Política, cultura e generalidades

sexta-feira, 7 de setembro de 2012

Desconfie de um governista ou esquerdista que clamar por "democratização" ou "regulamentação" dos meios de comunicação

Respostas para Raphael Tsavkko:

Na verdade, o sonho dos governistas é um regime de partido único, tal como o regime do Partido Comunista da China. Comunista só no nome, pois virou politicamente incorreto criticar o comunismo e a esquerda em geral. Na essência, um regime plutocrático, onde o Partido domina os três Poderes (Executivo, Legislativo e Judiciário) mas deixa o empresariado comandar os negócios públicos e privados do país. Desde que só os empresários aliados do Partido e integrantes do regime tenham licença para participar dos negócios.

Roberto Pereira disse...

E com a imprensa devidamente "democratizada".

Sério, a imprensa brasileira é uma vergonha mesmo, de direita, parcial, concentrada, chega a ser uma máfia - como o caso Veja-Cachoeira prova - , mas depois de provar na pele a noção de "democracia e liberdade de expressão" dos Eduguins da vida TÔ FORA da conversinha deles de "democratizar a midia". O que ele querem é APARELHAR A MIDIA E IMPOR CENSURA de tudo que for contra o PARTIDO.

Luís disse...

Eu também quase fui atraído pelo canto da sereia dos "progressistas".

Atualmente, com esse pessoal, o que eu faço é procurar pérolas do mais puro governismo e peleguismo para abastecer o Tumblr do Governismo, né Raphael? :o)

Raphael Tsavkko disse...

Falou um dos nossos maiores colaboradores1=)

Gustavo Noronha disse...

Você pegou em outro ponto que me irrita constantemente: a militância abre o verbo falando de democratização das comunicações/mídia e o governo defendido por ela *sequer* melhorou o processo kafkiano que é botar pra funcionar uma rádio comunitária. E quando a ANATEL vai no Rio+20 e fecha uma rádio "ilegal" os nossos amigos progressistas botam a culpa em... FHC!

É o cúmulo da hiprocrisia. Ironicamente, a única democratização das mídias nos últimos 20 anos que eu consigo pensar é a mudança na forma como concessão de frequências era feita anteriormente: de o Presidente decidir e conceder o que quiser pra quem quiser dos tempos de Sarney para a concessão ter que ser votada pelo Congresso, tirando o poder dele próprio.

E ironicamente também, as leis criadas no processo de privatização das teles dão ao governo atual a capacidade de fazer muito melhor do que vem fazendo - inclusive a capacidade de colocar *por decreto presidencial* a banda larga em regime público, o que daria ao governo poder de estabelecer metas em troca do direito concedido - mas é esperar demais de um governo que lança com tanta pompa um programa absolutamente impróprio para as necessidades do país. Discurso da militância e ação do governo estão tão desalinhados nessas questões que chega a ser cômico.

Raphael Tsavkko disse...

Pois é, esse é um dos pontos mais toscos dessa militância fanática. Ficam idolatrando o governo e esperando sentados uma democratização das comunicações que JAMAIS vai sair. E não vai sair porque o governo sabe que pode contar com a mídia quando as intenções convergem e pode contar com a militância fanática quando lhe convém. É um jogo de ganha-ganha para o governo que pode ser fazer de vítima sempre que quiser.

Nenhum comentário:

Postar um comentário