Política, cultura e generalidades

terça-feira, 31 de janeiro de 2012

A palavra final da CBN

É curiosa essa metodologia da CBN que ajudou a criar essa imagem falsa de rádio supostamente "independente", independente até das Organizações Globo, da qual a CBN sempre fez parte. A começar por essa história de "o outro lado", adotada nas edições matutina e vespertina do Jornal da CBN. Como se absolutamente todos os assuntos tivessem apenas dois lados, ou três, como alguns pleitos eleitorais de 1º turno.

O que quero lembrar aqui é que a CBN nunca dá a última voz para quem não pertença aos quadros da emissora. Durante a programação, os caras até dão voz para todas as tendências e correntes de pensamento, diferente do que fazem a maioria dos veículos globais. Mas, no fim, fica sempre a visão neoliberal da cúpula, de algum âncora ou de algum comentarista da rádio. E frequentemente jogam alguma vinheta sem fala logo depois, pra que essa visão final martele na cabeça do ouvinte, e acabe prevalecendo.

Na minha cabeça não, caras pálidas!

segunda-feira, 30 de janeiro de 2012

Fiat, o brega-popularesco e a baixaria televisiva

Se eu adotasse critérios técnicos para comprar um carro novo, compraria um da Fiat, por serem mais econômicos e práticos. E ainda tem os melhores desenhos. Só não compraria um Fiat se fosse comprar um carro usado de um modelo antigo. Coisa de quem gosta de carros antigos nacionais. Nesse caso, minha preferência seria por um Chevette.

O problema da Fiat ultimamente tem sido a publicidade. Além de estarem patrocinando o BBB, agora resolveram colocar o famigerado Michel Teló com sua gravação de Ai se eu te pego no novo anúncio do Fiat Uno.

Dou razão a quem não gosta do BBB e está boicotando a Fiat. Como dizem por aí, "quem financia a baixaria é contra a cidadania".

sábado, 28 de janeiro de 2012

Cisne Negro: o grande filme de Natalie Portman


O Oscar 2012 já está chegando e somente agora o filme com a vencedora do Oscar 2011 de melhor atriz está chegando na programação normal da TV brasileira. Cisne Negro estreará hoje no canal Telecine Premium. Só que este filme eu tinha que conferir no cinema, quando foi lançado há cerca de um ano atrás. Foi o que fiz. Ao meu ver, este é o grande filme de 2011. O que este filme tem de tão especial?

Cisne Negro é, por enquanto, o ponto alto da carreira de uma das atrizes preferidas de muita gente da minha geração. Natalie Portman merece o título de nossa musa por todos os motivos possíveis. Destaco aqui sua inteligência mostrada em todas as entrevistas e declarações que dá, sua técnica apurada, as doses certas de emoção colocadas em cada personagem e sua digníssima postura pessoal e profissional. Natalie começou sua carreira cedo. Com 13 anos, já estreava nas telas com um papel nada convencional: o da Matilda de O Profissinal, menina que tem toda a família assassinada e aceita se tornar aprendiz de um matador profissional a fim de se vingar daqueles que mataram sua família. Logo depois fez diversos papéis adolescentes, dentre os quais chama atenção o da menina Taffy Dale, a filha do presidente dos Estados Unidos interpretado por ninguém menos que Jack Nicholson no filme Marte Ataca!.

Foi com 17 anos que Natalie Portman ficou mundialmente conhecida ao ingressar no elenco da maior saga da história do cinema: a saga Star Wars. Fez o papel da rainha Amidala no filme A Ameaça Fantasma. Repetiria o mesmo papel (Padme Amidala, que deixou de ser rainha e virou senadora) em Ataque dos Clones e A Vingança dos Sith. Natalie só pôde desenvolver uma atuação mais solta no segundo filme, enfrentando os roteiros falhos escritos pelo autor, roteirista e diretor George Lucas. Dizem que Natalie contestou frontalmente o diretor, por não concordar com os rumos que Lucas estava dando ao terceiro filme, ainda durante as filmagens. A ponto de Lucas ter pensado em substituir a atriz. O dono da Lucasfilm optou por manter Natalie, porém reduzindo o papel no terceiro filme ao mínimo necessário para manter a importância da personagem que vinha a ser ninguém menos que esposa do Cavaleiro Jedi Anakin Skywalker (o mitológico Darth Vader ao final do terceiro filme) e mãe dos gêmeos Luke e Leia. A atriz sequer aparece em cenas de ação em A Vingança dos Sith, ao contrário do que acontece nos dois filmes anteriores. Aqui só apareceu em cenas dramáticas e românticas.

Só que a carreira de Natalie teria decolado de qualquer maneira, com ou sem a saga Star Wars no currículo. No mesmo ano de 1999 de A Ameaça Fantasma, ela contracenava com Susan Sarandon em Em Qualquer Outro Lugar, ambas fazendo papéis de filha e mãe, respectivamente. Já em 2004 apareceu em seu provável primeiro papel efetivamente adulto: a da stripper Alice Ayres de Closer, papel que lhe rendeu sua primeira indicação ao Oscar, na categoria melhor atriz coadjuvante. Neste filme ela contracena com três ícones do cinema: Julia Roberts, Jude Law e Clive Owen.

A extensa carreira de Natalie Portman se tornou uma galeria de filmes e personagens variados. Tem o papel de Evey Hammond, parceira de V, personagem de Hugo "Mr. Smith" Weaving em V de Vingança, tem a personagem Molly Mahoney, na qual contracena com Dustin Hoffman em A Loja Mágica de Brinquedos, tem Emma Kurtzman, mais um papel adulto na carreira (papel do filme Sexo Sem Compromisso) e aquele que é por enquanto seu mais recente papel: o de Jane Foster, par romântico de Thor no filme homônimo. Emma e Jane são papéis posteriores ao de Cisne Negro.

Foi o papel da bailarina Nina Sayers que consagrou a carreira de Natalie Portman. Com ele, a atriz faturou o Oscar, o Globo de Ouro de melhor atriz dramática e os prêmios de melhor atriz do Sindicato dos Atores (SAG), do BAFTA (a academia britânica de cinema e TV) e até do Independent Spirit Awards, apesar de Cisne Negro ser uma produção de propriedade da Fox, uma das titãs do cinema hollywoodiano. Nada independente, portanto. Antes de Cisne Negro, Natalie tinha sido indicada para outros prêmios pelos filmes Em Qualquer Outro Lugar e Closer, tendo sido contemplada apenas com o de melhor atriz coadjuvante no Globo de Ouro, por Closer.

Pra não estragar a surpresa do filme (se é que algum leitor não viu), basta dizer que a bailarina Nina Sayers trabalha numa companhia de balé de Nova Iorque que está na etapa de pré-produção de sua versão do espetáculo O Lago dos Cisnes. O papel da principal bailarina da peça (que teria que interpretar tanto o gracioso e inocente Cisne Branco como o malicioso e sensual Cisne Negro) está sendo disputado ferozmente por Nina e uma bailarina mais jovem, Lily (papel da atriz Mila Kunis, também em atuação arrebatadora). Nina faz de quase tudo para conseguir a vaga para interpretar o Cisne Negro, mas não sem antes se envolver num drama psicológico, despertar as características mais sombrias de sua personalidade e ameaçar sua sanidade.

Depois de Cisne Negro, Natalie Portman se casou com seu coreógrafo no filme, Benjamin Millepied, e no ano passado deu à luz ao primeiro filho, Aleph Hershlag-Millepied. Natalie permanece sendo a garota-propaganda da grife Dior. Natalie Portman é dessas atrizes que vale a pena acompanhar todos os filmes em que ela trabalha. Tomara que ela não demore muito a voltar às telas de cinema.

sexta-feira, 27 de janeiro de 2012

Dilma e o governo do Irã

Veremos até onde irá essa raivinha do governo iraniano contra a presidenta Dilma. Eles já olham atravessado pra qualquer mulher que vira chefe de Estado ou de governo... Pode ser Dilma, Cristina Kirchner, Michelle Bachelet, Angela Merkel, Margaret Thatcher ou qualquer outra. Fico imaginando se dona Hillary Clinton ou Condoleezza Rice chegar à presidência dos Estados Unidos... Se já chamam os presidentes americanos de cães infiéis, se for mulher chamarão de quê? De cadela infiel ou de cachorra infiel? Vão querer até fazer um fanqui machista e grosseirão pra presidenta americana...

Veremos também até onde irá essa indignação de dona Dilma contra o desrespeito aos Direitos Humanos no Irã, já que não faz o mesmo com relação à China e a Cuba.

quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

Transmissões de F1 no rádio: insistência ou teimosia?

Uma coisa que me intriga há anos é a permanência das transmissões das corridas de Fórmula 1 no rádio. A primeira vez que sintonizei corridas de F1 no rádio foi no início dos anos 90, quando Ayrton Senna ainda disputava corridas e títulos pelo mundo afora. E uma emissora que transmitia as corridas no Rio era a Transamérica FM 101,3. Eu já julgava um anacronismo uma transmissão característica do AM em rádio FM. Mal sabia eu que ainda viria a Catedral FM 106,7 e um monte de FMs com transmissões de AM em toda ou parte da programação...

Depois da morte de Ayrton Senna, nunca mais um brasileiro fez história na Fórmula 1. Tivemos no máximo brasileiros vencendo corridas esporadicamente. Rubens Barrichello ali, Felipe Massa acolá, e assim por diante. Além do próprio Massa tendo disputado o título em apenas um ano, mas sofrendo toda sorte de sabotagens, inclusive de sua escuderia. A rigor, a Fórmula 1 atrai hoje a atenção apenas dos fãs de automobilismo em geral, independente da categoria. Não gera mais atenção nacional como nas eras de Fittipaldi, Piquet e Senna. De modo que o que sustenta o interesse na Fórmula 1 fora dos redutos de fãs de automobilismo é a permanência da F1 na programação da Rede Globo. E, na Globo, nada que é transmitido por eles fica só nas transmissões. Invade tudo quanto é programa da casa. Mas se os caras não tem direito de transmissão, o fato esportivo vira uma não-notícia. Nem imagem, nem fotos, nem notas são mostradas. Só depois dos protestos dos telespectadores, como aconteceu durante o Pan 2011, transmitido apenas pelas redes Record e Record News.

No rádio a permanência das transmissões de Fórmula 1 fica mais anacrônica. Porque rádio é um veículo essencialmente local, principalmente a programação AM. Tanto que as rádios do Rio não se interessam em acompanhar times de futebol paulistas, mineiros, gaúchos ou de outros estados, nem seleções de outros países, exceto durante a Copa do Mundo. Só acompanham os times do Vasco, do Fluminense, do Flamengo e do Botafogo, e a Seleção Brasileira. Talvez faça sentido as AMs de São Paulo continuarem transmitindo a Fórmula 1, pois os pilotos brasileiros ainda resistentes na categoria são paulistas, o GP Brasil de Fórmula 1 é feito em Interlagos e os paulistas tem uma cultura automobilística bem maior, provocada pelo nascimento da indústria automobilística brasileira naquele Estado.

Só o fato de as rádios cariocas CBN e Band News integrarem redes encabeçadas em São Paulo explica a insistência dessas emissoras em transmitirem corridas de Fórmula 1. Nem a Transamérica Rio transmite mais todas as corridas... Mas temos ainda o desprazer de flagrarmos a Rádio Globo repetindo as transmissões da CBN em AM em FM, e olha que a CBN já faz dupla transmissão em AM e FM. Ou seja: é uma tetra transmissão (dois canais AM + dois canais FM).

Texto publicado originalmente no portal TVs do RJ.

terça-feira, 24 de janeiro de 2012

Os protestantes que dizem não ter religião

Eu tenho um comentário e uma sugestão de pauta para o blogue Shogunidades, de Marcos Vinicius Mesquita. Eu mesmo comecei a desenvolve-lo, numa postagem do meu blogue:

http://mjdelfino.blogspot.com/2011/06/segundo-apostolo-estevam-e-bispo-macedo.html

Acrescento algo agora. Há muitas correntes do neopentecostalismo brasileiro que afirmam não terem religião. Afirmam que Jesus não é religião, que o Diabo inventou a religião para se interpor entre Deus e os homens, e se referem aos religiosos pejorativamente. Eles se referem a "religiosos" tanto com relação aos fariseus contemporâneos de Jesus Cristo como aos integrantes das igrejas protestantes anteriores ao neopentecostalismo, principalmente as igrejas fundadas nos séculos XV a XIX. Mais até que os religiosos católicos (franciscanos, dominicanos, salesianos, beneditinos, etc).

Expus este cenário numa carta enviada ao finado padre, professor de teologia e monge beneditino Dom Estêvão Bettencourt. Ele respondeu afirmando que houve uma corrente protestante em séculos passados que era, de, fato, a favor de um contado direto com Deus (entendido aqui como a Santíssima Trindade: o Pai, o Filho e o Espírito Santo), sem religiões, sem igrejas e sem hierarquias eclesiásticas. Se bem que muitos desses que criticam a religião não são contra a existência de igrejas e hierarquias.

Muito da rejeição moderna dos neopentecostais em serem enquadrados como religiosos ou de verem sua fé classificada como religião aparece num trecho da letra da música O Inimigo, que o rapper gospel DJ Alpiste escreveu na década de 90 em cima do que seria o discurso do Diabo em pessoa:

Meu prazer é ver você destruído
Pois um dia do céu eu fui banido
A terra agora é meu campo de batalha
Aqui minha mentira se espalha
Pois você é incredulo e inseguro
Sua fé está sempre em cima do muro
Foi por isso que eu criei a religião
Pra você achar que todo pastor é ladrão
E o dinheiro que o povo dá na igreja
Você gasta bem melhor tomando cerveja
Sou capaz de tudo pra te afastar da luz
Pra que vc nunca conheça a Jesus

Vale lembrar que DJ Alpiste continua na Igreja Renascer em Cristo, onde já estava no início da carreira musical.

Com pensamentos como esses emitidos no seio do neopentecostalismo, não é à toa que os protestantes que rompem com o neopentecostalismo não se acanham em usar o termo 'religião' nas suas pregações, coisa que provavelmente não faziam quando estavam nas igrejas neopentecostais. Outro dia vi citações com a palavra 'religião' escritas por Agostinho de Hipona (Logo quem! Um bispo católico) no portal da igreja A Casa da Rocha, fundada por ex-pastores da Renascer...

De intolerantes esses pastores da Casa da Rocha não podem ser acusados.

segunda-feira, 23 de janeiro de 2012

O apodrecimento da política carioca

O Coronel deixa passar verdadeiras calamidades ditas por anônimos no blogue dele. Raramente aparece algo aproveitável vindo de anônimos. O texto abaixo tem algo aproveitável. É necessário separar o aproveitável das coisas discutíveis publicadas neste texto. Mas, no geral, o autor acertou na constatação do apodrecimento da política carioca.

Até entendo os motivos que levam o anônimo abaixo a ser anônimo. Num texto desses, ele contrariou interesses mesquinhos de toda a atual classe política carioca, e alguns da política nacional.

Anônimo disse...


É assim pela pusilanimidade e covardia intrínsecas do atual povo do Rio de Janeiro, especialmente dos setores formadores de opinião, como imprensa e classe média da Zona Sul. Com um cenário assim, um discurso fiscalizador, crítico e oposicionista não ganha espaço. E quem teria espaço, prefere aderir a combater.


Um exemplo? O próprio Eduardo Paes. De prefeitinho do Cesar Maia e deputado tucano, com destacada participação na CPI do Mensalão, se ajoelhou ao governismo, pediu desculpas a Marisa Leticia por ter chamado de corrupto o governo de seu marido e acabou recompensado.


Outro exemplo, mais recente? Indio da Costa. Também cria de Cesar Maia, com boa participação como vice de Serra na campanha de 2010, saiu do DEM para o PSD e colocou seu nome e o novo partido debaixo das asas do governismo, com direito a apoio antecipado a Paes em 2012 e ao sucessor que Cabral indicar em 2014 (provavelmente o próprio Paes), independentemente do vice do Paes ser do PT, o que entregaria a Prefeitura do Rio aos petistas em pleno 2014.


Nesse cenário, quem surge como nome de dissenso? Marcelo Freixo, daquele partideco que apóia Chavez, que apóia o MST e cujo correligionário, dublê de ex-BBB e Dep.Federal Jean Wyllys, chama o líder máximo dos católicos de nazista na maior sem-cerimônia.


O Rio de Janeiro vive uma fase de extrema arrogância e extrema ignorância, dois ingredientes que, quando misturados, nunca dão em boa coisa. Tenho muito a lamentar pelos rumos políticos e comportamentais de minha cidade e meu Estado.


20 DE JANEIRO DE 2012 17:51

Marcelo Delfino disse...

E a imprensa carioca lulo-dilmo-eduardo-cabralista é a prova cabal de que no nível local nunca houve o tão falado Partido da Imprensa Golpista, e sim o PiG - Partido da Imprensa Governista.

21 DE JANEIRO DE 2012 09:13

sábado, 21 de janeiro de 2012

Sobram protestos no Recife, faltam protestos no Rio de Janeiro



Este país é realmente louco. Em Recife, a população vai para as ruas protestar contra o aumento de 6,5% das tarifas dos ônibus. Tanto o desgovernador como o prefeito são lulo-dilmistas. E o desgovernador jurava que devia-se baixar os impostos sobre as tarifas para poder baixar ou manter as próprias tarifas. Promessas mentirosas, como podemos ver.



Enquanto isso, a população do Rio fica quietinha diante do reajuste extorsivo de 10% dos ônibus municipais, promovido por um prefeito direitista peemedebista de alma demo-tucana mas também lulo-dilmista.

Vai ver, o otário sou eu, que ainda reclamo e não me junto à manada carioca conformada. Ê ê ô vida de gado, povo marcado ê, povo feliz...

sexta-feira, 20 de janeiro de 2012

Esquerda e conservadores unidos contra manipulação e baixaria da Rede Globo e da Big Bosta Brasil

Nesta semana, esquerdistas e conservadores esqueceram as diferenças e combateram ao mesmo tempo a Rede Globo e seu famigerado programa Big Brother Brasil.

Um dos participantes do programa é suspeito de ter abusado sexualmente de uma participante, aproveitando que ela estava inconsciente, após ter tomado muita bebida durante uma festa na noite de sábado. O suposto abuso sexual aconteceu na madrugada de sábado para domingo. A própria plateia da Big Bosta se indignou com o sujeito. A Polícia Civil foi lá no Projac investigar. Chegou a tomar depoimento da suposta vítima. Os diretores do programa estavam minimizando o episódio (Pedro "Millenium" Biau chegou a brincar sobre o episódio, na segunda: "É o amor!"). Mas vendo a merda que tinha dado, na segunda feira a direção do programa decidiu pela expulsão sumária do sujeito. Laconicamente, Pedro Bial anunciou a expulsão ao vivo na noite de segunda, dizendo que o cara tinha infringido as regras do programa.

No Twitter, o povo respondeu: "Não, idiota! Ele cometeu um crime, ô Biau!"

Na verdade, a direção do programa expulsou o sujeito para jogar a culpa toda sobre ele. Como se a Globo não tivesse responsabilidade sobre o acontecido. Haja manipulação para escapar das acusações! Há 12 anos a Globo mantém essa Big Bosta no ar, na maior libertinagem. Um dia a casa cairá. Mas antes teremos o desprazer de saber de coisas que ainda acontecerão lá dentro com transmissão ao vivo pela TV, como estupros (de verdade) e assassinatos. Não é muito difícil para um big brother ou big sister matar um concorrente lá dentro, apesar da suposta ausência de armas de fogo.

Por coincidência ou não, o famoso deputado federal Jean Wyllys (professor de História que virou cobra criada no BBB e foi para a Câmara na aba do deputado Chico Alencar, colega do PSOL) leu uma tradução errada da agência de notícias Reuters de um discurso de Bento XVI para diplomatas, e tascou apelidos "elegantes" pra cima do Papa, da linha de homofóbico e genocida, baseado nas supostas palavras papais. Duvido que tenha lido o texto original completo em latim ou italiano.

Jean tem direito de não concordar com o Papa, assim como Leonardo Boff, Silas Malafaia e Edir Macedo também têm direito á discordância (receber críticas dessa gente é uma honra). Só não tem direito de fazer grosserias baseado na mesma imprensa golpista que distorce os fatos ao seu bel prazer, sabe-se lá com que interesses, debaixo de protestos dessa mesma esquerda que se dá muito bem com potentados da direita (cultural ou não), como parlamentares do PSOL aliados dos barões do fânqui. Ontem Jean foi catapultado à segunda posição dos TTs (Trending Topics) do Twitter no Brasil, como a tag #RetrateseDepJeanWyllys, divulgado por católicos e por não católicos fartos de tanta manipulação golpista da imprensa nacional e internacional e tanta picaretagem de centenas de parlamentares brasileiros. Até a oposição ao Papa ajudou a divulgar a tag #RetrateseDepJeanWyllys, fazendo esta chegar ao segundo lugar ontem a partir de 18h, por cerca de duas horas. Perdeu apenas para a tag #Megaupload, sobre o serviço americano de hospedagem de arquivos fechado ontem pelo FBI.

A defesa do deputado BBB chegou a citar pseudocatólicos da Igreja Vermelha, como Chico Alencar, o correligionário que levou Jean para o Congresso. E lembraram que o próprio Jean Wyllys foi militante da Pastoral da Juventude. É lembrando deles e de tantos outros (vários que saíram da Igreja e os que ficaram) que costumo lembrar que os maiores inimigos da Igreja não são do lado de fora. Estes de fora estão no papel e no direito deles de não gostarem da Igreja, não gostarem de bispo, não gostarem de Cristo, não dizerem amém. Os maiores inimigos da Igreja estão dentro dela mesma. Ou já estiveram dentro. E entre os que estão dentro ou saíram, os maiores inimigos foram formados em escolas, colégios, universidades, seminários e pastorais da própria Igreja. Vão desde os padres violadores dos votos de obediência e castidade (pedófilos, inclusive) a políticos cretinos que acham que podem ser católicos e socialistas ou católicos e liberais ao mesmo tempo. Esses, sim, podem demolir a Igreja de dentro para fora, e já estão bem adiantados nesse serviço. As portas do inferno não prevalecerão contra a Igreja. Os traidores de dentro ou de fora, sim, podem prevalecer.

P.S: Depois do twitaço de ontem, deve ter gente por aí resmungando "Maldita inclusão digital!" e querendo que a polícia feche o Twitter. Como fizeram com o Megaupload.

P.S 2: Partido e deputado que dão pití quando são criticados não merecem nenhum voto. Não querem críticas dos eleitores? Então saiam da política, ora bolas. Voltem para suas vidinhas privadas.

quinta-feira, 19 de janeiro de 2012

Privataria tucana ajudando na proliferação do mosquito aedes aegypti, transmissor da dengue

Resposta para Com Texto Livre:

Quando privatizaram a Telerj, fecharam um monte de vagas de trabalho e um monte de prédios da empresa foram abandonados. Inclusive da antiga sede da Telerj no bairro Engenho Novo, no Rio de Janeiro. Lá havia um depósito de cúpulas velhas de telefones públicos (orelhões) abandonados a céu aberto, acumulando água para criar mosquitos aedes aegypti. Vi dezenas desses focos de mosquito pessoalmente.

segunda-feira, 16 de janeiro de 2012 18h43min00s BRST

Zé Carlos disse...


E ainda tem gente favorável a privatização.


segunda-feira, 16 de janeiro de 2012 18h49min00s BRST

quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

Caveiras levam fogo no Oscar


Surpresa alguma. O filme Tropa de Elite 2 está fora da lista de nove filmes pré-indicados ao Oscar de melhor filme estrangeiro em 2012.

Na boa... Já passou da hora dos compatriotas acharem que algum filme brasileiro ganhará o Oscar, pelo menos enquanto não mudarem o modo como se faz cinema no Brasil. E está na hora de pararem com essa bobagem de achar que um filme brasileiro TEM que ganhar um Oscar. Se repararem, todo o ano o vencedor do Oscar de melhor filme estrangeiro é um filme diferente, na forma e no conteúdo, de quase tudo o que se faz em cinema nos Estados Unidos. Se for para dar um Oscar para um outro filme da linha de RoboCop ou Rambo, isso os cineastas americanos fazem de montão. Não de vez em quando. Nem os filmes de drama feitos por aqui tem uma abordagem atemporal e universal capaz de cativar plateias de outros países, inclusive os da Academia que concede o Oscar, muito dada a filmes de drama.

O cinema que se faz hoje no Brasil imita vários dos defeitos do cinema americano e não tem algumas de suas qualidades. Não tem sequer a propalada autonomia financeira, porque nenhum filme brasileiro chega ao circuitão se não tiver sido financiado com renúncia fiscal, se não tiver um minuto e meio preenchidos com logomarcas de patrocinadores privados e se não tiver o selinho de algumas estatais, sendo que o selinho da Petrobrás é presença obrigatória. Se não tiver o selinho da Petrobrás, o cinema nacional acaba. Cineasta e produtor brasileiro raramente financia filme só com o próprio bolso.

Quanto aos filmes nacionais em si, são tão comerciais quanto boa parte os blockbusters americanos, no pior sentido que a palavra 'comercial' possa ter. Se falta no nosso cinema filmes de ficção e/ou com uso maciço e correto de efeitos especiais (como o excelente filme Redentor), sobram filmes-TV (notadamente com linguagem da Rede Globo, aliás vários deles coproduzidos pela Globo Filmes), filmes voltados para crianças (só que nem as crianças de hoje aceitam tanta bobajada), comédias românticas e filmes de esquerda coproduzidos pela pseudogolpista Globo Filmes e por estúdios progressistas americanos como Fox, Universal, Columbia, Warner, etc., incluindo vários daqueles dramas incapazes de cativar plateias não brasileiras. Houve até um filme sobre um estrupício traidor da Pátria que chegou à presidência da República...

Autor de 'Privataria Tucana' no Rio de Janeiro


Continua a turnê nacional do jornalista Amaury Ribeiro Jr. para divulgar seu livro A Privataria Tucana, o grande lançamento editorial de 2011. Ontem ele esteve na Livraria da Travessa do Shopping Leblon, no Rio de Janeiro, num debate baseado no livro. O debate contou com a presença do sociólogo Emir Sader, do jornalista Fernando Brito (editor do Tijolaço) e de Luiz Fernando Emediato, editor da Geração Editorial.

O debate foi aquela coisa positiva que se esperava. Ali se discutiu seriamente o processo de privataria da Era FHC, e tudo relacionado: pagamento de propina, enriquecimento ilícito, evasão de divisas, internação de dinheiro em paraísos fiscais, venda de empresas estratégicas com preços subfaturados e financiamento público, etc. Não deixaram de ser citados nominalmente algumas das personalidades da privataria, destacando os dois principais personagens do livro: José Serra e seu tesoureiro de campanha Ricardo Sérgio. Também foram citados acusados pelo livro de lavagem de dinheiro, desde Paulo Maluf a Ricardo Teixeira.

Abriram espaço para seis pessoas fazerem perguntas para os quatro debatedores. Dentre eles, apareceu até um ex-funcionário de bancos estatais privatizados do Espírito Santo e do Distrito Federal, dizendo saber muita coisa podre sobre a privataria do banco capixaba. Apareceu também uma servidora da saúde do estado de São Paulo, para perguntar ao Amaury se ele tinha algum dado sobre as OSs que estão participando do processo de privatização da rede do SUS no estado hoje governado por Geraldo Alckmin. Amaury prometeu averiguar.

Também apareceu um aposentado do BNDES afirmando que os concursados do banco na época da privataria trabalharam honestamente em seu dia a dia sem participar das privatarias, no que a plateia concordou. O problema é que o cara trouxe um calhamaço de papel para tentar provar que a cúpula também não participou da bandalheira tucana, e que o processo não teve propinas. No que foi rechaçado por muita gente, inclusive pelo Amaury. O aposentado também disse que o livro era incompleto e mal escrito, e não tinha linguagem acadêmica. Teve um cara da plateia que sugeriu ao aposentado que publicasse o calhamaço em livro ou que mandasse para Merval Pereira. Ironicamente, um acadêmico, ao contrário de Amaury, que disse explicitamente que não é acadêmico, e sim jornalista.

Eu pretendia fazer umas perguntas, como eu disse na Tribuna da Imprensa:

Apesar de ter gostado do livro, estou pensando se irei a esse lançamento. Se eu for, vou desagradar a muita gente lá dentro. Vou usar aqueles espaços que concedem para perguntas para perguntar por quê o atual consórcio lulo-dilmo-peemedebista não desfez nenhuma das privatizações criminosas do demo-tucanato e por quê estão privatizando os aeroportos e o Maracanã, depois de criticarem a privataria tucana.


Também perguntarei por quê Lula e Dilma não abriram investigações sérias sobre a privataria tucana, até colocar os culpados no banco dos réus pra Justiça decidir.


Pra esse povo, privataria que não for demo-tucana pode.

Fui lá, mas não pude perguntar nada disso. Além da falta de espaço, aquele debate estava cheio de adoradores de Lula, daqueles que não admitem sequer uma semelhança entre os governos tucanos e o governo lulo-dilmista, e não admitem sequer um questionamento a respeito do presidente Lula, mesmo de seus eleitores. Havia exceções, claro. Conversei a sós com o ex-funcionário de bancos estatais, que concordou comigo no raciocínio de que o Governo Lula-Dilma não está interessado em levar adiante as investigações sobre a privataria tucana, para fazerem a deles. Há parlamentares governistas interessados em participar da CPI sobre o assunto, mas pouca gente ou ninguém do Governo propriamente dito quer apoiar.

Por fim, destaco algo dito por Amaury e seu editor. O problema não são as privatizações em geral, em todas as épocas e lugares do mundo. Pode-se ser a favor delas ou ser contrário, dependendo do caso. A privataria tucana é que tem todos aqueles problemas específicos: pagamento de propina, enriquecimento ilícito, evasão de divisas, internação de dinheiro em paraísos fiscais, venda de empresas estratégicas com preços subfaturados e financiamento público, etc. Coisas que devem ser rechaçadas por qualquer pessoa decente, independente do pensamento político que tenha.

Acompanhe mais repercussões deste texto na Tribuna da Imprensa.

terça-feira, 17 de janeiro de 2012

A tal da Geração Y chegando ao poder

Resposta para O Globo:

Eu simplesmente temo o que a maioria desses jovens farão com este país quando chegarem ao poder nos setores público e privado, daqui no máximo uns 20 anos. Tirando uma minoria, são jovens que sabem de tudo um pouco, mas não se aprofundam nem acreditam em nada que preste. Vide perpetuarem valores de ideologias podres como liberalismo, neoliberalismo, socialismo e comunismo. Sobra conhecimento e falta sabedoria.

segunda-feira, 16 de janeiro de 2012

Canção Nova hoje no Bom Dia São Paulo

E olha que Cachoeira Paulista fica bem longe da Globo São Paulo. Houve tempo em que qualquer evento religioso feito depois de Aparecida do Norte não teria a menor chance de aparecer no noticiário local da Globo São Paulo.

Se bem que Cachoeira Paulista é a mesma cidade que abriga instalações do Inpe, local de diversas reportagens globais. E tem a TV Vanguarda ali pertinho, em Taubaté, pra fazer as reportagens.

O grande assunto de 2012

Resposta para Altamiro Borges:

Olha, Miro. Você pode até discordar de mim, mas eu digo aqui que o assunto mais importante de 2012 será essa investigação (com direito a CPI) em torno da privataria tucana, tema do grande sucesso editorial de 2011. Não tem chuva, CNJ ou eleição municipal que supere isso.

Se essa CPI não der em nada, começarei a acreditar que este país estará trilhando um caminho sem volta rumo ao neoliberalismo total. Não importa quantas vezes elejam Lula, Dilma ou outro esquerdista.

domingo, 15 de janeiro de 2012

sábado, 14 de janeiro de 2012

De Volta Para o Futuro IV

"Com 38º C, Rio registra o dia mais quente de 2102, diz Inmet"

Graças aos amigos do G1, pude conferir agora há pouco uma manchete de daqui a 90 anos, quando terei (se Deus quiser) 126 anos de idade.

Quer conferir você mesmo? Leia aqui. Antes que tirem do ar.

Beatrix - Mentira de Mentira

Apesar de curtir música, e de vários estilos, raramente encontro uma música que reflita o que penso, do início ao fim. Servindo, pra mim, como uma declaração de princípios. São músicas que eu teria orgulho de ter feito, se fosse o autor delas.

Nesta semana encontrei o clipe da música Mentira de Mentira, a primeira do segundo CD da banda Beatrix, Lugar Comum. Essa música é uma dessas que me serve como declaração de princípios.

Vou pular fora, e não pegue a minha mão
E nem tente decidir por mim
Qual rumo toma o meu coração
Que fim terá a minha história


Se o mundo acabar em festa
Todo mundo mentindo à beça
Não quero estar deste lado
E dizer "sim" querendo dizer "não"
Nada seu sai do coração
Eu quero ouvir a verdade


E na realidade é difícil aceitar
Quando a mentira se disfarçar
De gente divertida e feliz
Não sigo a mesma música

Os autores da música são Aura Lyris (vocalista do primeiro CD da banda, atualmente fora, mas colaborando como compositora) e os atuais integrantes da banda: Lize Borba, Vinicius Souza, Bruno Espíndola e Thiago Augustini.

O CD da banda pode ser encontrado em algumas lojas e na gravadora Codimuc.

Pra quem quiser conferir a música agora, a pedida é o clipe oficial.

sexta-feira, 13 de janeiro de 2012

Chamar mulher de cachorra pode?

Comentário de Leonardo Paiva no Facebook:

Esse Pais é gozado mesmo: Fazer qualquer comentário sobre homossexualismo pode ser considerado homofobia mas chamar mulher de cachorra numa letra de funk é considerado cultura nacional. O Brasil e suas Contradições. É por essas e outras q esse pais não anda.

O absolutismo lulo-dilmista

Certas formas de absolutismo chegam a ser ridículas. É atribuída ao rei Luís XIV de França a frase "L'État c'est moi" ("O Estado sou eu"), embora alguns historiadores achem que essa frase é um mito, que o rei jamais disse isso.

O regime militar brasileiro era pródigo em frases de efeito absolutista, embora tenha sido um regime centrado em si mesmo, não numa personalidade específica, mesmo o general-presidente da ocasião. Uma frase marcante do regime era "Brasil, ame-o ou deixe-o". Que estava longe de ser uma frase nacionalista, pois o regime era em si mesmo internacionalista, pois chegou e ficou no poder com a ajuda de espiões estrangeiros e de tropas navais dos Estados Unidos estacionadas perto do litoral brasileiro. A frase era também uma forma de tripudiar pra cima dos milhares de brasileiros exilados no exterior.

Só os dissimulados, os otários, os iludidos e os mal intencionados não admitem que o atual regime lulo-dilmista atingiu um estágio próximo do absolutismo. Experimente fazer uma mínima discordância a qualquer aspecto do Governo, mesmo que você seja um governista e um eleitor deles. Como eu mesmo fui, em 2002. Virão com dez mil pedras nas mãos para apedrejar a ti, ó grande herege traidor, que ousa levantar qualquer dúvida a respeito do supremo ex-presidente Lula ou de sua sucessora Dilma Rousseff, pelo menos enquanto ela se mantiver fiel ao criador.

O mais engraçado nessa história toda é observar lideranças e parlamentares de igrejas evangélicas apoiando o Governo Lula-Dilma. Eles que tanto acusam católicos, umbandistas e candomblecistas de serem idólatras fazem o mesmo com a figura divinizada do ex-presidente da República e promovem cultos à presidenta, fechando questão em torno dela. Ainda mais agora que a presidenta reconheceu a música gospel como manifestação cultural.

Deveriam se ater à única obrigação dos cristãos com relação aos governantes: orar por eles. Para que, se não fizerem nada que preste, que pelo menos não façam merda no Governo.

Um nacionalista de verdade deve apoiar sua pátria sempre. Mesmo que isso signifique discordar do governo do próprio país, ou que isso signifique apoiar atitudes de interesse nacional promovidas pelo Governo, mesmo que não seja ainda o governo de seus sonhos, que seria defensor incondicional da soberania nacional.

Esse governo que está aí está longe de representar integralmente os interesses nacionais.

quinta-feira, 12 de janeiro de 2012

Não há superação de crises sem a participação dos estados nacionais

Resposta para Com Texto Livre:

O que os neoliberais jamais entenderão (ou, se entendem, discordam frontalmente) é que não há superação de crises sem a participação dos estados nacionais. Não digo que o Estado resolva tudo sozinho, mas deve ajudar. Agora mesmo a Europa está numa crise das brabas, provocada pelo mercantilismo neoliberal, tanto por parte dos governos locais como das corporações privadas. Qual a solução que os picaretas estão aplicando? Substituição de governos neoliberais (de direita e mesmo de esquerda, pois neste mundo louco conseguiram inventar o neoliberalismo de esquerda, vide o governo chinês) por governos mais neoliberais ainda, com o Estado literalmente ausente e omisso, deixando de fazer investimentos e mesmo dispensando funcionários onde não exista estabilidade. Receita totalmente oposta à que a própria Europa adotou após a 2ª Guerra Mundial, com a adoção de forte investimento do Estado em políticas sociais e na economia, mesmo por governos de direita, como alguns da França pós guerra.

Zé Carlos disse...


A Europa está dominada pela direita neoliberal e pelos banqueiros.
Nenhum deles está perdendo dinheiro; pelo contrário estão ganhando cada vez mais.
Só quem perde mesmo é o povo.


quinta-feira, 12 de janeiro de 2012 12h17min00s BRST

Copa 2014 e as eleições posteriores

Resposta para Com Texto Livre:

Esse artigo de Marcos Coimbra e outros estariam completos se estivessem abordando o fator novo para as futuras eleições: a Copa 2014. Sem considerarmos a Copa, o cenário é de hegemonia do lulo-dilmismo (me recuso a usar o termo lulo-petismo, pois lulo-dilmismo é maior e engloba toda a base aliada, do PMDB ao PC do B) por várias décadas, até a morte de todos os demo-tucanos que participaram do Governo FHC. Mas a Copa 2014 representará uma oportunidade única para roubalheiras, desperdícios, superfaturamentos e lesões à soberania nacional de toda ordem, como eu e meu amigo Alexandre Figueiredo (longe de ser um oposicionista, muito pelo contrário) alertamos há anos.

Ao meu ver, vencerá a eleição de 2014 (logo depois da Copa) e as posteriores quem incutir no outro a responsabilidade pela bandalheira da Copa 2014. Vencerá a oposição, se a bandalheira ficar na conta de dona Dilma, que é quem de fato é a governanta eleita pelo país da Copa. O Governo poderá vencer, se incutir a responsabilidade pela bandalheira apenas aos governos estaduais e municipais demo-tucanos, que também estão investindo pesado na Copa. Se até 2014 der tempo para surgir uma terceira força, anti-Lula-Dilma e anti-demotucanismo, vencerá se incutir a responsabilidade pela bandalheira às duas outras correntes. Consideremos que Ricardo Teixeira, o homem da Copa, é aliado histórico tanto de Lula quanto da Rede Globo, tida como oposicionista ao PT.

quarta-feira, 11 de janeiro de 2012

Blogueiros progressistas se aproximam de FHC

Eu estou dando risada quando leio algum blogueiro progressista chamando os pessimistas neoliberais de urubólogos, especialmente quando a urubóloga é a colunista Miriam Leitão. São todos blogueiros progressistas da ala governista, tanto a banda boa (o amigo Alexandre, o Zé Carlos e outros) como a banda podre, que nem merece citação nominal.

Dou risada porque, ao mesmo tempo que leio a palavra urubólogo ou urubóloga na blogosfera progressista, lembro do então presidente Fernando Henrique Cardoso, chamando os pessimistas da oposição de fracassomaníacos, neobobos e outros adjetivos jocosos.

Os governistas também usam muito a expressão síndrome de vira latas ou variantes desta, para se referir aos pessimistas, neoliberais ou não.

Seriam os governistas de esquerda adotando os mesmos métodos daquele suposto rival? Não seria a primeira vez que lulo-dilmistas fazem isso. Pois fazem isso desde que o próprio Lula assinou a famigerada Carta aos Brasileiros, junto com Serra, Ciro e Garotinho, lá em 2002, se comprometendo a manter algumas políticas neoliberais fernandistas...

terça-feira, 10 de janeiro de 2012

Amigos do Presidente Lula contestam Record. É sinceridade ou fingimento?

O blogue Os Amigos do Presidente Lula acaba de fazer denúncias contra a Rede Record, no texto Jornalismo da Record amarela para Globo. Mas é o caso de se perguntar: os lulo-dilmistas estão sendo sinceros ou estão só fingindo, pra posarem de coitadinhos perseguidos até pela emissora aliada?

Se até os lulo-dilmistas não dão mais credibilidade para a Recópia, não sou eu que darei. Eu não dou 100% de credibilidade para emissora brasileira nenhuma. Seja TV comercial, educativa, estatal, pública, universitária, legislativa, sindical, comunitária, confessional, aberta ou paga.

Zé Carlos disse...

Nem nacional, nem estrangeiro. Nenhum veículo tem 100% de credibilidade.


domingo, 8 de janeiro de 2012 21h41min00s BRST

segunda-feira, 9 de janeiro de 2012

O que a traição lulo-dilmo-petista provoca

Resposta para Raphael Tsavkko:

Texto magistral, Tsavkko. Assinaria embaixo, se não fosse por este trecho: "Oras, porque NÃO são de esquerda! Ou ao menos não agem como". Porque minha indignação e a traição aos meus votos a Lula em 2002 (1º e 2º turno) não me permitiriam escrever algo assim. Essa cambada é de esquerda, SIM. E agem como tal. Há muito tempo a esquerda e a direita brasileira convergem no pensamento, no discurso e no modo operacional. O que não me impede de achar gente de esquerda do bem, apesar das discordâncias. Como o próprio Tsavkko, os irmãos Figueiredo Pereira (Alexandre e Marcelo) e mesmo governistas como Zé Carlos e Alessandro Molon. No entanto, mesmo esses são minorias, exceções na seara esquerdista.

domingo, 8 de janeiro de 2012

Um preço caro demais e injusto a pagar pelo apoio a traidores dos sem terra

Resposta para Com Texto Livre:

Concordo com os termos ditos nessa entrevista. Eu teria apenas algo a acrescentar. Pode ser injusto, mas o preço caro que os sem terra estão pagando por majoritariamente apoiarem um governo que trai os sem terra e a Nação como um todo é jamais haver reforma agrária neste país e o triunfo perpétuo do agronegócio, no que de mais negativo isso possa significar.

Países que jamais tiveram governos com um esquerdista sequer já fizeram suas reformas agrárias. Aqui os dirigentes do MST curtem as benesses do poder que tem ou pensam que tem, mesmo que muitos jamais tenham aprendido a sequer plantar uma semente. Enquanto isso, os verdadeiros sem terra continuam embaixo das lonas pretas ou azuis dos assentamentos.

Música não se aprende na universidade

Depois de ouvir hoje pela primeira vez uma música inteira da dupla João Bosco & Vinícius (enquanto os flagrava ao vivo no Faustão), cheguei à conclusão que a antiga frase música não se aprende na escola sofreu uma atualização: música não se aprende na universidade.

Com o forró universitário, o sertanejo universitário, o fânqui universitário, o pagode universitário, o axé universitário, o arrocha universitário, as aparelhagens universitárias e o raio que o parta universitário, até quem é aluno de cursos superiores de música pode desaprender o que havia aprendido sobre música fora da faculdade.

Pastor Metralhadora dá "rajada de tiros" nos pés das crianças

O nobre leitor pensa que já viu de tudo? Então assista este vídeo em que um pastor conhecido como Pastor Metralhadora faz orações dita "em línguas", simulando sons de metralhadora. Aqui ele dá seus "tirinhos" nos pés das crianças que estavam no culto. Ou sei lá que nome possam dar a esse evento.

Vídeo atribuído ao portal Tela Crente.

sábado, 7 de janeiro de 2012

Movimento gay prefere Lula a Dilma

Resposta para Congresso em Foco:

Não votaram na Dilma? Agora tomem bonito. Não tenho pena de cabo eleitoral de dona Dilma que reclama dela, seja homo, hétero, bi, tri, tetra, penta, multi, pansexual, virgem, não virgem, ninfomaníaca, garanhão, casto, celibatário ou eunuco. E podem esperar mais porrada, quando vierem à tona os desvios de verba pública promovidas por essas ONGs GLBTTPQPFDP e etc., tão danosas quanto as ONGs ditas cristãs que pegam verba pública para fazer doutrinação ou escola bíblica.


Outros comentários publicados no Congresso em Foco:

Claudemiro Soares
06/01/2012 11:51


As questões são outras. Quem sabe quanto o Lula deu às ONGs do Movimento Gay em seus 8 anos de governo? Quantas dessas ONGs estão inadimplentes no SIAFI? Quantas têm sido condenadas sistematicamente pelo TCU por desvios de recursos públicos? Quem são os “donos” dessas ONGs? Por que os donos de ONGs inadimplentes continuam recebendo as atenções da mídia e de políticos “progressistas”?


A questão central é: Dilma neutralizou o ESQUEMA por meio do qual as ONGs do Movimento Gay enriqueciam e compravam consciências na Administração Pública.


Tudo isso ficará bem claro para a sociedade brasileira em breve… Muito em breve.


É po aí…


ADHT
06/01/2012 14:24


É incrível como a falcatrua campeia livre em nosso país. De anos para cá mais um sugassuga apareceu para tirar proveito próprio das verbas governamentais. São as associações homossexuais, principalmente a ABGLT. O Senado aprovou uma verba de R$ 11 milhões para essas pseudo-ONGs que recebem altas verbas dos governos federal, estaduais e municipais e ao invés de aproveita-las de aplica-las para a compra de medicamentos e ajuda a gays doentes foram usados em favor próprio, como é o caso da ABGLT, cujo presidente, Sr. Toni Reis, vive viajando a Brasília com tudo pago pelo governo, financiando pelos nossos impostos. E o dinheiro que deveria estar indo para a compra de remédios para os portadores de HIV e outras doenças, estão sendo gastos para outros fins, conforme fomos informados. Uma devassa na ABGLT e outras já deveria ter sido feita há muito tempo. Há duas DENUNCIAS no MPF-PR. Como estão elas? O sangue de FURKIN, do GRUPO DIGNIDADE clama por uma solução clara, o MPF-PR sabe disso.

sexta-feira, 6 de janeiro de 2012

Os porquinhos da mídia nacional

Resposta para Com Texto Livre:

Sempre gosto desses textos esculhambando a mídia nacional. Venham de quem vier. Estou passando adiante.

Só me incomoda alguns desses textos (do Vermelho e de outras fontes) jamais colocarem um grande grupo no balaio, junto com os demais: o grupo Record-IURD. Será por ser um grupo lulo-dilmista? São sempre os mesmos grupos: Globo, RBS, Uol, Abril, Folha, Estadão, Band, etc. Grupos, aliás, sempre mamando nas tetas do Estado, simulando um oposicionismo de conveniência, que não inclui o departamento comercial desses grupos, pois nunca recusam um anunciozinho de ministério, de secretaria ou de estatal. A imagem dos porquinhos mamando nas tetas é sensacional. Quem vê um grupo, vê todos.

Zé Carlos disse...


A Record tem feito um jornalismo mais isento ultimamente - em comparação aos outros do PIG. Já vi bater tanto no governo quanto na oposição.


quarta-feira, 4 de janeiro de 2012 11h17min00s BRST

Mesmo sem fazer um jornalismo imparcial (Isso não existe! Todo mundo é parcial às vezes, mesmo se for parcial a favor de si mesmo), acredito que o grupo Record esteja fazendo um jornalismo mais equilibrado que a concorrência. Só que não é muito, não. Eu acompanho, principalmente a Record News. Os caras usam as mesmas agências de notícias aliadas do Governo americano e do sionismo para deles reproduzir notícias do exterior. Já esqueci a última vez que usaram também outras fontes, tipo uma Telesur da vida...

O equilíbrio no jornalismo da Record fica restrito às notícias nacionais. E olha que dá pra ser equilibrado mesmo tomando partido. Senão não mostrariam notícias desfavoráveis ao Governo Federal. Basta não editorializarem a pauta e as reportagens.

Apesar destas observações favoráveis ao jornalismo da Record, continuo sentindo falta do porquinho deles junto com os outros.

Zé Carlos disse...


Esse é o problema do jornalismo internacional.
Por questão de economia, a imprensa não possui mais correspondentes internacionais como nos anos de 1960/70 e até 80.
Contam com os serviços das agências.
Quanto a Record junto ao porquinho, faz falta mesmo.


quarta-feira, 4 de janeiro de 2012 12h02min00s BRST

quinta-feira, 5 de janeiro de 2012

Dois sujeitos trouxeram a Copa 2014 para o Brasil, não apenas um deles


Eu estava conferindo trechos de entrevista de Paulo Henrique Amorim para o jornal Página/12, reproduzida na Carta Maior. A certa altura, o homem da conversa fiada estragou seu texto todo, quando disse que o próximo passo dos Marinho (os patrões das Organizações Globo) "é se adonarem da Copa do Mundo de 2014".

Pra quê PHA foi falar em Copa 2014? Podia ter ficado quieto.

Eu sei por quê PHA teme a Copa e sua possível globalização. Não é só porque tenha ojeriza aos estrupícios globais e por estar convenientemente na Rede Record. É porque a Copa 2014 foi trazida ao Brasil não epenas por RICARDO TEIXEIRA (a quem o Grupo Record faz críticas porque a CBF só assina contratos com as Organizações Globo) mas também por LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA. Nem Globosta nem Recópia dizem que foram os dois que trouxeram o evento. Ou dizem que foi um deles sem mencionar o outro, ou não mencionam nenhum deles. Estou colocando o nome dos dois em caixa alta e negrito para que ninguém esqueça deles. Para que, quando vier o aproveitamento global sobre a Copa e a fatura do prejuízo e da bandalheira governamental, cobrem dos dois. Podem aproveitar que a Copa será em 2014 e cobrar a fatura do Lula e de seus asseclas em 2014, mesmo.

Quero ver se certos lulo-dilmistas continuarão sendo lulo-dilmistas quando chegar a fatura da Copa.

quarta-feira, 4 de janeiro de 2012

Sobre o ceticismo saudável de Carlos Heitor Cony

Resposta para Com Texto Livre:

Quase não leio textos próprios no seu blogue, Zé Carlos. Mas creio que você concorda com os textos que você reproduz. Se não concorda, avisa antes, como fez com aquele texto do Merval sobre o livro A Privataria Tucana.

Não acompanho a obra de Ferreira Gullar, para saber se o que ele escreve hoje é melhor ou pior do que escreveu no passado. Eu até acredito que seja pior, pelos relatos de quem ainda o lê. Tomara que os críticos não estejam fazendo meras patrulhas ideológicas, como as que os direitistas e liberais fazem com Chico Buarque, que continua sendo um grande artista. Se fazem patrulha ideológica, que fiquem quietinhos quando alguém esculhamba Chico, taxando-lhe de petralha pra baixo. Eu mesmo não rejeito amizades ou artistas preferidos por conta das opções que fazem. Sou fã de Herbert Vianna (já disse isso duas vezes a ele mesmo, a última vez foi no ano passado). Sou amigo dos irmãos Figueiredo Pereira (Alexandre e Marcelo), de Niterói. Só romperia com eles se de fato me fizessem um grande mal ou uma grande sacanagem.

Quanto ao Cony, ele de fato exerce um ceticismo do bem, semelhante ao que costumo fazer. Não passa a mão na cabeça de ninguém, muito menos do mundo político. Vez ou outra o ouço na CBN. É dos poucos colaboradores daquela rádio que diz algo que preste, sem mesquinharias.

Zé Carlos disse...


Pois é Marcelo, é raro postar um artigo meu: primeiro, porque sempre encontro um texto que já expressa o que penso; segundo, porque economizo tempo!
Quanto ao Gullar, é o que diz o Juremir Machado: é um Neymar improvisado de lateral.
E, em relação ao Cony, não concordo com Juremir. Já li crônicas reacionárias dele e deixei de acompanhá-lo. Talvez tenha melhorado. Não sei.


terça-feira, 3 de janeiro de 2012 13h28min00s BRST

terça-feira, 3 de janeiro de 2012

Presidente da China critica cultura ocidental

Pelo menos é o que afirma Edward Wong, correspondente do New York Times em Pequim, em reportagem reproduzida na Folha.

Hu Jintao tem medo da diversidade de ideias geradas pelos artistas e escritores locais, mas tem razão em temer o lixo gringo que também vai pra lá. No mínimo, Jintao deve estar com medo da chegada dessa música viral aqui:



Já pensaram? 1,3 bilhão de habitantes da China ouvindo essa joça? Isso é arma de destruição em massa. Destruição de mentes.

Mais uma obra artística para os neoliberais se esbaldarem

Costuma-se afirmar que os neoliberais foram extirpados do protagonismo do Governo Federal, permanecendo no poder na dita grande mídia e no mercado cultural, e como coadjuvantes no Governo Lula-Dilma.

Algo diferente do que acontecia durante o regime militar e na Era Sarney, época em que a direita estava no poder, com a esquerda tendo que se contentar com o poder na cultura brasileira. Chico Buarque chegou a ser contratado da Rede Globo, onde tinha com Caetano Veloso o programa Chico & Caetano...

Hoje são os neoliberais que tem que se contentar em fazer gracinhas na cultura brasileira. Está chegando o filme Agamenon - O Filme, mais um do grupo Casseta e Planeta, que terá a participação de Marcelo "Millenium" Madureira e de FHC, o príncipe dos sociólogos e dos neoliberais. Vem mais bajulação por aí.

Mas não é com esse filme que os neoliberais mais se esbaldarão neste começo de ano. O filme que trará gozo pra essa gente é o britânico A Dama de Ferro, cinebiografia da ex-primeira ministra Margaret Thatcher. Não me comove nem um pouco o fato de ter sido uma das primeiras mulheres líderes nos segmentos mais reacionários da política britânica e mundial. O que chama mais a atenção é o fato de Thatcher ter sido praticamente a matriarca do neoliberalismo a nível mundial, com as atitudes que tomou em seu Governo. Teria sido a pioneira entre todos (mulheres e homens), se antes não tivesse havido seu aliado chileno Augusto Pinochet, protagonista do provável primeiro governo neoliberal da História. Dos poucos méritos de Thatcher, um deles foi ter recusado colocar o Reino Unido na Zona do Euro, alegando que a nação precisava manter sua soberania sobre sua moeda. Se a Dama de Ferro tivesse capitulado até nesse ponto, o Reino Unido estaria hoje numa situação econômica pior em que está hoje. Vide o que acontece na Zona do Euro. E olha que a situação britânica hoje também não é nada animadora.

Dizem que Meryl Streep vem com tudo nesse filme. Já é candidata ao Globo de Ouro de melhor atriz de drama. E dizem que ela pode concorrer ao Oscar. Como o filme deve ser uma boa obra artística, pretendo conferi-lo. Independente da personagem principal, que, sinceramente, não merecia tal honraria. Margaret Thatcher está mais para documentários, que geralmente são mais frios, e são mais precisos, mesmo quando são parciais. Thatcher não merece ser glamourizada na telona com um filme dramático. E pode ser esse um dos objetivos dos produtores do filme. A conferir.

Segundo a Wikipedia, o filme tem lançamento nacional e mundial previsto para 13 de fevereiro.

segunda-feira, 2 de janeiro de 2012

A "idade média" da Globo News

Agora há pouco (cerca de 21h35) flagrei um erro crasso de legendagem no programa Espaço Aberto - Ciência e Tecnologia, da Globo News. Era uma reprise. O programa já havia sido exibido em 19 de maio passado. Tratava basicamente das formas de comunicação popularizadas pela Internet e pelos dispositivos móveis desde os anos 90, dos correios eletrônicos às redes sociais. Uma das entrevistadas (uma gringa que só falou em inglês, sem ser dublada) chegou a citar que nos EUA vários pais dão celulares para filhos a partir de 8 anos de idade, algo que é comum desde o 11 de Setembro americano, quando os pais passaram a ansiar em ficar em contato com os filhos 24 horas por dia, uma vontade retribuída pelos filhos logo depois.

A entrevistada gringa se referiu a esta era de comunicação instantânea como media age (idade mídia), onde todos estão conectados o tempo todo a alguma forma de comunicação eletrônica, mesmo crianças de 8 anos. O problema é que o responsável pela legendagem da Globo News estragou tudo para quem não entende inglês, traduzindo media age como "idade média".

Eu vi isso. Sério.

Isso numa emissora que põe o próprio nome em inglês.

Alguém da Globo News, por favor, pague um curso de inglês para os funcionários necessitados. A emissora recebe uma bolada de dinheiro todo mês dos assinantes de TV paga. Ainda mais por que a Globo News está praticamente em TODOS os pacotes de TV paga legalizada no Brasil. Deixem de ser pão duros, senhores globais!

Fica difícil falar de ciência e tecnologia levando calamidades linguísticas para o ar. Depois vão reclamar do Fernando Haddad...

The Doors (filme)


Um dos filmes que assisti no apagar das luzes de 2011 foi The Doors, filme sobre a banda homônima que traz o ator Val Kilmer numa memorável atuação no papel principal.

Tive a oportunidade de assistir o filme agora em HD. Não tive a oportunidade de ver no cinema, pois nem era maior de idade na época de lançamento. A película não é recomendada para menores de 18 anos. Por motivos óbvios. O filme mostra toda sorte de excessos cometidos pelo protagonista Jim Morrison. De uso de entorpecentes em escala industrial a automutilações. E ainda tem as polêmicas nos shows da banda e as prisões de Jim.

Independente disso tudo, o filme é um retrato fiel da história da banda e da época em que a banda fez sucesso. É também uma das obras primas do diretor Oliver Stone. O filme tem fotografia exuberante e boas locações. A trilha sonora é magistral, como não poderia deixar de ser, pois é um apanhado do repertório do The Doors. Para fazer uma sincronia com a trama do filme, uma banda regravou trechos das músicas do grupo, sendo que o próprio Val Kilmer fez a voz de Jim Morrison. E fez bem feito. O filme também traz alguns detalhes da vida de Jim, como sua passagem pela Universidade da Califórnia em Los Angeles, onde se formou no curso de cinema, e sua aptidão para a poesia.

Esse filme é difícil de achar no mercado nacional. O DVD está fora de catálogo. Se é que foi lançado algum dia por aqui. O Blu-Ray está em catálogo, mas está esgotado em alguns fornecedores e lojas, mesmo online. Na TV é difícil acha-lo, seja em TV paga ou aberta. É possível encontra-lo na Internet. Mas quem quiser procura-lo em HD na Internet terá uma aventura sem garantia de sucesso. Se até o Blu-Ray está difícil de achar...

domingo, 1 de janeiro de 2012

Bebidas proibidas nas ruas e comércios do entorno do Engenhão em dias de eventos

Uma das primeiras novidades do ano é um decreto da Prefeitura estabelecendo que fica proibida a venda e consumo de bebidas alcoolicas no comércio do entorno do Engenhão a partir de duas horas antes de eventos esportivos ou musicais no estádio, e até duas horas depois dos eventos. A venda também proíbe a venda e o consumo de bebidas alcoolicas nas ruas mais próximas do estádio durante o período. Nas ruas mesmo. O consumo fica liberado nas residências.

Alegam que as medidas são para desestimular atos de vandalismo e de violência por parte de frequentadores do estádio. Isso no entorno, porque os brigões marcam brigas uns com os outros até pela Internet, para quilômetros de distância do estádio. A medida também visa acabar com o hábito compulsivo de futebolistas que urinam nas portarias das casas e prédios da região após encherem a bexiga de cerveja.

Por outro lado, há moradores da região que consomem bebida em casa mesmo, mesmo sem irem no estádio, e que reclamam agora que não poderão consumi-la no comércio local nas ocasiões de jogos no Engenhão, e nem poderão comprar pra levar pra casa. Ou terão que comprar antecipadamente ou comprar longe do estádio.

Mas 2014 está chegando, e com ela o Estado Nacional vendendo sua soberania para a Fifa, que faz questão que a venda da cerveja da patrocinadora oficial da Copa 2014 seja liberada dentro e fora dos estádios durante os jogos da Copa no Maracanã.