Política, cultura e generalidades

quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

Virei "jornalista"! E eu nem sabia...

Acredito que nunca tenha feito uma postagem apenas sobre mim mesmo. Não que eu lembre. Creio que isso não interessa aos leitores, pelo menos não nesta fase de minha vida. Mas hoje foi inevitável.

O Portal dos Jornalistas publica perfis de jornalistas. Ainda não analisei profundamente o portal, mas acredito que ele deva fazer perfis profissionais dos jornalistas brasileiros.

E não é que o portal cismou de ME classificar como jornalista e ainda criaram um perfil para mim?

Basicamente, o portal pesquisou minha trajetória na Internet e classificou como "trabalho jornalístico" tudo que escrevi na rede desde que cheguei por aqui, no ano 2000. Eles contam o marco zero do que seria o meu "início da carreira" como o ano de 2002, quando lancei o Tributo ao Rádio do Rio de Janeiro.

O perfil é novo. Foi atualizado neste mês. Praticamente tudo que está ali escrito é fato verídico. Mas o perfil apresenta três falhas. O Tributo ao Rádio do Rio de Janeiro é classificado como blogue, coisa que não é nem nunca foi. É um simples portal feito todo em linguagem HTML (o feijão com arroz da interface para Internet) no tempo em que eu tinha pretensão de ingressar na carreira de web designer e web master, lá em 2002. Era um exercício de aprendizado que virou um passatempo, até hoje. O perfil ainda me apresenta como moderador da comunidade Dial AM e FM do Rio de Janeiro, função na qual meu amigo Ernesto Pina me substituiu por outro moderador.

O pior de tudo é que os caras dizem que fui eu que passei as informações pra eles. Quando nunca tive contato com ninguém daquele portal que estivesse se apresentando como seu representante. Os caras simplesmente pescaram as informações que deixo públicas na Internet, pois são informações sobre minha militância internáutica, sem nenhum dado confidencial, que não sou besta de deixar exposto. Afinal, caiu na rede já era...

Fundamentalmente, eu queria deixar claro aqui que não sou jornalista. Pelo menos se jornalista for entendido como o bacharel de jornalismo, porque, ao meu ver, ser jornalista é coisa séria. Blogueiro eu sou mesmo. Mas jornalista tem que ter conhecimento técnico para a coisa. Tem que estudar leis e entender de leis (pra saber que seu trabalho tem que ter limite, que é o respeito às leis do país e ao direito alheio), tem que aprender a apurar notícias e tem que ter uma série de requisitos que só um curso superior pode dar, hoje em dia. Não acredito que seja possível formar jornalistas sequer num curso técnico de nível médio, por exemplo. Não basta só a vocação ou a aptidão para a escrita.

Mas há quem queira classificar como jornalista todo aquele que trabalhe na função mesmo sem o diploma ou todo aquele que escreva (com ou sem remuneração) textos em forma de crônica, dissertação, artigos, resenhas ou simples textos opinativos sobre qualquer assunto. Tal classificação faz a alegria dos barões da mídia nacional, que gostariam de dispor de mão de obra abundante e barata no mercado de trabalho. Mão de obra facilmente adesista, de preferência.

Escrevo este texto para defender os jornalistas de verdade, e mais ainda os jornalistas com um mínimo de decência e inteligência, não dispostos a aderir facilmente a qualquer coisa. Jornalistas como o amigo Alexandre Figueiredo, que conheci em 2000. Ele ainda morava em Salvador. Hoje mora em Niterói. E é um jornalista que não apoia nada facilmente. No momento, ele está escrevendo um livro. Quem sabe ele inicie uma carreira de escritor?

O Alexandre que é jornalista de verdade NÃO TEM perfil no Portal dos Jornalistas. Qual é, pessoal? Passou da hora de criarem um perfil para ele. E olhem que o Alexandre é o criador do Preserve o Rádio AM, blogue citado (não nominalmente) em entrevista com Heródoto Barbeiro na revista Imprensa e é um blogue mais antigo que o próprio Tributo ao Rádio do Rio de Janeiro.

Fico lisonjeado por me julgarem apto a ser equiparado a jornalistas. Só faço questão de deixar claro que recuso as comparações, em justiça aos verdadeiros jornalistas. Sugiro que me reclassifiquem como blogueiro, não como jornalista. Nem todo blogueiro é jornalista, assim como nem todo apresentador, âncora, comunicador, locutor, colunista ou cronista é jornalista.

Mas quem sabe eu vire um dia jornalista de verdade? Com diploma e tudo. Nem que seja apenas um escritor amador com registro de jornalista, porque a rigor estou satisfeito com o trabalho profissional que desempenho hoje e dele não pretendo me desfazer. Pelo menos no horário comercial...

Colocarei abaixo minha ficha no Portal dos Jornalistas:

Marcelo Delfino


Entusiasta e preservador da história das emissoras de rádio do Rio de Janeiro/RJ, possui três blogs sobre o assunto, além de um sobre política nacional.


Marcelo de Jesus Delfino nasceu no Rio de Janeiro/RJ. Entusiasta das emissoras de rádio da capital fluminense, criou em 2002 o blog Tributo ao Rádio do Rio de Janeiro, que aborda a história de todas as emissoras que passaram pelo dial da cidade, além de notícias sobre o mercado radiofônico. (http://www.radiorj.com.br/index.html)


Em 2006 Marcelo assumiu também o blog Preserve o Rádio AM, com um viés crítico contra o sucateamento das emissoras em AM da cidade do Rio de Janeiro/RJ, além de notícias sobre o veículo de comunicação. (http://preserveoam.blogspot.com)


Em 2007 foi criado o blog do Marcelo Delfino, este com conteúdo essencialmente político, com enfoque nacional. (http://mjdelfino.blogspot.com).


No ano seguinte Delfino criou o blog Kiss Rio, com notícias sobre a instalação da emissora de rádio Kiss FM (91,9 Mhz - Rio de Janeiro/RJ). Marcelo foi um dos principais incentivadores da entrada da emissora paulistana especializada em rock clássico no Rio de Janeiro. (http://kissrio.blogspot.com).


O blogueiro também é moderador de uma comunidade sobre rádio na rede social Orkut, de nome Dial AM e FM do Rio de Janeiro.


Atualizado em dezembro/2011 - Portal dos Jornalistas.


Informações passadas pelo Jornalista.

2 comentários:

  1. Olá Marcelo,
    Fui eu, o William Gimenes, que montou o seu perfil lá no Portal dos Jornalistas. Para nós do Portal, blogueiros que escrevem sobre tecnologia e telecomnicações, sobre a mídia, indústria automotiva e sustentabilidade tem maior importância. Para nós seu trabalho é jornalístico sim, pois seus blogs e seu portal dissemina informação!
    Espero que você tenha gostado de verdade. Já fiz as três correções necessárias lá no Portal. Veja como ficou.
    Um abraço,
    William Gimenes.

    ResponderExcluir
  2. Fico agradecido por me julgarem relevante o suficiente para ter um perfil no Portal dos Jornalistas. Embora acredite que vai longe essa discussão sobre o que é e o que não é um jornalista e o que é jornalismo. Agradeço pelas correções no perfil. Falta corrigir o cadastro básico e a linha do tempo, com aquela correção sobre o Tributo ao Rádio do Rio de Janeiro, que é portal, não blogue.

    ResponderExcluir