Política, cultura e generalidades

sábado, 31 de dezembro de 2011

Troféu Tolo do Ano 2011


Quando decidi encerrar meu antigo blogue Brasil, um País de Tolos com dois anos de atividade e iniciar um blogue pessoal pra escrever o que quisesse sem restrições (inclusive boas notícias), resolvi que o blogue herdaria do Brasil, um País de Tolos o Troféu Tolo do Ano, concedido à figura mais grotesca de cada ano.

Neste ano, a disputa foi acirrada. Os concorrentes foram variados. Foram do deputado Jean BBB, digo, Jean Wyllys (PSOL-RJ) a um antigo leitor do outro blogue que nem merece citação, agora. No entanto, ministros de Estado são sempre candidatíssimos ao troféu, pelas lambanças que fazem e asneiras que falam. Hélio Costa (das Comunicações) foi o primeiro ministro a faturar o seu troféu, em 2010. Neste ano, vários ministros de Dilma Rousseff concorreram, como Ana de Hollanda (Cultura) e Fernando Haddad (Educação).

Só que quem chegou na disputa no segundo semestre e atropelou a concorrência com requintes de crueldade (e com muita cara de pau) foi o presidente do PDT e ex-Ministro do Trabalho, Carlos Lupi. É pra ele que vai o Troféu Tolo do Ano 2011.

O homem merece. Além de dar pití durante mais de um mês negando as denúncias de malfeitos em sua pasta, o cara desrespeitou a chefe, ninguém menos que a presidenta Dilma. Presidenta, aliás, que por ser a primeira presidenta da história do País, deveria ter honrado o gênero e ter mandado embora Carlos Lupi quando ele se desculpou nesses termos: "Presidente, desculpe se fui agressivo. Não era a minha intenção. Eu te amo". Só que com um "eu te amo" que mais parecia entonação de cantada de amante latinoamericano que outra coisa. Cantando a chefe, ministro?

Isso depois de Lupi ter sido autor de algumas das mais célebres frases de 2011:

“Sou osso duro de roer. Quero ver até aonde vai esta onda de denuncismo.”
“Morro, mas não jogo a toalha.”
“Duvido que a Dilma me tire.”
“Não há nenhuma possibilidade de sair.”
“Pela relação que tenho com a Dilma, não saio nem na reforma. Ela me conhece bem.”
“Alguns acharam que era melhor que eu tivesse saído. Para me tirar, só abatido à bala. Tem de ser uma bala pesada, porque sou pesadão.”

Dilma Rousseff ainda demoraria alguns dias para exonerar o ministro da pesada.

Carlos Lupi merece o troféu. E nossos votos de feliz 2012, mas bem longe do Governo. Valeu pelas frases divertidas ditas ao longo de 2011.

E para os leitores que me acompanham desde o antigo blogue e os novos que só conheceram este blogue, faço votos de um feliz e abençoado 2012. Continuaremos juntos, debatendo a política, a cultura e as generalidades que acompanhamos há mais de dois anos.

sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

Uma oposição que o Brasil precisa não é a oposição neoliberal tucana

Resposta para Com Texto Livre:

Uma oposição que o Brasil precisa (e que foi objeto de texto de Marcos Coimbra) não é a oposição neoliberal tucana. Eu disse UMA oposição, já que pode haver várias: a de esquerda (PSOL e partidos menores), a nacionalista e a direitista assumida (ambas sem representação partidária). Pode ser uma oposição tucana também, mas não neoliberal. Até mesmo porque há neoliberais também na base lulo-dilmista, e com o Governo Lula-Dilma bem avaliado, a população prefere escolher os neoliberais governistas, não os oposicionistas. O governador e o prefeito eleitos pelo Rio que o digam.

No caso do tucanato, acredito que os que participaram da privataria e que ainda acreditam naquela coisa toda fazem bem ao país e a si mesmos se defenderem o que fizeram, ao invés de dissimularem, como fizeram em 2010. Aí a população formará seu juízo de valor sobre eles. Hoje o que há é mais uma aprovação do lulo-dilmismo que uma reprovação ao demo-tucanismo. Quanto aos tucanos mais jovens e os que ficaram de fora da privataria, deveriam resgatar o próprio nome do partido: Partido da Social Democracia Brasileira. O PSDB era uma resposta ao fisiologismo do já então apodrecido PMDB, do qual vieram os fundadores do PSDB. Esse PSDB de hoje não zela pela sociedade e está tomado por gente com viés autoritário, como José Serra. E se tornou exatamente o que o PMDB se tornara nos anos 80.

Quando o PSDB deixar o neoliberalismo para trás, aposentar a velharia do partido e se tornar efetivamente social e democrata, talvez possa ser uma alternativa para suceder o lulo-dilmo-esquerdismo e mesmo o antigo demo-tucanato que de qualquer maneira não deve voltar, mesmo. Pode ser uma mudança como a do PTB e do PSD de hoje que não têm nada a ver com seus homônimos do passado. Só que a mudança do PSDB deverá ser uma mudança para melhor, não para pior, como acontece com os outros dois partidos.

Não vale o tucanato achar que Aécio Neves seja renovação de coisa alguma, pois é o que menos ele é. É, sim, herdeiro político direto do avô, aquele primeiro-ministro mandrake da fase parlamentarista da época do presidente João Goulart. Por uma tragédia pessoal, Tancredo virou o primeiro e único presidente a não assumir o mandato. Aécio tem relações estranhas com a imprensa governista mineira, daí não poder representar o D do PSDB. Quanto ao S do PSDB, o que Aécio entende por ser social é dar material para colunas sociais e andar com socialites. Só isso.

Zé Carlos disse...


PSDB não neoliberal é difícil. Isso está no DNA do partido.
Aécio pode até ser herdeiro político de Tancredo, sem esquecer que também é herdeiro político do Aécio Cunha; mas para por aí porque não tem a astúcia política do avô e do pai.


quinta-feira, 29 de dezembro de 2011 12h07min00s BRST

quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

RPM - Elektra


Baixar MP3 o escambau! Não deixaria de comprar um CD de uma banda histórica e merecedora de todo crédito como o RPM pra ficar apenas com músicas comprimidas, mesmo a 128 kbps. E olha que MP3 com 128 kbps já é coisa pra caramba. Mas há músicos e técnicos de som que discordam.

Estou aqui com o novo do RPM, Elektra. O disco é sensacional. Rock eletrônico de primeira qualidade. Pena que tenha vindo só agora, 23 anos depois do último CD de inéditas oficial do RPM, Quatro Coiotes. O CD Paulo Ricardo & RPM de 1993 só é contado como do RPM por gente realista como eu e os editores da Wikipedia. Aquele disco não tinha a formação clássica da banda (Paulo Ricardo, Luiz Schiavon, Fernando Deluqui e Paulo Pagni). Mas era tão bom que continua sendo ouvido por fãs do RPM e do Paulo Ricardo. E ainda teve sua lentinha Ninfa regravada nesse Elektra, agora em versão dançante.

Pois ao contrário de Paulo Ricardo & RPM, esse Elektra foi gravado pela formação clássica da banda, que está na estrada unida desde meados do primeiro semestre. Muito por causa da comoção provocada pelo documentário Por Toda a Minha Vida (2010), em que a Rede Globo recontou a história da banda da formação até a dissolução em 1989.

O instrumental da banda continua muito bom. Não dá para conceber hoje a banda sem um dos quatro músicos. Cada um deles tem uma cota enorme de participação na concepção sonora da banda. Paulo Ricardo paga o preço pelos excessos da juventude (a voz dele ficou rouca demais depois do disco Paulo Ricardo & RPM), mas continua mandando bem no vocal e continua sendo um excelente letrista. Um dos melhores do país, e neste ponto, muito injustiçado. Como bem observou o blogue Pedra Brazuca, as músicas tem temas variados: paternidade, o excesso de informação não digerida na era da Internet, amor, mulheres, noitadas, as incertezas da vida...

Elektra é definitivamente o grande disco de 2011, pelo menos no cenário do rock nacional. O crítico Mauro Ferreira escreveu hoje na coluna Estúdio de O Dia que o disco soa datado, no que discordo frontalmente. E ainda chamou a formação clássica de "formação original". Mas não foi mesmo! A banda teve outros bateristas, antes de Paulo Pagni: Moreno Júnior (que saiu da banda por ter apenas 15 anos e precisar completar os estudos) e Charles Gavin, que tinha saído do Ira! e não ficou muito tempo no RPM, se transferindo para o Titãs. Fora esse lapso histórico, Mauro fez uma bom comentário do disco, classificado como 'bom':

Este primeiro disco de inéditas do RPM em 23 anos (com a formação original) honra a história do grupo. O tecnopop soa datado, mas ainda envolvente. O tempero eletrônico é usado na medida certa.

Mauro Ferreira fez uma anotação no cabeçalho da coluna:

FORA DO TOM. A precária distribuição do disco de inéditas do grupo RPM, 'Elektra'.

Aqui temos a resenha completa de Mauro Ferreira.

As faixas do CD

Elektra é um CD duplo. No disco 1 temos as 11 músicas inéditas e a regravação de Ninfa. No disco 2 temos remixes de músicas do CD 1. Esse segundo disco fará a alegria dos DJs. Fará mais ainda se Elektra ganhar uma versão em vinil duplo.

Falando em disco duplo, bem que a versão em CD deveria ser simples. As faixas dos dois discos caberiam num disco só. Ajudaria a baratear o disco, gastar menos matéria prima e ocupar menos espaço.

Faixas do CD 1:

1- Dois Olhos Verdes
2- Problema Seu
3- Muito Tudo
4- Pessoa X
5- Deusa das Águas
6- Crepúsculo
7- Elektra
8- Vidro e Cola
9- Cassino Royale
10- Ela é Demais (Pra Mim)
11- Ninfa
12- Santo Graal

Faixas do CD 2:

1- Dois Olhos Verdes
2- Ninfa
3- Deusa das Águas
4- Muito Tudo
5- Problema Seu
6- Ela é Demais (Pra Mim)
7- Cassino Royale

quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

Virei "jornalista"! E eu nem sabia...

Acredito que nunca tenha feito uma postagem apenas sobre mim mesmo. Não que eu lembre. Creio que isso não interessa aos leitores, pelo menos não nesta fase de minha vida. Mas hoje foi inevitável.

O Portal dos Jornalistas publica perfis de jornalistas. Ainda não analisei profundamente o portal, mas acredito que ele deva fazer perfis profissionais dos jornalistas brasileiros.

E não é que o portal cismou de ME classificar como jornalista e ainda criaram um perfil para mim?

Basicamente, o portal pesquisou minha trajetória na Internet e classificou como "trabalho jornalístico" tudo que escrevi na rede desde que cheguei por aqui, no ano 2000. Eles contam o marco zero do que seria o meu "início da carreira" como o ano de 2002, quando lancei o Tributo ao Rádio do Rio de Janeiro.

O perfil é novo. Foi atualizado neste mês. Praticamente tudo que está ali escrito é fato verídico. Mas o perfil apresenta três falhas. O Tributo ao Rádio do Rio de Janeiro é classificado como blogue, coisa que não é nem nunca foi. É um simples portal feito todo em linguagem HTML (o feijão com arroz da interface para Internet) no tempo em que eu tinha pretensão de ingressar na carreira de web designer e web master, lá em 2002. Era um exercício de aprendizado que virou um passatempo, até hoje. O perfil ainda me apresenta como moderador da comunidade Dial AM e FM do Rio de Janeiro, função na qual meu amigo Ernesto Pina me substituiu por outro moderador.

O pior de tudo é que os caras dizem que fui eu que passei as informações pra eles. Quando nunca tive contato com ninguém daquele portal que estivesse se apresentando como seu representante. Os caras simplesmente pescaram as informações que deixo públicas na Internet, pois são informações sobre minha militância internáutica, sem nenhum dado confidencial, que não sou besta de deixar exposto. Afinal, caiu na rede já era...

Fundamentalmente, eu queria deixar claro aqui que não sou jornalista. Pelo menos se jornalista for entendido como o bacharel de jornalismo, porque, ao meu ver, ser jornalista é coisa séria. Blogueiro eu sou mesmo. Mas jornalista tem que ter conhecimento técnico para a coisa. Tem que estudar leis e entender de leis (pra saber que seu trabalho tem que ter limite, que é o respeito às leis do país e ao direito alheio), tem que aprender a apurar notícias e tem que ter uma série de requisitos que só um curso superior pode dar, hoje em dia. Não acredito que seja possível formar jornalistas sequer num curso técnico de nível médio, por exemplo. Não basta só a vocação ou a aptidão para a escrita.

Mas há quem queira classificar como jornalista todo aquele que trabalhe na função mesmo sem o diploma ou todo aquele que escreva (com ou sem remuneração) textos em forma de crônica, dissertação, artigos, resenhas ou simples textos opinativos sobre qualquer assunto. Tal classificação faz a alegria dos barões da mídia nacional, que gostariam de dispor de mão de obra abundante e barata no mercado de trabalho. Mão de obra facilmente adesista, de preferência.

Escrevo este texto para defender os jornalistas de verdade, e mais ainda os jornalistas com um mínimo de decência e inteligência, não dispostos a aderir facilmente a qualquer coisa. Jornalistas como o amigo Alexandre Figueiredo, que conheci em 2000. Ele ainda morava em Salvador. Hoje mora em Niterói. E é um jornalista que não apoia nada facilmente. No momento, ele está escrevendo um livro. Quem sabe ele inicie uma carreira de escritor?

O Alexandre que é jornalista de verdade NÃO TEM perfil no Portal dos Jornalistas. Qual é, pessoal? Passou da hora de criarem um perfil para ele. E olhem que o Alexandre é o criador do Preserve o Rádio AM, blogue citado (não nominalmente) em entrevista com Heródoto Barbeiro na revista Imprensa e é um blogue mais antigo que o próprio Tributo ao Rádio do Rio de Janeiro.

Fico lisonjeado por me julgarem apto a ser equiparado a jornalistas. Só faço questão de deixar claro que recuso as comparações, em justiça aos verdadeiros jornalistas. Sugiro que me reclassifiquem como blogueiro, não como jornalista. Nem todo blogueiro é jornalista, assim como nem todo apresentador, âncora, comunicador, locutor, colunista ou cronista é jornalista.

Mas quem sabe eu vire um dia jornalista de verdade? Com diploma e tudo. Nem que seja apenas um escritor amador com registro de jornalista, porque a rigor estou satisfeito com o trabalho profissional que desempenho hoje e dele não pretendo me desfazer. Pelo menos no horário comercial...

Colocarei abaixo minha ficha no Portal dos Jornalistas:

Marcelo Delfino


Entusiasta e preservador da história das emissoras de rádio do Rio de Janeiro/RJ, possui três blogs sobre o assunto, além de um sobre política nacional.


Marcelo de Jesus Delfino nasceu no Rio de Janeiro/RJ. Entusiasta das emissoras de rádio da capital fluminense, criou em 2002 o blog Tributo ao Rádio do Rio de Janeiro, que aborda a história de todas as emissoras que passaram pelo dial da cidade, além de notícias sobre o mercado radiofônico. (http://www.radiorj.com.br/index.html)


Em 2006 Marcelo assumiu também o blog Preserve o Rádio AM, com um viés crítico contra o sucateamento das emissoras em AM da cidade do Rio de Janeiro/RJ, além de notícias sobre o veículo de comunicação. (http://preserveoam.blogspot.com)


Em 2007 foi criado o blog do Marcelo Delfino, este com conteúdo essencialmente político, com enfoque nacional. (http://mjdelfino.blogspot.com).


No ano seguinte Delfino criou o blog Kiss Rio, com notícias sobre a instalação da emissora de rádio Kiss FM (91,9 Mhz - Rio de Janeiro/RJ). Marcelo foi um dos principais incentivadores da entrada da emissora paulistana especializada em rock clássico no Rio de Janeiro. (http://kissrio.blogspot.com).


O blogueiro também é moderador de uma comunidade sobre rádio na rede social Orkut, de nome Dial AM e FM do Rio de Janeiro.


Atualizado em dezembro/2011 - Portal dos Jornalistas.


Informações passadas pelo Jornalista.

terça-feira, 27 de dezembro de 2011

Privataria tucana: um pouco de humor

Tem gente que, pra negar que tivesse havido a privataria tucana, consegue ser até engraçado. Mesmo com umas verdades sobre o governo atual e umas meias verdades aqui e ali, pra disfarçar e tentar dar um ar de seriedade ao texto.

Acredito que os amigos leitores darão sonoras gargalhadas com este texto aqui. E com razão. Especialmente Alexandre Figueiredo, Marcelo Pereira e Zé Carlos.

Fontes: Coturno Noturno e O Globo.

Querem impor a mordaça.


Não é novidade a forma de agir dos donos do poder. Nas três últimas eleições presidenciais, o PT e seus comparsas produziram dossiês, violaram sigilos fiscais e bancários, espalharam boatos, caluniaram seus opositores, montaram farsas. Não tiveram receio de transgredir a Constituição e todo aparato legal. Para ganhar, praticaram a estratégia do vale-tudo. Transformaram seus militantes, incrustados na máquina do Estado, em informantes, em difamadores dos cidadãos. A máquina petista virou uma Stasi tropical, tão truculenta como aquela que oprimiu os alemães-orientais durante 40 anos.


A truculência é uma forma fascista de evitar o confronto de ideias. Para os fascistas, o debate é nocivo à sua forma de domínio, de controle absoluto da sociedade, pois pressupõe a existência do opositor. Para o PT, que segue esta linha, a política não é o espaço da cidadania. Na verdade, os petistas odeiam a política. Fizeram nos últimos anos um trabalho de despolitizar os confrontos ideológicos e infantilizaram as divergências (basta recordar a denominação "mãe do PAC").


A pluralidade ideológica e a alternância do poder foram somente suportadas. Na verdade, os petistas odeiam ter de conviver com a democracia. No passado adjetivavam o regime como "burguês"; hoje, como detém o poder, demonizam todos aqueles que se colocam contra o seu projeto autoritário. Enxergam na Venezuela, no Equador e, mais recentemente, na Argentina exemplos para serem seguidos. Querem, como nestes três países, amordaçar os meios de comunicação e impor a ferro e fogo seu domínio sobre a sociedade. Mesmo com todo o poder de Estado, nunca conseguiram vencer, no primeiro turno, uma eleição presidencial. Encontraram resistência por parte de milhões de eleitores. Mas não desistiram de seus propósitos. Querem controlar a imprensa de qualquer forma. Para isso contam com o poder financeiro do governo e de seus asseclas. Compram consciências sem nenhum recato. E não faltam vendedores sequiosos para mamar nas tetas do Estado.


O panfleto de Amaury Ribeiro Junior ("A privataria tucana") é apenas um produto da máquina petista de triturar reputações. Foi produzido nos esgotos do Palácio do Planalto. E foi publicado, neste momento, justamente com a intenção de desviar a atenção nacional dos sucessivos escândalos de corrupção do governo federal. A marca oficialista é tão evidente que, na quarta capa, o editor usa a expressão "malfeito", popularizada recentemente pela presidente Dilma Rousseff quando defendeu seus ministros corruptos.


Sob o pretexto de criticar as privatizações, focou exclusivamente o seu panfleto em José Serra. O autor chegou a pagar a um despachante para violar os sigilos fiscais de vários cidadãos, tudo isso sob a proteção de uma funcionária (petista, claro) da agência da Receita Federal, em Mauá, região metropolitana de São Paulo. Ribeiro - que está sendo processado - não tem vergonha de confessar o crime. Disse que não sabia como o despachante obtinha as informações sigilosas. Usou 130 páginas para transcrever documentos sem nenhuma relação com o texto, como uma tentativa de apresentar seriedade, pesquisa, na elaboração das calúnias. Na verdade, não tinha como ocupar as páginas do panfleto com outras reportagens requentadas (a maioria publicada na revista "IstoÉ").


Demonstrando absoluto desconhecimento do processo das privatizações, o autor construiu um texto desconexo. Começa contando que sofreu um atentado quando investigava o tráfico de drogas em uma cidade-satélite do Distrito Federal. Depois apresenta uma enorme barafunda de nomes e informações. Fala até de um diamante cor-de-rosa que teria saído clandestinamente do país. Passa por Fernandinho Beira-Mar, o juiz Nicolau e por Ricardo Teixeira. Chega até a desenvolver uma tese que as lan houses, na periferia, facilitam a ação dos traficantes. Termina o longo arrazoado dizendo que foi obrigado a fugir de Brasília (sem explicar algum motivo razoável).

O panfleto não tem o mínimo sentido. Poderia servir - pela prática petista - como um dossiê, destes que o partido usa habitualmente para coagir e tentar desmoralizar seus adversários nas eleições (vale recordar que Ribeiro trabalhou na campanha presidencial de Dilma). O autor faz afirmações megalomaníacas, sem nenhuma comprovação. A edição foi tão malfeita que não tomaram nem o cuidado de atualizar as reportagens requentadas, como na página 170, quando é dito que "o primo do hoje candidato tucano à Presidência da República..." A eleição foi em 2010 e o livro foi publicado em novembro de 2011 (e, segundo o autor, concluído em junho deste ano).


O panfleto deveria ser ignorado. Porém, o Ministério da Verdade petista, digno de George Orwell, construiu um verdadeiro rolo compressor. Criou a farsa do livro invisível, isto quando recebeu ampla cobertura televisiva da rede onde o jornalista dá expediente. Junto às centenas de vozes de aluguel, Ribeiro quis transformar o texto difamatório em denúncia. Fracassou. O panfleto não para em pé e logo cairá no esquecimento. Mas deixa uma lição: o PT não vai deixar o poder tão facilmente, como alguns ingênuos imaginam. Usará de todos os instrumentos de intimidação contra seus adversários, mesmo aqueles que hoje silenciam, acreditando que estão "pela covardia" protegidos da fúria fascista. O PT não terá dúvida em rasgar a Constituição, se for necessário ao seu plano de perpetuação no poder. O panfleto é somente uma pequena peça da estrutura fascista do petismo.


Artigo de Marco Antonio Villa, publicado hoje em O Globo.

segunda-feira, 26 de dezembro de 2011

Governo Cabral Filho: melhor quanto?

Continuo ouvindo interlocutores declarando que o Governo Sérgio Cabral Filho é melhor que os governos anteriores, leia-se os governos Anthony Garotinho e Rosinha Matheus. E falam isso como se o governo do filho do autor de Os Meninos da Mangueira fosse a oitava maravilha do mundo da política.

Pombas, a base de comparação é muito baixa! Os governos dos garotinhos foram ruins pra caramba, em todos os quesitos. Para ser melhor que eles, não precisa de muita coisa. O governo de Cabral Filho consegue ser apenas um tiquinho melhor porque é um governo medíocre. Medíocre vem da palavra mediano, ou médio. As pessoas não podem se contentar com tão pouco. Não podem se contentar com o medíocre.

Por favor, senhores, se forem analisar o Governo Cabral Filho, faça uma análise objetiva apenas sobre esta gestão, não uma análise comparativa com governos péssimos que não servem de parâmetro para nada.

domingo, 25 de dezembro de 2011

A grande piada do fim do ano: "O Executivo não manda em mais nada"

“Eu sempre digo que, antigamente, o Brasil tinha três poderes: o Executivo, o Legislativo e o Judiciário. Depois, veio a imprensa e se tornou o quarto poder. Hoje, temos em torno de cinco, mas em ordem de importância inversa: a Imprensa é o primeiro, seguida pelo Ministério Público. Só depois temos a Justiça, o Legislativo e, por fim, o Executivo, que não manda mais nada”
Deputado federal Júlio Campos (DEM-MT)

Resposta para Com Texto Livre:

Permitam-me discordar em um ponto dito pelo deputado Júlio Campos (DEM-MT), que diz que o Poder Executivo (leia-se Governo Federal) não manda em mais nada. Então o senhor deputado DEMo me explique a ânsia de vários partidos políticos em conquistarem o cargo de presidente da República para um de seus filiados ou filiado de outro partido da mesma coligação. A começar pelo próprio DEM, que apoiou ansiosamente as candidaturas presidenciais de três filiados do PSDB (FHC, Alckmin e Serra em 2010).

Se o Executivo federal não manda em mais nada, então não há mal algum que qualquer estrupício ou estrupícia ocupe o cargo de presidente da República, no presente ou no futuro. Seja Dilma, Serra, Marina Silva, Plínio Sampaio, Rui Pimenta, Zé Maria, Ivan Pinheiro, Eymael, Levy Fidelix, Alckmin, Heloísa Helena, Anthony Garotinho, Ciro Gomes, Maluf, Afif, Roberto Freire, Caiado ou Gabeira, que já concorreram, ou mesmo Lula, FHC, Collor ou Sarney de volta. Alguém quer experimentar elege-los? Eu não. Mas fiquem à vontade.

Aproveito para mandar votos de um Feliz Natal para o Zé Carlos e todos os leitores dos dois blogues.

Zé Carlos disse...


Obrigado Marcelo,
pra vc também e seus leitores.


sábado, 24 de dezembro de 2011 18h11min00s BRST

sábado, 24 de dezembro de 2011

Dilma Médici Rousseff

Estou chegando tarde em casa diariamente. Carreira de profissional de controladoria é assim mesmo: fim de ano chegando e o ano contábil tem que ser fechado a tempo. Equipe cheia de serviço pra fazer.

De modo que não vi ontem a íntegra do pronunciamento de dona Dilma na TV. Pelo que vi, a presidenta estava em seu dia de Emílio Garrastazu Médici: anunciando aos quatro ventos o falso "milagre econômico" do Brasil. E os otários acreditando.

O tempo passa, o tempo voa, muda o regime, muda o partido do Governo, mudam os presidentes, mudam os ministros, mas a enganação continua a mesma.

P.S: Quem tiver estômago para conferir o texto completo do pronunciamento inteiro de dona Dilma, pode conferir no portal oficial do Palácio do Planalto e depois conferir análises no Coturno Noturno e em seus comentários.

sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

Privataria petista para que a privataria tucana não volte

Resposta para Raphael Tsavkko:

Gostaria de declarar algo aqui ao ativista Raphael Tsavkko, com quem concordo muitas vezes e discordo apenas em uma ou outra coisa que não vem ao caso. Se não me engano, vi essas cisternas de concreto do sertão nordestino na propaganda eleitoral da dona Dilma, em 2010, na disputa com o Cerra. Hoje vemos o que Dilma faz com o programa das cisternas. Paralelamente, estou questionando a militância lulo-dilmista sobre muitas coisas. Agora questiono com que objetivos eles clamam pelas investigações sobre a privataria tucana (que eu apoio, nacionalista que sou), se a própria dupla Lula-Dilma perdeu seus primeiros anos de mandato (2003 e 2011, respectivamente) sem mandar os órgãos do Governo investigarem a privataria tucana. Desconfio que seja para eles mesmos fazerem a privataria petista, sem riscos de que os tucanos voltem para continuarem a deles. Também questiono a esgotosfera progressista se o objetivo deles não seria apenas aposentar a geração de FHC e José Serra para beneficiar a ascensão de uma geração de tucanos mais jovens, mas com práticas também velhas.

quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

Essa Copa 2014 há de enterrar o lulo-dilmismo, junto com Ricardo Teixeira e seus aliados. Que todos anotem!

Especialmente a picaretagem nacional, que imagina que só Ricardo Teixeira e seus aliados de toda a direita nacional (Rede Globo incluída) cairão depois do vexame que essa Copa representará para este País de Tolos.

Estou me referindo ao vexame DENTRO e FORA de campo.

Não esquecerei jamais que foram Sua Divindade o Filho Bastardo do Brasil e Ricardo Teixeira que trouxeram essa lambança para o Brasil. A sacerdotisa de Sua Divindade o Filho Bastardo do Brasil (ou Nossa Senhora da Igreja Vermelha, como queiram) é de uma falsidade medonha. Finge uma rivalidade com Ric Teixeira que, a rigor, não existe. Se existisse, já teria mandado Ric e essa cartolagem da FIFA pastarem e mandado a Copa pra ponte que partiu.

Nesta semana mesma eu estava conferindo dois textos magistrais sobre a Copa 2014, seus vexames e seus malfeitos. Um de Carlos Chagas (aqui), outros dois de Ricardo Gama (texto 1 e texto 2). Todos esses textos não deixam pedra sobre pedra.

quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

O grande livro de 2017

Autor: Joaquim Barreto.

17 de dezembro de 2011, 23:00

Em 2002 muita gente votou no PT exatamente para acabar e/ou corrigir o estrago que o PSDB/PFL e FHC estavam fazendo com o país. Vinha um tal de Lula pregando honestidade, ética, moralidade e tal em seu governo. Criticava duramente os Sarneys, Quércias, Malufs, muitos PMDBs, dizia que banqueiros deveriam temer mesmo o PT e por aí vai.

Ganharam e em 9 anos aprenderam direitinho como trabalha o PSDB, não investigaram nada, não desfizeram nenhuma safadeza das privatizações. Porque não repassaram estes tais documentos para o Antonio Fernando Souza (que não foi engavetador como o Geraldo Brindeiro) investigar? Aliaram-se a tudo que antes era podre para continuar os saques ao erário…

Em 2017 espera-se um livro mostrando a radiografia do governo atual em tempos de copa, olímpiada, entrega de aeroportos e otras cositas.

Fonte: Tribuna da Imprensa.

terça-feira, 20 de dezembro de 2011

Privataria tucana: CPI pode convocar FHC e Serra para depor

A CPI já tem o número de apoiamentos para o requerimento, como eu previa.

Ruim vai ser se a CPI virar palanque para esses dois senhores. Como acontece com os ministros da Dilma no Congresso.

Fonte: Correio do Brasil.

Serra e FHC estão na mira da CPI da Privataria, que prevê o depoimento de ambos


19/12/2011 13:37, Por Redação – do Rio de Janeiro


Ao reunir apoio mais do que suficiente para ingressar, ainda nesta quarta-feira, com o requerimento para abertura da CPI da Privataria na Câmara, o deputado e delegado da Polícia Federal, Protógenes Queiróz (PCdoB-SP) não descarta a convocação do candidato tucano derrotado à Presidência da República no ano passado, José Serra, e o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (FHC) para depor perante os deputados. Ambos são citados como cúmplices em uma série de possíveis crimes contra o Erário, durante o processo de privatização, segundo denúncia contida no livro do jornalista Amaury Ribeiro Jr.


– A Câmara não precisa de autorização do STF nem de ninguém para convocar o ex-presidente FHC a depor. Depende apenas da CPI, que já conta com mais de 250 assinatura, das 171 necessárias regimentalmente – esclarece o parlamentar, em entrevista exclusiva para o Correio do Brasil, na manhã desta segunda-feira.


Protógenes indica, ainda, que a CPI da Privataria, uma vez instalada, passará imediatamente à fase de apuração da veracidade de todos os documentos contidos no livro-reportagem do jornalista Amaury Jr, A Privataria Tucana. O autor revela, entre outras denúncias, que o ex-diretor do Banco do Brasil Ricardo Sérgio participou, ativamente, no envio de mais de R$ 60 bilhões ao exterior, entre os anos de 1998 e 2002. Entre os documentos anexados está um laudo da própria Polícia Federal, com a assinatura dos peritos criminais Renato Barbosa e Eurico Montenegro. Ricardo Sérgio aparece, posteriormente, como principal arrecadador de recursos para as campanhas eleitorais de Serra, tanto ao governo do Estado de São Paulo quanto à Presidência da República, em 2010.


– Iremos, inicialmente, levantar a veracidade de um por um dos documentos citados no livro. O primeiro passo da CPI será a formação de um grupo de trabalho com esta finalidade. Os fatos revelados no livro, para nós, já são suficientes para a abertura de um procedimento dessa natureza e, uma vez confirmados tanto a origem quanto a autenticidade documental, estes fatos serão fortalecidos. Aferidas as provas apresentadas, o passo seguinte será a convocação de todas as pessoas envolvidas, entre elas o ex-presidente FHC e o ex-governador José Serra – afirmou.


“Antes de assumir como o homem do dinheiro de Serra e FHC, Mr Big (como é conhecido Ricardo Sérgio) trabalhou durante 30 anos na área privada. Serviu ao banco Crefisul e ao Citibank e, mais tarde, estabelecendo-se por conta própria, abriu duas empresas. Sempre teve um confortável padrão de vida, mas tornou-se milionário mesmo depois de três anos no timão da área internacional do Banco do Brasil. Foi o único diretor do BB não indicado pelo presidente do banco, Paulo César Ximenes, e também o único com acesso a FHC”, acrescenta o jornalista Amaury Jr., em seu livro. Para o delegado Protógenes, se ele ainda estivesse na ativa “já teria aberto um inquérito”.


– Mas, como estou na Câmara, a medida adequada é a abertura desta CPI. O requerimento será entregue nesta quarta-feira porque muitos deputados, que querem assinar o documento para a abertura das investigações, não o puderam fazer na sexta-feira. Muitos ainda estão me ligando aqui para também assinar o requerimento – disse o parlamentar.


Delegado federal


Licenciado da Polícia Federal e deputado federal pelo PCdoB de São Paulo, Protógenes Queiroz foi o delegado no comando da Operação Satiagraha que desvendou um dos maiores esquemas de desvio de recursos públicos, evasão de divisas, lavagem de dinheiro e formação de quadrilha do país. Ela resultou na prisão do banqueiro Daniel Dantas, citado no livro A Pirataria Tucana como um dos colaboradores do esquema mafioso. Também participou da prisão do especulador Naji Nahas, do contrabandista Law Kin Chong, do ex-prefeito de São Paulo Celso Pitta (1997-2000) e de outros 14 acusados de corrupção. Protógenes coordenou, em parceria com a Promotoria de São Paulo, as investigações do caso Corinthians/MSI , por evasão de divisas e lavagem de dinheiro.


Os envolvidos nas fraudes da arbitragem do futebol Brasileiro, em 2005, também foram investigados por ele e pelos promotores Roberto Porto e José Reinaldo Guimarães Carneiro, do Gaeco. O delegado presidiu o inquérito sobre remessas ilegais de dinheiro para paraísos fiscais que descobriu movimentações de quase cinco milhões de dólares das quais o ex-prefeito Celso Pitta seria o principal beneficiário. O ex-prefeito Paulo Maluf foi investigado no mesmo inquérito. Foi de Protógenes o relatório final do inquérito sobre desvios de dinheiro na Prefeitura de São Paulo durante os governos de Maluf (1993-1996) e Pitta (1997-2000).


Na Câmara, o parlamentar é suplente nas comissões de Reforma Política, Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado, Turismo e Desporto, Reforma Política, Políticas Públicas de Combate às Drogas e na Subcomissão Permanente para tratar do sistema de segurança pública, seus órgãos institucionais, carreiras e programas de valorização dos policiais.

Isso ainda acontecerá no Brasil

Como diriam os emos, "o sentimento não pode parar"!

Deixem eu ficar quieto.

Falta um levante nacionalista neste país

Resposta para Tribuna da Imprensa:

Enquanto não houver um levante nacionalista neste país, a política brasileira continuará limitada a essa guerra forjada entre demo-tucanos e lulo-dilmistas. Uma mera disputa pra ver quem fica com a chave do cofre durante quatro anos.

segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

Privataria tucana: Tava demorando...

Resposta para Com Texto Livre e para texto A ficção do Amaury, de Merval Pereira, reproduzido no mesmo blogue:

Eu te disse! Eu te disse! Eu te disse!

Disse que algum estrupício acabaria classificando esse livro A Privataria Tucana como de ficção. Atente para o parágrafo final do texto do Merval.

Alguém, por favor, avise ao sr. Merval que a blogosfera independente nacionalista também está curtindo as denúncias contra o tucanato contidas neste livro. Não apenas os lulo-dilmistas sustentados ou não por verba oficial.

É o interesse nacional, estúpido! Mas o Merval nem deve saber o que é isso. Se sabe, é contrário.

domingo, 18 de dezembro de 2011 23h19min00s BRST

Zé Carlos disse...


Basta ver o título do artigo.
Ele é um boçal!


domingo, 18 de dezembro de 2011 23h22min00s BRST

domingo, 18 de dezembro de 2011

Humor: Sua Santidade visitará Dilma Rousseff em 2013

Resposta da Presidenta

Quando o Papa João Paulo II veio ao Brasil pela primeira vez, nós estávamos em transição do regime militar para a democracia. O Presidente era o General João Batista de Oliveira Figueiredo.

O Papa perguntou ao Presidente o motivo de ter tantos ministros, e obteve como resposta:

- Santidade, Jesus não tinha 12 apóstolos? Eu tenho 12 ministros (fato verídico).

Agora, quando o Papa Bento XVI retornar ao Brasil e perguntar à Dilma para que 30 e tantos ministros, ela, certamente, responderá:

- Veja bem, companheiro santidade.... Ali Babá tinha 40 ladrões e Eu estou quase lá!!!

Fonte: Comentários do blogue Coturno Noturno.

Tsavkko: "O engraçado é petista dando RT no @mjdelfino achando que ele tá elogiando o PT atravás das críticas à privataria!"

O Twitter às vezes vira uma comédia. Tem gente que retuita (repassa adiante mensagens de terceiros) loucamente, sem ler antes.

Semana passada eu troquei mensagens com o ativista de esquerda Raphael Tsavkko sobre o livro A Privataria Tucana de Amaury Ribeiro Jr. Eu e o Tsavkko trocamos mensagens concordando num ponto: a má vontade de muitos petistas em investigar a privataria tucana. Má vontade tanto de Lula, de Dilma Rousseff e de alguns deputados federais do PT, que demonstram má vontade em instalar a CPI da Privataria proposta pelo deputado Protógenes Queiroz (PC do B-SP).

Tsavkko descobriu que petistas estavam retuitando meus tweets antiprivataria, mesmo sendo tweets críticos ao próprio PT.

O engraçado é petista dando RT no @mjdelfino achando que ele tá elogiando o PT através das críticas à privataria!
Fonte: @tsavkko

Eu retuito mensagens do Tsavkko com as quais concordo ou que eu acho interessantes para instigar debates. Eu concordei com este tweet também, mas não retuitei no dia. Pra não chamar a atenção dos petistas e eles continuarem retuitando minhas críticas ao PT.

sexta-feira, 16 de dezembro de 2011

O Brasil tem emo desde os anos 80

Resposta para Whiplash:

O Brasil tem emo desde os anos 80. Os pagodes mauricinhos dos anos 90 e os sertanojos eram simplesmente a aplicação do conceito de emo fora do universo do rock. Hoje emo virou moda. Até a torcida do Vasco incorporou essa modinha emo, com aquela coisa de "o sentimento não pode parar". rs

Concordo que não se deve usar a alcunha de 'gay' para os emos. Ser gay não é motivo para ofensa. E dizer que os emos são gays é uma ofensa a gente realmente talentosa, como Freddie Mercury, Rob Halford, Michael Stipe, Renato Russo e Cazuza. Que são (ou eram, no caso dos falecidos) gays, mas jamais emos.

quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

Atrasos propositais

Resposta para Com Texto Livre:

Essa parte da imprensa citada no texto do Zé Augusto (Globo, Folha, Estadão e Veja) não colocando o livro do Amaury na pauta me lembra a própria Globo, que só botou as Diretas Já na pauta depois que a população brasileira já tinha aderido ao movimento, com slogans jocosos como "O povo não é bobo, abaixo a Rede Globo" e tudo mais.

Enquanto a Globo não embarcou na cobertura das Diretas, o megacomício de 25 de janeiro de 1984 na Praça da Sé virou festa pelo aniversário da cidade de São Paulo, segundo anunciou o JN naquele mesmo dia.

Nada disso é coincidência. São atrasos propositais.

Zé Carlos disse...


Eu assisti o JN naquele dia e lembro bem.
Sou como o extinto Repórter Esso, testemunha ocular da história. :)


quarta-feira, 14 de dezembro de 2011 00h11min00s BRST

quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

Privataria tucana: Álvaro Dias tripudiando

"De outro lado, se houve irregularidades, ilícitos praticados naquele período que antecede a doze anos, obviamente, houve prevaricação de quem assumiu o poder, de quem assumiu o governo e não tomou providências".
Senador Álvaro Dias (PSDB-PR) tripudiando. Fonte: Terra.

Por isso que digo: Lula ainda vai se arrepender de não ter mandado a PF investigar o governo FHC inteiro. Nem falo só da privataria...

Dilma tem a chance dela. Ainda há tempo. Não tem que ficar esperando CPI coisa nenhuma, embora a CPI seja bem vinda. Tem que agir agora. PF neles!

Estou me divertindo muito com essas revelações, que eu já sabia desde a Era FHC. Até a Sujíssima Veja publicou, em 2002... Faltavam só os documentos, que o Amaury Ribeiro Jr. nos trouxe agora.

terça-feira, 13 de dezembro de 2011

Privataria tucana: Vem CPI por aí?





A Polícia Federal tem muita gente honrada e digna, fazendo bem o trabalho a que se propuseram. Esse Protógenes é um deles. No momento, ele está licenciado da PF, exercendo mandato de deputado federal. Se a PF levar ao termo final o processo de expulsão de Protógenes, isso será mais uma mancha no Governo Lula-Dilma.

Torço para que a CPI saia. Teoricamente o Governo tem ampla maioria para instala-la na Câmara. Mas essa base de apoio lulo-dilmista (noves fora uma minoria de nomes dignos, como o próprio Protógenes) não inspira confiança. Boa parte dela participou da privataria tucana. Falo dos integrantes da direita fisiológica.

Fonte das imagens: Com Texto Livre.

Convocação para combater os tucanalhas da privataria

Carta para a dita "blogosfera progressista" (embora eu concorde com pouca coisa dela):

Gente, há muitos anos eu não me entusiasmava com a população consciente deste país, que parecia ter adormecido nesta era lulo-dilmista. Eu me sentia sozinho. Mas agora tou vendo a população consciente fazer o que sempre fez a vida toda e jamais deveria ter parado de fazer: bater num governo que atenta contra a soberania nacional. Mesmo que seja um governo já encerrado, como é esse de FHC.

Eu posso estar exagerando, em dizer que apenas a blogosfera antitucana (a de dentro e a de fora da esquerda) representa a população consciente inteira. Acho que cabe a nós despertamos o restante dessa população. O resto ela fará.

Não serei hipócrita em dizer que aprovo o Governo Lula-Dilma. Mas se for para bater no Governo FHC, peço por favor que passemos a atuar em conjunto nesta causa. Eu disse NESTA causa. É o interesse nacional que está em jogo.

Meu blogue está à disposição.

Privataria tucana: a merda está fedendo!

Eu vi isso! Ao vivo. E gostei.



Um pouco antes, o JN estava preocupado apenas em mostrar que os japinhas (meninos japoneses, entre três e dez anos de idade, mais ou menos) estão fazendo o mesmo que muitos brasileiros: usando cortes de cabelo estilo Neymar.

Cada um sabe de sua lista de prioridades.

Se Dona Dilma não mandar a PF investigar essa bandalheira tucano-midiática, já que órgãos de imprensa também participaram da privataria tucana, se tornará tão cúmplice quanto aquele que chegou à Presidência em 2003 e não mandou apurar nada.

Por enquanto, ela ainda tem crédito. Ainda.

Por outro lado, será que o neoliberal Heródoto Barbeiro estaria tratando desses assuntos se ainda estivesse na CBN e na TV Cultura?

Duvide-o-dó!

O nome do Engenhão

Resposta para Com Texto Livre:

Para a população, o Engenhão é Engenhão e ponto final. O próprio presidente da Associação de Moradores do entorno, Aníbal Antunes (presidente do diretório do PT na Zona Norte, vai tentar de novo se eleger vereador em 2012) usa o nome. Desde 2008, ele disputa eleições com o nome Aníbal do Engenhão. Ele não é besta de se candidatar com o nome Aníbal João Havelange... rs

Aliás, João Havelange é o homem que disse, uma vez, que gostaria que o bairro Engenho de Dentro fosse todo demolido para ser um estacionamento para o estádio. Higienismo social descarado.

Nem o consórcio que administra o estádio adota o nome João Havelange. Eles chamam o estádio de Stadium Rio.

Sobre o nome Estádio Olímpico João Havelange, com a palavra o homem que batizou o estádio: o ex-prefeito Cesar Maia.

segunda-feira, 12 de dezembro de 2011 12h28min00s BRST

Zé Carlos disse...


Só podia ser coisa do Cesar Maia!!!


segunda-feira, 12 de dezembro de 2011 13h06min00s BRST

segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

E se houver apenas uma sucessão etária no tucanato?


Tenho acompanhado através da blogosfera (vide alguns da minha lista, à direita neste blogue) os debates em torno das privatizações da Era FHC, trazidos de volta ao debate pelo novo livro A Privataria Tucana, do repórter investigativo Amaury Ribeiro Jr. Acredito que os leitores devam estar, como eu, a par do assunto.

As privatizações da Era FHC foram um desastre institucional e patrimonial para a Nação, porque, para ser realmente de interesse nacional, uma privatização deve atender todos estes requisitos, sem faltar nenhum deles:

Não pode ser privatização de uma empresa de um setor estratégico para a economia nacional onde a iniciativa privada nacional não tenha uma participação proativa.
Não pode tratar da venda ou alienação de recursos naturais estratégicos, como foi a venda da Vale.
Não pode haver venda de empresas estatais a um valor abaixo do que realmente valem. Enfim, não pode haver dilapidação de patrimônio público.
Não pode haver financiamento público (mesmo através de bancos estatais) em venda de estatais.
Não pode haver entrega de serviços públicos da administração direta para empresas privadas ou organizações não estatais ditas "sem fins lucrativos".
Por fim, a privatização tem que ser um consenso no interesse nacional, depois de atender todos os requisitos anteriores.

Quem acompanhou o Governo FHC sabe que praticamente 100% das privatizações daquela época deixaram de atender um ou vários desses requisitos.

No entanto, há de se reconhecer que praticamente toda a blogosfera progressista que agora faz um carnaval em torno do lançamento desse livro (seriam uns estrupícios totais, se não fizessem um carnaval) só faz isso porque a privataria (não privatização) foi feita na Era FHC. Quase nada é dito ou estrito sobre a privatização da Era Lula-Dilma. Só os concurseiros se pronunciam. Entre eles os concursados da Infraero, uma das empresas na mira da privataria devido à privatização dos aeroportos, colocada na lista do Governo Federal por sugestão de aliados lulo-dilmistas como Sérgio Cabral Filho usando a desculpa da Copa e das Olim Piadas. Os concursados ainda não chamados para trabalhar na Infraero ficam agora chupando dedo. O mesmo dedo que usam para teclar 13 e CONFIRMA em toda eleição presidencial.

No que diz respeito ao tucanato, faço agora a pergunta aos progressistas em geral, especialmente os lulo-dilmistas:

E se houver apenas uma sucessão etária no tucanato?

Sim, porque, a rigor, o livro A Privataria Tucana servirá apenas para enterrar o cadáver dessa geração demo-tucana que não vencerá mais uma eleição presidencial sequer: a geração de FHC e, sobretudo, de José Serra, o grande alvo do livro. Agora o ex-quase-eleito-presidente da República (segundo o medinho besta a blogosfera progressista) não deve ganhar sequer eleição de prefeito. Que dirá de presidente ou governador.

Além do mais, o enterro dessa geração demo-tucana pode servir para a ascensão de uma geração de tucanos ou de direitistas não relacionados à bandalheira da Era FHC. Ou por serem jovens demais na época ou por não terem mesmo participado. E não estou me referindo só ao deputado federal Otavio Leite (PSDB-RJ), autor do projeto 'herético' (segundo os dogmas neoliberais) de emenda à Constituição proibindo definitivamente a privatização da Petrobrás. Tem muito tucano por aí interessado particularmente no enterro político de José Serra. A ascensão desses políticos de fora da esquerda interessa aos blogueiros progressistas?

Ao meu ver, só interessará ao país eleger um outro tucano para a presidência da República se esse candidato e o PSDB tirarem o neoliberalismo de seus programas de governo e de seus modus operanti, inclusive nos parlamentos. Seria outro partido, mantendo apenas nome, legenda e o número 45. Coisa demais para um partido que até hoje só conseguiu eleger um presidente da República por ter tido o apoio de grupos neoliberais do Brasil e de fora. Apoio que o hipotético candidato não teria.

Fique aqui a pergunta para ecoar na blogosfera, para que os blogueiros progressistas respondam, se forem capazes:

E se houver apenas uma sucessão etária no tucanato?

Mas não deem pití se apenas os não esquerdistas aparecerem para responder. O espaço também está liberado para eles.



Ah, eu comprei esse livro ontem. Vai virar fonte para o blogue. Tem gentinha por aí que usará o livro como autoajuda. Coisa que obviamente não farei.

Duvido que haja algum dia o volume 2: A Privataria Lulo-Dilmista.

domingo, 11 de dezembro de 2011

Parabéns à população do Pará

Por ter rejeitado a criação dos estados do Carajás e de Tapajós, que causariam mais despesas para brasileiros de todo o país, não apenas aos residentes no Pará e nos dois estados propostos.

Esse plebiscito de hoje estava errado desde o início. Como causaria despesas para brasileiros de todo o país, deveria ter sido feito em todo o país, não apenas no Pará. Mas a sanha de alguns políticos em fazerem bandalheira com fusões ou desfusões de unidades da Federação é maior que qualquer apreço pela soberania popular. Como foi em 1975, quando o regime militar dividiu vários estados com eleitorado situacionista e fundiu a então oposicionista Guanabara ao estado do Rio de Janeiro, sem consultar a população.

Esse assunto da Guanabara daria uma boa conversa. E um plebiscito. Mas isso é outra história...

sábado, 10 de dezembro de 2011

A primeira derrapada do deputado Romário

No saldo geral, Romário (PSB-RJ) tem se revelado um grande deputado, com causas que vão desde a defesa dos portadores de necessidades especiais ao combate à bandalheira na Copa 2014 e na CBF.

Só que Romário derrapou feio, na entrevista citada aqui no blogue Lilicarabina.

Trocar Ricardo Teixeira por alguém nomeado pelo Governo Lula-Dilma é trocar 6 por meia dúzia.

sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

Ainda o dia 8 de dezembro, dia santo de guarda

Só mesmo os bispos católicos para marcarem um dia de missa de guarda para um dia útil, como o de ontem, dia de Nossa Senhora da Imaculada Conceição. Isso é um luxo que não me pertence mais. Ainda mais estando numa carreira de controladoria, que tradicionalmente tem muito mais trabalho em dezembro.

Esses bispos devem ser uns alienados, que desconhecem as particularidades do trabalho dos outros.

Abençoados sejam os trabalhos dignos e honestos de todos os amigos, sejam quais trabalhos forem.

quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

Não existe mais PiG golpista (2)

O Coronel assumiu que gosta da imprensa que não se vende pro Governo Lula-Dilma.

Se o Coronel faz questão de usar esse termo adjeto (PiG) inventado pelas dondocas, digo, blogueiros progressistas, é melhor rever isso. A não ser que o Coronel esteja precisamente zoando com as dondocas progressistas.

Além do mais, considero que o único PiG que existe é o Governista, não o golpista. Já escrevi isso no meu blogue e nos meus comentários nos blogues lulo-dilmistas e nos da ultraesquerda. Os órgãos de imprensa são majoritariamente vendidos ao Governo, mediante anúncios publicitários dos ministérios e das estatais. Os poucos rebeldes não tem condições de dar um Golpe de Estado, portanto não são golpistas.

Se fossem golpistas de verdade, esses traidores da Pátria já estariam fora do Poder há anos.

5 DE DEZEMBRO DE 2011 17:50

ATUALIZAÇÃO

Um texto do blogueiro Paulo Roberto de Almeida me fez pensar agora uma coisa: o PiG (G de Governista) é tão governista que é ele que está no poder e demite ministros e coloca outros em suspeição, coisas para as quais dona Dilma foi eleita mas não faz. Dilma age a reboque da imprensa governista, ao contrário do que dizem os colonistas amestrados, que dizem que ela não se pauta pela imprensa.

quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

Estagnação POR CAUSA do Governo ou APESAR dele?

Eu sempre disse que as coisas melhoravam neste país APESAR DO GOVERNO, não por causa dele. Mas agora que o IBGE atesta que o país parou de crescer no terceiro trimestre de 2011 (fonte), é hora de questionarmos: isso aconteceu POR CAUSA do Governo ou APESAR dele?

O blogue fica aberto para os comentários.

Escolinha do Professor (?) Huck

Mais uma do Luciano Huck. No quadro Soletrando (gincana com alunos de escolas de todo o país) do programa Caldeirão do Huck, o apresentador manipulou a pronúncia da palavra infra-hepático, tentando induzir a estudante ao erro. Tentou três vezes. Levou um pito da estudante paranaense, pro país todo ver que, se não é um ignorante, Huck é no mínimo um sujeito desonesto. Se não for as duas coisas ao mesmo tempo.

E ainda querem fazer desse sujeito um futuro presidente da República. Pobre educação brasileira. Pobre Brasil.

terça-feira, 6 de dezembro de 2011

Disney faz lambança histórica com seu 50º longa de animação


No sábado passado vi na TV o filme Enrolados. Tá, o filme é da Disney, é pop até dizer chega, mas pelo menos tem uma história interessante e divertida. Mais um filme que brinca com contos infantis tradicionais, na mesma linha de filmes como Deu a louca na Chapeuzinho e Shrek. Enrolados tem ainda um marco histórico: é o 50º longa de animação da Disney.

Assisti o filme com o som original. Definitivamente, me recuso a ver filmes dublados, sempre que o som original está disponível. E agora tenho mais um motivo para recusar ouvir dublagens brasileiras, mesmo em animações. As produtoras instaladas no Brasil estão colocando profissionais de fora do mercado cênico para trabalharem nesses filmes. Marieta Severo (que dublou uma personagem de A Nova Onda do Imperador, outro filme da Disney), Bussunda (o primeiro dublador do personagem Shrek) e outras celebridades também eram de fora do mercado de dublagens, mas já eram atores quando dublaram filmes gringos. Bussunda era humorista, o que o ajudou ainda mais em seu trabalho.

Pra quem não sabe, a profissão de dublador é um segmento da profissão de ator. Não basta ser um bom locutor para ser um bom dublador. Tem que ser ator, também.

A Disney cismou de colocar uma celebridade global de fora do ramo da dublagem para dublar o personagem Flynn Rider, par romântico da protagonista Rapunzel. Quem teve ouvidos, estômago e paciência para ouvir a dublagem brasileira do personagem anotou falhas gritantes no trabalho do empresário e apresentador Luciano Huck. Aquele que, dizem, pode se tornar um dia o candidato presidencial do PSDB.

Alguns ezecutivos da Disney no Brasil conseguiram enxovalhar o 50º longa de animação da companhia para a qual trabalham. Se fosse combinado com a matriz americana, não ficaria tão ridículo.

segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

Dilma Rousseff, a crise mundial e o pacote de bondades

Resposta para Crise mundial e o "pacote de bondades" (texto de Altamiro Borges):

É garantido na Constituição o direito às críticas. Inclusive ao Governo. Só que isso não pode virar um criticismo extremista, udenista, pois isso só favorece a esses direitistas e esses neoliberais. Vai ver, é por isso mesmo que as únicas críticas a essas medidas dilmistas partem deles.

Sejamos críticos do Governo, sem extremismos. Quando o Governo acerta, é melhor deixa-lo agir em paz. Só se não der certo é que devemos cair de pau em cima dele.

Tenho uma observação a fazer. Não entendi essas aspas junto ao 'pacote de bondades' no título. Parece que o blogueiro concorda com a oposição neoliberal, que com as aspas (") insinua que o pacote de bondades seja uma coisa falsa.

domingo, 4 de dezembro de 2011

Não esqueçam do Sócrates

Deviam dedicar o título de hoje do Corinthians no Campeonato Brasileiro ao Sócrates. Sujeito do bem, politizado (participou das Diretas Já e do movimento Democracia Corintiana) e colunista da Carta Capital.

Mas tem uns carinhas aí que cobram ética por conveniência. Só sabem lembrar da CBF, da Rede Globo e do Ricardo Teixeira. No que fazem bem. Mas de Lula (o homem que trouxe a Copa 2014) e de Dilma os estrupícios não falam.

E olha que Lula é corintiano. Imagine se não fosse.

Enquanto isso, nos redutos emo-vascaínos, o sentimento não pode parar.

sábado, 3 de dezembro de 2011

Neste Natal, dê Meias Lupi

Aos amigos leitores que desejarem me presentear neste próximo Natal com meias, peço que me presenteiem com MEIAS LUPI.

MEIAS LUPI são as melhores do mercado. São confortáveis e tem alta durabilidade e resistência. Servem para qualquer pessoa. Até para ministros pesadões que só podem ser abatidos a bala.

MEIAS LUPI. O melhor presente para o Natal.

P.S: Carlos Lupi também está concorrendo ao Troféu Tolo do Ano 2011.

A frase do século!

Até agora.



"É chegada a hora de pararmos de pensar sistematicamente que o povo deve ser tutelado pelo estado, ou que o povo não tem capacidade de discernimento, ou que o povo brasileiro, em razão de condições sociais, não teria a dignidade como ser humano de saber fazer as suas opções pessoais, individuais".

Dias Toffoli - Ministro do Supremo Tribunal Federal.

sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

Da fita cassete ao Não Phod: a velha política adesista

Os internautas amestrados pelo Governo Federal estão ficando cada vez mais ridículos. Agora me apareceram com essa: se alguém tem TV de LCD em casa, notebook, PC de última geração, iPad, iPod, Não Phod ou qualquer outro apetrecho tecnológico, ou mesmo um carro na garagem, que agradeça ao Filho Bastardo do Brasil. Dizem que não existe governo perfeito (concordo), existe o governo aceitável (afirmação conformista que defeca na anterior), além de outras filosofias adesistas vãs.

Eu tenho uma frase no meu blogue: As coisas melhoraram e melhoram neste país APESAR DO GOVERNO, não por causa dele.

Se eu pensasse diferente, teria que dizer que a população só teve TV a cores, gravadores cassete e aparelhos de som 3 em 1 nos anos 60 e 70 por causa dos governos dos generais. Mas foi APESAR deles, não por causa deles.

quinta-feira, 1 de dezembro de 2011

Sai nova lista de 50 filmes do TCM

Virou tradição. Todo final de ano, o canal TCM presenteia os assinantes com uma nova lista denominada 50 filmes que você deveria ver antes de morrer. Neste ano, assim como nas listas anteriores, só tem filmão nessa lista!

Ou quase. Hoje não vejo o filme do Batman como um filmão. Caricatural demais. Principalmente se comparado com os acachapantes Batman Begins e The Dark Knight. E ainda tem A Última Tentação de Cristo... Esse é o típico filme metidinho a polêmicas, mas pra não se dizer que é ruim sem te-lo visto. Na mesma linha da palestra de firma, digo, filme O Código Da Vinci. Que eu vi uma vez só e atesto que é lastimável. Por isso a comparação com soníferas palestras de firma.

Eis o texto publicado no Facebook, junto com a escala de exibição dos filmes.

Atenção: o festival começará hoje!

Quatro edições anteriores do ciclo que já é clássico do canal reuniram 199 títulos, em uma seleção de filmes que acreditamos valer a pena ver ao menos uma vez na vida.


Embora qualquer lista seja discutível, para realizar esta seleção, desde a primeira edição de quatro anos atrás, não apenas contemplamos considerações cinematográficas, mas também observamos a relevância histórica e o legado emocional deixado pelos filmes.


Todos os títulos que, desde as edições anteriores, compõem esta ¨curta¨ lista de 199 obras integraram e, em muitos casos, continuam a integrar a programação regular do canal.


Seguindo a mesma linha, este ano acrescentaremos 50 novos títulos à lista.


Em 1º de dezembro de 2011 começa a 5ª EDIÇÃO de ¨50 filmes que você deveria ver antes de morrer¨. Esperamos que, assim como nós, vocês desfrutem deste novo lançamento.
E, por mais que a lista tenha crescido com meia centena de novos títulos este ano, acreditamos que ainda existem muitos outros essenciais a serem vistos.


Todos os filmes que integram a 5ª EDIÇÃO deste ciclo serão emitidos em seu idioma original e com legendas em português nas datas e horários indicados para sua emissão noturna.

Cleópatra (1963)
Quinta-feira 1 de dezembro, 22h00
Reprise sexta-feira 2, 14h00

Zelig (1983)
Sexta-feira 2 de dezembro, 02h20
Reprise sexta-feira 2, 18h10

Star Wars - Episódio V: O Império Contra-Ataca (1980)
Star Wars: Episode V - The Empire Strikes Back
Sexta-feira 2 de dezembro, 22h00
Reprise sábado 3, 17h45

Butch Cassidy (1969)
Butch Cassidy and the Sundance Kid
Sábado 3 de dezembro, 00h25
Reprise sábado 3, 17h45

Patton: Rebelde ou Herói? (1970)
Patton
Sábado 3 de dezembro, 22h00
Reprise domingo 4, 17h05

Seu Último Refúgio (1941)
High Sierra
Domingo 4 de dezembro, 01h05
Reprise domingo 4, 15h15

Top Secret - Super Confidencial (1984)
Top Secret!
Domingo 4 de dezembro, 22h00
Reprise segunda-feira 4, 18h20

Assim Estava Escrito (1952)
The Bad and the Beautiful
Domingo 4 de dezembro, 23h45
Reprise segunda-feira 5, 16h10

A Malvada (1950)
All About Eve
Segunda-feira 5 de dezembro, 22h00
Reprise terça-feira 6, 14h00

O Grande Golpe (1956)
The Killing
Terça-feira 6 de dezembro, 00h35
Reprise terça-feira 6, 16h25

Janela Indiscreta (1954)
Título original: Rear Window
Terça-feira 6 de dezembro, 22h00
Reprise quarta-feira 7, 14h00

Uma Linda Mulher (1990)
Pretty Woman
Quarta-feira 7 de dezembro, 00h10
Reprise quarta-feira 7, 17h55

Monty Python: O Sentido da Vida (1983)
Monty Python's the Meaning of Life
Quarta-feira 7 de dezembro, 22h00

Julgamento em Nuremberg (1961)
Judgment at Nuremberg
Quinta-feira 8 de dezembro, 00h00
Reprise quinta-feira 8, 14h00

O Cavaleiro Solitário (1985)
Pale Rider
Quinta-feira 8 de dezembro, 22h00
Reprise sexta-feira 9, 17h25

Oliver Twist (1948)
Sexta-feira 9 de dezembro, 00h10
Reprise sexta-feira 9, 14h00

O Silêncio dos Inocentes (1991)
The Silence of the Lambs
Sexta-feira 9 de dezembro, 22h00

Fugindo do Inferno (1963)
The Great Escape
Sábado 10 de dezembro, 00h15
Reprise sábado 10, 17h05

Batman (1989)
Sábado 10 de dezembro, 22h00
Reprise domingo 11, 17h45

Serpico (1973)
Domingo 11 de dezembro, 00h25

A Última Sessão de Cinema (1971)
The Last Picture Show
Domingo 11 de dezembro, 22h00

Bom Dia, Vietnã (1987)
Good Morning, Vietnam
Segunda-feira 12 de dezembro, 00h15
Reprise segunda-feira 12, 17h55

Encurralado (1971)
Duel
Segunda-feira 12 de dezembro, 22h00
Reprise terça-feira 13, 18h20

O Delator (1935)
The Informer
Segunda-feira 12 de dezembro, 23h45
Reprise terça-feira 13, 14h00

O Fantasma Apaixonado (1947)
The Ghost and Mrs. Muir
Terça-feira 13 de dezembro, 22h00
Reprise quarta-feira 14, 14h00

O Selvagem da Motocicleta (1983)
Rumble Fish
Quarta-feira 14 de dezembro, 00h00

Yojimbo - O Guarda-Costas (1961)
Yojimbo
Quarta-feira 14 de dezembro, 22h00
Reprise quinta-feira 15, 18h05

The Rocky Horror Picture Show (1975)
Quinta-feira 15 de dezembro, 00h00

Caindo na Real (1994)
Reality Bites
Quinta-feira 15 de dezembro, 22h00
Reprise sexta-feira 16, 17h15

A Dama das Camélias (1936)
Camille
Quinta-feira 15 de dezembro, 23h50
Reprise sexta-feira 16, 14h00

Forrest Gump - O Contador de Histórias (1994)
Forrest Gump
Sexta-feira 16 de dezembro, 22h00
Reprise sábado 17, 17h30

Doze Homens e uma Sentença (1957)
Twelve Angry Men
Sábado 17 de dezembro, 00h45
Reprise sábado 17, 14h00

Apocalypse Now (1979)
Sábado 17 de dezembro, 22h00

A Mansão do Terror (1961)
The Pit and the Pendulum
Domingo 18 de dezembro, 00h55
Reprise domingo 18, 18h30

A Última Tentação de Cristo (1988)
The Last Temptation of Christ
Domingo 18 de dezembro, 22h00

Uma Noite na Ópera (1935)
A Night at the Opera
Segunda-feira 19 de dezembro, 01h05
Reprise segunda-feira 19, 14h00

Consciências Mortas (1943)
The Ox-Bow Incident
Segunda-feira 19 de dezembro, 22h00
Reprise terça-feira 20, 15h25

Christine - O Carro Assassino (1983)
Christine
Segunda-feira 19 de dezembro, 23h30

Perdidos na Noite (1989)
Midnight Cowboy
Terça-feira 20 de dezembro, 22h00

Tora! Tora! Tora! (1970)
Quarta-feira 21 de dezembro, 00h10
Reprise quarta-feira 21, 15h50

Os Bons Companheiros (1990)
Goodfellas
Quarta-feira 21 de dezembro, 22h00

A Sombra de uma Dúvida (1943)
Shadow of a Doubt
Quinta-feira 22 de dezembro, 00h45
Reprise quinta-feira 22, 14h00

Férias Frustradas (1983)
National Lampoon's Vacation
Quinta-feira 22 de dezembro, 22h00
Reprise sexta-feira 23, 17h15

A Máquina do Tempo (1960)
The Time Machine
Quinta-feira 22 de dezembro, 23h50
Reprise sexta-feira 23, 15h25

Um Dia de Fúria (1993)
Falling Down
Sexta-feira 23 de dezembro, 22h00

Como Era Verde o Meu Vale (1941)
How Green Was My Valley
Sábado 24 de dezembro, 00h10
Reprise sábado 24, 14h00

Milagre na Rua 34 (1947)
Miracle on 34th Street
Sábado 24 de dezembro, 22h00
Reprise domingo 25, 14h00

Conta Comigo (1986)
Stand by Me
Sábado 24 de dezembro, 23h50
Reprise domingo 25, 18h30

Rain Man (1988)
Domingo 25 de dezembro, 22h00

Operação França (1971)
The French Connection
Segunda-feira 26 de dezembro, 00h30
Reprise segunda-feira 26h, 18h00

Agora colocarei aqui a lista de filmes já exibidos nos anos anteriores nesse festival do TCM:

2001: A Space Odyssey (1968)
3:10 to Yuma (1957)
39 Steps, The (1935)
7th Voyage of Sinbad, The (1958)
Abbott and Costello Meet Frankenstein (1948)
Adam's Rib (1949)
Adventures of Robin Hood, The (1938)
All That Jazz (1979)
All the President’s Men (1976)
American Graffiti (1973)
An American in Paris (1951)
An Officer and a Gentleman (1982)
Anatomy of a Murder (1959)
Annie Hall (1977)
Apartment, The (1960)
Around the World in 80 Days (1956)
Arsenic and Old Lace (1944)
Awful Truth, The (1937)
Bad Day at Black Rock (1955)
Band Wagon, The (1953)
Beetlejuice (1988)
Being There (1979)
Ben-Hur (1959)
Big Heat, The (1953)
Big Red One, The (1980)
Big Sleep, The (1946)
Birds, The (1963)
Blackboard Jungle (1955)
Blues Brothers, The (1980)
Bonnie and Clyde (1967)
Bride of Frankenstein (1935)
Bridge on the River Kwai, The (1957)
Bringing Up Baby (1938)
Caine Mutiny, The (1954)
Cape Fear (1962)
Captain Blood (1935)
Carrie (1976)
Casablanca (1942)
Cat on a Hot Tin Roof (1958)
Cat People (1942)
Citizen Kane (1941)
Clockwork Orange, A (1971)
Close Encounters of the Third Kind (1977)
Color Purple, The (1985)
Conversation, The (1974)
Cool Hand Look (1967)
Das Boot (1981)
Day the Earth Stood Still, The (1951)
Deliverance (1972)
Dirty Dancing (1987)
Dirty Dozen, The (1967)
Dirty Harry (1971)
Doctor Zhivago (1965)
Dog Day Afternoon (1975)
Double Indemnity (1944)
Dr. Strangelove or: How I Learned to Stop Worrying and Love the Bomb (1964)
Dracula (1931)
Duck Soup (1933)
E.T. The Extra-Terrestrial (1982)
East of Eden (1955)
Easy Rider (1969)
Ed Wood (1994)
Empire of the Sun (1987)
Enemy Below, The (1957)
Enter the Dragon (1973)
Escape from Alcatraz (1979)
Exorcist: The Version You've Never Seen, The (1973)
Fame (1980)
Fly, The (1958)
For Whom the Bell Tolls (1943)
Forbidden Planet (1956)
Fort Apache (1948)
Frankenstein (1931)
Freaks (1932)
From Here to Eternity (1953)
Full Metal Jacket (1987)
Gandhi (1982)
Getaway, The (1972)
Gilda (1946)
Godfather – Part II, The (1974)
Godfather, The (1972)
Gone with the Wind (1939)
Goonies, The (1985)
Graduate, The (1967)
Grand Hotel (1932)
Grapes of Wrath, The (1940)
Grease (1978)
Gremlins (1984)
Guess Who’s Coming to Dinner (1967)
Gunga Din (1939)
Hamlet (1948)
Hannah and Her Sisters (1986)
Harvey (1950)
High Noon (1952)
How The West Was Won (1962)
Hustler, The (1961)
I Walked With a Zombie (1943)
Il Buono, il brutto, il cattivo (1966)
In the Heat of the Night (1967)
Invasion of the Body Snatchers (1956)
It´s a Wonderful Life (1946)
Jailhouse Rock (1957)
Jaws (1975)
Johnny Guitar (1954)
Killing Fields, The (1984)
King Kong (1933)
Kramer vs. Kramer (1979)
Ladri di biciclette (1948)
Lady from Shanghai, The (1948)
Last Tango in Paris (1972)
Last Waltz, The (1978)
Lawrence of Arábia (1962)
Lethal Weapon (1987)
Little Shop of Horror, The (1960)
Lolita (1962)
Lost Weekend, The (1945)
Mad Max (1979)
Maltese Falcon, The (1941)
Manhattan (1979)
Midnight Express (1978)
Miracle Worker, The (1962)
Moby Dick (1956)
Morte a Venezia (1971)
Mr. Deeds Goes to Town (1936)
Mr. Smith Goes to Washington (1939)
My Darling Clementine (1946)
Naked Gun, The (1988)
North by Northwest (1959)
On the Town (1949)
On the Waterfront (1954)
Out of Africa (1985)
Out of the Past (1947)
Outlaw Josey Wales, The (1976)
Party, The (1968)
Philadelphia Story, The (1940)
Pillow Talk (1959)
Pink Floyd: The Wall (1982)
Platoon (1986)
Poltergeist (1982)
Professionals, The (1966)
Psycho (1960)
Public Enemy, The (1931)
Queen Christina (1933)
Quiet Man, The (1952)
Raging Bull (1980)
Red River (1948)
Rebel Without a Cause (1955)
Red Shoes, The (1948)
Right Stuff, The (1983)
Rio Bravo (1959)
Rocky (1976)
Rocky IV (1985)
Roman Holiday (1953)
Scarface (1983)
Searchers, The (1956)
Shanghai Express (1932)
Shichinin no samurai (1958)
Shining, The (1980)
Singin´ in the Rain (1952)
Spartacus (1960)
Stalag 17 (1953)
Star is Born, A (1954)
Star Wars: Episode IV (1977)
Strangers on a Train (1951)
Streetcar Named Desire, A (1951)
Sullivan's Travels (1941)
Superman: The Movie (1978)
Sweet Smell of Success (1957)
Tall T, The (1957)
Tarzan and His Mate (1934)
Taxi Driver (1976)
Ten Commandments, The (1956)
Terminator, The (1984)
Terms of Endearment (1983)
Thief of Bagdad, The (1940)
Thin Man, The (1934)
Thing, The (1982)
Third Man, The (1949)
This Is Spinal Tap(1984)
To Have and Have Not (1944)
To Kill a Mockingbird (1962)
Tootsie (1982)
Top Gun (1986)
Top Hat (1935)
Touch of Evil (1958)
Treasure of the Sierra Madre, The (1948)
Trouble in Paradise (1932)
True Grit (1969)
Untouchables, The (1987)
Vertigo (1958)
West Side Story (1961)
What Ever Happened to Baby Jane? (1962)
Who’s Afraid of Virginia Woolf? (1966)
Wild Bunch, The (1969)
Wild One, The (1953)
Winchester '73 (1950)
Witness (1985)
Wizard of Oz, The (1939)
Yankee Doodle Dandy (1942)