Política, cultura e generalidades

domingo, 4 de novembro de 2012

Demagogos pró e contra 'pancadões' em São Paulo

Eu fico puto com certas coisas que acontecem neste país. Podem ser coisas que acontecem perto ou bem longe. Há algum tempo acontecem bailes fânqui de proibidões também em São Paulo. Lá esses bailes são chamados de pancadões. São bailes onde as mulheres viram objeto sexual (seja nas letras ou presencialmente) para machistas da pior espécie. São lugares onde os próprios promotores são coniventes com tráfico de drogas, diferente de certos eventos musicais em que as drogas são levadas por estrupícios da plateia.

Os demagogos que defendem essa bandalheira fanqueira dizem que defendem o "funk do bem" e combatem o dito "funk proibidão", arrotando "independência". Como se a própria natureza (neo)liberal da grande mídia (com xuxas, hucks e faustões) não fosse favorável a essa liberalidade em questões comportamentais e essa mídia liberal não divulgasse o dito "funk do bem" em tudo quanto é programa popularesco, mesmo em programas esportivos.

Agora vem os demagogos do contra querendo proibir esses pancadões, pra fazer média com as dondocas da classe média de ultradireita que os elegeram. À frente, os novos vereadores da "bancada da bala", que inclui um ex-comandante da PM paulista e dois ex-comandantes da Rota, tropa de elite da PM-SP que é uma mistura de Bope com batalhão de choque. Esses incompetentes da "bancada da bala" não combateram a criminalidade com competência quando eram comandantes PMs da ativa. A bandidagem continua tocando horror em São Paulo. Não será no Legislativo que os incompetentes combaterão a criminalidade.

Eu já disse que a PM de todo o país deveria ser desmilitarizada, civilizada, bem treinada e bem equipada.

Mas agora estou curioso pra saber o que os demagogos a favor paulistanos farão sem terem um Marcelo Freixo por lá.

Nenhum comentário:

Postar um comentário