Política, cultura e generalidades

quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

Transmissões de F1 no rádio: insistência ou teimosia?

Uma coisa que me intriga há anos é a permanência das transmissões das corridas de Fórmula 1 no rádio. A primeira vez que sintonizei corridas de F1 no rádio foi no início dos anos 90, quando Ayrton Senna ainda disputava corridas e títulos pelo mundo afora. E uma emissora que transmitia as corridas no Rio era a Transamérica FM 101,3. Eu já julgava um anacronismo uma transmissão característica do AM em rádio FM. Mal sabia eu que ainda viria a Catedral FM 106,7 e um monte de FMs com transmissões de AM em toda ou parte da programação...

Depois da morte de Ayrton Senna, nunca mais um brasileiro fez história na Fórmula 1. Tivemos no máximo brasileiros vencendo corridas esporadicamente. Rubens Barrichello ali, Felipe Massa acolá, e assim por diante. Além do próprio Massa tendo disputado o título em apenas um ano, mas sofrendo toda sorte de sabotagens, inclusive de sua escuderia. A rigor, a Fórmula 1 atrai hoje a atenção apenas dos fãs de automobilismo em geral, independente da categoria. Não gera mais atenção nacional como nas eras de Fittipaldi, Piquet e Senna. De modo que o que sustenta o interesse na Fórmula 1 fora dos redutos de fãs de automobilismo é a permanência da F1 na programação da Rede Globo. E, na Globo, nada que é transmitido por eles fica só nas transmissões. Invade tudo quanto é programa da casa. Mas se os caras não tem direito de transmissão, o fato esportivo vira uma não-notícia. Nem imagem, nem fotos, nem notas são mostradas. Só depois dos protestos dos telespectadores, como aconteceu durante o Pan 2011, transmitido apenas pelas redes Record e Record News.

No rádio a permanência das transmissões de Fórmula 1 fica mais anacrônica. Porque rádio é um veículo essencialmente local, principalmente a programação AM. Tanto que as rádios do Rio não se interessam em acompanhar times de futebol paulistas, mineiros, gaúchos ou de outros estados, nem seleções de outros países, exceto durante a Copa do Mundo. Só acompanham os times do Vasco, do Fluminense, do Flamengo e do Botafogo, e a Seleção Brasileira. Talvez faça sentido as AMs de São Paulo continuarem transmitindo a Fórmula 1, pois os pilotos brasileiros ainda resistentes na categoria são paulistas, o GP Brasil de Fórmula 1 é feito em Interlagos e os paulistas tem uma cultura automobilística bem maior, provocada pelo nascimento da indústria automobilística brasileira naquele Estado.

Só o fato de as rádios cariocas CBN e Band News integrarem redes encabeçadas em São Paulo explica a insistência dessas emissoras em transmitirem corridas de Fórmula 1. Nem a Transamérica Rio transmite mais todas as corridas... Mas temos ainda o desprazer de flagrarmos a Rádio Globo repetindo as transmissões da CBN em AM em FM, e olha que a CBN já faz dupla transmissão em AM e FM. Ou seja: é uma tetra transmissão (dois canais AM + dois canais FM).

Texto publicado originalmente no portal TVs do RJ.

Nenhum comentário:

Postar um comentário