Política, cultura e generalidades

quinta-feira, 27 de junho de 2013

WWF? A organização da JMJ 2013 não sabe com quem está se metendo. Ou sabe?


Ontem encontrei uma singela mensagem no página oficial da Jornada Mundial da Juventude no Facebook:

A Jornada Mundial da Juventude Rio 2013 selou uma parceria com a ONG internacional WWF para fomentar a educação ecológica dos jovens e discutir a #sustentabilidade do evento.

Há ainda uma nota na página oficial da WWF.

Pra começar, a WWF é uma ONG internacional que vilipendia a soberania de várias nações, tentando interferir em decisões de governos e populações locais a respeito da sustentabilidade ambiental, como se os habitantes locais fossem ignorantes totais no assunto. E ainda tem várias críticas registradas na Wikipedia:

A WWF tem sido acusada por vários grupos ambientalistas e outras organizações como Corporate Watch e PR Watch de estar sendo muito ligada à atividades comerciais para fazer campanhas objetivas. WWF diz que trabalha com empresas para ajudá-los a reduzir seus impactos no meio ambiente. Exemplos de companhias parceiras da WWF incluem Coca-Cola, Lafarge e IKEA. WWF também possui um Clube Corporativo que provide oportunidades promocionais para empresas usarem o seu nome e logotipo como ferramenta promocional.

A emissora pública alemã ARD exibiu um documentário em 22 de junho de 2011, mostrando como o WWF coopera com corporações como a Monsanto, fornecendo certificação de sustentabilidade em troca de doações (uma forma de lavágem de dinheiro). Através do incentivo ao eco-turismo de alto impacto, a WWF contribui para a destruição de hábitats e das espécies que diz proteger. WWF certificou uma plantação de óleo de palma operado pela empresa Wilmar, de Singapura, na ilha indonésia de Bornéu, mesmo que o estabelecimento da plantação levou à destruição de mais de 14.000 hectares de floresta tropical. Apenas 80 hectares foram finalmente conservados. Dois orangotangos vivem na área conservada, mas tem chances muito pequenas de sobrevivência, porque não permanecem árvores frutíferas e o hábitat é pequeno demais para sustentá-los. Para sobreviver, eles roubam os frutos da palmeira da fazenda vizinha, correndo assim o risco de serem baleados por trabalhadores das plantações.

Se entrarmos no campo da teologia (já que estamos nos referindo ao um evento católico), a coisa complica de vez para a Jornada. Vários ambientalistas tratam a Terra como deusa. Mais precisamente, a deusa Gaia. Se buscam uma inspiração para preservar o meio ambiente, busquem inspiração no padroeiro do meio ambiente: São Francisco de Assis, tido até em meios seculares como o ser humano mais influente do segundo milênio. São Francisco considerava a Terra e o meio ambiente como um todo como parte da criação de Deus. Não como deusa, mas mesmo assim algo para ser preservado. Além disso tudo, São Francisco inspirou o nome do Papa que está vindo aí.

Nenhum comentário:

Postar um comentário