Política, cultura e generalidades

quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

RPM - Elektra


Baixar MP3 o escambau! Não deixaria de comprar um CD de uma banda histórica e merecedora de todo crédito como o RPM pra ficar apenas com músicas comprimidas, mesmo a 128 kbps. E olha que MP3 com 128 kbps já é coisa pra caramba. Mas há músicos e técnicos de som que discordam.

Estou aqui com o novo do RPM, Elektra. O disco é sensacional. Rock eletrônico de primeira qualidade. Pena que tenha vindo só agora, 23 anos depois do último CD de inéditas oficial do RPM, Quatro Coiotes. O CD Paulo Ricardo & RPM de 1993 só é contado como do RPM por gente realista como eu e os editores da Wikipedia. Aquele disco não tinha a formação clássica da banda (Paulo Ricardo, Luiz Schiavon, Fernando Deluqui e Paulo Pagni). Mas era tão bom que continua sendo ouvido por fãs do RPM e do Paulo Ricardo. E ainda teve sua lentinha Ninfa regravada nesse Elektra, agora em versão dançante.

Pois ao contrário de Paulo Ricardo & RPM, esse Elektra foi gravado pela formação clássica da banda, que está na estrada unida desde meados do primeiro semestre. Muito por causa da comoção provocada pelo documentário Por Toda a Minha Vida (2010), em que a Rede Globo recontou a história da banda da formação até a dissolução em 1989.

O instrumental da banda continua muito bom. Não dá para conceber hoje a banda sem um dos quatro músicos. Cada um deles tem uma cota enorme de participação na concepção sonora da banda. Paulo Ricardo paga o preço pelos excessos da juventude (a voz dele ficou rouca demais depois do disco Paulo Ricardo & RPM), mas continua mandando bem no vocal e continua sendo um excelente letrista. Um dos melhores do país, e neste ponto, muito injustiçado. Como bem observou o blogue Pedra Brazuca, as músicas tem temas variados: paternidade, o excesso de informação não digerida na era da Internet, amor, mulheres, noitadas, as incertezas da vida...

Elektra é definitivamente o grande disco de 2011, pelo menos no cenário do rock nacional. O crítico Mauro Ferreira escreveu hoje na coluna Estúdio de O Dia que o disco soa datado, no que discordo frontalmente. E ainda chamou a formação clássica de "formação original". Mas não foi mesmo! A banda teve outros bateristas, antes de Paulo Pagni: Moreno Júnior (que saiu da banda por ter apenas 15 anos e precisar completar os estudos) e Charles Gavin, que tinha saído do Ira! e não ficou muito tempo no RPM, se transferindo para o Titãs. Fora esse lapso histórico, Mauro fez uma bom comentário do disco, classificado como 'bom':

Este primeiro disco de inéditas do RPM em 23 anos (com a formação original) honra a história do grupo. O tecnopop soa datado, mas ainda envolvente. O tempero eletrônico é usado na medida certa.

Mauro Ferreira fez uma anotação no cabeçalho da coluna:

FORA DO TOM. A precária distribuição do disco de inéditas do grupo RPM, 'Elektra'.

Aqui temos a resenha completa de Mauro Ferreira.

As faixas do CD

Elektra é um CD duplo. No disco 1 temos as 11 músicas inéditas e a regravação de Ninfa. No disco 2 temos remixes de músicas do CD 1. Esse segundo disco fará a alegria dos DJs. Fará mais ainda se Elektra ganhar uma versão em vinil duplo.

Falando em disco duplo, bem que a versão em CD deveria ser simples. As faixas dos dois discos caberiam num disco só. Ajudaria a baratear o disco, gastar menos matéria prima e ocupar menos espaço.

Faixas do CD 1:

1- Dois Olhos Verdes
2- Problema Seu
3- Muito Tudo
4- Pessoa X
5- Deusa das Águas
6- Crepúsculo
7- Elektra
8- Vidro e Cola
9- Cassino Royale
10- Ela é Demais (Pra Mim)
11- Ninfa
12- Santo Graal

Faixas do CD 2:

1- Dois Olhos Verdes
2- Ninfa
3- Deusa das Águas
4- Muito Tudo
5- Problema Seu
6- Ela é Demais (Pra Mim)
7- Cassino Royale

Nenhum comentário:

Postar um comentário