Política, cultura e generalidades

segunda-feira, 7 de maio de 2012

Noel Gallagher - Vivo Rio - 3 de maio de 2012


Havia uma grande expectativa pela primeira apresentação de Noel Gallagher em carreira solo no Rio de Janeiro. Pudera. Sua banda original Oasis foi uma das mais importantes da história do rock e possui uma legião de fãs em dezenas de países. E o Rio de Janeiro tem milhares desses fãs. Noel foi letrista principal, guitarrista e segundo vocalista do Oasis, e em outubro do ano passado lançou seu segundo CD solo (o primeiro pós-Oasis), o arrebatador Noel Gallagher's High Flying Birds, que apontou novos rumos e novas sonoridades para a ascendente carreira solo de Noel.

Pois fãs de Noel Gallagher (e, por tabela, do Oasis) lotaram o Vivo Rio na quinta-feira passada, não só para ver e ouvir Noel tocando e cantando seu contundente repertório, mas para cantar junto. É impressionante como os fãs de Noel (e do Oasis) acompanham ferrenhamente a carreira de Noel. Cantaram junto com Noel as músicas do seu novo CD solo (base do repertório, pois foi tocado quase na íntegra, exceto a faixa Stop the Clocks), lados B da carreira do Oasis, músicas menos conhecidas dos discos oficiais do Oasis, músicas do EP solo que Noel lançou só na Inglaterra e, obviamente, os dois únicos megaclássicos do Oasis da noite, cantados a plenos pulmões (e bota pulmões nisso) por Noel e pela plateia: Supersonic (em versão acústica) e Don't Look Back in Anger. Como diz a letra desta última canção (Não olhe para trás com rancor), Noel não despreza seu passado no Oasis, mas quer diferenciar sua carreira da do Oasis, ao privilegiar o lado B do Oasis.

Noel e seus músicos acompanhantes fizeram uma apresentação magistral. Noel mostra ao vivo o que eu desconfiava que fosse: um excelente vocalista capaz de segurar sozinho um show inteiro (a voz e os pulmões ajudam) e um músico excepcional. Ele revezou três instrumentos no show todo: um violão e duas guitarras diferentes. Os demais músicos (um guitarrista, um baixista, um baterista e um tecladista) cumpriram bem a missão de dar suporte ao patrão Noel. As músicas do High Flying Birds que em CD são mais intimistas ganharam versões mais encorpadas, ao vivo.

No todo, a apresentação solo de Noel Gallagher (bem como o novo disco) apontam que ele tem, sim, influências do rock das décadas de 1950 e 1960, mas também está antenado com sonoridades atuais do rock, notadamente o próprio rock britânico. Há também um flerte com a atual música eletrônica, na música AKA... What a Life!.

Quando voltou ao palco para o bis, Noel flagrou a maior parte da plateia cantando sozinha a música Rockin' Chair, que não estava no roteiro.

Enfim, este foi um das melhores eventos musicais desta cidade em 2012.

O repertório:


"(It's Good) To Be Free"
"Mucky Fingers"
"Everybody's on the Run"
"Dream On"
"If I Had a Gun"
"The Good Rebel"
"The Death of You and Me"
"Freaky Teeth"
"Supersonic"
"(I Wanna Live in a Dream in My) Record Machine"
"AKA... What a Life!"
"Talk Tonight"
"Soldier Boys and Jesus Freaks"
"AKA... Broken Arrow"
"Half the World Away"
"(Stranded On) The Wrong Beach"

Bis:

"Let the Lord Shine a Light on Me"
"Whatever"
"Little By Little"
"Don't Look Back in Anger"

Nenhum comentário:

Postar um comentário