Política, cultura e generalidades

segunda-feira, 29 de julho de 2013

Jovens peregrinos da JMJ animaram cidade do Rio de Janeiro


Garanto que muita gente boa residente nesta cidade também sentirá falta de ver em tudo quanto é canto do Rio de Janeiro esses peregrinos que vieram de centenas de países com sua jovialidade e alegria autênticas. Obviamente os peregrinos residentes na cidade permanecerão por aqui, mas os peregrinos de outros municípios e outras cidades formaram um quadro que dificilmente alguma conferência mundial igualará ou superará.

Observei que esses peregrinos buscam, além da fé, uma cultura consciente. Os de outros estados e países procuraram trazer um pouco da cultura de suas localidades, fosse a música, a dança, as roupas e outros elementos. Vi que os peregrinos em geral (os cariocas e os de fora) quando não estavam nas catequeses e nos eventos centrais da Jornada se interessavam em ir em exposições, em museus, em apresentações musicais e em cinemas (não falo só os do circuitão comercial). Os de fora não perdiam a oportunidade de visitar os pontos turísticos da cidade. Havia peregrinos até de madrugada no Cristo Redentor.

Os que encontrei pessoalmente por aí eram muito animados. Acabaram se impondo à paisagem da cidade, dada a quantidade deles e ao fato de andarem em grupos. Um grupo deles encontrei num ponto de ônibus junto ao Metrô de São Cristóvão, no sentido Centro. Eles cantavam em um idioma que eu sinceramente não posso arriscar dizer qual era. Parecia espanhol. O grupo que aparece na foto estava no Metrô, na última quinta-feira, rumo a Copacabana. Ali tinha grupos de brasileiros e outro de venezuelanos. Os dois grupos entoaram músicas. Tinha até um trio de brasileiros junto à porta do vagão (lotado) simulando o efeito da inércia (citada nominalmente por um deles), fazendo movimentos para frente e para trás. E ainda tem gente que diz que católico não liga pra ciência... Na sexta-feira, um grupo de peregrinas de Viçosa (não sei de qual estado, porque há várias) protagonizou uma cena no ônibus Riocentro-Copacabana: na Avenida Embaixador Abelardo Bueno, elas acenaram para um grupo de peregrinos da Noruega, que estava num ponto de ônibus, estes tendo perto deles um grupo de suíços e quatro peregrinos de Angola. Os noruegueses responderam. Mas acabou que só os suíços entraram no ônibus.

Segundo o Ministério do Turismo, que fez uma pesquisa junto aos peregrinos, a maioria pretende voltar um dia ao Brasil, não mais especificamente em peregrinação. mas pra visitar o país, mesmo. Que sejam bem vindos esses futuros turistas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário