Política, cultura e generalidades

terça-feira, 27 de novembro de 2012

No 'Veta, Dilma', sobrou para governador e prefeito

Sobrará muito mais protestos contra eles se dona Dilma sancionar na íntegra o projeto que redistribui os royalties do petróleo para todo o país.

Por enquanto, fiquemos com algumas fotos do manifesto ocorrido ontem no centro do Rio de Janeiro: o Veta, Dilma, convocado pelo governador Cabral Filho. Que fingia que não haveria protestos contra ele...

Na Cinelândia, o clima era de oba oba, à tarde.


Mais uma vez, os amigos petroleiros compareceram reivindicando fiscalização dos recursos dos royalties, uso dos recursos para a saúde, a educação e a habitação, e o fim dos leilões das bacias de petróleo e gás do país.


A Fecomercio marcou presença.


Mais fotos da manifestação:



O que não estava no roteiro bonitinho do Veta, Dilma foi a manifestação contra ações e projetos das atuais gestões estadual e municipal. Sobraram faixas, cartazes e palavras de ordem contra o governador Cabral Filho, contra o prefeito Eduardo Paes, contra o despejo da Aldeia Maracanã e a demolição do antigo prédio do Museu do Índio, contra a baixa remuneração de guardas municipais, professores e bombeiros, e reclamações sobre a situação da educação pública.















Mais tarde, houve uma confusão entre esses manifestantes e seguranças do governador Cabral Filho. Mas nada que atrapalhasse esses protestos ou o Veta, Dilma.

2 comentários:

  1. Os Royalties são nossos. Mas se é pra o Cabral ficar usando para beneficiar os amiguinhos construtores. Que ele tome na tarraqueta e fique sem a grana. Pior pra nós que elegemos esses estúpidos.

    ResponderExcluir
  2. Todos tem direito de protestar, mas esse não era o momento de ficar contra o governador.

    ResponderExcluir