Política, cultura e generalidades

terça-feira, 14 de maio de 2013

EMI brasileira se recusa a desencarnar


Resposta para Planeta Laranja:

Ainda morando em Brasília, já em sua fase Trovador Solitário e antes de ser contratado da EMI, Renato Russo disse que tudo chegava atrasado a Brasília. Referia-se ao movimento punk e também ao posterior fim do movimento punk setentista.

Hoje, Renato Russo diria a mesma coisa, só que do país todo. "Tudo chega atrasado no Brasil". Até mesmo a EMI brasileira se recusa a desencarnar, ao contrário da matriz britânica, comprada pela Universal. Continua sendo EMI, embora já tenha perdido parte do catálogo gringo para a Universal, como os discos do Queen, do Paul McCartney e o clássico Never Mind the Bollocks dos Sex Pistols. O futuro do elenco nacional da EMI e do catálogo brasileiro da gravadora (que inclui todos os discos da Legião Urbana e quase todos os solos do Renato) é incerto, bem como é incerto se a gravadora mudará de nome e se continuará integrando o conglomerado Vivendi.

A verdade é que este país terceiro-mundista continua sendo tão atrasado, periférico e terceiro-mundista como sempre foi. Apesar dos bastardos ufanistas e pseudo nacionalistas que negam os fatos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário