Política, cultura e generalidades

terça-feira, 29 de outubro de 2013

Igreja Mundial, Rádio Cidade e TV aberta: uma comédia de erros de todos os lados

A Igreja Mundial anda sofrendo até com bispos e pastores que levam parte da arrecadação da igreja, conforme reportagem desta semana da IstoÉ:

Quadrilhas de pastores ladrões, dívidas milionárias com as tevês, administração amadora e investimentos equivocados na construção de grandiosos templos. O que está por trás da crise financeira da Mundial, uma das mais poderosas igrejas evangélicas do País

"Cerca de 30% dos recursos que arrecadamos são desviados por bispos e pastores. Por mês, R$ 30 milhões saem pelo ralo", afirma um alto dirigente da IMPD do Rio de Janeiro

Nessa confusão toda, sobra para as decadentes rádios e TVs abertas do Brasil. Segundo o Na Telinha, o apóstolo Valdemiro Santiago já cogitou até comprar a Rádio Cidade FM 102,9 do Rio de Janeiro, até há algumas semanas atrás ocupada por uma franquia da Jovem Pan FM e atualmente no ar sem nome fantasia. Na TV, Valdemiro atira para todos os lados. Até na TV paga, onde a Rede Mundial alugou um canal 24 horas na NET. Ameaçado de perder suas 22 horas diárias na Rede 21 (que ele tentou comprar) e 4 horas diárias na Band, o apóstolo estaria interessado em comprar pelo menos 20% da Rede TV! (segundo o TVs do RJ). Aliás, o apóstolo já teve que sair da Rede TV!, da CNT (que ele também tentou comprar) e de diversas retransmissoras pelo país afora, por falta de pagamento. O mesmo motivo que ameaça sua permanência na Rede 21 e na Band. Hoje a Igreja Mundial ocupa o canal fechado na NET e toda a grade da TV Passaponte (do grupo Universo, do ex-senador Wellington Salgado), além dos canais do Grupo Bandeirantes.

No meio dessa confusão, o Grupo Abril já oferece há um ano a TV Abril (ex-MTV Abril, atual Ideal TV) para o apóstolo comprar. Há um ano, a proposta era de R$ 500 milhões. E parece que estão oferecendo o canal de novo, segundo o TVs do RJ. Esse valor deve diminuir, já que desde que a MTV Abril virou Ideal TV, a rede perdeu inúmeras afiliadas e repetidoras, bem como o sinal em diversas operadoras de TV paga via cabo ou satélite. Hoje a Ideal TV está apenas na NET São Paulo (por ter geradora local de São Paulo, a TV Abril tem direito de ser carregada pela NET, seja lá o que transmitam) e em sinal aberto em repetidoras próprias, como o canal 48 analógico carioca.

Enquanto isso, a MTV Viacom ignora a história da predecessora MTV Abril, e transmite uma programação risível, que inclui desde Beavis and Butt-Head dublado (tirando o pouco da graça do seriado) até o programa Coletivation, de Fiuk, que com menos de um mês no ar já tratou de fazer dueto com o papito Fábio Jr.

domingo, 27 de outubro de 2013

Comentando o texto 'Comunismo: financiado pelo capitalismo financeiro mundial', de outro blogue


Fonte: Facebook.

Leonardo Ivo

Marcelo, vê se esse texto não parece com os que o Alexandre Figueiredo publica:

http://confrariadesaojoaobatista.blogspot.com/2010/08/comunismo-financiado-pelo-capitalismo.html

Não, Leonardo Ivo. Não parece. Alexandre Figueiredo é um esquerdista purista. Acredita que se algo tido como socialista flerta com o capitalismo ou algum de seus agentes, então não é socialista. Por isso que, com razão, Alexandre não reconhece como socialistas nem militantes de partidos da ultraesquerda (tipo PSOL e PSTU) que flertam com a máquina capitalista do fânqui ou qualquer gênero da música de cabresto.

Na verdade, o texto citado está mais próximo dos meus que dos do Alexandre Figueiredo.

quinta-feira, 24 de outubro de 2013

Olhem o nível de alguns professores grevistas do município do Rio de Janeiro

"Soh vim aqui pra dizer q na sexta votarei pela continuidade (da greve). Acordo de cu eh rola!"

Fonte: Facebook.

Deixem eu ficar quieto. Tem gente que acha que é mais sábia do que é de fato. Melhor deixa-los em sua ignorância.

terça-feira, 22 de outubro de 2013

O fenômeno Dilma

Autor: Percival Puggina. Texto recebido ontem por este blogue.

Uma pulga passeava, irrequieta, atrás da minha orelha. Dilma Rousseff ponteia as pesquisas. Mantido o panorama atual, vencerá sem dificuldade a eleição do ano que vem. Datafolha credita-lhe, nos vários cenários, o apoio bastante firme de 40% do eleitorado. A tal pulga ia para lá e para cá, desassossegada: como pode?

Foi um feito de Lula, a primeira eleição da presidente. Guerrilheira que um dia sonhara tomar o poder pelas armas, Dilma haveria de receber esse poder - quem diria? - como um regalo de amigo. Coisa tipo - "Lembrei-me de você!". Em 2010, Lula tomou-a pela mão e saiu a apresentá-la aos brasileiros. "Muito prazer, Dilma Rousseff", dizia ela. "Mas pode chamá-la de mãe do PAC", completava ele, pimpão. Assim, de mão em mão, de grão em grão, as urnas foram enchendo o papo e Dilma subiu a rampa catapultada pelo voto de 55,7 milhões de brasileiros. Agora, quando seu governo sacoleja no trecho final, deve estar mandando lavar, passar e engomar a faixa presidencial para nova entronização.

Contar com quarenta por cento dos 140 milhões de eleitores brasileiros significa que Dilma inicia a nova campanha com um estoque equivalente aos votos que obteve no segundo turno de 2010. Pois bem, o que eu me proponho trazer à apreciação dos leitores é a explicação para esse fenômeno. Fácil, como se verá. O SUS, sabe-se bem, caminha para a perfeição. Todos são atendidos a tempo e hora, em condições adequadas. Não há bom médico, no mundo, que não queira trabalhar aqui. A longa espera nas emergências tem se revelado um excelente meio de integração social e formação de novas camaradagens. Os finais de turno não deveriam ser brindados com champanha? A marcação de consultas especializadas e cirurgias segue cronograma rigoroso. Pontual e mortal. Doravante, insatisfeitos, procurem Raúl Castro! Aposentados do INSS providenciam passaportes e trotam mundo afora, efetivando aquele direito que Lula oposicionista apontava como coisa normal à velhice dos povos civilizados. A Educação, seja na base, cumprindo papel de promoção social e cultural, seja no topo, alinhando o Brasil com a elite tecnológica do planeta, opera prodígios na transformação da nossa realidade. A Economia? É lunática: contabilidade nova, inflação crescente, PIB minguante, carga tributária cheia... E a segurança pública enfim promove, como nunca antes neste país, digamos assim, o encontro dos criminosos com as grades e do povo com a paz social. Corrupção? Tudo intriga, maledicência, coisa de quem não tem o que falar.

Repare como Dilma esbanja carisma. Não é uma sedutora? Que discursos! Palavra fácil, empolgante! Ao final de cada locução, os auditórios se erguem e aplaudem-na em pé, seja em Itapira, seja na ONU. Durante estes anos como "presidenta", não confirmou ela, plenamente, o que Lula assegurava a seu respeito? Observem como o governo foi bem gerenciado. Vejam o rigor com que se cumprem os prazos e se enxugam os gastos. O Brasil tem programa e cronograma, estratégias, previsões e provisões. Você duvida? Não prometera a presidente, aqui na terrinha, em 2010, que sua Porto Alegre teria, enfim, linha de metrô e nova ponte no Guaíba? Pois para desgosto dos incrédulos, as obras estão aí, novamente prometidíssimas! Basta que o Estado e o município, nos anos por vir, "casem" os bilhões que faltam. Um sucesso, o governo Dilma. Agora, se os motivos não se acham bem visíveis acima, então só resta procurá-los dentro das bolsas.

segunda-feira, 21 de outubro de 2013

Não dá para andar com quem se põe à direita de José Serra e de Geraldo Alckmin


Resposta para Mingau de Aço publicada no Facebook:

Outra diferença de Reinaldo Azevedo para o "neo-medieval Olavo de Carvalho" (assim classificado por Alexandre Figueiredo) é que Reinaldo ainda pode nutrir uma simpatia pelo tucanato, se estes assumirem a defesa da privataria. Olavo, não. Ele também é "contra tudo isso que está aí" no quadro partidário. O demo-tucanato, inclusive. E é aqui que começa e termina a concordância minha e do Alexandre para com o Olavo. Porque não dá para andar com gente como Olavo, que se põe à direita de figuras como José Serra e Geraldo Alckmin.

sexta-feira, 18 de outubro de 2013

Pitacos sobre a greve dos professores municipais

Os incomodados... Ah, vou escrever o que quiser, aqui. Danem-se os incomodados. Tou sem paciência.

Acredito que a categoria dos professores (supondo serem todos de nível superior) deveria ser proporcionalmente a bem mais paga do município. Acima do prefeito e dos secretários, que já ganham bem pra caramba. Salário-base de professor a R$ 700 é uma vergonha nacional. Mas não sei se aqueles valores apresentados pelo SEPE seriam viáveis. Uma coisa é 11 ministros do STF ganhando R$ 30 mil por mês pagos pela União, ou até mesmo 513 parlamentares, também pagos pela União. Outra é cento e tantos mil professores ganharem 20 e tantos mil ao fim da carreira, pagos pela Prefeitura, e na aposentadoria pelo Previ Rio. Nem sei se usando o dinheiro do Fundeb haveria dinheiro suficiente para pagar. Só se colocarem aquela proposta do senador Cristovam Buarque: todos os professores do ensino básico público do país serem pagos pela União.

Aliás, o serviço público e a educação seriam mais levados a sério se as autoridades agissem como o senador Cristovam. Tem muita autoridade e sindicalista por aí precisando voltar pra escola, pra aprender matemática. Ou então sou eu que tenho que voltar pra escola, já que não sou autoridade, nem sindicalista nem professor.

quinta-feira, 17 de outubro de 2013

Dessa Gandhi escapou


Fico imaginando se Gandhi aparecesse no Rio de Janeiro nesses últimos dois meses pregando libertação pela não violência. Seria chamado de tudo: patronal, coxinha, direitista, reaça, conservador, miliciano, golpista, PiG e o escambau.

quarta-feira, 16 de outubro de 2013

Privataria tucana foi reestatização disfarçada


Comentário para Lista de livros mais vendidos imita divisão direita-esquerda dos EUA

Eu até sou favorável a livros como A Privataria Tucana e O Príncipe da Privataria. Mas não concordo com a abordagem. Os livros contestam as privatizações todas, indistintamente, quando deveriam se restringir ao principal aspecto das privatizações tucanas: foram reestatizações disfarçadas, a preço de banana, com financiamento do BNDES (estatal, portanto) e com vários fundos de pensão de estatais como compradores.

Há privatizações e privatizações. Há de se fazer distinção entre elas.

terça-feira, 15 de outubro de 2013

Barack Obama é apontado como um futuro ditador


Resposta para União Libertária:

Historicamente os governos americanos republicanos e os democratas apoiaram ditaduras pelo mundo afora quando era conveniente, combatendo apenas as ditaduras independentes em relação ao governo americano. Agora que não conseguem mais implantar ditaduras pelo mundo afora, farão uma no próprio quintal, mesmo. Pra não perderem o hábito.

segunda-feira, 14 de outubro de 2013

Dom Eugenio ajudava perseguidos políticos das ditaduras militares, exceto católicos tidos como marxistas


O tema já foi abordado aqui no blogue em outras postagens. Mas agora trago aqui o fato de que a capa desta semana da Carta Capital tem uma manchete maliciosa que promete muito, mas não traz o que promete. A manchete de capa é esta: "Exclusivo: Dom Eugênio Salles envolveu-se na prisão de opositores da ditadura, revelam arquivos do SNI". Só que lá dentro da revista o que se vê é que o SNI não apontava Dom Eugenio como alguém que prendia os outros, assassinava ou torturava, como faziam alguns agentes do Governo Federal. Apontava, sim, que Dom Eugenio barrou declarações escancaradas da CNBB contra o regime e que, a quem ia a ele pedir ajuda para encontrar parentes desaparecidos políticos, ele mandava recorrer a quem de fato mandava no país: os militares. Nada que já não tivesse sido revelado por críticos daquele regime, alguns deles apontadores das atitudes de Dom Eugenio em esconder perseguidos políticos dos regimes militares da América Latina.

Dom Eugenio tinha o hábito de ajudar perseguidos políticos das ditaduras militares. Quase quebrou a Arquidiocese do Rio de Janeiro alugando imóveis para esconde-los. E embarcou vários perseguidos em seu próprio carro oficial (que não era abordado pelas blitzes das Forças Armadas ou das polícias) para embarca-los direto no Aeroporto Internacional do Rio de Janeiro para o exílio. A mesma generosidade não era dispensada aos desaparecidos políticos que fossem católicos ou de famílias católicas. Dom Eugenio combatia a longa influência marxista dentro da própria Igreja. Talvez não se importasse com o destino daqueles que Dom Eugenio provavelmente considerava como marxistas, traidores da Igreja. Mandava os parentes procurarem os militares, e só. Era mais fácil ele se importar com o destino dos marxistas não católicos.

Diplomacia pode ser a solução ideal para cuidar de questões espinhosas no mundo do poder civil. Mas pode ser um desastre quando aplicada por autoridades eclesiásticas. Dom Eugenio tentou o diálogo diplomático com um regime que censurava pronunciamentos de Paulo VI na mídia brasileira. Acabou não conquistando o coração nem dos tradicionalistas (que preferem elogiar um antecessor como Dom Sebastião Leme e criticam o apoio de Dom Eugenio à RCC), muito menos de católicos mais abertos e diretos com os diferentes, sem os formalismos da diplomacia. Se Dom Eugenio tivesse sido mais bispo e menos diplomático, não teria ganho a alcunha jocosa da manchete interna de Carta Capital: "Dom Eugênio, agente duplo". Menos, Carta, menos. Na verdade, Dom Eugenio queria ser apenas um gestor da Arquidiocese. Ele deixou uma Arquidiocese mais pujante que aquela que encontrou. Com menos fiéis, porém mais adeptos da doutrina, bem ao gosto do então futuro papa Bento XVI. O trato com os padres do Rio de Janeiro refletia isso. Ele era distante dos padres de fora de seu círculo de amizade, mas deixava os padres trabalharem, mesmo os de atitudes diferentes. Menos os que flertassem com o marxismo. Chegou a ameaçar desligar do clero padres que participassem do Grito dos Excluídos, evento que acontece em outras cidades brasileiras, mas nunca aconteceu no Rio de Janeiro. Nem mesmo nas gestões de Dom Eusebio e Dom Orani.

sexta-feira, 11 de outubro de 2013

Jovem Pan FM do Rio de Janeiro sairá do ar hoje às 19h

A informação foi confirmada por Gilson Dodde da JB FM no grupo de discussão Dial do Rio de Janeiro (AM e FM). Vários locutores que trabalhavam na Jovem Pan Rio já anunciam no ar seus últimos horários na rádio. Até o momento, não há informação confirmada sobre a programação que substituirá a Jovem Pan nos 102,9 MHz da extinta Rádio Cidade. A tendência é que a frequência seja ocupada por um vitrolão, até a entrada no ar da nova programação.

quinta-feira, 10 de outubro de 2013

Lei das Biografias: José Dirceu em rota de colisão com entusiastas da lei, como Alessandro Molon

Resposta para Mingau de Aço:

Há de se anotar as declarações de José Dirceu contrárias à lei de liberação de biografias, aderindo assim ao 'Procure Saber'. As declarações de Dirceu estão em reportagem de Fernando Gallo (Estadão) e no blogue A Justiceira de Esquerda.

Mais uma vez, se contrapõem petistas contra petistas, já que a lei de liberação das biografias conta desde o início com a adesão entusiasta do deputado federal Alessandro Molon (PT-RJ).

quarta-feira, 9 de outubro de 2013

PSB repete alguns passos do MDB

Resposta para Raphael Tsavkko:

O PSB virou uma espécie de MDB: uma oposição consentida que acolhe gente de partidos proibidos de disputar eleição. Olha que o MDB foi fundado por ex-golpistas de 1964, como Ulysses Guimarães, que acabou se convertendo numa figura digna e um sujeito de uma direita inteligente, democrática e não reaça que faz falta no quadro partidário atual. O MDB acolhia até gente do PCB. Embora acolhesse figuras fisiológicas e intragáveis como Chagas Freitas, o MDB ainda era um partido respeitável. Muito diferente dessa mixórdia de PMDB que tem gente como Sarney, Renan, Cabral Filho e Paes.

Raphael Tsavkko disse...

O PSB, à diferença do MDB, acolhe qualquer coisa pelo poder. O PMDB porque só existia ele!;-)

terça-feira, 8 de outubro de 2013

Lembranças das aulas de filosofia

Eu só tive aulas de filosofia no segundo ano do 2º grau. Era o ano de 1990. Mas a coisa era tão esculhambada (só uma ou duas aulas por semana) que, embora eu tivesse passado de ano com folga na matéria, aprendi muito mais sobre filosofia em outros lugares, anos depois. Até em encontros de vocacionados no Seminário São José do Rio de Janeiro. Pra vocês verem como as coisas mudaram desde o fim dos anos 80. Mudaram para melhor ou para pior?

Texto publicado originalmente no Facebook, aqui com correções.

domingo, 6 de outubro de 2013

Maracanã: um Vazião ainda mais evidente que o Engenhão

Se o Engenhão já era chamado de Vazião, imagine agora o Maracanã! Ontem cerca de 14 mil pessoas compareceram ao Maracanã para conferirem o time do Grêmio vencer o do Botafogo pelo placar de 1 a 0. Isso com um jogador a menos, já que um jogador gremista foi justamente expulso ainda no primeiro tempo. O Engenhão já costumava receber um público semelhante (14 mil pessoas ou menos) para assistir partidas do Botafogo e de outros times cariocas.

Até ontem, eu só tinha ido no Maracanã umas três vezes. E era o clássico Maracanã, não esse bilionário atual. Vi nos anos 80 uma partida em que o time do Flamengo derrotou o time do mesmo Botafogo por 2 a 0. Anos antes desse Flamengo x Botafogo, fui levado pela família para ver a chegada do suposto Papai Noel num dezembro da primeira metade da década. Na terceira vez, já nos anos 90, fui prestar a prova da Aeronáutica que me permitiu ingressar lá como soldado especializado de primeira classe.

Ontem fui ver esse Maracanã bilionário pela primeira vez. Duvido que ele cative a torcida carioca. Se a torcida já anda desconfiada com a mediocridade dos quatro pseudo-times grandes do futebol carioca, está mais desconfiada ainda desse Maracanã que não lembra nada do consagrado Maracanã e não deixa os usuários à vontade para torcer, e que só tem setores com ingressos baratos atrás das traves de gol. O novo Maracanã só leva vantagem nos itens visual, conforto e visibilidade. Pessoas que foram lá antes andam reclamando até do sistema de som do novo Maracanã, segundo elas tão ruim quanto o do velho estádio.

Com relação ao Grêmio, bem que o time porto-alegrense poderia ser declarado campeão carioca. Venceu todas as cinco partidas disputadas até agora contra times cariocas no Brasileirão de 2013! Venceu o Botafogo em casa e no Maracanã, venceu o Vasco em São Januário, venceu o Fluminense na Arena e venceu o Flamengo em campo neutro. Os cartolas do Flamengo é que foram otários. Mandaram Flamengo x Grêmio (mando de campo do time carioca) para Brasília, uma cidade cheia de gaúchos. O que ajudou o Grêmio a vencer por 1 a 0, diante da invasão da torcida gremista no Mané Garrincha.

sábado, 5 de outubro de 2013

Com esses presidenciáveis, é melhor votar num nanico nacionalista ou de fora da esquerda. Ou votar nulo

Dilma Rousseff (PT) é a candidata do poder atual. Aécio Neves (PSDB) é o candidato do poder do passado e do poder midiático neoliberal. José Serra (PSDB) também seria. Eduardo Campos e Marina Silva (PSB) saíram da costela do lulo-dilmismo. A corja da ultra ou da extrema esquerda não preciso dizer que rejeito com todas as minhas forças. Meus amigos sabem disso.

Previ antes que não haverá nenhum candidato que seja alternativa a todos esses que foram apresentados até agora. Candidatos nacionalistas? Candidatos conservadores de fato, sem serem reacionários? Candidatos de direita de fato e assumida? Isso não existe neste país de tolos.

Se não aparecer nenhum candidato nanico nacionalista ou de fora da esquerda, é melhor votar nulo desde o primeiro turno. No atual quadro, o melhor candidato é sempre aquele que vai perder. Porque não fará merda nenhuma no Governo. Só quem pode e faz merda no Governo é quem vence eleição.

quinta-feira, 3 de outubro de 2013

Policial forja flagrante durante protesto no Centro do Rio

Na última segunda-feira, durante um protesto de professores municipais no Centro do Rio de Janeiro contra um plano de carreira proposto pela Prefeitura a ser votado pela Câmara de Vereadores, policial militar forja flagrante de morteiro em mochila de jovem manifestante.

Aí, na boa. A PM do Rio de Janeiro deveria ser desmilitarizada e civilizada. Fazer só uma dessas coisas não adiantará nada.

quarta-feira, 2 de outubro de 2013

Os últimos minutos da MTV Abril

Este vídeo foi ao ar no dia 30 de setembro de 2013, data de encerramento das transmissões da MTV da Abril.

Eu só assisti assiduamente a finada MTV Abril nos primeiros anos. Exatamente a fase áurea da emissora. Era uma emissora pop, mas que tinha informação relevante em geral sobre música pop e também sobre rock. Além de ter uma infinidade de clipes bem selecionados e um bom jornalismo, a ponto de suas reportagens sobre o Rock in Rio II e o Hollywood Rock terem sido às vezes melhores que as da emissora detentora dos direitos de transmissão. De vez em quando lembro de algum bom clipe que gostava de assistir na MTV naquela época. Um ex-MTV que eu respeito é o Fabio Massari, que detonou a música gospel numa entrevista na Folha de São Paulo, em meados de 1996. Anos depois, apareceu o Lobão, antes de sua fase libertarista, para trabalhar como mediador de debates, e era o único apresentador da casa que chamava a MTV de "emetevê", assim mesmo, aportuguesado. Depois que a emissora inventou de exibir até a ivete sem graça, parei de ver. Só assistia algumas edições do Acústico MTV e do MTV Ao Vivo (em DVD, mais que pela TV).

Hoje, o fim da MTV Abril me soa indiferente. Quem deve estar feliz com o fim da MTV na TV aberta é o Sérgio Cabral, o pai, não o governador. Rádios como Fluminense FM e Antena 1 RJ motivaram protestos de rua quando saíram do ar. Eu mesmo organizei com amigos um protesto na frente da sede da Antena 1 em 31 de maio de 2009, dia em que acabaram com ela. Compareceram umas 30 pessoas. A MTV não merece nem isso.

A MTV reencarnou ontem às 21:30, apenas na TV paga, operada agora pela Viacom, dona da franquia.

terça-feira, 1 de outubro de 2013

Yahoo e os números dos papas

Além de priorizar as futilidades do mundo das celebridades (ou pseudo-celebridades), o portal de notícias do Yahoo não tem o menor zelo pela língua portuguesa. Ontem o portal noticiou que os papas João XXIII e João Paulo II serão canonizados pelo Papa Francisco no próximo dia 27 de abril, exatamente o Dia da Divina Misericórdia, festa, aliás, criada por João Paulo II. Só que a nota do Yahoo foi escrita com os números dos papas em algarismos indo-arábicos, registrando os papas como "João 23" e "João Paulo 2", ao invés de usar os algarismos romanos, como seria o correto. No caso de João Paulo II, ainda tiveram a pachorra de usar a representação gráfica de número cardinal, não de número ordinal.

A falência da educação brasileira continua (agora mesmo os professores municipais e os estaduais estão em greve, culpa dos peemedebostas) e continuará produzindo erros como esse do Yahoo. Erros propagados também pelos leitores, como se pode ver nos comentários. Como disse alguém há algum tempo atrás, humoristicamente: "é a inguinorânça qui atravanca o pogreço"!