Política, cultura e generalidades

terça-feira, 19 de fevereiro de 2013

Uma REDE de equívocos

Resposta para Mingau de Aço publicada no Facebook:

A REDE consegue atrair críticas tanto da esquerda lulo-dilmista (PT e PC do B incluídos) como da oposição esquerdista (PSOL e ultraesquerda), que classificam o partido como de direita. E atrai também a crítica da direita assumida (aquela que rejeita o demo-tucanato e atraiu a atenção do meu blogue e da Carta Capital), que classificam a REDE como de esquerda.

Nada disso faz a REDE ser um bom partido. Na verdade, a REDE é só mais um sintoma da PMDBização da política nacional, que gerou várias legendas que apoiam indistintamente qualquer ideologia ou governo, como o PSD e várias legendas lulo-dilmistas. Quando legendas de cima do muro assumem o poder, geralmente fazem merda. Vide o PSDB.

Se o amigo Alexandre Figueiredo e seu irmão Marcelo Pereira querem novidade, que aguardem os partidos nacionalistas, os de direita assumida ou os conservadores assumidos. O resto é mais do mesmo. Inclusive a corja de direita não assumida que quer posar de politicamente correta, de esquerdista ou de lulo-dilmista. Mas é provável que os irmãos não votem nesses partidos nacionalistas, de direita assumida ou conservadores assumidos, ou no máximo nos partidos nacionalistas. Pelo menos que apoiem o registro desses partidos que não representam mais do mesmo que já está aí registrado.

Nenhum comentário:

Postar um comentário