Política, cultura e generalidades

sexta-feira, 14 de outubro de 2011

Não me chamem para protestos de lulo-dilmistas ou de oposicionistas dissimulados

Me recuso a participar dessas tais "Marchas Contra a Corrupção" que tem sido promovidas em diversas cidades do país. Não que eu seja favorável à corrupção. Longe disso! É que me recuso a participar de protestos partidários ou antipartidários (como esses aí, contrários ao PT e partidos aliados e contra o Governo Lula-Dilma) em que os organizadores tem a cara de pau de dizer que são protestos apartidários. Chegam a confiscar faixas de partidos e vaiar os que estendem essas faixas. Os estrupícios acabam de inventar algo que só existe no Brasil: a política apartidária. Uma jabuticaba, como diria Lucia Hippolito.

Não é à toa que o quórum desses protestos tem sido baixo. Não porque a população seja 100% lulo-dilmista, não tendo motivos para protestar. É que os oposicionistas idealistas não tem motivos para participar.

Só há duas hipóteses de eu participar de uma dessas tais "Marchas Contra a Corrupção":

Uma é se deixarem essa palhaçada de protesto apartidário e dizerem que o protesto é partidário, sim! Contra o Governo Lula-Dilma e seus aliados.

A outra hipótese é se tiver alguma organização nacionalista e democrática no evento. Como o MV-Brasil. Eu mesmo já participei de manifestações do MV. E eu também sou chegado a um protesto, desde que justo. Como os últimos protestos que a categoria dos agentes de controle de endemias (categoria da qual fiz parte) fez na frente da Prefeitura.

Por outro lado, também me recuso a participar de protestos puxados por lulo-dilmistas. Como esse que haverá no próximo dia 19 na porta da sede da Rede Globo, no Rio de Janeiro. Essas dondocas governistas estão apenas interessadas em, quem sabe, implantar uma linha editorial lulo-dilmista na emissora, para substituir a linha neoliberal que, ao meu ver, também atenta contra os interesses nacionais. Essa de "democratizar os meios de comunicação", vinda da parte dos lulo-dilmistas, é conversa mole para enganar otário. Ninguém do Governo convocará protestos na porta da Recópia, digo, Record. A TV do cumpanhêro Macedão é lulo-dilmista, assim como Paulo Henrique Amorim, sonho de consumo dessa gente para ser o futuro interventor da Globo. As respostas aos lulo-dilmistas aparecem até no blogue do Altamiro Borges, o líder do Barão de Itararé:

léo disse...


Pq só a Globo? E o SBT? E a Bandeirantes? E a Record? E a UOL? E a Abril? Tudo farinha do mesmo saco...


7 de outubro de 2011 08:33


Anônimo disse...


Bater em morto é fácil. Quero ver agora como vai ser com a Record, que está se tornando a próxima Rede Globo. E isso ninguém vê. Quer uma opção. A Cultura está com uma programação maravilhosa. Mas quem se interessa?

7 de outubro de 2011 10:27

Se convocarem um protesto não-governista contra a péssima programação da Globo (novelas, programas de auditório, etc), eu vou. Se eu não vou em protesto de oposicionistas dissimulados, em protesto político de lulo-dilmistas é que não vou, mesmo!

Nenhum comentário:

Postar um comentário