Política, cultura e generalidades

quinta-feira, 12 de janeiro de 2012

Copa 2014 e as eleições posteriores

Resposta para Com Texto Livre:

Esse artigo de Marcos Coimbra e outros estariam completos se estivessem abordando o fator novo para as futuras eleições: a Copa 2014. Sem considerarmos a Copa, o cenário é de hegemonia do lulo-dilmismo (me recuso a usar o termo lulo-petismo, pois lulo-dilmismo é maior e engloba toda a base aliada, do PMDB ao PC do B) por várias décadas, até a morte de todos os demo-tucanos que participaram do Governo FHC. Mas a Copa 2014 representará uma oportunidade única para roubalheiras, desperdícios, superfaturamentos e lesões à soberania nacional de toda ordem, como eu e meu amigo Alexandre Figueiredo (longe de ser um oposicionista, muito pelo contrário) alertamos há anos.

Ao meu ver, vencerá a eleição de 2014 (logo depois da Copa) e as posteriores quem incutir no outro a responsabilidade pela bandalheira da Copa 2014. Vencerá a oposição, se a bandalheira ficar na conta de dona Dilma, que é quem de fato é a governanta eleita pelo país da Copa. O Governo poderá vencer, se incutir a responsabilidade pela bandalheira apenas aos governos estaduais e municipais demo-tucanos, que também estão investindo pesado na Copa. Se até 2014 der tempo para surgir uma terceira força, anti-Lula-Dilma e anti-demotucanismo, vencerá se incutir a responsabilidade pela bandalheira às duas outras correntes. Consideremos que Ricardo Teixeira, o homem da Copa, é aliado histórico tanto de Lula quanto da Rede Globo, tida como oposicionista ao PT.

Nenhum comentário:

Postar um comentário