Política, cultura e generalidades

sábado, 5 de novembro de 2011

Dilma quer ajudar FMI a ferrar outras nações

Durante anos, o FMI subjugou a soberania brasileira. Seus agentes apareciam aqui a hora que queriam, mandavam e desmandavam. As otoridades do Governo daqui os tratavam com servilismo, e tiravam os sapatos para visitar a sede do FMI. Até que chegou o presidente Lula e pagou a dívida com o FMI.

Só que o mesmo Governo Lula-Dilma ingressou no FMI, com o objetivo de colocar dinheiro do contribuinte brasileiro no FMI, para que este continue subjugando a soberania de outras nações, a pretexto de ajudar suas combalidas economias. Agora mesmo dona Dilma estava em Cannes, em reuniões com autoridades de outros países membros do FMI.

Te cuide, Europa! O que o FMI fez por aqui no Brasil fará aí, também.

Embora eu acredite que um governo deva ser nacionalista (zelar pelos interesses da nação e de sua população), não concordo que o Governo da mesma nação subjugue a soberania de outras nações. Ainda mais um Governo da grande nação brasileira, que por sua natureza não é expansionista. Ou deveria não ser.

P.S: Parece que dona Dilma anunciou que não pretende emprestar dinheiro brasileiro para países da Europa em crise. Só que o dinheiro que o FMI colocará naqueles países terá provavelmente parte do dinheiro brasileiro já colocado anteriormente no FMI pelo Governo Lula-Dilma.

2 comentários:

  1. OLÁ MARCELO.

    MUDOU O NOME DO BLOG? CANCELOU O OUTRO?
    AGUARDO RESPOSTA.

    ABS DO BETOCRITICA

    ResponderExcluir
  2. Puxa, Beto. O outro blogue não existe mais. Até tentei mudar o nome dele, mas como queria abrir mais o leque de assuntos do blogue (ao invés de ficar só nas sátiras e resmungos) e era só eu que escrevia nele, resolvi encerra-lo e criar outro blogue do zero, com meu nome. Se você reparar, todas as postagens do outro blogue foram transferidas para cá.

    De qualquer forma, eu avisei no Twitter, no Orkut e no Facebook sobre a criação deste blogue aqui. Mas, se você não recebeu o aviso, fique sabendo agora.

    Bem vindo de volta, Beto!

    ResponderExcluir