Política, cultura e generalidades

quarta-feira, 21 de março de 2012

Os amigos de esquerda que contestam a bandalheira da Copa 2014

Resposta para Cinema & Outras Artes:

Concordo que o Brasil tem capacidade de sediar eventos como a Copa 2014. O que eu vejo é que a mídia nativa (fora algumas exceções aqui ou ali) tem interesses ideológico-partidários em mostrar as falhas que a organização de tal evento tem e terá. Digamos que a mídia nativa é governista (apoia o Governo, seja qual for, noves fora o caso do governo de João Goulart em 1964) e ao mesmo tempo é ideologicamente neoliberal. A maior parte da mídia plutocrática preferiria que um governo demo-tucano estivesse aí até hoje. Mas é lulo-dilmista diante do distinto eleitorado lulo-dilmista (Grupo Record que o diga), golpista nas entrelinhas e plutocrática na essência.

E olha que há um grupo plutocrático que ataca a bagunça da organização da Copa 2014, mas poupa seus amigos da CBF e não prega o cancelamento da própria Copa, pois terá altos lucros com o evento: as Organizações Globo.

No entanto, a mídia nativa sempre chega atrasada. Muito antes da mídia nativa tentar impor às figuras de Dilma Rousseff e Lula os fracassos da Copa vindoura, eu já fazia isso em 2009, quando inaugurei meu primeiro blogue. Só que como tenho vergonha na cara e me interesso pela defesa da soberania da Nação e da soberania de sua população (ao contrário da mídia plutocrática), eu digo que Lula e Dilma são os primeiros responsáveis, tanto pelo sucesso como pelos vexames da parte da organização da Copa 2014 que cabe ao segmento governamental. Digo os PRINCIPAIS, porque não são os únicos. Incluamos todos os 12 governos estaduais e municipais corresponsáveis pela organização da Copa, inclusive os governos estaduais demo-tucanos de São Paulo, Minas Gerais, Paraná e Rio Grande do Norte.

Quero fazer a defesa dos esquerdistas atacados por esse blogue. Aqueles que denunciam os malfeitos e as bandalheiras da Copa 2014. Se o missivista deplora esses esquerdistas, só lamento. Conheço dois deles. Não os citarei para poupa-los da sanha deploratista do missivista. Um deles é esquerdista convicto, e outro é socialista assumido, embora ele preferisse um regime anárquico que ele vê ser impossível com a atual humanidade. Ambos acreditam que o brasileiro em geral se preocupa demais com coisas fúteis ou não prioritárias, como o futebol, a TV aberta e a cultura populista e popularesca. Ambos acreditam que o Governo Lula-Dilma nem pode ser caracterizado como governo de esquerda. Creditam seus méritos ao pouco de esquerdismo que possui e atribuem seu fisiologismo e seus malfeitos aos genes direitistas e neoliberais. E acreditam que a ainda dominante tradição direitista e fisiológica dos governantes não recomenda que este país sedie eventos como a Copa 2014 e a Olimpíada 2016.

Eu discordo frontalmente dos amigos, pois acredito que governos de esquerda como o de Lula e Dilma não são imunes a bandalheiras de toda ordem. Várias das falhas do Governo Lula-Dilma vem exatamente do fato de ser um governo de esquerda. Outras falhas vem mesmo dos genes direitistas e fisiológicos. Na verdade, nenhum governo está imune a falhas. Mesmo um governo nacionalista, como o de Getúlio Vargas, que passou sete anos governando o país num regime autocrático: o Estado Novo.

Apesar de serem críticos da Copa 2014, meus amigos também criticam os urubólogos de direita e/ou neoliberais, e rejeitam mais ainda a oposição de direita. São independentes até para fazer críticas a opositores de esquerda, como Marcelo Freixo e Chico Alencar. Portanto, nobre Maurício Caleiro, não julgue toda a crítica de esquerda como adesão à mídia plutocrática ou à oposição de direita. Considere o multicolorido do espectro ideológico brasileiro. Diferenças que, somadas a outras, tornam cada um de nós um indivíduo único.

Nenhum comentário:

Postar um comentário