Política, cultura e generalidades

domingo, 1 de dezembro de 2013

Whiplash publica resenha para o mais recente CD de inéditas do Resgate


Resposta para Whiplash publicada no Facebook:

Resenha excelente, assim como o CD. Falta acertar um dado histórico: Dudu Borges trabalhou com a banda a partir do CD 'Eu continuo de pé' (2002), mas foi efetivado na banda a partir do CD Até eu envelhecer, de 2006, e permaneceu como membro efetivo da banda no CD/DVD Até eu envelhecer - Ao Vivo (2007) e no CD Ainda não é o último (2010), o primeiro pela Sony. Deixou a banda antes da gravação do Este lado para cima.

Musicalmente, a banda sempre fugiu do caminho do sucesso fácil da chamada música gospel. Sempre fizeram o som deles bem retrô, com algumas atualizações aqui e ali, e com letras em que passam os valores da banda. Se muitos ou poucos prestam atenção, a banda não está nem aí. Não muda um milímetro o seu trabalho musical para ter fama e popularidade.

Teologicamente, a banda Resgate tem representado a Reforma da Reforma, dentro de um meio assolado pela Teologia da Prosperidade. E olha que eles conviveram por longos anos com adeptos dessa teologia. Portanto, podem falar com propriedade a respeito. Não falam por "ouvir falar". Enquanto aqueles caras da Teologia da Prosperidade não se emendam, os músicos do Resgate tem humildade para mudar, e mudar para melhor. Hoje a banda está teologicamente mais próxima de uma linha tradicional, como a da Igreja Batista, onde a banda se formou poucos anos antes de ingressarem na igreja pentecostal de onde saíram em 2010. Aliás, as melhores bandas de rock do meio protestante surgiram em igrejas tradicionais ou em igrejas pequenas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário