Política, cultura e generalidades

quinta-feira, 31 de janeiro de 2013

Lincoln (filme)


Filmes retratando a figura do presidente Abraham Lincoln houve vários na história do cinema. Até mesmo um filme francamente fantasioso, em que o presidente era, secretamente, um caçador de vampiros. Filmes idiotas sobre vampiros viraram uma doença no cinema hollywoodiano nos últimos anos. Ironicamente, coube ao historicamente escapista cineasta Steven Spielberg fazer agora um filme realístico sobre o icônico político americano, da Guerra de Secessão ocorrida durante seu mandato até o assassinato (o assassino não é mostrado ou mencionado no filme).

Há anos Spielberg se diz arrependido dos "filmes escapistas" (definição dele) que ele fez no auge de sua carreira. Filmes como Tubarão, E.T. e a saga Indiana Jones, fora os filmes de fantasia que ele produziu, como Gremlins e a saga De Volta Para o Futuro. Meu amigo Alexandre Figueiredo tem razão em criticar canais de TV que tentam enquadrar Steven como um cineasta de filmes de arte ou de cinema alternativo, não como o competente cineasta pop que é. Spielberg diz que passou a fazer mais filmes "sérios" a partir do momento em que ele se tornou pai, dizendo querer deixar um legado permanente que ensinasse algo para os filhos. Filmes na linha de A Lista de Schindler e O Resgate do Soldado Ryan, este talvez o melhor da filmografia dele. Mas nem este escapou de alguma pieguice, algo comum em filmes pop ou em filmes de drama feitos por cineastas pop. Não é nada verossímil que um pelotão de militares americanos da Segunda Guerra Mundial fossem destacados apenas para tirar vivo do campo de batalha um único soldado só porque seus três irmãos tinham morrido em combate na mesma guerra.

Talvez o maior mérito de Steven Spielberg neste filme Lincoln tenha sido não interferir na história e deixar o elenco à vontade. Porque é o elenco que faz este filme ser magistral, salvando-o do ar de documentário arrastado e monótono que fatalmente teria se tivesse sido feito por um diretor incompetente ou se tivesse um elenco mediano. O filme também acertou muito em mostrar todos os lados do icônico presidente Lincoln. Lado bom e lado mau, diga-se de passagem. O lado bom mostrado: seu combate à escravidão, iniciado com a Proclamação de Emancipação e tendo seu auge no assunto principal da trama do filme: o processo político que levou à 13ª Emenda à Constituição dos Estados Unidos. O lado mau mostrado: para chegar à 13ª Emenda, Lincoln não hesitou em trocar votos de representantes (deputados) democratas que perderam a reeleição em 1864 por cargos de confiança no seu segundo mandato presidencial. Um tipo de relação entre os poderes Executivo e Legislativo que se tornaria rotina em muitos países do continente nos séculos seguintes.

Aqui, alguns parêntesis ausentes no filme: o Partido Democrata era na época um partido ultraconservador, daqueles que conservam o que deveriam e o que não deveriam. O Partido Democrata só viraria para a atual realpolitik de esquerda liberal no século XX. O então novato Partido Republicano (nascido em 1854) tinha sido fundado exatamente para promover o liberalismo econômico, o que incluía a abolição da escravatura. Mesmo assim, o movimento abolucionista não era unanimidade entre os republicanos. O próprio Lincoln (um republicano) era contra a escravidão, mas era inseguro quanto a aderir ao movimento. Só optou por aderir irreversivelmente ao movimento quando viu na Abolição uma oportunidade de dar fim à motivação dos Estados Confederados da América em irem para a guerra civil, e por consequência apressar o fim da própria guerra. Mas, por essa época, Lincoln já estava sendo influenciado por pensadores que se diziam favoráveis à subordinação do capital ao trabalho, como Karl Marx. Algo que seria inadmissível no Partido Republicano a partir do século XX.

quarta-feira, 30 de janeiro de 2013

A incrível semelhança entre as logomarcas da TV Aparecida e da InterMoor

Passando outro dia numa avenida da Barra da Tijuca, vi a fachada de uma representação brasileira de uma empresa americana que faz instalações industriais com foco em negócios marítimos: a InterMoor, que tem até artigo na Wikipedia. O que me chamou a atenção não foi nem a empresa em si, que estou descobrindo agora que estou escrevendo este texto. O que me chamou a atenção mesmo foi a logomarca da InterMoor, que está abrindo este texto. Segundo a Wikipedia, a empresa americana foi fundada em 2004.

Acontece que, no ano seguinte (segundo a Wikipedia), foi fundada em Aparecida do Norte a TV Aparecida, cuja logomarca é esta:


A logomarca da TV Aparecida lembra a imagem de Nossa Senhora da Conceição Aparecida. Mas a semelhança entre as logomarcas das duas organizações é notável. Não sei quando a logomarca da TV Aparecida foi criada, nem a da InterMoor, que pode ter usado outras logomarcas anteriormente. Só sei que a TV Aparecida utiliza sua logomarca acima apresentada desde que entrou no ar.

O que os amigos leitores pensam disso tudo? Cartas para a redação!

terça-feira, 29 de janeiro de 2013

Quem será responsabilizado pelo incêndio na Boate Kiss?

Resposta para Click RBS:

Já sei pra quem vai sobrar punição nessa história: só para músicos e cantores da banda, para proletários do setor privado (no caso, alguns seguranças), para barnabés e para militares (a Geni do Brasil desde os anos 60). Políticos e empresários sempre são blindados numa hora dessas.

Financial Times com medo de tragédias de grandes proporções na Copa 2014 e na Olim Piada 2016

Resposta para Jamil Chade publicada no Facebook:

Esses gringos do Financial Times se preocupam à toa. Pros gringos, a segurança no Brasil funcionará plenamente em 2014 e 2016. As otoridades e empresários gananciosos deixam a lambança apenas para nós, nativos.

segunda-feira, 28 de janeiro de 2013

NET não comunica interrupções previamente


Os serviços da NET são muito bons no bairro onde moro. Sobre os serviços em si, não tenho reclamações a fazer. Eles tem sido bastante prestativos até mesmo na inclusão de canais de TV que ando reivindicando.

Só tenho uma reclamação a fazer. De tempos em tempos, a NET precisa interromper a prestação dos serviços deles, para fazerem manutenção na rede. Mas nesses mais de dois anos em que assino a NET, poucas vezes ela comunicou previamente a necessidade de interrupção dos serviços, que consistem em acesso à Internet por banda larga, telefone fixo e TV paga. Eles interrompem os serviços de manhã e voltam a prestar os serviços na parte da tarde. Geralmente fazem isso nos dias úteis, quando trabalho fora de casa. Mesmo assim, isso me causa alguns transtornos, porque eles interrompem o serviço antes das 6 horas e antes de sair de casa leio algumas notícias pela Internet e publico algumas coisas nos blogues (neste aqui, inclusive) e nas redes sociais. Mais raramente, eles fazem manutenção aos sábados. Mas nos poucos sábados que fizeram isso, tive que esperar em casa a volta dos serviços.

Hoje mesmo interromperam os serviços, devido a obras da Prefeitura no meu bairro que obrigaram a NET a mexer na sua rede. Até vi alguns funcionários da NET trabalhando ali mesmo na obra. Mas a NET devia ter avisado antes, pombas. No sábado à tarde eu também saí. Fui ver o filme Lincoln e no cinema mesmo recebi antes da sessão um aviso de celular sobre uma interrupção dos serviços da NET naquela tarde mesmo. Deram o aviso durante a interrupção, não antecipadamente! Durante não adianta, dona NET!

Faltam 500 dias para a Copa 2014


Internauta descreve o petralhismo

Resposta para Coturno Noturno:

wp disse...

"O petralhismo alcançou o seu máximo político: até as divergências se dão em seu interior. É tudo eles com eles. Também as denúncias, quando estouram (e jamais ninguém é responsabilizado), é produto de fogo amigo. O moderno príncipe comanda tudo, monopoliza tudo. Aos insatisfeitos resta... a insatisfação, ora.

22 DE JANEIRO DE 2013 09:31"

Mas a ideia e essa mesma, WP. Implantar um regime de partido único chinês no Brasil. Fechamento político, Capitalismo de Estado, precarização dos direitos trabalhistas e corrupção generalizada, em que eles mesmos fazem as merdas, eles mesmos denunciam, eles mesmos punem. Vide o julgamento do Mensalão, em que os mensaleiros foram condenados por ministros do STF majoritariamente nomeados por Lula e Dilma. E nada de largar o osso, dando a vez a outros. Voltar para a oposição? Nunca!

domingo, 27 de janeiro de 2013

A sacralização de Lula


Fonte: Grupo de discussão Servidores da Prefeitura do Rio de Janeiro no Facebook:

Marco Aurélio Oliveira

Execrar o Lula eu não o faço. Execro o que é o PT de hoje. Não execro o PT desde sempre. Votei no partido nas eleições anteriores. A gente pode fazer um balanço do que foi positivo nos mandatos dele (Lula) e do que foi negativo. Analisar o que mudou e por que mudou. Execrar, por execrar, sem criticidade, pode nos confundir com certos setores da Direita que, de fato, atacam o partido com interesse de lhe tomar o lugar, sem que isso represente, para o povo, algo melhor. Eu disse certos setores da Direita porque o PT também se aliou a setores da Direita em nome da "governabilidade", o que acho problemático. Os fins, para mim, não justificam os meios, ainda que a retórica oficial (ou vencedora) do partido repita isso, neste momento.

Anderson Alves

Eu achei excelente a sua análise Marco Aurélio Oliveira, apenas não concordando com a ideia de que execrar o Lula ou o PT pode nos confundir com a direita. É que valores como honestidade e retidão de caráter não são atributos atinentes a esta ou aquela tendência política. Na verdade são valores civilizatórios, algo que possibilita que possamos conviver com o mínimo de respeito uns com os outros, ainda que tenhamos ideias diferentes. Por isso, quando um setor da direita ou da mídia conservadora chama a atenção para algo de errado cometido por Lula ou PT, a meu ver, está prestando um serviço de utilidade pública. Não podemos pensar que existam seres humanos que, por seguirem a linha ideológica que defendemos, estejam blindados contra as tentações que o poder pode provocar. Não dá para pensar num "messias desinteressado", alguém que chegue ao poder e vá, por sua livre e espontânea vontade (e bondade), se limitar a ser honesto e correto sem que alguém ou alguma instituição (como a mídia ou a oposição) esteja de olho no que ele vai fazer. Enfim, não dá para acreditar na boa vontade de ninguém, a verdade é essa.

E o que eu vejo atualmente é uma espécie de "sacralização" do Lula, como se ninguém pudesse sequer pensar que ele seria capaz de praticar um ilícito. Quem assim pensar, é de direita ou então se deixou influenciar pela grande mídia. E veja, não é só militante petista que diz isso! Muita gente de esquerda internalizou esta espécie de "miopia", de que Lula é um indivíduo que estaria acima das tentações do poder, alguém perseguido pela mídia apenas e tão-somente por ser um sujeito de origem humilde que chegou ao poder. Eu tenho muita dificuldade em compreender tal raciocínio! E veja a contradição: existe algo mais elitista do que atribuir a alguém o papel de salvador da pátria, de personificação da bondade, ao ponto de nem sequer poder ser investigado? É mesmo um absurdo imaginar que a polícia federal e o MPF possam investigar supostas ligações de Lula com Marcos Valério, por exemplo? O que o torna acima de qualquer suspeita? A sua biografia? A incrível evolução patrimonial do filho de Lula é algo incontestável porque o seu pai é um santo? Eu digo que tal ideia me parece elitista porque me remete, imediatamente, à monarquia, na qual as pessoas podem não ser processadas ou investigadas por conta do título que ostentam. Ora, se vivemos numa república, não somos todos merecedores de igual respeito e consideração? O fato de eu praticar um ato suspeito, ou me relacionar intimamente com alguém que assim o faça, não autoriza que ninguém pelo menos duvide da minha retidão? Eu acho que sim! E o Lula, porque não? Ele não é um nobre e nós não vivemos numa monarquia. Ninguém está acima do bem e do mal, ao ponto de estar protegido por uma espécie de "unção anti críticas". Nenhuma biografia legitima isso.

Marco Aurélio Oliveira

Absurda a sacralização do Lula, sim, sem dúvidas.

sábado, 26 de janeiro de 2013

Mandar carta sobre a Petrobrás para a Veja é perda de tempo


Resposta para Tribuna da Imprensa:

Otacílio M. Guimarães perdeu tempo escrevendo para a Sujíssima Veja. A Veja quer é que a Petrobrás seja sucateada, pra ser privatizada. Nesse aspecto, os próceres da revista devem estar é comemorando o que os presidentes nomeados para a empresa fazem pelo menos desde os anos 90.

sexta-feira, 25 de janeiro de 2013

Django Livre


Já faz uma semana que estreou o sétimo lançamento do diretor Quentin Tarantino: Django Livre. Trata-se de mais um filme de drama com muita ação, em que Tarantino mexe diretamente com um gênero que sempre o influenciou: o chamado western spaghetti. É um bom filme, mais ainda para quem aprecia algum desses gêneros. Conta com um elenco de nomes já conhecidos. Jamie Foxx ficou com o papel principal: Django, ex-escravo nos Estados Unidos do século XIX (antes da escravidão ser abolida por lá) que, ao ser alforriado, torna-se um caçador de recompensas que passa a caçar seus ex-senhores e ex-capatazes. Christoph Waltz (o oscarizado de Bastardos Inglórios) ficou com o papel de um alemão, caçador de recompensas parceiro de Django. Leonardo DiCaprio aparece como um rico fazendeiro escravocrata e Samuel L. Jackson aparece como o empregado de confiança do personagem de DiCaprio, a ponto de o personagem de Jackson ser tão cruel e racista quanto o patrão escravocrata, mesmo sendo o próprio empregado um negro.

Embora os filmes de Quentin Tarantino sejam bons, ele tem se tornado uma espécie de Ramones do cinema. O que, no caso deles, não é ruim. Os Ramones praticamente regravaram o mesmo disco umas dez vezes. Já o Tarantino fez praticamente o mesmo filme sete vezes. Apenas trocou a história, os personagens, o tempo e as locações. De resto, Django tem todos os elementos que Tarantino faz questão de colocar em seus filmes: tiroteios, sangue jorrando, diálogos longos e complexos, personagens buscando vingança, dança (aqui ficou a cargo do cavalo de Django, em cena impagável) e o fetiche por pés descalços que Tarantino insiste em dividir com o distinto público com closes de pés descalços das atrizes. Se bem que desta vez ele foi super discreto no único close com a atriz que faz o papel da esposa do Django: apenas uma cena banal da mulher dormindo sozinha no quarto escuro. E ainda por cima com a câmera em movimento. Bem diferente da podolatria forçada nos outros filmes.

Mas esse filme traz elementos novos na filmografia de Tarantino. Há aqui tomadas de tiroteios ainda mais arrojadas que nos filmes anteriores. Os elementos mais evidentes são os temas do racismo contra negros e a escravatura que havia nos Estados Unidos até meados do século XIX. O filme faz bem em fazer uma abordagem radicalmente contrária tanto ao racismo quanto à escravatura, mesmo quando deixa os vilões verbalizarem seus pensamentos racistas. Não é uma apologia do racismo. Ao explicitar o racismo, o filme o faz em tom de denúncia, tipo "É mentira que racismo não existe! Olhem estes racistas aqui!". O parceiro alemão de Django mostra logo no início do filme com palavras e atitudes ser contra tanto ao racismo quanto à escravatura. Em que circunstâncias Django conhece seu parceiro de caçadas e como ele obtém a alforria são detalhes que deixo para os leitores descobrirem junto com os outros detalhes ao assistirem o filme.

O tema da escravatura nos Estados Unidos do século XIX também é abordado em outro filme: Lincoln, o novo do Spielberg que está sendo lançado hoje. Mas isso é assunto para outro texto.

quinta-feira, 24 de janeiro de 2013

Tá difícil a imprensa decorar o nome da Arena do Grêmio!


Hoje mesmo o apresentador do Globo Esporte Alex Escobar disse que o Grêmio disputará sua segunda partida contra a LDU pelo torneio Pré-Libertadores no Olímpico. Só depois do intervalo é que Alex corrigiu a informação, dizendo que a partida será realizada na Arena do Grêmio. "Tenho que me acostumar com esse nome", disse Alex.

Se bem que lá mesmo na Arena e no Grêmio fazem confusão. A direção do estádio (gerido pela OAS e pelo Grêmio em parceria) pediu para que as próximas duas partidas do Grêmio pelo Campeonato Gaúcho como mandante sejam disputadas ainda no Olímpico, para preservar o gramado da Arena (ainda em processo de fixação no solo) para a partida contra a LDU, no dia 30.

Comentando sobre novos movimentos políticos, dois anos depois

Algumas coisas mudaram depois que o amigo Alexandre Figueiredo escreveu este texto e depois que escrevi a resposta que deixei lá (reprodução aqui no blogue). As mudanças ocorreram na direita assumida sem representação partidária. Uma direita que não está de forma alguma representada por PSDB, nem por DEM, nem pelas linhas auxiliares PPS e PiG. Posso garantir isso. Já se organizam na organização de legendas que se assumem ora como de direita, ora como conservadoras, ora como liberais, ora como direita conservadora, ora como direita ultraneoliberal. Coisas que aquelas legendas que citei antes não se assumem. O texto anterior onde escrevi sobre esses movimentos está aqui. Obviamente esses que pretendem suplantar a atual cena lulo-dilmo-petista-demo-tucana também se dividem. Há conservadores e direitistas moderados, legítimos herdeiros de figuras patrióticas do passado como Ulysses Guimarães. São os que não desfariam o (pouco) benefício que este país teve durante esse governo fisiológico de Lula, de Dilma e do PT. Procurariam avançar em coisas que os governos anteriores da história do Brasil imperial ou republicano não avançaram. Há também os nacionalistas, ainda mais isolados, muito por culpa dos atuais detentores do quadro político e partidário. Por outro lado, há também os direitistas radicais, os conservadores radicais e os (neo)liberais radicais. Radicais há em todo o espectro político. E tem ainda mais na extrema direita e na extrema esquerda. Mesmo o nacionalismo tem os seus extremistas, aqueles que querem fazer experiências bizarras como cruzar nacionalismo com liberalismo ou nacionalismo com socialismo. Cabe aos moderados de todas as matrizes manter os extremistas isolados, inclusive os do próprio campo.

Uma coisa posso revelar para o amigo Alexandre: nessas novas correntes sem representação partidária (direitistas, conservadores ou liberais), garanto que não há sombra do que o amigo descreve em seu texto como a "direita dente-de-leite". Porque de forma alguma eles compactuam com essa cultura de cabresto combatida por nós dois, você à sua maneira e eu na minha. São caras que estudam e querem que os demais estudem, para manter o debate sócio-político-cultural em alto nível. Não querem conhecimento e sabedoria só para eles.

Outra coisa: não temo a ascensão de corrente alguma moderada. Nenhuma mesmo. Se vierem correntes de nacionalistas moderados, de direita moderada ou de conservadores moderados no quadro partidário, não me oporei a eles. Posso até votar nos caras. Prefiro esses moderados que a esquerda fisiológica que assumiu o poder com o pior da direita fisiológica como coadjuvante. Mas parece que a esquerda lulo-dilmista quer criticar a direita lulo-dilmista preservando os cumpanhêro lulo-dilmista. Só que é indevido separa-los. A porra toda tá junto e misturada. Somando forças. Contra a população.

quarta-feira, 23 de janeiro de 2013

Nasi chega aos 51 anos


Está chegando hoje aos 51 anos de idade o cantor e compositor Nasi, veterano cantor da cena rock brasileira desde a década de 1980, tendo ajudado também nas cenas do hip hop e do blues. Parabenizo Nasi pelo aniversário. Nem lembrava dessa data, até que hoje por coincidência ouvi o seu novo disco Perigoso, que sai com data de 2012 mas chega somente agora em 2013 nas lojas e nas casas de quem comprou na pré-venda, por conta de problemas com a distribuição. Em Perigoso, Nasi gravou cinco músicas próprias e cinco de outros autores. Alguns famosos, como Taiguara, Renato Barros (de quem gravou Não há dinheiro que pague), Demétrius (outro jovem guardista, como Renato) e Raul Seixas (autor de As minas do Rei Salomão, juntamente com Paulo Coelho).

Além do novo disco, Nasi tem outro projeto garantido: um programa semanal no Canal Brasil, que está previsto para ir ao ar a partir de maio, à meia-noite de sábado. Inicialmente, o nome do programa será Nasi Noite a Dentro (fonte: Whiplash).

Repórter da Rede Globo ao vivo na Record



Falha das duas emissoras. Mas bem que o apresentador do Balanço Geral SP deveria ter sido mais elegante. Mandar o repórter da outra emissora vazar foi uma tremenda deselegância.

Este trecho do programa foi ao ar ontem, por ocasião de mais uma convocação da seleção da CBF para um amistoso com a seleção da federação inglesa, no próximo dia 6, no Estádio de Wembley.

Warner proíbe comerciais de armas em seus canais

Fontes: AdNews e TV Magazine:

Numa era da comunicação onde qualquer fagulha pode incendiar uma reputação, as marcas procuram se distanciar de temas polêmicos ou qualquer ruído que possa abalar a sua imagem. Algumas semanas depois do tiroteio em massa na Escola Sandy Hook Elementary em Newtown, em Connecticut, a Time Warner Cable iniciou uma proibição de toda a empresa em receber anúncios de armas de fogo.

"Nós já não vamos mais aceitar anúncios que mostram armas semi-automáticas e revólveres apontados para as pessoas", disse a Time Warner Cable em um comunicado. Cabe lembrar que em 14 de dezembro, 27 pessoas, incluindo 20 crianças em idade escolar primária, foram mortos em Sandy Hook, nos Estados Unidos. A tragédia tem estimulado um clamor nacional por leis mais duras em relação ao porte e utilização de armas de fogo. "Estamos solidários com esta política. Há outras opções de publicidade no mercado ".

A proibição da TWC foi anunciada logo após um comercial veiculado no Canal Sportsman, para a Associação Nacional do Rifle, que criticou o presidente Barack Obama por traçar medidas de controle mais severas sobre armas novas. O vídeo chamava o presidente de "hipócrita elitista" por não ter uma proposta da ARN para colocar guardas armados em escolas de ensino fundamental, enquanto suas filhas adolescentes são protegidos por guardas armados do Serviço Secreto. "São as crianças do presidente mais importante do que a sua?", dizia o anúncio.




Comentário para TV Magazine:

Piada pronta, não é mesmo? Ano passado mesmo a Warner lançou o filme Batman - O Cavaleiro das Trevas Ressurge, aquele em que a Liga das Sombras depõe o Prefeito e a Polícia de Gotham City, passando a governar a cidade num esquema de milícia. Vai ver, José Padilha (que está dirigindo agora o reboot do RoboCop) deu uma consultoria nesse filme do Batman.

terça-feira, 22 de janeiro de 2013

A posse de Obama e a mídia colonizada


Resposta para Altamiro Borges publicada no Facebook:

A bajulação poderia ter sido maior, Altamiro. A Globo News adiou para fevereiro a inauguração de seu canal em alta definição. Já imaginou? Bajulação e servilismo em HD?

Os puxa-sacos dos ianques gostam de insinuar que Obama é o legítimo sucessor de Martin Luther King Jr, que Obama defende os direitos civis de minorias (imigrantes, homossexuais, etc), que defende o chamado "SUS americano" (jocosamente chamado pelos republicanos de Obama Care)... Mas, na verdade, todo o Partido Democrata é algo entre o velho MDB e o PSDB. O Partido Republicano é a UDN dos EUA.

Mensalão tucano não tem aspas


Resposta para Coturno Noturno:

Não é "suposto mensalão tucano", Coronel. Nem "mensalão mineiro". É mensalão tucano. Ponto. Chamar aquilo de "suposto mensalão tucano" é fazer o mesmo que os bastardos fazem ao chamarem o mensalão petista de "Ação Penal 470", no vocabulário Jus Sperniandi deles. Ou chamar de "mensalão brasileiro".

segunda-feira, 21 de janeiro de 2013

Políticos popularescos também tem vez no 'Esquenta!'

Não são apenas os nomes da Música de Cabresto Brasileira que tem vez no programa Esquenta!. Políticos popularescos também tem vez. Depois de Dilma Rousseff, ontem foi a vez do secretário Beltrame, a pretexto da comemoração do Dia de São Sebastião, padroeiro da cidade do Rio de Janeiro.

Há políticos e entretenedores bons e ruins ao lado dos governos das três esferas (federal, estadual e municipal) e também políticos e entretenedores bons e ruins no lado da oposição, sejam ou não golpistas. Mas há quem enxergue apenas políticos e entretenedores popularescos no que chamam de oposição golpista. Ledo engano ou dissimulação.

Pra completar a esculhambação, o título da chamada do Esquenta! na Internet chamava São Sebastião de "padroeira da cidade". Assim mesmo, no feminino.

Vai ver, os caras da Globo descobriram algo sobre São Sebastião que ninguém mais sabe.

domingo, 20 de janeiro de 2013

Fanático chama passageiros de trem de "filhos do Diabo" e leva safanão de um deles



Fiel fanático prega a palavra em voz alta, arma confusão, chama passageiros do trem de "filhos do Diabo", é repreendido pelos usuários do transporte e acaba levando um tapa de um homem.

Bonde do padre sem freio


O Padre Rossi não é cantor. Ele deixa aquela enorme assembleia do Santuário Mãe de Deus cantar no lugar dele. E os fiéis nem ganham crédito nos CDs e DVDs do padre.

Padres que se acham muito só mudam quando o superior manda. No caso, o bispo diocesano. Só que Dom Fernando Figueiredo e Padre Rossi são amigos desde antes da ordenação sacerdotal do padre. Aí o bispo deixa o padre fazer as bobagens que bem entende. E tome teologia rala (aprendida no Seminário de Cruzeiro, da Diocese de Lorena, a mesma onde fica a sede da Canção Nova, que não forma seus padres naquele seminário), tome copo com água, tome músicas açucaradas com temática e teologia ralas, tome plateia cantando sozinha. Padre Rossi só mudará quando a Diocese de Santo Amaro ganhar um bispo que não deixe o padre fazer bobagens.

Até lá, o padre continua com seu açucarado programa diário às 9h na Rádio Globo (até quando ficará em rede nacional, só Deus sabe) e até o bispo tem horário próprio (e sem o padre junto) na mesma rádio: a oração anterior ao Show do Antonio Carlos. O padre continuará rezando seu terço bizantino diário na Rede Vida. E a showmissa que os dois celebram juntos ocupa um horário aos sábados na Rede Vida e substitui a tradicional Santa Missa da Arquidiocese do Rio de Janeiro nas manhãs dominicais na Rede Globo.

sábado, 19 de janeiro de 2013

O vexame da geração de Neymar


A Seleção da geração de Neymar foi eliminada da Copa Sul-Americana Sub-20 e não irá sequer para o Mundial, na Turquia.

Um dia veremos a Seleção principal caindo na primeira fase da Copa. Ou nem indo lá. Quem sabe isso quebre as pernas de nossa mídia podre e a população saia da Matrix.

Crédito da foto: Fox Sports.

Cinema Para Todos lembra um cinema (o estabelecimento em si)

É bom esse programa que o Governo do Estado criou para distribuir ingressos para os estudantes da rede estadual de ensino assistirem filmes gratuitamente neste período de férias. No entanto, o que mais chama a atenção é o nome do programa: Cinema Para Todos. Lembra um cinema de verdade, o estabelecimento em si: o cinema Paratodos, que ficava na Rua Arquias Cordeiro, próximo à estação de trem do Méier. Eu mesmo assisti alguns filmes no Paratodos, até meados de 1991. Até que o Paratodos encontrou o mesmo destino de centenas de cinemas pelo país afora: fechou as portas e foi ocupado por picaretas da fé.

sexta-feira, 18 de janeiro de 2013

'A Pequena Sereia' não terá mais relançamento em 3D e 'Piratas do Caribe 5' chegará aos cinemas apenas em 2015

Comentários para O Globo publicados no Facebook:

Depois daquele malfadado Piranha 3D cheio de estrelas do cinema pornô, o formato 3D está esgotado. Só vai servir para lançar novos filmes. No que diz respeito a filmes antigos, o último suspiro do 3D será no lançamento das versões 3D dos Episódios II e III de Star Wars, em setembro e outubro.

2015 será um ano congestionado de lançamentos de filmes 3D da Disney. Além do Piratas do Caribe 5, teremos Os Vingadores 2 e Star Wars Episódio VII.

quinta-feira, 17 de janeiro de 2013

A incrível capacidade de alguns direitistas ideológicos em elogiarem o Governo Lula-Dilma

Não é um privilégio da direita lulo-dilmista, fisiológica, adesista ou da picaretagem generalizada da direita à esquerda.

Resposta para Blog do Rogério Neiva:

Isso. Continuem incentivando essa corja. Daqui a 50 anos não me venham reclamando que nós ficamos velhos e essa corja lulo-petista continuou no poder, sem largar o osso.

quarta-feira, 16 de janeiro de 2013

Brasil vive regime de exceção diante da aproximação da Copa e das Olimpíadas


Resposta para Blog História Vermelha:

Não esqueçamos dos principais responsáveis por trazerem esses eventos pro Brasil: Luiz Inácio Lula da Silva, Ricardo Teixeira e os aliados deles nos estados, inclusive os governadores e prefeitos aliados ou supostamente oposicionistas.

terça-feira, 15 de janeiro de 2013

Governo Federal dará bandeira!

É o que dá para deduzir lendo a própria notícia do Ministério do Planejamento:

Nos próximos meses, os brasileiros começarão a receber em suas contas de luz um indicativo sobre o nível dos reservatórios e o preço da energia a curto prazo. Bandeiras verde, amarela ou vermelha serão apresentadas aos consumidores até o fim deste ano, em fase de testes, sem que isso implique custos maiores. Já em 2014, porém, uma eventual restrição do volume de água nos reservatórios, como ocorre neste verão, será acompanhada de uma bandeira amarela ou vermelha e elevará efetivamente o valor da cobrança.

Enquanto a oposição demo-tucana não tem projeto para o país, o atual Governo tem: dar bandeira. É isso que este país merece, por eleger esses paspalhões. Ontem e hoje.

segunda-feira, 14 de janeiro de 2013

TV Brasil no lugar da Rede TV!? Boa ideia


Resposta para Altamiro Borges:

A ideia é boa, Miro. Mas aviso que, no Rio de Janeiro, a TV Brasil já ocupa o canal 2 e a Rede TV! ocupa o canal 6. Um dos dois canais teria que fechar. Ou não?

Mais comentários no Facebook:

Leonardo Ivo

O 6 deveriar ser repassado para a Radio Tupi.

Marcelo Delfino

Vá explicar isso pro homem do Barão de Itararé... Se bem que, nas mãos da Tupi, o canal 6 viraria tão governista quanto a TV Brasil.

Leonardo Ivo

E uma questão de direito

Marcelo Delfino

Esse Altamiro pensa que o Brasil começa e termina em São Paulo, com seus políticos reaças oposicionistas no poder estadual. Não sabe o que se passa do lado de cá da Via Dutra.

Leonardo Ivo

pois é

Leonardo Ivo

Só a de Sampa. A do Rio sera sustentada pela radio, uma vez que o CNPJ e a razão social eram as mesmas.

Nota deste blogue: No Rio de Janeiro, a TV Brasil ocupa o canal 2 VHF e a Rede TV! ocupa o canal 6, que já foi da TV Tupi e da TV Manchete. Em São Paulo, a Rede TV! ocupa o canal 9 que já foi da TV Excelsior e da TV Manchete e a TV Brasil ocupa o canal 62 UHF.

Mais comentários em Altamiro Borges:

Orange Weblogs disse...

Não quero desanimar ninguém, mas noto uma queda de qualidade na TV Brasil comparada à TVE de anos atrás. Talvez ela tenha sucumbido às regras de mercado para sobreviver, priorizando o entretenimento puro.

Mesmo assim, acho legal ela ser dona da Rede TV. Pior do que como a Rede TV está, não fica.

12 de janeiro de 2013 09:29

roberto disse...

ESPERO QUE ESTA TV NÃO VIRE UM VEÍCULO PARA A MILITÂNCIA DESTILAR SEU ÓDIO

12 de janeiro de 2013 11:53

domingo, 13 de janeiro de 2013

Não esperem mais comentários meus sobre a Big Bosta

Gostaria de dizer ao amigo Alexandre Figueiredo que uso um programa que bloqueia linques do Twitter e do Facebook que citem aquela Big Bosta. Por isso não tenho repetido seus linques que citam aquele famigerado programa e nem tenho visto linques dos outros.

Não que eu seja favorável ao programa. É que tenho um monte de leitores que, como eu, não querem mais saber de notícias sobre aquela Big Bosta, em qualquer mídia que seja, inclusive nas redes sociais. Eu e vários de meus leitores estamos no último estágio de repulsa à Big Bosta. O primeiro foi o da curiosidade: conferimos o programa no início para termos certeza de que é uma bosta, mesmo. O segundo foi o do ativismo contrário: não víamos o programa, mas promovíamos pesadas críticas e convidávamos as pessoas para boicotarem o programa. Agora estamos no estágio final: o silêncio a respeito e as citações não nominais, as supremas formas de desprezo.

A todos os meus amigos, inclusive Alexandre: não esperem mais comentários meus a respeito daquela Big Bosta. Nem mesmo em meus blogues.

Texto publicado originalmente no Facebook.

sexta-feira, 11 de janeiro de 2013

Faltam assentos em ônibus da Viação Bangu. É a Reforma Ortográfica?


Estas duas fotos de hoje são do interior de um ônibus da Viação Bangu e do Consórcio Santa Cruz, que circula na linha 383 (Tiradentes - Realengo). Detalhe: trata-se de um ônibus com ar condicionado e tarifa diferenciada (R$ 3,30), diferente da tarifa convencional (R$ 2,75). Faltam três assentos naquele ônibus.

É a Reforma Ortográfica que está tirando os assentos dos ônibus da Viação Bangu?

Esse trocadilho funciona melhor na linguagem falada.

Lista de músicas da turnê 2012/2013 do Barão Vermelho é praticamente igual à da turnê 2004/2005, só que com mais músicas da fase com Cazuza

É o que lembrei depois de analisar a lista de músicas da apresentação na Fundição Progresso em 20 de outubro passado (onde estive pessoalmente) e a lista de músicas do CD duplo MTV Ao Vivo, de 2005. Há uma resenha do portal Culturall da apresentação de 20 de outubro passado aqui. Meus comentários anteriores sobre a mesma apresentação estão aqui. Fui a uma apresentação de 2004, também, e a quantidade de músicas tocadas naquela turnê (sem considerarmos a lista do CD MTV Ao Vivo) é praticamente igual à da atual turnê. Na apresentação na Fundição não foram tocadas as faixas Cara a cara, O nosso mundo e Amor meu grande amor. Já o CD não tem (I Can’t Get No) Satisfaction (dos Rolling Stones) e cinco músicas dos dois primeiros LPs da fase da banda com o vocalista Cazuza, sendo que quase todas essas cinco músicas da época do Cazuza dificilmente foram tocadas na turnê 2004/2005. Só Todo amor que houver nessa vida aparece constantemente nas apresentações da banda desde os primórdios. As demais músicas são: Menina mimada, Billy Negão, Carne de pescoço (três autênticos "lados B" do Barão) e o atual sucesso Sorte e azar, a inédita da reedição remixada do primeiro disco do Barão agora disponível nas lojas. Portanto, mesmo que as turnês se equivalham, a lista de músicas da apresentação da Fundição supera a do CD MTV Ao Vivo, pela presença dessas músicas originalmente gravadas com Cazuza e pela música dos Stones. Mais um motivo que torna essa atual turnê imperdível, já que a banda poderá tocar pelo menos esses "lados B".

quinta-feira, 10 de janeiro de 2013

Filho feio não tem pai nem mãe (3)

Resposta para A agonia do neoliberalismo, de Carlos Chagas:

Socialistas, comunistas e neoliberais tem algo em comum: diante das lambanças desses regimes, alegam que jamais houve um governo socialista, comunista ou neoliberal de fato em parte alguma do planeta. Filho feio não tem pai.

Por isso que não sou socialista, nem comunista nem neoliberal.

quarta-feira, 9 de janeiro de 2013

Fofocas e futricas na imprensa esportiva

Resposta para Lance!:

Flamengo usa Ninho para blindar grupo e não permite presença de ‘agregados’

Isso deveria ser feito por todos os clubes brasileiros, assim como é feito na Europa. A imprensa brasileira é equivocada, quando não leviana. Trata o futebol como se fosse algo público e de alto interesse nacional. Mas não é. São negócios privados. Se os times ganham, perdem ou empatam, se são campeões, vice-campeões ou rebaixados, isso é da conta deles. Ninguém mais ganha ou perde com as conquistas ou quedas dos times.

A imprensa esportiva quer criar uma indústria midiática maior que a dos clubes e das federações. Aí tem que arrumar noticinha pra encher pauta, pra fustigar, pra fofocar e pra futricar. Já tem até rádio inteira supostamente toda dedicada aos esportes, bancada por banco, com nome e tudo.

terça-feira, 8 de janeiro de 2013

Efeito Orloff (1)

Tancredo Neves foi eleito presidente (indiretamente, mas foi eleito) e morreu sem tomar posse. Ficou o vice-presidente José Sarney governando o país durante o mandato todo: 5 anos. Acontecerá o mesmo no novo mandato de Hugo Chávez na Venezuela?

Tucanos fluminenses querem Huck governador

Na virada de 2012 para 2013, surgiram rumores de que tucanos fluminenses sonham em lançar o apresentador global Luciano Huck candidato a governador do Rio de Janeiro em 2014. A notícia se espalhou na Internet a partir de nota de Ilimar Franco publicada no Blog do Noblat.

Esses tucanos fluminenses devem estar muito desesperados. Em franca extinção. Também tem a questão de que precisam se tornar relevantes eleitoralmente, para darem um palanque para o presidenciável Aécio Neves em 2014 no Rio de Janeiro, estado dominado por partidos lulo-dilmistas. O PSDB nunca foi relevante eleitoralmente no Rio de Janeiro. Até hoje, jamais elegeu um prefeito para a capital. No máximo elegeu Otavio Leite para vice-prefeito de Cesar Maia (PFL) em 2004. E mesmo assim Otavio não teve espaço na gestão de Maia, largando a vice-prefeitura para se eleger deputado federal em 2006. O único governador eleito pelo PSDB-RJ foi Marcello Alencar, eleito em 1994 a bordo da popularidade do Plano Real de Itamar Franco e FHC. Hoje o PSDB-RJ é tão minúsculo quanto o PSOL. Ao contrário do PSDB-SP, que já venceu cinco eleições consecutivas para o Governo do Estado e elegeu um ruralista para fazer companhia ao ex-casal Suplicy na bancada paulista no Senado.

Quanto ao apresentador global, dizem que Luciano Huck não tem identificação programática com o PSDB. Ledo engado. Acompanhem os valores que o marido de Angélica passa na TV. Neoliberalismo puro. Aquela coisa da descrença total em soluções coletivas para a resolução dos problemas da sociedade. Apenas a crença no individualismo ou em paliativos bilaterais a partir da filantropia de ONGs ou empresas privadas, como os quadros Lar Doce Lar e Lata Velha do Caldeirão do Huck. Ou o projeto Criança Esperança da Rede Globo e da Unesco bancado por doações privadas, segundo dizem. Mas dizem que o homem está recusando o convite para se candidatar a governador.

Não é a primeira vez que alguém lança a ideia de uma candidatura de Luciano Huck. Há alguns anos um colunista da Veja (logo de onde!) disse que o PSDB deveria, sim, lançar a candidatura de Luciano Huck. Não para governador, mas para presidente da República. Veja, PSDB, Luciano Huck... Tudo a ver. A gente vê por ali.

domingo, 6 de janeiro de 2013

Rede Globo com pinta de TVT

Postagem curta, porque eu ainda não estou 100% bem. Nada de postagens longas. A hora da volta com força total não chegou.

Depois que dona Dilma apareceu no Esquenta! da Rede Globo, programa virou chapa branca total. O discurso sobre economia é rigorosamente o mesmo do Governo Federal. Parece programa da TVT.

sexta-feira, 4 de janeiro de 2013

As opções políticas dos roqueirinhos das "rádios roque" brasileiras, que de rock só tem o vitrolão

Resposta para Mingau de Aço no Facebook:

Me preocupo apenas com a movimentação dos liberais, dos neoliberais e dos reacionários. Alguns encastelados nesse cenário político lulo-dilmo-demo-tucano. Não me incomodo nem com direitistas nem com conservadores, se estes não forem reaças nem (neo)liberais. Direita assumida e conservadores podem incomodar o Alexandre Figueiredo. A mim não necessariamente. Pra citar nomes do rock, eu jamais me incomodei com figuras do quilate de Elvis Presley, Neil Young, Johnny Ramone (do Ramones) e Dave Mustaine (do Megadeth). Aqui no Brasil é que vemos "rebeldes" do rock protestando contra o Governo e outras instituições com apoio da grande mídia e até do próprio Governo...

Pesquisem o que significa cada um desses termos: liberalismo, neoliberalismo, reacionarismo, conservadorismo e direita política. Quem é um não precisa ser necessariamente algum dos demais. Cada caso é um caso.

quinta-feira, 3 de janeiro de 2013

Rádio é reacionário, não conservador

Resposta para Mingau de Aço no Facebook:

Esse retorno da 89 FM A Rádio Rock me parece o retorno do programa televisivo O Clube do Rock, de Carlos Imperial. Que também era trincheira de um rock domesticado. Eu fico puto com essas coisas.

Se esses caras da UOL 89 são conservadores na essência e modernos na forma, eu sou um conservador radiofônico na forma e moderno radiofônico na essência. O problema é que o meio radiofônico está sempre involuindo. É reacionário, não conservador. Se fosse conservador, teria conservado emissoras como a Fluminense FM, Federal AM, Eldo Pop (essas, sim, rádios rock de verdade), Roquette Pinto AM, Mundial 860, Jornal do Brasil AM, Opus 90, Globo FM, Nacional FM, Alvorada FM, Tupi FM original, RPC, Imprensa FM, Cidade FM original, Antena 1, Tropical FM, Estácio/Universidade FM...

Pelo menos neste ponto, eu e os amigos Alexandre Figueiredo e Marcelo Pereira somos conservadores. Eles só não se definem como tal. E é só nisso que eles são conservadores. Eles também devem estar insatisfeitos com esse meio radiofônico reacionário. Seria bom se o rádio fosse conservador! Pelo menos os bons formatos e essências seriam preservados.

quarta-feira, 2 de janeiro de 2013

TV governista tida como golpista exibirá hoje o filme do Lula


Taí a realização do sonho de toda a militância e esgotosfera progressista! Finalmente conseguiram transferir a poderosa Rede Globo de PiG para PiG: do golpista para o governista. E nem precisaram de uma Lei de Meios estilo Cristina Kirchner. Bastou apenas um punhado de patrocínios estatais na Vênus Platinada e a sucessiva ida dos presidentes petistas à bancada do Jornal Nacional, a cada eleição deles. O casamento será sacramentado hoje à noite, com a exibição do filme do Lula ao vivo em canal aberto para todo o Brasil em HD ou SD pela Globo. Para alegria da militância.

Veja, Folha, RBS e outros integrantes do PiG golpista sentirão falta da ex-companheira global. Tempos difíceis os esperam.

'O Espetacular Homem-Aranha' se garante com suspense e com diálogos. Não serve como filme de ação


Apenas no sábado passado acabei de conferir o filme O Espetacular Homem-Aranha, através de uma cópia em Blu-ray. Este filme é bom pra quem gosta de suspense e de diálogos. Pra quem gosta de ação, não serve. Por isso o filme falha na proposta de ser um filme de ação, que é o que esses filmes todos de personagens da Marvel deveriam ser.

Pelo menos deram uma base adequada para o Homem-Aranha pros próximos filmes e mesmo para o milagre de sua participação em Os Vingadores 2. E a estreia do Lagarto em sua forma réptil em filmes também foi boa.

terça-feira, 1 de janeiro de 2013

Troféu Tolo do Ano 2013 já tem seu primeiro candidato!

E logo no primeiro dia! Trata-se do sr. MC Toddy, que tratou de fazer uma música (???) chamada Passinho do Guns N' Roses, uma versão para o 'crássico' Sweet Child O' Mine da referida banda farofeira.

Tudo bem que a "música" é de 2009, mas como está sendo relançada para 2013, tai a primeira indicação para o Troféu Tolo do Ano 2013.

Fânqui, hard rock farofa... Tudo a ver.

Fonte: Whiplash.

O fim de ano às vezes chega com inúmeras surpresas para todos nós. Perambulando pelas redes sociais, pode-se ver vários compartilhamentos, desejando votos de felicidades e todo aquele clima festivo.

Mas uma das postagens chamou atenção do blog Rock na Velha, em meio a todo aquele alvoroço de Ano-novo: a de um funkeiro do Rio de Janeiro que resolveu parodiar uma música ‘sagrada’ da banda que já foi considerada a mais perigosa do planeta, o Guns N’ Roses.



MC Toddy começou sua carreira em 2009, mas só agora despontou para o ‘sucesso’ com a versão “Passinho do Guns N’ Roses”, lançada ainda naquele ano. A canção em questão é “Sweet Child O’ Mine”.

Desta feita, complete, leitor: o ano fechou com chave de _________.

Tema dos Vingadores no ano novo carioca


Caramba! Os caras que fizeram a trilha sonora para a queima de fogos da Praia de Copacabana, hoje na festa de ano novo, estão de parabéns. Começaram o ano tocando o tema principal do filme Os Vingadores, o maior arrasa-quarteirão do ano passado.

Não deixa de ser inspirador. Porque, pra matar um leão por dia em 2013, só mesmo dando uma de super-herói.