serviço comunitário, jornalismo e coberturas esportivas. Rádio musical no FM, com segmentação musical, jornalismo sucinto e eventualmente entrevistas com os artistas executados nas emissoras. Havia excelentes emissoras, tanto no AM como no FM.

Havia também algumas FMs que, longe de representarem alguma segmentação autêntica no dial FM, foram criadas apenas para imitar outras (imitar mal e porcamente a Rádio Cidade FM 102,9 era de praxe), para promover uma programação alienante e para gerar faturamento à custa de pagar mal a poucos funcionários e receber toneladas de jabá de gravadoras, de produtoras e de artistas.

Paralelamente, por muito tempo profissionais da comunicação combatiam a segmentação radiofônica, e mesmo a existência de dois estilos de rádio distintos: o AM e o FM. Já na Rede Globo, Faustão (egresso do radiojornalismo esportivo da Jovem Pan AM) criticava a segmentação de estilos entre o AM e o FM. Heródoto Barbeiro fazia o mesmo na CBN, brigando para que a então CBN AM 780 de São Paulo transformasse a então X FM 90,5 (então em processo de encerramento de atividades) em mera repetidora da CBN. Isso já nos anos 90. Na década seguinte, a CBN AM 860 do Rio repetiu a mesma atitude, transformando a Globo FM 92,5 em sua repetidora. Nenhuma palavra dos tecnocratas do rádio a respeito dos profissionais demitidos da X FM e da Globo FM. O mesmo processo foi feito também por outros grandes grupos radiofônicos pelo país afora. Rádios AM como Bandeirantes, Itatiaia, Gaúcha, Tupi e Globo também passaram a ter repetidoras no FM. Resultado: menos postos de trabalho no FM. Ao mesmo tempo, tivemos várias FMs não repetidoras de AM vilipendiando o formato do rádio AM, praticando apartheid tecnológico contra as AMs de verdade. E tome FM transmitindo futebol, corrida de Fórmula 1 e colocando no ar comunicadores tendenciosos para falar pelos cotovelos. Algumas FMs ainda mantiveram um ou outro programa musical entre um programa falado e outro, geralmente transmitindo músicas pop, popularescas ou religiosas. Outras FMs baniram os programas musicais, abraçando de vez o modelo de rádio AM. As poucas FMs musicais que sobraram (noves fora algumas estatais, universitárias e outras raras exceções) se dessegmentaram, se restringindo a poucos gêneros: pop, popularesco, gagá contemporâneo e música religiosa. Não se confirmou a falácia dos tecnocratas radiofônicos segundo a qual o rádio falado acabaria com a má qualidade da programação musical em algumas FMs. Pelo contrário: as boas FMs musicais é que foram ejetadas do dial.

Resumindo: o vilipêndio do formato AM pelas FMs foi o estopim do fim da segmentação entre AM e FM, da asfixia econômica das AMs, do fim da segmentação musical do FM, do fechamento de postos de trabalho no rádio e do interminável blá blá blá das atuais FMs, com seus âncoras, comunicadores e comentaristas tendenciosos.

Cedendo aos tecnocratas do rádio, o Governo Federal sepultará de vez o dial AM, ao promover a transferência de todas as AMs para o FM. Isso se os caras dos órgãos públicos que atuam no Sumaré deixarem! Se até meados dos anos 90 nós tínhamos excelentes rádios AM, excelentes rádios FM e alguns maus exemplos de FMs alienantes, agora ficaremos com uma única régua de rádios, somando dial FM com dial FM estendido. Uma régua cheia de AMs tendenciosas com um interminável blá blá blá. Até mesmo as rádios pop, popularescas, gagás contemporâneas e de música religiosa deverão ser ejetadas do dial, como aconteceu com uma série de FMs do dial carioca e como acontecerá agora com a Beat 98.

Como daqui a algum tempo o povo se mudará para as rádios que transmitem para Internet, dispositivos conectados (como smartfones) e serviços pagos (como os de TV paga), a ruína do dial FM será mais rápida que a ruína do dial AM. Quando inventarem o rádio transmitido via wi-fi para chips neurais, até essas rádios que transmitem pela Internet, por serviços pagos ou para dispositivos conectados deverão sucumbir.

Texto publicado originalmente no Tributo ao Rádio do Rio de Janeiro e no Blogue do Tributo.

quinta-feira, 6 de novembro de 2014

quarta-feira, 5 de novembro de 2014

TV Senado nos Trending Topics do Twitter


Por causa de um discurso do senador Aécio Neves (PSDB-MG) em seu retorno ao Senado após a derrota na eleição presidencial, ontem à tarde a TV Senado foi parar nos Trending Topics do Twitter.

E olha que Tasso Jereissati (PSDB-CE), Ronaldo Caiado (DEM-GO), Antônio Anastasia (PSDB-MG), Romário (PSB-RJ) e José Serra (PSDB-SP) nem tomaram posse. Imaginem a TV Senado em 2015!

sexta-feira, 31 de outubro de 2014

E se fizessem o filme 'Petrvs II'?

Comentários para Omelete:

Falam muito da falta de criatividade do cinema. E tome sequências, prequels, reboots, refilmagens, versões, adaptações...

Talvez porque as pessoas que lideram a indústria do cinema entendem de ganhar grana, mas não tem dom pra criarem boas histórias nem procuram quem tenha. Muitos desses estão fora do mercado, e talvez nem tenham tantas ideias assim. Eu mesmo imagino o dia em que alguém terá culhões para fazer um filme chamado Petrvs II (Petrus Segundus, assim mesmo, em latim arcaico), um filme sobre um fictício Papa Pedro II, que poderia abordar a guerra política interna da Igreja (tradicionalistas, conservadores, carismáticos, progressistas), suas relações com o mundo e até mesmo brincaria com as supostas profecias de Nostradamus a respeito desse pontífice. Superaria até os filmes baseados na obra de Dan Brown.

quinta-feira, 30 de outubro de 2014

Eleições 2014: Desmascarando o mito da cidade "esquerda caviar"

Nesta terra brasileira de mil preconceitos regionais, principalmente contra os amigos do Nordeste, destaco aqui os destilados contra esta cidade: o Rio de Janeiro. O pessoal se prende à votação geral no ESTADO DO RIO DE JANEIRO, onde Dilma Rousseff teve no segundo turno uma votação bem mais contundente que a de Aécio Neves. Mas nem contra o estado ou a cidade o pessoal deveria destilar preconceito.

Aqui destacarei apenas a votação na CIDADE DO RIO DE JANEIRO. Longe da contundente vitória dilmista no resto do estado (noves fora onde Aécio venceu com folga, como em Niterói), a cidade do Rio praticamente foi um espelho do Brasil: uma eleição praticamente empatada, com pequena vantagem de Dilma Rousseff, como pode ser verificado aqui. O G1 apresentou um quadro com a votação no estado nos dois turnos. Dentro deste quadro, há a votação apenas na cidade do Rio de Janeiro no segundo turno separada por zonas eleitorais. É possível perceber claramente que Dilma Rousseff venceu em todas as zonas eleitorais da Zona Oeste e Aécio Neves venceu em todas as zonas eleitorais da Baixada de Jacarepaguá. No restante da cidade, os dois candidatos tiveram vitórias em zonas eleitorais em áreas da cidade tidas como domínio da candidatura adversária. Dilma venceu na 179ª Zona Eleitoral (Barra), 211ª (Jardim Botânico) e 164ª (Laranjeiras). Há de se anotar que a 211ª Zona Eleitoral engloba Rocinha e Vidigal, duas das maiores áreas carentes da cidade. Já Aécio Neves venceu em pelo menos quatro zonas eleitorais suburbanas onde uma vitória dele seria inimaginável até 2010: 15ª (Marechal Hermes), 14ª (Todos os Santos), 215ª e 216ª (Del Castilho). As vitórias de Dilma e Aécio nas demais zonas eleitorais da Zona Norte estão dentro do esperado: vitórias de Aécio em zonas eleitorais de classe média (Méier, Maracanã, Tijuca, Vila Isabel, Ilha do Governador e Portuguesa da Ilha) e Dilma Rousseff vencendo em todas as outras zonas eleitorais.

Pelo menos esses resultados desmascaram o mito da cidade "esquerda caviar" que os preconceituosos querem impor a esta cidade.

Encerrando, deixo aqui um atalho para a votação da zona eleitoral onde voto: a 14ª. Basta consultar o portal do TRE. Dá pra mostrar na cara dos aecistas com raivinha das áreas que ajudaram Dilma Rousseff a ganhar. Aqui a papisa do lulismo não se criou. Nem no primeiro turno!

Leia mais em Se dependesse da cidade do Rio, Dilma Rousseff nem estaria no 2º turno.

segunda-feira, 27 de outubro de 2014

Em 2013 foram pra rua exigir mudanças


Em 2014 reelegem Alckmin, Pezão e Dilma.

Da próxima vez não me chamem pra ir pra rua. Ficarei em casa.

P.S: Não fui pra a rua em 2013. Embora tenha gerado excelentes imagens de multidões nas ruas (confesso que algumas me comoveram), já sabia como acabaria tamanha hipocrisia.

quarta-feira, 22 de outubro de 2014

terça-feira, 21 de outubro de 2014

Rodrigo Constantino apelando

Quando vemos Rodrigo Constantino fazendo uma suposta defesa dos funcionários e dos concursos públicos, isso é um sinal de que Aécio Neves já perdeu esta eleição, posto que é o candidato presidencial defendido por Rodrigo.

Texto de Rodrigo Constantino aqui.

sábado, 18 de outubro de 2014

Uma visão liberal clássica para o transporte público municipal por ônibus

Resposta para o grupo Transproblemas - Imobilidade Urbana:

Pelo que vejo há anos nas discussões entre busólogos, as péssimas experiências com estatização dos ônibus municipais (seja a encampação nos anos 80 ou o atual domínio da SMTR) fizeram crescer entre os busólogos uma visão liberal clássica sobre o transporte público, embora não totalmente liberal clássica. O Estado (aqui englobando tudo: União, estados, municípios e Distrito Federal) tem que deixar as empresas concessionárias apresentarem seus serviços mais livremente, para que se distinga bem as que prestam bons serviços das de mau serviço. O Estado deve fiscalizar, não operar o sistema, como tem sido feito.

Lembre-se que o modelo anterior de empresas mais livres porém atuando sem licitação (mantendo suas autorizações precárias à base de trocas de favores com prefeitos e vereadores, inclusive bancando campanhas eleitorais) tinha suas falhas. Mas bem menos que o atual modelo estatizante.

Só não se pode trocar monopólio estatal por monopólio privado com fiscalização precária, como acontece com os trens e o Metrô.

sexta-feira, 17 de outubro de 2014

terça-feira, 14 de outubro de 2014

O PiG de hoje será o PiG governista de amanhã e vice-versa?

Resposta para O Espiritualismo Ocidental:

Se a mesma imprensa tida como golpista ver uma mudança de governo federal, é provável que ela vire imprensa governista, tal como as imprensas estaduais o são em relação a governos estaduais do Rio, de São Paulo, de Minas.... Aí quem se tornaria o novo Partido da Imprensa Golpista a nível federal? A blogosfera progressista, provavelmente.

segunda-feira, 13 de outubro de 2014

Sony baixando o nível do Homem-Aranha

Resposta para Omelete:

Depois de um longo e tenebroso inverno, onde teve de tudo, de um 7 a 1 histórico da seleção alemã sobre a seleção do Felipão na "Copa das Copas" a uma morte (provocada?) de candidato a presidente da República, só ontem vi esse The Amazing Spider-Man 2, num blu-ray oficial.

Bem fiz em não ter gasto um tostão pra ter ido ao cinema ver essa joça. O filme é absolutamente indigno de carregar a marca do mais famoso personagem da Marvel Comics. A parte técnica é boa e tal, e o roteiro é bem montado, nada mais que isso. Todas as críticas que fizeram contra o filme são justas. Principalmente quanto à má construção dos antagonistas do teioso.

O que mais torna esse filme indigno de figurar como opção de diversão para crianças e a família toda (já que crianças não vão sozinhas ao cinema, tem que ser levadas por pais, tios, avós ou primos ou irmãos mais velhos) é essa CAGADA que fizeram com a Gwen. Fazer a personagem morrer caída das alturas com uma cabeçada no chão, com direito a sonoplastia de crânio se quebrando e sangue rolando das narinas? Sim, a personagem também foi morta nos quadrinhos em junho de 1973 pelo mesmo vilão Duende Verde, mas precisavam apelar tanto no cinema?

Se for verdade que a Sony está prestes a capitular e entregar o Homem-Aranha para os filmes da Marvel a partir do Vingadores 3, que aproveitem e ignorem essa imbecilidade que fizeram com a franquia do teioso nessa (até agora) bilogia de Marc Webb. Nem o Sam Raimi com seu Homem-Aranha com teia brotando dos pulsos foi tão baixo. Sinto pena das crianças e dos responsáveis que foram ver esse malfadado The Amazing Spider-Man 2.

domingo, 12 de outubro de 2014

Os caras nem sabem que há mais de um conservadorismo

Comentários para Guilherme Boulos, na Folha de São Paulo:

Muita gente reclama da onda conservadora. Nem sabem o que é conservadorismo e nem que há mais de um conservadorismo, inclusive diferentes desse que está aí comentado. Se soubessem, ficariam quietos, torcendo pra ficar só nisso. Esperem só chegar a onda liberal, que está sendo gerada nos subterrâneos. Quando esta chegar, virá um confronto conservadorismo vs. liberalismo que eventualmente os colocará do lado de fora chupando dedo.

sábado, 11 de outubro de 2014

PSOListas surgiram com os termos "apoio crítico" e "voto crítico"

Foi em 2006, durante as eleições presidenciais daquele ano, quando Lula venceu Geraldo Alckmin. Com sua candidata Heloísa Helena fora do segundo turno, vários militantes do PSOL disseram que dariam "apoio crítico" e "voto crítico" para Lula, continuando a lhe fazer oposição. Continuaram a dar "apoio crítico" e "voto crítico" em segundos turnos para candidatos de esquerda pelo país afora, nos anos seguintes.

Agora várias figuras do PSOL retomam o "voto crítico", desta vez para Dilma Rousseff. Entre elas Marcelo Freixo. Só que "apoio crítico" e "voto crítico" viraram lugar comum, ainda mais nesta democracia de voto obrigatório, inclusive no segundo turno, onde só há dois candidatos para cada cargo eletivo. Não raramente, ambos candidatos com consideráveis índices de rejeição. O que tem de gente por aí dando apoio crítico e voto crítico para Aécio Neves, Pezão e Marcelo Crivella é uma grandeza. Só que os caras do PSOL não podem reclamar. Foram eles que surgiram com os termos na atual Nova República. A população aprendeu. Agora tomem.

sexta-feira, 10 de outubro de 2014

Se dependesse da cidade do Rio, Dilma Rousseff nem estaria no 2º turno

Pelo menos é o que diz o resultado oficial do TRE, que aponta Marina Silva como a primeira colocada na cidade, Aécio Neves com o segundo colocado e Dilma Rousseff em terceiro lugar na votação da eleição presidencial, ocorrida no domingo passado. O resultado na cidade foi tão acirrado que os três candidatos lideraram a votação em várias zonas eleitorais. Onde voto deu Aécio em primeiro lugar e Marina em segundo. Resultado aqui.

O prestígio de Dilma Rousseff e de seu partido já foram maiores nesta cidade. Essa queda de prestígio deles acaba com alguns clichês construídos a respeito do Rio de Janeiro.

sábado, 4 de outubro de 2014

Pontificado do Papa Francisco é um desastre político sem precedentes

Nem entro no mérito de alguns êxitos como a renovação da presença dos párocos e dos vigários no dia a dia das comunidades, a ainda incompleta reforma da Cúria Romana e a punição rigorosa de traidores dos votos, sobretudo de castidade, tendo até um cardeal preso na carceragem vaticana pronto para ser extraditado para a República Dominicana para responder a acusações de pedofilia. Aqui trato apenas da política, que é algo em que os papas podem cometer erros, pois na teologia católica os papas sempre acertam apenas em definições dogmáticas sobre fé e doutrina, sem estarem isentos de erros de gestão pastoral, fazendo com que sucessores possam adotar linhas, estratégias e procedimentos pastorais diferentes.

Ao longo da história, vários papas conseguiram vitórias políticas para a Igreja. Outros cometeram desatinos que provocaram prejuízos registrados nos livros de história. Dos papas mais recentes, o mais bem sucedido foi de longe São João Paulo II, um dos responsáveis pela queda do comunismo no Leste Europeu e também pela perda de influência política da Teologia da Libertação sobre parte do clero, dos religiosos e dos fiéis. Seu sucessor Bento XVI se preocupou apenas em reafirmar a fé católica, conseguindo poucas vitória políticas para a Igreja, ao contrário do que conseguiu nos tempos de cardeal, quando dividiu com São João Paulo II as vitórias contra a Teologia da Libertação.

Fora os êxitos na organização interna da Igreja e na colaboração com os estados nacionais no combate ao crime, sobra pouco de positivo no pontificado do Papa Francisco. Basicamente sobra o sucesso de relações públicas do próprio pontífice, que só tem precedentes no pontificado recente de São João Paulo II, ainda que as diferenças entre os dois sejam flagrantes. Se fosse mais novo, Papa Chico também seria um papa peregrino, batendo recordes de quilometragem aérea em viagens pelo mundo afora e em número de países visitados. O sucesso de relações interpessoais do Papa Chico não é transferido para a Igreja. Politicamente, o pontificado atual é um desastre político sem precedentes. Papa Chico seria um CNBBista, se não fosse argentino. Os liberados adeptos da Teologia da Libertação ficaram mais felizes e serelepes do que nunca. Os aliados da TL (mas não da Igreja) também estão felizes e serelepes. Vários destes foram colocados dentro da Pontifícia Academia de Ciências, como atesta o próprio MST. Essa gente não perde a primeira oportunidade de apunhalar a Igreja pelas costas na primeira oportunidade posterior aos papos furados frente a frente. Católicos tradicionalistas e católicos conservadores são sumariamente reprimidos pelo Papa, praticamente numa vingança pessoal. Para sobreviverem à sanha bergogliana, carismáticos trocam figurinhas com os "pogreçistas".

No futuro, o que ficará do pontificado do Papa Francisco serão as lembranças de um Papa campeão de relações interpessoais e uma igreja mais organizada internamente, mas derrotada politicamente. Resultado direto para a abertura de concessões para quem não dá contrapartida alguma e ainda apunhala pelas costas. Ainda ficará a institucionalização da baderna litúrgica, que atualmente recebe registros em vários blogues.

quinta-feira, 2 de outubro de 2014

"Católica" vs. Paulo Batista



Poderia se esperar que as primeiras críticas capciosas contra o candidato a deputado estadual Paulo Batista (PRP-SP) partissem de políticos e militantes de partidos como PT, PSOL, PSTU, PCB ou PCO. Mas elas partiram não destes, mas de uma internauta que está espalhando estes banners no Facebook. Uma internauta que se assume como conservadora e "católica". Ponho católica entre aspas porque é difícil reconhecer como autenticamente católico uma pessoa desconhecida, neste país dos católicos de Ibope e de IBGE.

Basicamente, a internauta acusa Paulo Batista de ser libertário. E ainda o desqualifica por ser protestante.

Acredito ser saudável uma discussão política entre conservadores e liberais, sejam estes libertários ou não. Prefiro um debate desses que os 50 tons de vermelho da política brasileira. O próprio Paulo Batista pode ser criticado. Mas isso que a mocinha conservadora fez é o cúmulo da imbecilidade. Tem conservadores e liberais que só se unem na cadeia ou no exílio. No fundo, são como os esquerdistas brasileiros do pós-1º de abril de 1964 que só se uniam naquela época devido às circunstâncias adversas.

Felizmente, a mocinha que está espalhando estes banners no Facebook está levando porrada até num grupo de conservadores onde ela botou os banners, aqui, aqui e aqui. Pensou que todo mundo lá é otário e que iriam cair em sua conversa subconservadora e pseudocatólica.

quarta-feira, 1 de outubro de 2014

Ideias para quando a Fox topar deixar o Magneto aparecer com os filhos gêmeos em algum filme da Marvel

Comentários para Omelete:

Se a questão é de os direitos cinematográficos dos personagens Marvel não estarem todos no mesmo estúdio (no caso, a Marvel Studios), bem que alguém da Marvel Studios poderia escrever um enredo poderoso para resolver essa questão, pelo menos parcialmente, principalmente na questão da treta com a Fox. O filme Capitão América 3 poderia se beneficiar disso. Primeiro, apresenta-se o roteiro. Se a Fox topar, a Marvel bota a Fox como coprodutora (logomarcas animadas da Fox e da Marvel Studios antes de começar o filme), com direito a parte dos lucros do filme (na mídia cinema, que é a que mais rende), num papel bem maior que a Paramount na fase 1, em que esta foi mera distribuidora nos cinemas e detentora dos direitos do mercado de home video.

A história propriamente dita: Steve Rogers e os aliados da nova SHIELD (Agente Phil Coulson incluído) poderiam enfrentar a volta do Caveira Vermelha, que retomou a liderança da Hidra. Paralelamente, Magneto (que será apresentado como soberano de Utopia, que será apenas mencionada no filme) vai à casa da criatura Bova e arranca dela tudo sobre o passado dele e de Magda, inclusive a paternidade dos gêmeos Wanda e Pietro. Magneto destrói a casa de Bova, utilizando os metais da casa. Paralelo a tudo isso, Steve investiga e descobre o paradeiro de Bucky, que descobre seu passado e aceita o convite para integrar os Vingadores como Soldado Invernal. Magneto vai ao encontro dos filhos, revela ser o pai e se oferece a eles e aos demais Vingadores para ajudar no combate ao Caveira. Deixa claro que seu objetivo é apenas derrotar o Caveira, nada mais. Lá no final do filme, com Caveira já derrotado, Magneto engana os Vingadores, captura o Caveira sozinho, lhe revela ser um caçador de nazistas há décadas (pelo que ele e outros judeus passaram na 2ª Guerra Mundial) e o larga para morrer em algum canto remoto. Mas aí Thanos aparece e leva o Caveira vivo para algum lugar não revelado. Mais tarde, Wanda e Pietro dizem ao pai que lamentam que ele não queira colaborar para defender o planeta, querendo defender só suas causas, e assumem de vez suas identidades como Vingadores. Magneto vai embora sem reagir, apenas para preservar os filhos. Magneto, Utopia e os mutantes não serão mais mencionados nos filmes da Marvel Studios. Por enquanto.

A chegada de Magneto à casa de Bova apareceria como cena pós-créditos de Vingadores 2. Sem mostrar o início do diálogo sobre Magda e os gêmeos. De alguma forma o roteiro teria que deixar claro ser o Magneto. Se a Fox e Michael Fassbender topassem, ele poderia ser o ator na cena e no filme do Capitão. Assim nem a identidade do personagem precisaria ser revelada na cena de Vingadores 2.

terça-feira, 30 de setembro de 2014

Às vésperas do fim da água em São Paulo, Paulo Batista acabará apontando seu raio privatizador para a Sabesp

Resposta para Correio do Brasil:

Não demora o Paulo Batista aparecerá naquelas animações da campanha eleitoral na TV paulista apontando seu raio privatizador para a Sabesp. A campanha acabará nesta semana.

Na verdade, nenhum monopólio, cartel ou oligopólio presta. Nem estatal nem privado.

segunda-feira, 29 de setembro de 2014

Colhendo para o futuro

Eu não tenho a menor esperança no resultado desta eleição. Mas tenho esperança em coisas que estão sendo plantadas fora desse mundinho podre da política partidária atual. Tomara que vivamos para colher os frutos para quem planta e para quem mais merecer.

domingo, 28 de setembro de 2014

Coerência: amigo socialista declarou voto na Marina Silva

Um amigo sem filiação partidária disse nesta semana passada que eu (que não sou filiado a partido algum e não declaro voto) e um amigo filiado do PSB e eleitor de Marina Silva somos de direita. Agora ele mesmo declarou voto pra MARINA!

Só quando eu entrar de férias em novembro estudarei esta eleição de 2014 pra, quem sabe, talvez entender essa joça.

Ah, o amigo sem filiação partidária é socialista. Votará na candidata do PSB. Tudo em casa.

terça-feira, 23 de setembro de 2014

Nichos locais sustentam mercado fonográfico

Resposta para Whiplash:

O que sustenta o mercado fonográfico hoje em dia não somos nós, leitores do Whiplash. Nós compramos CDs de medalhões do rock e de artistas independentes. Mas os medalhões da atualidade vivem de direitos autorais e de venda de ingressos e memorabilia. Do U2 ao Coldplay. Os CDs independentes são vendidos em uma quantidade residual de cópias, que sustentam apenas as próprias gravadoras independentes (quando há) e as fábricas. Se os CDs independentes são lançados sem gravadora, os artistas vendem praticamente pelo preço de custo, como forma de divulgação e para formar currículo (a discografia). O que sustenta a indústria fonográfica hoje em dia não são mais os campeões mundiais de outrora, que vendiam milhões de discos no mundo todo. São nichos locais. Como os artistas pop japoneses, que só vendem CDs para os consumidores do Japão. Ou como os nomes do sertanejo universitário e da música gospel (evangélica ou católica), no Brasil. Enquanto assisto os executivos da indústria fonográfica em pânico, ouço os últimos espasmos da indústria fonográfica, como os novos CDs dos Titãs e dos Ratos de Porão. E ouvindo os CDs originais. Nada de baixar MP3. Também aguardando o novo do U2 chegar nas lojas...

domingo, 21 de setembro de 2014

Garotinho x Globo: Todo mundo tem telhado de vidro nessa joça

Recado aos internautas de plantão: eu sou mais informado do que vocês pensam. Eu vi o vídeo do Garotinho citando denúncias de órgãos públicos contra a Rede Globo. Não precisam entupir minha linha do tempo com esse assunto que fiquei sabendo no dia em que a entrevista foi ao ar.

Todo mundo tem telhado de vidro nessa joça. Tanto a Globo como o Garotinho. Deixemos que se apedrejem. Quero ver de camarote. Se tiverem algum material novo para me enviar, agradeço. Este já vi.

domingo, 14 de setembro de 2014

A Disney pode ferrar a franquia Star Wars

Comentários para Conselho Jedi Rio de Janeiro no Facebook reproduzidos aqui:

Os amigos hão de respeitar meu ceticismo. Não confio na Disney com relação à franquia Star Wars. Talvez mude de parecer depois de assistir o Episódio VII. Eu disse talvez. Tem que ser um filme totalmente poderoso pra eu mudar de ideia.

Eu vejo alguns protagonistas da série Rebels e percebo a influência da Disney naquela joça. Não tenho saco pra ver, nem via torrent. Estão simplesmente continuando a (lamentável) linha de George Lucas, que já tinha criado a Ahsoka Tano para o The Clone Wars, outra personagem tipicamente Disney sem ser ainda da Disney. George Lucas foi um gênio nos anos 1970. Depois, não mais.

O tratamento da Disney com o Universo Marvel foi mais respeitoso. Apesar de algumas derrapadas nos filmes Homem de Ferro 3 e Thor 2.

Há uma possibilidade de a Disney fazer algo tão decepcionante com esses novos filmes e seriados da franquia Star Wars que é capaz de decepcionar também na arrecadação. Aí a Disney vai colocar a franquia inteira em alguma gaveta empoeirada naquele famoso castelo que aparece nas aberturas dos filmes da Disney.

Pelo menos o Senado americano tratou de arquivar o Episódio V em sua famosa biblioteca. Para preservar pelo menos a obra-prima da saga Star Wars para a posteridade.

sábado, 13 de setembro de 2014

Sobre os militontos que classificam Joaquim Barbosa como 'macaco' e 'capitão do mato'

Este ano, teve clube de futebol eliminado de campeonato nacional porque teve torcedores seus chamando goleiro de time adversário de 'macaco'.

O que fazer com partidos que tem militantes que chamam Joaquim Barbosa de 'macaco' e 'capitão do mato'? Elimina da eleição? Cassa o registro no TSE?

Cartas para a redação!

quinta-feira, 11 de setembro de 2014

Presidentes da República não são eleitos apenas em um estado

Pesquisas de intenção de votos para presidente da República feitas em apenas um estado só servem pra uma coisa: direcionar a campanha dos candidatos especificamente nesses estados. Pro eleitorado em si, essas pesquisas são inúteis. Que eu saiba, presidentes da República são eleitos em todo o pais. Não apenas em São Paulo, apenas em Minas Gerais ou apenas no Rio de Janeiro.

segunda-feira, 8 de setembro de 2014

Eleitorado de Pastor Everaldo rejeita o 'Estado mínimo', segundo o Datafolha

Comentários para Folha de São Paulo publicados no Facebook:

Pastor Everaldo é, no mínimo, um neófito em política. Será que ele achava que o krent brasileiro é igual ao krent americano, que é efetivamente conservador-liberal econômico? O krent brasileiro está mais próximo do velho patrimonialismo brasileiro. Os mais radicais sonham com um Estado teocrático. O krent brasileiro só não é estatólatra como os comunistas porque diz adorar somente a Jesus e porque, afinal de contas, o comunismo pressupõe ateísmo.

Pastor Everaldo terminará polarizando esta eleição com o Zé Maria, enquanto Aécio polarizará com Luciana Genro.

Não tem Tea Party no Brasil. Se tem, só tem na Rede Globo, que acabou com o seriado Aline no meio da segunda temporada.

domingo, 7 de setembro de 2014

Em resposta, conservadores e liberalistas econômicos começam a ocupar o Estado

Resposta para Luciano Geronimo publicada no Facebook:

Luciano Geronimo

Tem que ter paciência. A direita está onde a esquerda brasileira estava em 1950, com o agravante de que não tem uma potência estrangeira para apoiá-la. Tem coisas que simplesmente não dá pra fazer rápido, se jogar pra cima de um inimigo muito mais organizado e preparado que você é pedir pra se matar.

O que o direitista comum pode fazer? Ocupar espaços. Fazer concurso publico e começar a infectar a máquina estatal, mesmo que isso vá contra as idéias dos libertários. Infectar pouco a pouco as escolas. Fazer arte direitista. Processar esquerdistas sempre que possível. Ação política antes disso tudo é muito esforço pra pouco resultado.

No passado os comunistas e os anarquistas trabalhavam nas fábricas e empresas privadas, enquanto se organizavam entre os seus companheiros. Até hoje alguns trabalham nessas empresas.

O processo inverso começou: liberais econômicos e conservadores começam a ocupar o Estado. E não é com favorzinho ou conchavo de presidente, de governador ou de prefeito algum. É por concurso, mesmo. E pra trabalhar. Um dia será o da virada. Ainda que não seja para as atuais gerações... Quando a corja perceber, será tarde.

Outro dia mesmo vi um imbecil lulista chamar um servidor federal de "concursado coxinha agente da CIA". Melhor elogio não há!

sexta-feira, 5 de setembro de 2014

Estupidez sem limites: Shimon Peres propõe ao Papa a criação de uma “ONU das Religiões”

Resposta para Fratres in Unum:

Esta é uma proposta bizarra até mesmo sob o ponto de vista estritamente político. Como já foi dito, a ONU é um colegiado de estados nacionais (na verdade, de países), com exércitos incluídos e a seu serviço. O Estado do Vaticano integra a ONU, mas é com certeza o que tem a menor tropa: a Guarda Suíça, com uns 135 soldados que mal dão conta de proteger o Papa. Vide os papas baleados, feridos e assassinados ao longo da história. Uma "ONU das religiões" com apenas um líder comandante-em-chefe de tropa armada (e mesmo assim um mero corpo de guarda) seria motivo de piada para terroristas de toda ordem.

Uma vez, ao ouvir uma crítica de um Papa, Stalin perguntou aos seus interlocutores: "Quantas divisões tem o Papa?".

quarta-feira, 3 de setembro de 2014

Debates presidenciais para poucos verem

Resposta para Blog do Coronel publicada no Facebook:

Sem querer ser chato, mas já sendo, digo que nenhum desses debates atrairá a atenção da audiência neste país de milhões de pessoas interessadas apenas em futebol, carnaval, samba, praia e bunda de fora. O debate da Band já foi tarde da noite. Esse debate do SBT feito nesse infame fim de horário comercial é só pra telespectadores assíduos das novelas cucarachas do SBT e da Televisa. O da Record deverá ir ao ar tarde da noite, também. O da CNBB (a ser transmitido por TVs católicas) deverá atrair apenas a audiência de bispos CNBBistas e de carismáticos, que já andam piscando os olhinhos para dona Marina. Além do pessoal da Teologia da Libertação, fundadores e aliados históricos do PT. Já o debate da tida como líder Globo só irá ao ar no último dia de campanha eleitoral, depois do horário eleitoral e da novela das nove que acaba quase às onze da noite. O debate mesmo acabará depois da meia noite.

Candidato que não tem tempo nem apoio de TV tem mais é que ir pra rua e pra Internet.