Política, cultura e generalidades

segunda-feira, 9 de julho de 2012

A possível vitimização do demo-tucanato

Acredito ter matado uma charada das entrelinhas deixadas pelo amigo Alexandre Figueiredo, que há anos trava um combate justo contra a cultura de cabresto brasileira. Acredito que ele tem razão quando ele diz que a cultura de cabresto é uma das últimas trincheiras da direita brasileira, junto com a mídia majoritária.

O trecho abaixo coletado no Mingau de Aço me passou uma mensagem subentendida:

...a verborragia da centro-direita cultural, dotada de muita visibilidade e de um status praticamente divinizado pela intelectualidade em geral, ganha sentido e qualquer questionamento feito é rebatido com as mesmas ladainhas de "preconceito", "elitismo" e "moralismo" que a centro-direita cultural, que se acha "esquerdista", atribui a seus contestadores.

Não demora muito, os politiqueiros demo-tucanos também usarão esse discurso de serem vítimas de "preconceito", para ressuscitarem eleitoralmente. Alguns deles podem estar adotando esse discurso agora mesmo na eleição municipal. Uma vitimização que, ao meu ver, pode não ficar restrita aos representantes e aos defensores da cultura de cabresto.

Só que, enquanto essas múmias demo-tucanas forem muito convenientemente mantidas pelos lulo-dilmo-esquerdistas no posto de suposta oposição, não haverá partido assumidamente direitista, nem partido assumidamente conservador nem partido nacionalista neste país. Não há democracia autêntica sem que essas três correntes de pensamento estejam eleitoralmente representadas por políticos e partidos assumidos destas tendências. Para felicidade geral da nação esquerdista, seja lulo-dilmista ou supostamente oposicionista.

Nenhum comentário:

Postar um comentário