Política, cultura e generalidades

segunda-feira, 31 de outubro de 2011

Antes de Freixo deixar o Brasil, língua portuguesa deixou a Globo News

É de conhecimento público de que o deputado estadual Marcelo Freixo (PSOL-RJ) deixará amanhã o Brasil por 30 dias, a convite da Anistia Internacional, já que o desgoverno do Rio tem se mostrado inoperante para conceder ao deputado oposicionista a escolta necessária. O deputado vem recebendo ameaças de morte das milícias que ele investiga no mandato de deputado.

Aliás, o desgoverno estadual não oferece segurança para ninguém. Mesmo assim, investigadores descobriram vários planos simultâneos de assassinato do parlamentar.

Antes de Freixo deixar o Brasil, foi a língua portuguesa que deixou hoje a Globo News, durante a exibição da legenda que ilustrou a matéria da emissora sobre o deputado.

Deputado estadual do Rio vai sair do país depois de ameças de morte

Não por coincidência, daqui a pouco, às 22h, o canal Telecine Pipoca (também da Globosat) exibirá novamente o filme Tropa de Elite 2 (o nosso Swarza, nas palavras do meu amigo e xará Marcelo Pereira), que tem seu personagem Diogo Fraga (na verdade, o único cultuado como herói do filme pelos seus realizadores) declaradamente inspirado na trajetória do deputado Freixo.

O problema do ENEM que nem os críticos consentidos apontam

O ENEM tem servido para que os pais de classe alta ou média alta (considerados golpistas pelo Governo) peguem a lista das escolas de ensino médio e escolham a partir dela a escola particular para matricularem os filhos. Não precisam nem procurar mais. O Ministério da Educação faz a lista do ENEM para eles.

O problema é que nada disso contribui para a melhoria do ensino superior e do ensino médio, nem contribui para uma educação total do cidadão brasileiro. Temos cada vez mais pessoas de todas as classes com diplomas de ensino superior e médio, mas ao mesmo tempo cada vez mais burras. Verdadeiros analfabetos funcionais.

domingo, 30 de outubro de 2011

Equipe de esportes saiu da Gospel FM São Paulo e vai para a Rádio Deles

Enquanto no Rio de Janeiro a transmissão de futebol em FM se restringe à Transamérica e às repetidoras das AMs CBN, Globo e Tupi (ainda assim, não devia ser rádio nenhuma), a praga ameaça tomar todo o dial FM paulistano, dos 87,9 aos 107,9.

A Gospel FM 90,1 teve recentemente uma equipe de esportes terceirizada. Essa equipe está se transferindo agora para outra FM evangélica da capital paulista. No caso, a Nossa Rádio FM 106,9, franquia que usa uma rádio arrendada e é ligada à Igreja da Graça liderada pelo missionário RR Soares.

A questão da concorrência desleal e do apartheid tecnológico das transmissões de AM no FM sobre as AM vem sendo destrinchada no PRESERVE O RÁDIO AM desde meados do ano 2000, ainda nos tempos em que não era um blogue e estava hospedado nos extintos HPG (do iG) e Geocities.

Essa questão das transmissões esportivas no FM chega a ser tão devastadora quanto a questão das rádios AM em FM e das rádios AM+FM. Porque essas transmissões tomam espaço da programação musical dessas emissoras. As rádios AM em FM faze concorrência desleal com as concorrentes da faixa AM. As AM+FM ocupam duas faixas locais de transmissão com a mesma grade de programação, quando uma delas poderia estar transmitindo algo diferente. Durante as jornadas esportivas, as opções musicais no dial FM ficam ainda mais reduzidas que nos demais horários, com a entrada de rádios musicais nas jornadas esportivas. Os ezecutivos do rádio brasileiro imaginam que não haja ninguém que prefira ouvir a programação musical dessas emissoras, ou mesmo que não goste de ouvir futebol, muito menos em FM. Preferem fazer política de boa vizinhança com clubes e dirigentes esportivos, alimentando essa indústria futebolística que será responsável pelo grande rombo que será causado pela futura Copa 2014.

Texto extraído do blogue Preserve o Rádio AM.

Fonte: Tudo Rádio.

Sexta-feira, 28 de outubro de 2011


Nossa Rádio FM passa a transmitir fase final do Brasileirão

A Rede Nossa Rádio FM, encabeçada pela Nossa Rádio FM 106.9 de São Paulo, passou a transmitir futebol em sua programação. A rádio se juntou à lista das rádios FMs da capital paulista que também estão transmitindo as partidas da reta final do Campeonato Brasileiro..


A equipe que está atuando na Nossa Rádio FM é a mesma que passou pela Gospel FM de São Paulo. A equipe esportiva coordenada por Francisco Cortez, incluindo Michele Marino, ex-rádio Globo AM 1100 de São Paulo, Marcos Rizzon, ex- Bandeirantes AM 640 de Porto Alegre e o catarinense Joe Junior estão se preparando para estrear na nova emissora.


De acordo com o blog Cheni no Campo, do jornalista Anderson Cheni, a equipe terá um setorista na Portuguesa, uma comentarista no Corinthians, além de dois locutores que já são do quadro da emissora. A informação também é que o projeto consiste também em ter um narrador e um repórter em cada cidade que será sede da Copa do Mundo de 2014.


Ainda segundo as informações, além das jornadas esportivas, a rádio vai transmitir a Copa São Paulo de Futebol Júnior, Paulistão, Copa Libertadores, Copa do Brasil, Sulamericana, Brasileirão, amistosos da Seleção Brasileira e boletins durante e programação, com foco na Copa Mundo, Jogos Olimpíadas e a Fórmula 1.


Por Carlos Massaro - 28/outubro/2011
carlosmassaro@tudoradio.com

sexta-feira, 28 de outubro de 2011

Mais um blogue com comentaristas decepcionados: Blog do Mello

Resposta para Blog do Mello e para Altamiro Borges:

Não nego que dona Dilma está procedendo corretamente, ao não compactuar com a bandalheira no Governo. Ministros sob suspeição? Ela afasta (esse de "pedir demissão" é caô de assessor), o cara se defende e, se ninguém provar nada ou ele provar inocência, volte triunfante. Além disso, a presidenta faz bem em peitar picaretas de fora do Governo, como os da CBF e da Fifa.

O problema é que Dilma demonstra não ter força para acabar com a bandalheira já existente no Governo desde antes de sua posse. Não é à toa que vejo quase todos os eleitores dilmo-esquerdistas convictos se dizendo decepcionados.

Mas é aquela coisa: eu avisei aos eleitores de Dilma que ela não era muito diferente de outros candidatos em 2010. Não me deram ouvidos. Agora aguentem a derrocada da esquerda brasileira, que deverá se juntar em breve à direita, essa queimada há décadas, apesar de presente no Governo Lula-Dilma, através do PMDB e de partidos menores.

quinta-feira, 27 de outubro de 2011

A imprensa que rasteja atrás do Governo

Resposta para Com Texto Livre:

Boa ideia do blogue e da presidenta Cristina Kirschner. A presidanta Cristina não dá entrevistas. Faz como os papas até Pio IX. Seu sucessor Leão XIII teve que enfrentar críticas no Vaticano por ter começado o Pontificado dando entrevista para um jornal da França.

Tradicionalmente, chefes de Estado ou de Governo não dão entrevistas. Nem procuram a imprensa. Mas há exceções.

Se a imprensa (argentina ou brasileira) tivesse vergonha na cara, não manteria NENHUM jornalista cobrindo o Governo. Simplesmente ignoraria a existência deles. A presidanta do Brasil tem EBC, tem A Voz do Brasil, tem NBR, tem TV Brasil, tem cadeia nacional. Pode usa-los sempre que precisar.

No dia em que essa imprensa governista tida como golpista tomar vergonha na cara e deixar de rastejar atrás desses políticos desses partidos já estabelecidos, a população perceberá o óbvio: Brasil e Argentina prosperam por causa do trabalho da própria população. APESAR DOS GOVERNOS. Não por causa deles.

Parabenizo quem detectar as ironias e as verdades escritas neste texto.

terça-feira, 25 de outubro de 2011

Sucesso AM 710 agrega mais valor à Rede Sucesso que ao dial carioca

A outrora Rádio Carioca pertenceu até 2008 à editora Paulus, que por sua vez pertence à Sociedade de São Paulo (padres paulinos).

A Carioca foi afiliada da rede Paulus Sat, sediada em São Paulo. Esta foi a época em que o padre Marcelo Rossi foi ouvido no Rio pela primeira vez, antes de se transferir para a Rádio Globo. Com a venda da paulistana América AM para a rede Canção Nova, a Carioca se desfiliou da América e se afiliou à Rádio Aparecida AM, cuja programação católica era transmitida pela Carioca à noite e de madrugada.

A Carioca AM foi vendida em 2008 para a Rede Sucesso de Rádio, que dizia pretender fazer uma programação eclética com a mesma repercussão dos áureos tempos da Carioca AM. A Rede Sucesso já estava presente no Nordeste e no Centro-Oeste brasileiro.

Estas foram as novidades anunciadas pelo blog Multimídia Rádio e TV na época:

11/05/2009

Rede Sucesso está no ar a todo o vapor no Rio


A Rede Sucesso de Radio já está no Rio de Janeiro operando no AM 710 da Rádio Difusora Carioca.

Os comunicadores que estão representando a emissora no Rio são Claudinho Mil, João Filho, Mauro Vasconcelos, Ernani Alves e Mario Belisário e a equipe de esportes da emissora com o comando do Cláudio Neves e terá as transmissões para toda a Rede Sucesso de Rádio.

Horários dos comunicadores que vão erguer a bandeira do Rio na Rádio Sucesso AM 710:

Mário Belisário - 8hs as 9hs
Mauro Vasconcelos - 9hs as 11hs
Claudinho Mil - 13hs as 17h30
João Filho - 17h30 as 18hs
Ernani Alves - 18hs as 19hs

As 20hs em rede com a Rádio Sucesso FM.

Em breve deve vir mais gente para empunhar o microfone da Rede Sucesso de Rádio no Rio. Vamos aguardar, só tá começando e bem.

Postado por Multimídia Radio e TV às 08:15

De lá para cá, foi ao ar parte da programação eclética diurna prometida pela Sucesso AM. Mas, a julgar pela qualidade de sinal da emissora, pela qualidade da grade e pelos índices de audiência, a vinda da Rede Sucesso para o Rio de Janeiro agrega mais valor à Rede Sucesso que ao dial carioca. Parece que a Rede Sucesso incorporou a antiga Rádio Carioca somente para inclui-la na sua lista de emissoras e poder aumentar o valor dos anúncios publicitários.

Texto original publicado na coluna Rádios do RJ.

segunda-feira, 24 de outubro de 2011

Em tempos de ENEM e de vestibular...

É melhor ver isso que ser cego.

Fonte: O Dia.

Aluno nota 10


"Qual a importância do Vale do Paraíba?" - foi a pergunta feita a um vestibulando em uma universidade particular.


A resposta: "O Vale do Paraíba é de suma importância, pois não podemos descriminar esses importantes cidadãos. Já que existe o vale-transporte e o vale do idoso, por quê não existir também o vale do paraíba? Sabemos que os paraíbas (...) trabalham em obras ou portarias de edifícios e ganham pouco, Então, o vale é muito importante para equilibrar sua economia familiar".

domingo, 23 de outubro de 2011

sábado, 22 de outubro de 2011

Diferenciados de Ipanema não querem uma estação do Metrô na Praça Nossa Senhora da Paz

Resposta para Com Texto Livre:

Se tiver uma manifestação PELA abertura dessas novas de estações do Metrô, pode ser que eu apareça. Eu é que não apareço em manifestação de dondocas diferenciadas.

Pra quem achava que só havia diferenciados em São Paulo, fique aí o mau exemplo das dondocas de Ipanema.

A própria Zona Sul carioca já teve manifestações semelhantes a essa atual dos diferenciados. Quando o prefeito Marcello Alencar, em seu primeiro mandato (1983 a 1985, quando o prefeito da capital não era eleito, sendo nomeado pelo governador, no caso, Leonel Brizola) criou as linhas de ônibus diretas ligando Zona Norte a Zona Sul, houve uma chiadeira dos infernos dos diferenciados da Zona Sul. Tinham medinho dos farofeiros do subúrbio. Roger Moreira (líder do Ultraje a Rigor) fez a música Nós Vamos Invadir Sua Praia inspirado nessa polêmica.

Além do mais, duvido que essas novas estações de metrô em Ipanema provoquem desapropriações de residências no bairro. Ao contrário de outras obras de transporte que o prefeito Eduardo Paes está promovendo em outros pontos da cidade. Todos eles no subúrbio.

zcarlos disse...


Ainda bem que o metrô do Rio começará a atender o subúrbio.


sábado, 22 de outubro de 2011 19h26min00s BRST

Eu não contei ainda que fui nesse tal comércio de Ipanema no sábado passado, e fui de Metrô (as dondocas de Ipanema dariam pití se soubessem). Mas fui só para procurar algumas revistas em quadrinhos importadas, numa loja de quadrinhos. O cada de lá me disse que a loja deixou de importar revistas. Dependendo do segmento, o comércio de Ipanema não é diferenciado coisa nenhuma.

Ah, uma das duas revistas já achei na Internet. Deve chegar no mês que vem. A outra continuo procurando.

zcarlos disse...


Ipanema já teve seus tempos.
Hoje a realidade é outra.


sábado, 22 de outubro de 2011 19h49min00s BRST

MPF abre inquérito para apurar condições de trabalho de agentes de combate à dengue no Rio

A merda vai feder...

Fonte: O Globo.

RIO - O Ministério Público Federal informou nesta quinta-feira que instaurou inquérito civil para apurar se a Secretaria de Vigilância do Ministério da Saúde está cumprindo as ações determinadas pelo Tribunal de Contas da União (TCU), que visam a controlar as atividades dos agentes de endemia da Fundação Nacional de Saúde (Funasa) do Estado do Rio.


O MP quer saber se a secretaria cumpre o acordo que cobra medidas com relação à jornada de trabalho, metas atingidas e condições de segurança no trabalho dos agentes de saúde que atuam no combate a doenças como a dengue e a malária.


No acordo, o Tribunal de Contas da União determina ainda que o Ministério da Saúde realize estudos para verificar os municípios que mais necessitam de agentes de endemia no estado, além de promover a distribuição deles de acordo com as proporções de necessidade de cada município.


LEIA MAIS: A explosão da dengue no bairro de Vila Isabel

A Secretaria estadual de Saúde informou, nesta quarta-feira, que desde o dia 2 de janeiro até o último dia 15 foram notificados 161.315 casos de dengue no estado do Rio. A tendência, no entanto, é de queda na incidência de casos notificados no estado.


No total foram notificadas 133 mortes, no período, em decorrência da doença. O Rio foi o município com mais casos de óbitos, quando 51 pessoas não resistiram à dengue, seguido de São Gonçalo, com 15 mortes.


© 1996 - 2011. Todos os direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A.

sexta-feira, 21 de outubro de 2011

O possível autogolpe do Governo Lula-Dilma (ou quando José de Abreu diz que Roberto Civita disse a petista que a Veja quer derrubar Dilma)

Resposta para Tribuna da Imprensa:

Que a Veja continua sujíssima, como Hélio Fernandes sempre disse, ah isso continua.

Agora, o Governo Lula-Dilma pode muito bem armar uma história de golpe contra Dilma, para fechar o regime. Uma história da carochinha, como aquela do Plano Cohen, invenção dos integralistas, que seria um plano dos comunistas para fazerem uma revolução comunista no Brasil. Getúlio Vargas usou isso como pretexto para fazer um autogolpe (quando um governante dá um golpe no próprio regime, para muda-lo) e implantou o Estado Novo.

Não tem inocente nesta história. Nem Veja, nem Civita, nem PT, nem Dilma, nem José de Abreu.

CBN esconde Heródoto Barbeiro e Sidney Rezende nas comemorações dos 20 anos

Adaptado da fonte: Comunidade Dial AM e FM do Rio de Janeiro.

Roberto

CBN esconde Herodoto e Rezende nos 20 anos..


muito feio da CBN esconder duas das principais figuras responsáveis pelo sucesso da CBN.


Em nenhum momento os nomes de Heródoto Barbeiro e Sidney Rezende foram lembrados nas comemorações dos 20 anos da emissora.


Quem esconde a própria história não merece ter futuro...

E olha que o Sidney está na Globo News. Ainda.

Delta


Roberto isso é verdade tanto Herodoto quanto Sidney Rezende foram um dos fundadores da Rede CBN Heródoto em São Paulo e Sidney Rezende no Rio de Janeiro.


E olha que o Sidney está ainda na Globo News.


O Heródoto tá na Record News.

Heródoto Barbeiro foi o grande responsável (depois dos Marinho, lógico) pela implantação da linha neoliberal na rede CBN. Só deixou a rádio após aceitar a oferta possivelmente vantajosa da Record News, que, dizem, tem um projeto em banho maria para o FM.

E a ida do Heródoto Barbeiro para a Record News serve para os otários verem que o grupo Record-IURD não tem nada de esquerdismo, apesar da presença de Paulo Henrique Amorim e da linha lulo-dilmista. É que, se Heródoto é neoliberal de linha demo-tucana, a Record-IURD é neoliberal de linha lulo-dilmista. Há algo em comum.

E a Teologia da Prosperidade é o neoliberalismo aplicado à teologia cristã. A Record-IURD só permanecerá lulo-dilmista enquanto lhe for conveniente.

Ernesto (J.C)


O que esperar de uma emissora do SGR a não ser o esquecimento dos principiais nomes daqueles que elevaram a audiência e fizeram o projeto acontecer??? Isso é comum nas Rádios do SRG.

Um dia esquecerão até do Tino Jr. na Beat 98. Isso se a rádio durar até lá.

quinta-feira, 20 de outubro de 2011

Eis o verdadeiro Orlando Silva!

Gestão municipal de Niterói fecha supermercado para resolver problema antigo de trânsito

Os moradores de Niterói relatam que há anos acontecem engarrafamentos na cidade, nos arredores de onde hoje está o supermercado Guanabara. Bem antes do supermercado existir.

Aí a rede de supermercados faz uma megapromoção de aniversário. O resultado? Os clientes vão em peso às filiais, lógico. Estão no direito deles. A população está com mais renda (apesar do Governo, não por causa dele), então tem todo direito de investir mais na própria alimentação e correr atrás de promoções.

Já teve até morador de Niterói destilando seu elitismo, dizendo que os moradores de São Gonçalo não tinham que ficar indo em Niterói. Isso não é preconceito contra gonçalenses em geral. Há um implícito preconceito contra os pobres de São Gonçalo. Fossem pessoas da classe alta de São Gonçalo indo a algum evento de Niterói, a dondoca não estaria reclamando.

A atual gestão municipal do prefeito Jorge Roberto Silveira cismou de fechar o supermercado, alegando que a afluência de automóveis no Guanabara Niterói estava engarrafando os arredores. Que engarrafam há anos, como eu disse antes.

Pelo menos uma juíza de Niterói concedeu uma liminar ao Guanabara, determinando a reabertura do supermercado. A Prefeitura promete recorrer.

O eterno prefeito de Niterói que dê jeito no trânsito da área, e que o mercado também ajude, dando uma infraestrutura adequada.

Chega a ser ridículo o Secretário de Segurança Wolney Trindade, de Niterói, discutindo com populares clientes do Guanabara.

quarta-feira, 19 de outubro de 2011

A pílula vermelha


O amigo Alexandre Figueiredo escreveu mais um texto magistral em seu blogue. Eu enxergo adiante do Alexandre. A esquerda se perdeu há anos. No mais tardar, no ano de 2002, quando fizeram aquele arco de alianças para eleger Lula. Um arco que incluiu o PL (Partido Liberal) desde a fase das convenções partidárias antes do primeiro turno.

Rompi com a esquerda em 2003. O mais próximo da esquerda que estou hoje é que tomei aquela pílula vermelha que Neo tomou com água em Matrix. Depois vi o que é de fato a Matrix: um sistema em que a esquerda e a direita se unem para dominar a população e subjugar a soberania nacional. Vide a Copa 2014 e a Olim Piada 2016. Não importa o quanto dona Dilma dê pití contra Ricardo Teixeira, a Fifa ou a CBF, ou o quanto o PiG governista tido como golpista dê chilique contra o Governo. Tá tudo dominado!

terça-feira, 18 de outubro de 2011

Vai sobrar pro Carimbador Maluco

Resposta para Com Texto Livre:

Enchente pode render ficha-suja para governantes em São Paulo


Promotor quer responsabilizar autoridades por cheias em áreas com problemas conhecidos há mais de 3 anos

Eu sei como vai acabar essa história, Zé Carlos. Darão um jeito para sujar a ficha apenas dos servidores estatutários dos órgãos da Prefeitura e do Governo do Estado que devem prevenir contra as enchentes. Sabe como é... Demo-tucanos tem ojeriza a servidores concursados, não nomeados por eles. Mais fácil sujar a ficha do mitológico barnabé Carimbador Maluco (personagem de Raul Seixas) que as fichas de demo-tucano-PSDistas, como Kassab, Alckmin e o Motosserra.

Zé Carlos disse...


Só sei que tem gente torcendo por muita seca!


terça-feira, 18 de outubro de 2011 19h10min00s BRST

O silêncio dos bispos

Resposta para Rudá Ricci:

"O silêncio que Dom Paulo se impôs nos últimos quatro anos combina com o silêncio da CNBB em relação ao seu histórico engajamento político e social."

Eu sei que silêncio é esse de Dom Paulo e dos outros bispos da CNBB. É vergonha de terem criado o PT e terem levado ao poder o Filho Bastardo do Brasil e seus asseclas. A CNBB é a mãe do PT e o pai é o Sindicato dos Metalúrgicos do ABC. O que acontece quando juntam aqueles macacões com batinas enfeitadas de vermelho ou roxo é impublicável.

Rudá Ricci disse...


Está enganado, Marcelo. Este é o problema de opinar sobre quem não conhece. Eu conheci Dom Paulo. Ele não ajudou a criar PT nenhum. Era amigo de Mário Covas.
E você foi agressivo em demasia no seu comentário. Somente Freud explicaria.
A Igreja Católica faz parte da alma brasileira. Gostemos ou não. E o melhor da história dos católicos foi o engajamento no período da ditadura militar, lutando pela vida, pela justiça social. Hoje é este conservadorismo, cópia desbotada da igreja católica européia. Ao menos era original. Agora, é uma falácia.


17 de outubro de 2011 09:02

A Igreja Católica faz parte da alma brasileira. Concordo. E digo mais: o cristianismo em geral (não só o católico) faz parte da gênese da nacionalidade brasileira. Houve uma primeira Missa com os membros da esquadra de Pedro Álvares Cabral em Porto Seguro, e um primeiro culto protestante na França Antártica, na Baía de Guanabara. Tanto que o movimento nacionalista MV-Brasil (grupo secular presente até no Fórum Social Mundial) costuma espalhar cartazes no Rio de Janeiro na época do Haloween, assim: "Haloween é o cacete! Brasil, país cristão!". Mas tem gente que não concorda com a natureza cristã da nacionalidade brasileira. Blogueiros progressistas, como Zé Carlos e Raphael Tsavkko Garcia. Agora, essa de igreja europeia, igreja brasileira é que é uma falácia. A Igreja é uma só, a Santíssima Trindade é uma só, o credo apostólico é um só, e o Papa é um só. Fora do campo da fé, cada fiel pode escolher o que bem entender. Tanto que há os esquerdistas, os direitistas, os nacionalistas, os internacionalistas, os progressistas, os conservadores e os reacionários. Nesse sentido, há muito mais liberalidade na Igreja que os detratores costumam dizer. Basicamente, apenas o liberalismo, o comunismo e o socialismo foram formalmente condenados por vários Papas. É óbvio que os adeptos das três ideologias tem a liberdade de não integrarem a Igreja, ao invés de fingirem serem fiéis que não são.

Não é só sobre o Dom Paulo que faço observações. Mesmo porque, como dito, não o conheço pessoalmente (como Covas conhecia) e ele está acima da média na dita igreja progressista. É sobre a ala vermelha da CNBB que faço observações (vermelha de esquerda, não o vermelho escarlate dos cardeais). Bispos como os de Guarulhos, de Porto Alegre e da Paraíba são minoria. A Santa Sé já devia ter decretado intervenção na CNBB, entidade ainda vista erroneamente como "A Igreja". Passando por cima das dioceses. Mas nada indica que haja uma intervenção, durante o atual Pontificado.

Agora, fico indignado com essa visão utilitarista da Igreja. Pra muita gente da esquerda, ela só prestou quando tinha muitos membros com afinidade ideológica e enquanto foi foco de resistência ao Regime de 1964. Foi só acabar a ditadura militar e mudar o perfil político do conjunto dos fiéis que passaram a trata-la como um objeto descartável. Como um bagaço sem suco.

Por fim, agradeço pelo "agressivo em demasia". E olhe que fui, mais uma vez, bastante comedido. Se eu fosse membro da esgotosfera de direita ou da blogosfera progressista, você veria o que é de fato ser agressivo em demasia.

Só pra completar: hoje o PT e os governistas preferem muito mais os cumpanhêros Macedo e Crivella. Eu vi sindicalistas do Rio de Janeiro fazendo campanha pela reeleição do senador Crivella em 2010.

segunda-feira, 17 de outubro de 2011

Edir Macedo lotou o Maracanã para comprar a Rádio Copacabana

No início dos anos 80, o líder da ainda nascente Igreja Universal do Reino de Deus, Edir Macedo, decidiu adquirir a primeira emissora de rádio para a sua denominação. Até então, a igreja usava apenas horários alugados em diversas emissoras. A primeira aquisição foi a Copacabana AM 680. A Universal afirma que o dinheiro para a aquisição veio de uma concentração num Maracanã lotado, conduzida pelo próprio Edir Macedo.

Sobre essa concentração, há um paralelo com outra, no estádio Fonte Nova, em Salvador. Quem conta essa história sobre a concentração na capital baiana é um ex-pastor da IURD, Mário Justino, em seu livro Nos Bastidores do Reino - A vida secreta na Igreja Universal do Reino de Deus (São Paulo, Geração Editorial, 1995):

Naquela época em que o termo yuppie estava em voga, o bispo Macedo, portando Rolex, Ray-ban, Mont Blanc e a sempre presente Hermès, subiu no palanque que fora especialmente armado para ele no centro do gramado. Não conseguia esconder sua alegria. O estádio da Fonte Nova estava completamente lotado. Repetia-se em Salvador o fenômeno do Maracanã, no Rio.

Naquela tarde, depois de recolher os envelopes com o "sacrifício" e com os pedidos de oração, que seriam levados para o monte das Oliveiras, em Jerusalém, o bispo pediu aos seus seguidores baianos uma oferta especial para comprar uma emissora de rádio em Salvador, assim como seus fiéis cariocas o haviam contemplado  com a rádio Copacabana.

- Será que os cariocas têm mais fé que os baianos? - perguntou o bispo à multidão.

- NÃO! - a resposta retumbou como um trovão.

As ofertas vieram em forma de dinheiro e jóias. Passamos três dias trancados em uma sala contando os sacos de dinheiro levantados na Fonte Nova. No final, o dinheiro foi depositado na conta da Igreja, no Bradesco, em Salvador. O ouro seria levado para o Rio de Janeiro e transformado em barras. Quanto aos pedidos de oração que seriam levados para Israel - bem, eles foram queimados na praia da Boca do Rio.

A Copacabana já era uma rádio evangélica, pertencente ao empresário Francisco Silva, até o momento da venda para a Universal. A rádio, desde então, tornou-se um púlpito eletrônico para o próprio Macedo e para os pastores da igreja, lotados no Rio de Janeiro. A rádio tem pouca audiência, quase toda composta por fiéis da própria igreja.

A oposição da igreja afirma que a rádio faz dos pastores falsos radialistas e veicula uma programação abaixo do sofrível, com erros de português e ataques às outras igrejas e às outras religiões.

Esta é uma discussão que não deve acabar tão cedo.

A Copacabana AM possuía uma repetidora em ondas curtas, hoje desativada.

Texto original publicado na coluna Rádios do RJ.

domingo, 16 de outubro de 2011

Otário de Verão: mais uma da demo-cracia brasileira

O regime militar acabou, mas não veio a esperada democracia. O que está aí em vigor, desde a Era Sarney até a atual Era Lula-Dilma, é um regime demoníaco. Uma verdadeira demo-cracia, em que a população só é consultada se for para referendar aquilo que os mandachuvas de sempre querem.

Desde a Era Sarney, todo ano tem horário de verão. A população brasileira nunca foi consultada se quer ou não quer a manutenção desse horário. Nunca foi consultada para saber se a propalada economia de energia vale os transtornos causados a algumas pessoas. Sobretudo para os trabalhadores normais, que no horário de verão devem sair de casa em plena madrugada, quando normalmente saem ao amanhecer.

Devia aparecer um deputado ou senador propondo uma lei extinguindo o horário de verão, submetendo a validade da lei a um referendo, aproveitando alguma eleição que aconteça em todo o país. O referendo poderia ser feito até mesmo numa eleição municipal. Mesmo em Brasília, que mesmo sem eleger prefeito e vereadores, poderia participar da eleição apenas para votar no referendo. Que a população brasileira decida se o otário de verão deve ou não deve continuar.

Mas tudo isso é demais para os atuais detentores de mandatos. Acham perda de tempo e desperdício de dinheiro, ainda que eles mesmos torrem dinheiro em coisas escusas ou desnecessárias.

Os cafajestes fingem não saber que a demo-cracia e o autoritarismo sempre foram e serão mais caros que qualquer democracia.

sábado, 15 de outubro de 2011

Guitarra do Skid Row lembra as de duplas sertanejas

Eu estava agora há pouco ouvindo uma rádio tocar a música I Remember You, do grupo hard farofa Skid Row. E só agora, 20 anos depois de ter ouvido essa música pela primeira vez, reparei numa coisa: a guitarra da banda, especialmente no final do solo, se parece muito com as guitarras excessivamente agudas que aparecem em gravações de duplas sertanejas, ou breganejas, como queiram.

Uma vez um amigo meu, guitarrista e compositor, teve a pachorra de dizer que alguns guitarristas da música sertaneja são excelentes. O próprio amigo é gente boa e excelente músico e compositor. Mas falou bobagem. Essas guitarrinhas padronizadas do breganejo são excelentes?

Melhor eu ficar quieto, porque já disse o que devia.

sexta-feira, 14 de outubro de 2011

Não me chamem para protestos de lulo-dilmistas ou de oposicionistas dissimulados

Me recuso a participar dessas tais "Marchas Contra a Corrupção" que tem sido promovidas em diversas cidades do país. Não que eu seja favorável à corrupção. Longe disso! É que me recuso a participar de protestos partidários ou antipartidários (como esses aí, contrários ao PT e partidos aliados e contra o Governo Lula-Dilma) em que os organizadores tem a cara de pau de dizer que são protestos apartidários. Chegam a confiscar faixas de partidos e vaiar os que estendem essas faixas. Os estrupícios acabam de inventar algo que só existe no Brasil: a política apartidária. Uma jabuticaba, como diria Lucia Hippolito.

Não é à toa que o quórum desses protestos tem sido baixo. Não porque a população seja 100% lulo-dilmista, não tendo motivos para protestar. É que os oposicionistas idealistas não tem motivos para participar.

Só há duas hipóteses de eu participar de uma dessas tais "Marchas Contra a Corrupção":

Uma é se deixarem essa palhaçada de protesto apartidário e dizerem que o protesto é partidário, sim! Contra o Governo Lula-Dilma e seus aliados.

A outra hipótese é se tiver alguma organização nacionalista e democrática no evento. Como o MV-Brasil. Eu mesmo já participei de manifestações do MV. E eu também sou chegado a um protesto, desde que justo. Como os últimos protestos que a categoria dos agentes de controle de endemias (categoria da qual fiz parte) fez na frente da Prefeitura.

Por outro lado, também me recuso a participar de protestos puxados por lulo-dilmistas. Como esse que haverá no próximo dia 19 na porta da sede da Rede Globo, no Rio de Janeiro. Essas dondocas governistas estão apenas interessadas em, quem sabe, implantar uma linha editorial lulo-dilmista na emissora, para substituir a linha neoliberal que, ao meu ver, também atenta contra os interesses nacionais. Essa de "democratizar os meios de comunicação", vinda da parte dos lulo-dilmistas, é conversa mole para enganar otário. Ninguém do Governo convocará protestos na porta da Recópia, digo, Record. A TV do cumpanhêro Macedão é lulo-dilmista, assim como Paulo Henrique Amorim, sonho de consumo dessa gente para ser o futuro interventor da Globo. As respostas aos lulo-dilmistas aparecem até no blogue do Altamiro Borges, o líder do Barão de Itararé:

léo disse...


Pq só a Globo? E o SBT? E a Bandeirantes? E a Record? E a UOL? E a Abril? Tudo farinha do mesmo saco...


7 de outubro de 2011 08:33


Anônimo disse...


Bater em morto é fácil. Quero ver agora como vai ser com a Record, que está se tornando a próxima Rede Globo. E isso ninguém vê. Quer uma opção. A Cultura está com uma programação maravilhosa. Mas quem se interessa?

7 de outubro de 2011 10:27

Se convocarem um protesto não-governista contra a péssima programação da Globo (novelas, programas de auditório, etc), eu vou. Se eu não vou em protesto de oposicionistas dissimulados, em protesto político de lulo-dilmistas é que não vou, mesmo!

quinta-feira, 13 de outubro de 2011

Na música católica, nada se cria, tudo se copia

Resposta para artigo de Fábio Coelho, baixista do The Flanders:

Eu cito os dois problemas mais graves, ao meu ver. O primeiro é que os artistas da música católica deviam criar uma cultura de música. Cultura musical mesmo, como há cultura de música fora da música católica e fora da música gospel. Não dá para ficar só no mais importante: ser católico de verdade, conhecer e seguir a fé, amar a Eucaristia, servir a Deus, etc, porque isso qualquer católico pode e DEVE fazer, sendo ou não músico, cantor, compositor ou produtor musical. Os musicistas católicos estão deixando esvair a única coisa que os distingue dos demais católicos: o FAZER MÚSICA. Outro problema é que faltam lideranças no clero que tratem a cultura da música católica como algo estratégico e prioritário. Falo de lideranças MESMO: bispos e padres com influência nacional. Não falo de padres que apenas gravem discos eles mesmos. Falo dos que fomentem o cenário e a cultura de música católica.

quarta-feira, 12 de outubro de 2011

Roubo e assassinato em shopping do subúrbio carioca

Eis a política de insegurança pública no estado do Rio de Janeiro. E tome UPP adoidado só na Zona Sul e nas áreas que cercam o Maracanã, estádio da final da Copa 2014. E no Complexo do Alemão, pra fazer uma média.

Ah, o cenário desses crimes fica a menos de dois quilômetros do Estádio Olímpico João Havelange, aquele da Olim Piada 2016. Mas isso é mero detalhe, não é mesmo, otoridades?

Zé Vasconcellos e A Turma do Pirlimpimpim - Use a imaginação

No Dia das Crianças, exatamente um dia após a notícia da morte de José Vasconcellos, o blogue traz esta lembrança do grande ator e humorista. Trata-se da gravação do clipe da música Use a imaginação (de autoria de Daltony Nóbrega), exibido no especial infantil Plunct, Plact, Zuuum, de 1983.

Só por este clipe, José Vasconcellos garantiu seu lugar na infância de muita gente. Inclusive deste que vos escreve.

terça-feira, 11 de outubro de 2011

Viva Rio usa dinheiro da Saúde para reformar sede

Essa coisa de OS no serviço público só podia dar em picaretagem.

Fonte: Informe do Dia.

Dinheiro da saúde enviado para ONG


Rio - A organização social Viva Comunidade, contratada para gerir unidades municipais de saúde, gastou dinheiro público para reformar dois andares da sede da ONG Viva Rio, na Rua do Russel, 76, na Glória. Inspeção do Tribunal de Contas do Município encontrou notas fiscais que comprovam despesas de R$ 140.721, mas o valor das obras pode chegar a R$ 208 mil. De acordo com o TCM, o Viva Rio é uma “espécie de entidade-mãe do Viva Comunidade”.


O Viva Rio afirma que o fato não configura má utilização de verbas públicas, mas, para técnicos do Tribunal, a despesa “não traz nenhum benefício palpável” para os objetivos do contrato.


Os técnicos do TCM também condenam a contratação, pela Viva Comunidade, de serviços de consultoria que somam R$ 192.979. Segundo o relatório, a despesa não era necessária, já que a Viva Rio deveria ter experiência no setor de saúde. Para a equipe do Tribunal, a Organização Social cometeu outra irregularidade: descontou de seus funcionários, mas não recolheu aos cofres federais os valores relativos ao imposto de renda e ao INSS.


O relatório informa que a Viva Comunidade usou recursos da prefeitura para fazer os pagamentos com atraso, o que gerou multas e juros de R$ 264.292. Os questionamentos foram enviados pelo TCM para a Secretaria Municipal de Saúde.


OSs na prefeitura


A partir de 2009, as Organizações Sociais — sociedades privadas sem fins lucrativos — ganharam da prefeitura o direito de administrar UPAs e Clínicas da Família. A Viva Comunidade cuida de unidades na Zona Norte e Zona Sul. Nesta terça-feira, a Secretaria de Saúde disse que atendeu aos “ajustes” sugeridos pelo TCM.

Justiça manda interditar Cingapura e moradores protestam

Se não me engano, esse conjunto habitacional foi construído pelo Governo do Estado ou pela Prefeitura, em cima de um antigo lixão, sem as obras devidas. Deviam responsabilizar o governador ou o prefeito da época.

Deixem eu ficar quieto.

segunda-feira, 10 de outubro de 2011

Quem tem Super Rádio Tupi não precisa de Roquette AM

Um dos maiores impasses da história do dial carioca é o da rádio Roquette Pinto AM 630, que saiu do ar em 1995 e, de lá para cá, esteve no ar por poucos dias.

A outorga da Roquette AM está concedida há décadas para o Governo do Estado do Rio de Janeiro, que operou nela a Rádio Roquette Pinto, que era uma rádio educativa, com jornalismo, prestação de serviços e programas musicais de MPB. Um meio termo entre as programações da Nacional AM e da MEC AM.

Mas nas últimas décadas, tornou-se instrumento político para os aliados de cada governador que passava no Palácio Guanabara. Pelo menos a partir da segunda gestão de Leonel Brizola (1991-1994) e de seu sucessor Nilo Batista, período em que o colunista acompanhou a programação da rádio.

No ano de 1995, durante o governo Marcello Alencar, ladrões roubaram os transmissores da rádio, instalados próximo ao complexo da Maré, no Rio de Janeiro. Em consequência, a rádio bateu recordes de permanência fora do ar: de 1995 ao início de julho de 2002.

Foi neste mês que a nova direção da rádio, empossada pela governadora Benedita da Silva, concluiu o processo de restauração da Roquette AM. Tendo comprado novos transmissores, a rádio voltou ao ar no dia 8 de julho de 2002, inicialmente com uma programação apenas musical, com samba autêntico, acrescida com vinhetas de artistas agradecendo a volta da rádio.

Esperava-se que a rádio voltasse a ter uma programação mais variada, com MPB, samba autêntico e programas falados. Como era antigamente.

Só que chegou o novo governo de Rosinha Matheus, e com ela, uma nova diretoria. Que reunificou as duas rádios, transformando a AM 630 em mero anexo da FM 94. Ora a AM repetia integralmente a programação da FM, ora transmitia apenas um vitrolão de samba e MPB, sem locução. Isso até que a Roquette AM saísse novamente do ar, ainda no início da gestão de Rosinha. Pra nunca mais voltar ao ar. Atualmente, outro recorde de permanência fora do ar está sendo batido, dia a dia, desde meados de 2003. Durante a Era dos Garotinhos, a FM 94 foi uma rádio de sucessos populares, com a pior programação possível: pagode mauricinho, fânqui...

Enquanto isso, a Super Rádio Tupi, patrocinada há décadas pelo Governo do Estado, se tornou extra-oficialmente uma rádio oficial do Governo do Estado. A linha editorial de toda a programação foi francamente favorável a todos os governadores, pelo menos desde a segunda gestão de Leonel Brizola. De lá para cá, tivemos Marcello Alencar, Anthony Matheus (também conhecido como Anthony Garotinho), Benedita da Silva e Rosinha Matheus (também conhecida como Rosinha Garotinho e esposa de Anthony Matheus).

Desde 2007, Sérgio Cabral Filho assumiu o Governo do Estado, com a promessa de reativar a Roquette Pinto AM 630 e reformar a Roquette Pinto FM 94,1. A promessa quanto à FM foi plenamente cumprida pelo governador Cabral. De rádio de sucessos populares na Era dos Garotinhos, foi transformada numa emissora educativa e cultural. Na parte da manhã dos dias úteis, a rádio virou uma rádio jornalística. Nos demais horários e dias, a programação é totalmente musical e educativa, onde a MPB é majoritária. Seu primeiro diretor na Era Cabral e principal responsável pela reforma foi o saudoso jornalista Artur da Távola. Seus sucessores na Roquette FM mantiveram a qualidade da programação da emissora.

No que diz respeito à Roquette AM, Cabral Filho não cumpriu a promessa. Não só a rádio jamais voltou ao ar (até que se saiba do contrário), como não tem a menor previsão de que volte um dia. Se estivéssemos em um país sério, sua outorga já teria sido cassada a relicitada, com o Governo do Estado proibido de participar da licitação.

Mas se analisarmos a programação da Super Rádio Tupi ao menos desde a Era dos Garotinhos, pode-se duvidar que o Governo do Estado tenha mesmo necessidade de uma rádio AM oficial. Entrevistas e comentários críticos aos governadores e seus secretariados são coisas raras ou inexistentes na Tupi. Os problemas do Estado (como a da insegurança pública) são abordados na programação, mas sempre poupando autoridades do Estado de qualquer responsabilidade. No máximo, as autoridades são apresentadas como aqueles que sempre estão trabalhando para resolve-los. Aliás, o governador e seu secretariado tem generosos espaços cativos na programação da Tupi.

Quem sabe tenhamos boas novidades sobre a volta da Roquette AM em 2015...

Texto original publicado na coluna Rádios do RJ.

sábado, 8 de outubro de 2011

Dilma Rousseff dilapidando a soberania nacional para satisfazer a Fifa

Os blogues parceiros Sanatório da Notícia e Com Texto Livre denunciam e este blogue repercute: a presidanta Dilma Rousseff e seus aliados ameaçam dilapidar a soberania nacional para manter os astronômicos lucros da Fifa, por ocasião da Copa 2014.

Não lembro se já expliquei adequadamente meus posicionamentos aqui no blogue. Pois então lá vai. Não existe soberania nacional sem justiça social. E não existe justiça social sem soberania nacional. O que isso significa?

Significa primeiramente que qualquer nação que queira ser desenvolvida tem, antes de tudo, que garantir sua soberania. Tem que ter amor próprio. Tem que zelar pelos seus próprios interesses. Pode até fazer acordos e manter relações com outras nações (pois nacionalismo não é xenofobia), desde que a própria nação não perca nada de fundamental. Ao mesmo tempo, a população interna faz parte da Nação. É, inclusive, o elemento mais importante, antes mesmo do território e de suas riquezas. De modo que o nacionalismo não poderá prescindir jamais da busca de oportunidades para todos. Da justiça social, portanto.

Ao mesmo tempo, a justiça social não pode jamais abrir mão da soberania nacional. Não adianta garantir conquistas sociais se o Governo renunciar à soberania nacional e deixar os gringos levarem nossas conquistas sociais.

O Governo Lula-Dilma tem garantido conquistas sociais desde 2003. Digo isso aqui sem jamais ter tido qualquer compromisso de fidelidade com esse Governo que está aí. Não sou dondoca progressista, não integro o Barão de Itararé, não faço parte da base ideológica do Governo nem da base fisiológica do Governo.

Só que esse Governo Lula-Dilma põe tudo a perder a partir do momento que renuncia à soberania nacional. Ameaça entregar aos gringos todas as conquistas sociais, inclusive as descritas no blogue lulo-dilmista Com Texto Livre. Já estamos tendo, inclusive, greves dos operários das obras da Copa 2014, notadamente aqui no Rio e também lá na terra de Aécio e Anastasia, oposicionistas pero no mucho. A dupla do PT, seus eleitores e aliados não podem abrir a boca para falar de inserção soberana do Brasil no cenário político internacional se o Governo vilipendia a soberania nacional aqui em nossas terras.

O Governo corre para aprovar na surdina as leis de dilapidação da soberania nacional, para satisfazer a Fifa, antes que a população brasileira comece a protestar contra essa bandalheira governamental.

Aliás, o amigo Alexandre Figueiredo escreveu de novo hoje no Mingau sobre a já falada Primavera de 2011, que lembra a Primavera de 1968. Continuo esperando Alexandre escrever alguma coisa contra o Governo Lula-Dilma, ou seja: escrever que os protestos de 2011 também devem ser contra Lula e Dilma, responsáveis maiores por essa bandalheira futebolística, tendo a cartolagem da Fifa e da CBF como aliados. O Filho Bastardo do Brasil trouxe a Copa. Dilma continua a obra.

Não sei por quê ainda estou esperando alguma mudança lá do Mingau. Eu devo ser mesmo uma besta ou muito otário, se ainda espero aquele blogue se voltar para a oposição a esse governo de vendilhões da Pátria.

Parece que os governistas da esquerda à direita mudarão de lado somente quando começar a doer nos próprios bolsos, com queda de renda ou com aumento de carga tributária. É sempre assim: o bolso em primeiro lugar. Ideologia e soberania nacional são o de menos.

P.S: Agora há pouco saiu mais um texto sobre este assunto no Blog da UNR. Imperdível!

sexta-feira, 7 de outubro de 2011

Vanessa Grazziotin vs. Arthur Virgílio

Resposta para Congresso em Foco:

Vanessa Grazziottin corre risco de perder mandato

TSE julgará até o fim do ano ação que acusa senadora de compra de votos. Se ela for cassada, voltará ao Senado um dos mais ferrenhos adversários do governo Lula: Arthur Virgílio

Dois cretinos: Vanessa e Virgílio. Mas pelo menos o Virgílio é um oposicionista, e precisamos de senadores oposicionistas pra rirmos das caras deles e pro Governo e a esgotosfera progressista fazerem chilique. Pelo menos enquanto não tivermos senadores nacionalistas para substituírem os governistas e os oposicionistas da direita e do PSOL.

Se bem que esse Virgílio é um homem que só tem ideias de jerico. Mas valerá a pena ve-lo na TV Senado. Por via das dúvidas, vou preparar meu balde de pipocas. Só não preparo tomates e ovos podres pra tacar no senador porque não quero estragar a TV.

quinta-feira, 6 de outubro de 2011

Pro Tudo Rádio, AM em FM é uma grande novidade

Há a possibilidade de, após o fim da TV analógica no Brasil, previsto para 2016, a faixa dos canais 5 e 6 da TV analógica (76 MHz a 88 MHz, faixa colada à atual faixa FM) ser destinada a abrigar todas as emissoras da atual faixa de AM. A faixa de AM no FM estendido conviveria com a faixa AM por algum tempo, até a desativação da faixa de 530 a 1600 kHz.

Só que os amigos do Tudo Rádio continuam tratando o AM em FM como uma grande novidade, como demonstra texto do Tudo Rádio. Através do Twitter do TRIBUTO, mandei a minha resposta:

AM em FM existe desde os anos 70. Só a CBN SP está no ar desde meados de 1995. Depois vieram Band News, Tupi, Globo...

terça-feira, 4 de outubro de 2011

Miriam Leitão surpreende em "talk show" da CBN

Pela primeira vez, fui ontem num talk show (Mudem o nome dessa joça! É debate, pombas!) da CBN, no teatro Oi Casa Grande, no Rio de Janeiro, com o tema: Um balanço dos últimos 20 anos da economia brasileira e os desafios para os próximos 20. Para o debate, foram convidados dois comentaristas da rádio: Miriam Leitão e Carlos Alberto Sardenberg, tendo a âncora Carolina Morand como mediadora do debate. Trata-se de um programa de rádio gravado em teatro, com plateia. Segundo Carolina Morand, o debate será transmitido na rádio no próximo sábado, e será arquivado em www.cbn.com.br.



Esse tipo de evento é positivo, para aproximar os radialistas dos ouvintes. Já houve muito mais desse tipo de evento, na história do rádio carioca. Hoje são poucas as rádios que fazem isso, infelizmente.

O evento começou com uma banda tocando a nova versão do tema da rádio, em sua versão de 20 anos. Aquela coisa gostosa de ouvir, com improvisos típicos de bandas de jazz. Pena que a própria rádio não se preste a tocar uma música inteira na programação normal...


No debate em si, Carlos Alberto e Miriam fizeram aquela análise dos últimos 20 anos da economia brasileira que eles já fazem na própria rádio e em outros veículos das Organizações Globo. A análise do que pode acontecer nos próximos 20 anos seguiu a mesma linha. Quem concorda com eles, continuará concordando. Quem discorda, discordando continuará.




A surpresa da noite foi Miriam Leitão durante a discussão sobre o futuro da economia brasileira. A certa altura, ela demonstrou sua crença no investimento na educação como solução. Ainda disse que é necessário que a educação pública atinja o mesmo nível de qualidade das escolas privadas. Surpresa mesmo foi Miriam Leitão dizer, sobre o papel do Governo na economia futura do Brasil:

"Eu não confio no Governo. Confio em nós".

O nós aí se referia à população brasileira em geral.

Esse tipo de coisa (Eu não confio no Governo) raramente é dito no ar por radialistas, mesmo na CBN. Concorde-se ou não com Miriam Leitão, ela foi muito transparente e ousada nessa declaração. Os ouvintes de rádio estão ficando fartos de radialistas que omitem seus posicionamentos, fingindo uma imparcialidade que, a rigor, não existe em lugar algum. No entanto, ela que aguarde a resposta das dondocas progressistas, principalmente depois que o programa for ao ar...

Sobre o confio em nós, isso combinado à frase anterior me deu outra visão sobre Miriam Leitão. Ainda tenho objeções, agora sem mais predeterminações. Ela já fez muitas análises com as quais discordei. Só que eu estou há mais de dois anos escrevendo essas coisas em meu blogue: Eu não confio no Governo. Confio em nós. Confio na população brasileira e em sua capacidade realizadora e em sua vontade de acertar e melhorar. Obviamente, minhas razões para essa crença são ideologicamente muito diferentes das de Miriam Leitão. Mas fique aqui o registro positivo.

O debate terminou com a volta da banda jazzística executando novamente o tema de 20 anos da CBN, com Carolina Morand e os debatedores permanecendo no palco. Depois do fim do programa, Carlos Alberto e Mirian ainda ficaram para conversar com ouvintes. Miriam também autografou exemplares de seu mais recente livro, A Saga Brasileira.



segunda-feira, 3 de outubro de 2011

A grande parada de música de protesto de direita liberal na Av. Rio Branco

A matéria sobre este assunto saiu hoje no jornal O Dia: no próximo dia 30, domingo, haverá na Av. Rio Branco (centro do Rio de Janeiro) um evento denominado Rio Parada Funk. Haverá nove palcos espalhados na avenida, o principal na Cinelândia, este com "palestras e debates sobre temas como sexo seguro e primeiro voto, das 10h às 14h", palavras de O Dia. Nos nove palcos, tome shows de fânqui, obviamente.

Nem vou escrever aqui toda a bobajada propagandista do artigo. Só realçarei as palavras do idealizador e coordenador do evento, que além de dizer que o evento é político e dizer que o fânqui merece a mesma atenção que gêneros mais tradicionais (ele citou o samba), veio com esta pérola:

"Queremos que esse evento entre para o calendário oficial da cidade e atinja milhares de jovens que poderão participar de uma manifestação cultural pacífica e conscientizadora através do funk".

Dá para detonar um a um os argumentos do evento. Em primeiro lugar, o idealizador disse que o evento é político. Pode ser. O fânqui é, pelo menos desde que surgiu nos anos 80 (o que havia antes no Rio era funk), uma espécie de música de protesto de direita, assim como aquela outra música, chamada protestante, evangélica, gospel ou que nome coloquem. Se há alguma abordagem política no fânqui, é a da direita liberal. Manter o status quo: o pobre tem que se orgulhar de ser pobre e ainda ser agradecido por isso, a favela tem que continuar como tal e ser chamada de comunidade, o garoto pode ser marionete de barões do fânqui ou apenas um cara que se limita a usar os pés para atravessar uma bola sob uma trave, e a garota tem que se contentar em ser mero objeto sexual, balançando o popozão e descendo até o chão. E ainda vem esses caras falando de dignidade da mulher...

No que diz respeito ao sexo seguro, há de se desconfiar de quem fala em sexo seguro quando se considera o sexo como a suprema realização corporal da vida humana. Aqui temos novamente a ideologia liberal. Quem elege o sexo como prioridade (não necessariamente a primeira) acaba se machucando um dia. O tal sexo seguro vai pro beleléu.

Ainda sobre o primeiro voto, é evidente que as lideranças do fânqui colocarão os seus próprios como opção de primeiro voto consciente. Barões, baronesas, DJs e MCs do fânqui (e, possivelmente, deputados frouxos) estarão na linha de frente dos palcos do evento.

Quanto à conscientização atribuída ao fânqui, só se for pela direita liberal, como dito antes. Afinal, até um reacionário vota um dia pela primeira vez e pode querer o pseudo-sexo seguro. Não deixará de ser reacionário por isso.

No dia em que os artistas do fânqui voltarem músicas de protesto contra figuras como José Sarney, voltem a falar de conscientização. Ou então assumam o que são: agentes de uma indústria de entretenimento.

domingo, 2 de outubro de 2011

Os 20 anos da CBN

Foi exatamente em 1º de outubro de 1991 que o Sistema Globo de Rádio extinguiu a rádio Eldorado AM 1180 do Rio de Janeiro e a histórica Excelsior AM 780 de São Paulo, e criou no lugar de ambas a CBN, Central Brasileira de Notícias. A CBN desalojou a histórica Mundial AM 860 carioca em 15 de janeiro de 1993, saiu da frequência AM 1180 (atualmente arrendada para a Igreja Mundial) alguns anos depois e desalojou a Globo FM 92,5 em 4 de julho de 2005, transformando-a em sua repetidora.

Tida como a primeira rádio all news brasileira, imitou o formato desenvolvido em diversas emissoras americanas que passavam toda a grade transmitindo apenas notícias, sem tocar uma música sequer, ao contrário do que faziam (e ainda fazem) diversas concorrentes. Motivo que leva a CBN a manter até hoje o mesmo slogan da inauguração: a rádio que toca notícia. A CBN acrescentou entrevistas, comentaristas e quadros com diversos assuntos.

Nesses vinte anos de transmissões, percebe-se que a grande contribuição da CBN em sua já longa história é ter elevado o seu trabalho impecável de reportagens (muitas vezes urgentes) à condição de principal atração da rádio.

Daí alguém pode perguntar: "Tá, e daí? A CBN é assim, assado, deixa muito a desejar". Desde o início, tentou-se vender uma imagem falsa da rádio. De que a CBN era uma rádio diferenciada dentro das Organizações Globo, com independência editorial até mesmo da nave-mãe global. Contribuiu muito com essa falsa imagem a cobertura incessante do impedimento do presidente Fernando Collor, em 1992, logo nos primeiros meses de vida da rádio, que chegou a transmitir sessões inteiras de CPIs do Congresso Nacional, anos antes de o Senado e a Câmara inaugurarem emissoras de TV.

Só que, a bem da verdade, a CBN sempre foi, desde 1991, uma rádio com linha editorial neoliberal, e só assim deve ser ouvida. É prestigiada pelas classes altas e médias, e por pessoas com alta escolaridade. Evidentemente, é um público que majoritariamente percebe os pormenores e as explicitudes das reportagens, dos âncoras (substitutos, nas rádios ouníus, dos antigos comunicadores), dos comentaristas e das entrevistas. Quem segue a ideologia neoliberal pode ouvir a rádio numa boa. Os demais têm inteligência suficiente para separar os fatos das farsas. Não são como o Homer Simpson que assiste diariamente o Jornal Nacional e acredita piamente em tudo aquilo exibido ali.

Na década passada, a CBN começou a deturpar sua fórmula original. Deixou de ser evidentemente uma rádio ouníus e passou a dedicar-se também ao showrnalismo (jornalismo de entretenimento), em busca de mais audiência, notadamente nas cidades em que a emissora transmite em FM. Originalmente, a CBN não transmitia partidas de futebol. Passou a transmitir na década passada, com uma equipe de esportes que partilhava alguns profissionais da Rádio Globo, mas que tinha também profissionais próprios. A obsessão é tanta que, durante o apagão que atingiu o centro-sul do país em novembro de 2009, a CBN do Rio (em seus canais AM e FM) não entrou em cadeia com o resto da rede, que àquela altura fazia o melhor trabalho de cobertura do apagão. Nem pra deixar o canal AM ou FM transmitir a cobertura do apagão a CBN prestou. Preferiu usar os dois canais para transmitir uma partida de um time do futebol carioca.

As equipes de esportes das rádios Globo e CBN foram unificadas em junho de 2009, para dar à equipe de esportes da Globo o canal FM da CBN para bater de frente com a recém-instalada repetidora de FM da Super Rádio Tupi. As duas equipes de esportes foram novamente separadas depois da Copa 2010, já com a Globo tendo sua repetidora em FM distinta da CBN FM.

Nos últimos anos, a CBN escalou seus comentaristas (todos eles invariavelmente liberais como a rádio) para serem uma espécie de novas estrelas do showrnalismo. Alguns deles também foram escalados para escreverem livros com o selo CBN, em editoras diversas como a Globo (obviamente) e a Senac Rio. A própria diretora nacional de jornalismo Mariza Tavares escreveu com Giovanni Faria pela Senac Rio o livro comemorativo dos 15 anos da rádio, em 2006. O livro mais parecia um portfolio, com inúmeras páginas com textos curtos, artes gráficas e ilustrações.

Mas nenhum livro se prestou a perpetuar o ideário neoliberal da CBN como o livro Neoliberal, não. Liberal, do comentarista Carlos Alberto Sardenberg. Juntamente com o livro dos 15 anos da CBN, este de Sardenberg é o único que tive oportunidade de ler. Sem paciência, não li os livros na época dos lançamentos. O dos 15 anos consegui anos depois numa livraria da Av. Rio Branco, e era o último exemplar. O de Sardenberg até procurei na época do lançamento, mas só fui encontrar no estande da Editora Globo na Bienal do Livro de 2009.


É difícil saber qual é o futuro da CBN, a partir de agora. Com as pessoas cada vez mais descrentes das soluções mágicas neoliberais apresentadas por âncoras e comentaristas da CBN, cada vez mais autistas em suas crenças, não sei se a grande audiência da CBN se manterá nos próximos anos. Faturamento não é problema, porque há centenas de empresas dispostas a bancar a linha editorial autista da CBN. Mais ou menos como rádios bancadas por igrejas ou clubes de ouvintes, que realmente não precisam de audiência.

Texto original publicado na coluna Rádios do RJ.

sábado, 1 de outubro de 2011

Resposta para reportagem "Prefeitura do Rio ameaça invadir 421 imóveis com focos de dengue"

Resposta para O Globo:

Complicado. Eu conheço esse serviço de combate à dengue da SMSDC por dentro. O serviço é problemático. Os valorosos profissionais matam um leão por dia. Além dos moradores que não eliminam os focos do mosquito e os que não permitem vistorias em suas residências, o treinamento é quase nenhum. Misturam profissionais com um desnível salarial enorme entre uns e outros: alguns da SMSDC, outros da Comlurb, outros da Funasa (são os que ganham mais), eventualmente bombeiros e agora provavelmente os terceirizados das OSs. E há uma quantidade enorme de imóveis não residenciais públicos e privados abandonados pelos donos, gestores e funcionários. Milhares de recipientes abandonados acumulando água. Mas, como foi dito, os governantes gostam de ver a coisa ficar feia, porque podem dizer que gastam milhões com esse serviço e não são punidos pela população. Ou melhor: apenas um foi punido: José Serra, que já foi derrotado em duas eleições presidenciais pelos guardas demitidos por ele quando ministro. Os atuais governantes federais, estaduais e municipais deviam ser punidos da mesma forma.

Antes que alguém pergunte: pedi exoneração há alguns meses. Não sei como a coisa está agora. Só deve ter piorado, de lá para cá.

Tudo ao mesmo tempo agora

Nos últimos tempos, tenho discutido muito com a blogosfera progressista, notadamente os blogueiros Raphael Tsavkko, Zé Carlos e, em menos ocasiões, Altamiro Borges. Na maioria das vezes, discordando deles. Leitores esquerdistas destes blogues e internautas de outras paragens já me classificaram de tudo quanto é jeito. Teve até um que me incluiu numa lista do Twitter, chamada reaças e conservas.
Só que o blogueiro solitário aqui não é entendido por esquerdistas nem por direitistas. E é esculhambado por todos eles, que não tem inteligência para detectar minhas posições políticas. No mundinho deles, o Brasil vai de Fernando Henrique Cardoso a Lula. Sem variantes. Na cabeça deles, eu devo ser o pior da direita e o pior da esquerda. Tudo ao mesmo tempo agora, como dizia aquela música dos Titãs.

Ontem zoei com os reaças leitores do CoroneLeaks (ô, nome ridículo). E zoei também com os demos e os tucanos que estão ingressando no PT paulista.

Esses caras são espertos. Otários são os eleitores dos demo-tucanos.

Foi o bastante para eu ganhar qualificações como petralha (essa eu já recebo há tempos), vermelhinho safado e lambe-botas de comuna.

Acho que vou apresentar essas minhas qualificações como um salvo-conduto nesta era lulo-dilmista que está apenas no começo.

Anônimo disse...


ô petralha marcelo delfino, vai a pqp, vermelhinho safado.


29 DE SETEMBRO DE 2011 21:07


Anônimo disse...


Marcelo-Delfino: lambe-botas de comuna. Pelo jeito, mais outro que quer "encostar" no Estado (se é que já não encostou). Sai dessa e vai trabalhar, cara...


30 DE SETEMBRO DE 2011 00:47


Eu me divirto muito lendo as asneiras dessas cavalgaduras.