Política, cultura e generalidades

segunda-feira, 17 de outubro de 2011

Edir Macedo lotou o Maracanã para comprar a Rádio Copacabana

No início dos anos 80, o líder da ainda nascente Igreja Universal do Reino de Deus, Edir Macedo, decidiu adquirir a primeira emissora de rádio para a sua denominação. Até então, a igreja usava apenas horários alugados em diversas emissoras. A primeira aquisição foi a Copacabana AM 680. A Universal afirma que o dinheiro para a aquisição veio de uma concentração num Maracanã lotado, conduzida pelo próprio Edir Macedo.

Sobre essa concentração, há um paralelo com outra, no estádio Fonte Nova, em Salvador. Quem conta essa história sobre a concentração na capital baiana é um ex-pastor da IURD, Mário Justino, em seu livro Nos Bastidores do Reino - A vida secreta na Igreja Universal do Reino de Deus (São Paulo, Geração Editorial, 1995):

Naquela época em que o termo yuppie estava em voga, o bispo Macedo, portando Rolex, Ray-ban, Mont Blanc e a sempre presente Hermès, subiu no palanque que fora especialmente armado para ele no centro do gramado. Não conseguia esconder sua alegria. O estádio da Fonte Nova estava completamente lotado. Repetia-se em Salvador o fenômeno do Maracanã, no Rio.

Naquela tarde, depois de recolher os envelopes com o "sacrifício" e com os pedidos de oração, que seriam levados para o monte das Oliveiras, em Jerusalém, o bispo pediu aos seus seguidores baianos uma oferta especial para comprar uma emissora de rádio em Salvador, assim como seus fiéis cariocas o haviam contemplado  com a rádio Copacabana.

- Será que os cariocas têm mais fé que os baianos? - perguntou o bispo à multidão.

- NÃO! - a resposta retumbou como um trovão.

As ofertas vieram em forma de dinheiro e jóias. Passamos três dias trancados em uma sala contando os sacos de dinheiro levantados na Fonte Nova. No final, o dinheiro foi depositado na conta da Igreja, no Bradesco, em Salvador. O ouro seria levado para o Rio de Janeiro e transformado em barras. Quanto aos pedidos de oração que seriam levados para Israel - bem, eles foram queimados na praia da Boca do Rio.

A Copacabana já era uma rádio evangélica, pertencente ao empresário Francisco Silva, até o momento da venda para a Universal. A rádio, desde então, tornou-se um púlpito eletrônico para o próprio Macedo e para os pastores da igreja, lotados no Rio de Janeiro. A rádio tem pouca audiência, quase toda composta por fiéis da própria igreja.

A oposição da igreja afirma que a rádio faz dos pastores falsos radialistas e veicula uma programação abaixo do sofrível, com erros de português e ataques às outras igrejas e às outras religiões.

Esta é uma discussão que não deve acabar tão cedo.

A Copacabana AM possuía uma repetidora em ondas curtas, hoje desativada.

Texto original publicado na coluna Rádios do RJ.

Um comentário: