Política, cultura e generalidades

sexta-feira, 30 de setembro de 2011

A esquerda a ser combatida

Respostas para Raphael Tsavkko:

Se o Governo Lula-Dilma atenta contra a dignidade dos povos vizinhos de Belo Monte e contra os interesses dos trabalhadores, esse deve ser um Governo a ser combatido. Não pelos mesmos motivos que o PSDB, o DEM e o pseudo-PiG combatem o Governo. Nossos motivos devem ser distintos dos da direita. Devem ser a defesa da soberania nacional e de sua população. O Raphael é das raras figuras da esquerda que faz jus ao respeito pleno. A militância lulo-dilmista perdeu o respeito não é de hoje. Só estão aí no poder porque periodicamente pegam aquele esqueleto demo-tucano do armário, botam na sala e ameaçam: "Vocês querem a volta deles?". Devo informar que, para resgatar a soberania nacional e a dignidade da população, teremos que extirpar toda a esquerda do poder, mesmo aquela de oposição, do mesmo modo que fizemos com os demo-tucanos. Não lamentarei nem mais um pouco, quando esse dia chegar.

Robson Fernando escreveu...


"A militância lulo-dilmista perdeu o respeito não é de hoje. Só estão aí no poder porque periodicamente pegam aquele esqueleto demo-tucano do armário, botam na sala e ameaçam: "Vocês querem a volta deles?"."


Sabe o que isso me lembra, Delfino? A Revolução dos Bichos, com os porcos stalinistas sempre dizendo "Vocês querem a volta de Jones?" ao justificar seus desmandos.


"Devo informar que, para resgatar a soberania nacional e a dignidade da população, teremos que extirpar toda a esquerda do poder, mesmo aquela de oposição, do mesmo modo que fizemos com os demo-tucanos."


Mesmo o PSOL? E o que vai sobrar de esquerda se o PSOL for "extirpado"?

Depois que o PSOL for extirpado, ainda restará o PSTU, o PCO, o PCB e quem sabe o PCML (Partido Comunista Marxista-Leninista) e o PPL (Partido Pátria Livre), que buscam registro no TSE. Mas deveremos descartar esses, também. Partido de verdade, no Brasil, só existem dois: o de Tiradentes e o de Joaquim Silvério dos Reis. E essas legendas todas registradas (PSD incluído) são todas de Silvério dos Reis, o traidor. Não há ainda legenda que se possa dizer que é de Tiradentes. Eu disse ainda.

Quanto aos stalinistas, muita gente já percebeu, de dentro e de fora do campo da esquerda, que o PT está cheio deles.

quarta-feira, 28 de setembro de 2011

Mineiros ainda amaldiçoarão governantes e Copa 2014. Depois, quem sabe, os demais brasileiros amaldiçoem, também

Costuma-se dizer que, antes da construção do Mineirão (do Governo de Minas Gerais), o futebol mineiro tinha uma importância menor, e seus times ficavam restritos ao próprio Estado. A partir do estádio, pelo menos dois clubes de futebol foram alçados a grandes clubes em nível nacional: o Cruzeiro e o Atlético, não por coincidência ambos da capital. O Cruzeiro chegou a conquistar a Libertadores.

Só que o fechamento do Mineirão para as reformas visando a famigerada Copa 2014 tiraram dos dois grandes clubes o único estádio onde eles poderiam jogar na capital mineira, grande concentração das torcidas dos dois clubes. O resultado é que, desde o fechamento do Mineirão, os dois clubes rivais estão tendo que mandar seus jogos com mando de campo para diversos estádios em cidades menos populosas, em estádios tipo Arena do Jacaré, onde o incentivo das torcidas da raposa e do galo é menor.

O jornalista Juca Kfouri imagina um futuro sombrio para Cruzeiro e Atlético, que estão mal no atual Campeonato Brasileiro. Os dois clubes terão um confronto direto na última rodada. Segundo Juca, pode ser que ambos os clubes cheguem a essa partida precisando da vitória para escapar do rebaixamento para a Série B do Campeonato Brasileiro de 2012. Eu digo mais: pode ser que, se der empate neste jogo, ambos os clubes seriam rebaixados. Somando ao provável rebaixamento do América mineiro, isso deixaria o segundo maior Estado da federação sem clubes na série A do Campeonato Brasileiro.

Querem saber? Eu quero é mais. Só acontecimentos desta natureza podem fazer a população alienada acordar dessa letargia e dessa enganação provocadas por essa malfadada e custosa Copa 2014. E se os torcedores cruzeirenses e atleticanos amaldiçoarem a Copa, terão que amaldiçoar os responsáveis: os cartolas da FIFA, da CBF (notadamente Ricardo Teixeira), os patrocinadores da Copa, o homem que trouxe a Copa para o Brasil, a presidenta e a dupla que fechou o Mineirão: Anastasia e Aécio.

terça-feira, 27 de setembro de 2011

Chico Pinheiro deixou São Paulo. Demo-tucanos agradecem

Já devo ter comentado isso com alguns colegas críticos da Rede Globo de várias tendências: esquerdistas, nacionalistas, católicos, evangélicos e outros. Nem todos aqueles que trabalham na emissora e nas subsidiárias compartilham, necessariamente, da ideologia neoliberal da casa.

Um deles é o jornalista Chico Pinheiro, que tempos atrás espinafrou no ar, ao vivo no SP TV, os governos demo-tucanos de São Paulo (estadual e municipal), por conta de alagamentos constantes que acontecem em algumas áreas da capital paulista. Chico era um dos poucos críticos das gestões demo-tucanas na filial paulistana da Vênus Platinada.

Só que Chico Pinheiro acaba de deixar a cidade de São Paulo, e por consequência a Globo São Paulo e o SP TV. Acaba de se mudar para o Rio de Janeiro e a matriz da Globo, onde agora está trabalhando no Bom Dia Brasil.

Como eu disse antes, nem todos os profissionais da Globo compartilham da linha neoliberal da emissora. Mas digo que a Globo sempre dá um jeito de podar a relativa independência de consciência deles. Ainda que Chico Pinheiro desejasse morar no Rio de Janeiro e trabalhar na matriz da Globo, ou que transferências de altos funcionários de unidades de uma mesma empresa de uma cidade para outra sejam comuns, sempre pairará a dúvida. Será que mandar Chico para o Rio (e para um telejornal nacional) não foi uma maneira de a emissora do PiG governista (em relação a São Paulo) agradar os tucanos?

Deixem eu ficar quieto. Quem quiser comentar, fique à vontade.

segunda-feira, 26 de setembro de 2011

A molezinha das afiliadas das redes de TV

Resposta para TVs do RJ:

Esse Show da Fé deve ter obrigado muitas afiliadas da Band a buscarem bons programas locais. Se buscam produzir algo criativo ou se estão locando esse horário (como fazem com outros), é outra história.

Normalmente, ser afiliado de grande rede de TV é um trabalho molezinha. O cara fica no SAT o dia quase todo. Só precisa colocar um telejornal local de segunda a sábado, intervalos locais (leia-se anunciantes e chamadas locais), transmissões de horário eleitoral de eleições estaduais e municipais, e pronto. Os da Globo tem a vida mais mansa de todas. Além da audiência e faturamento estupidamente mais altos que os da concorrência, a Globo deve cobrar apenas matérias de interesse nacional (pra mandar pros jornais SAT) e infraestrutura para eventuais produções na Globo, quando esta manda equipes de produção ou jornalismo próprias para fazerem algum trabalho na região da afiliada.

Provavelmente, só a RBS lá no Sul procura fazer uma grande grade local. Chega a trocar boa parte dos programas SAT da Globo (filmes e seriados, principalmente) por programas produzidos pela RBS, como o programa gauchesco Galpão Crioulo. Acredito que a Verdes Mares de Fortaleza e a Rede Amazônica devam fazer também alguma graça local, pois tem até outros canais, esses 100% locais, como a TV Diário e o Amazon Sat.

As afiliadas das concorrentes da Globo tem mais trabalho, porque essas redes arrendam horários. Mas aí as afiliadas arrendam seus horários para programas locais, também.

domingo, 25 de setembro de 2011

Quem é a favor da corrupção?

Autor: Percival Puggina.

Alguns dias "de molho" com uma virose cívica que começou na Semana da Pátria e avançou pela Semana Farroupilha me deram tempo para pensar. Entre outros temas, para pensar nas tais passeatas contra a corrupção. Primeiro, imaginei a coisa pelo lado oposto: uma passeata a favor da corrupção. É claro que só apareceriam jornalistas na tentativa de capturar imagens e impressões de algo grotesco. Só a imprensa. Os corruptos estariam exercendo sua atividade alhures, longe dos flashes e dos olhares da mídia. Ou seja, leitor, ninguém é a favor da corrupção, exceto os corruptos, mas estes agem como moluscos, lenta e discretamente, dentro de suas conchas e tocas, imersos em águas turvas.

Façamos, então, uma grande marcha "contra a corrupção"! Como todos são contra, vai faltar espaço na avenida Paulista, na Cinelândia e, em Porto Alegre, haverá gente pendurada na chaminé do Gasômetro. Sucesso garantido. O quê? Não foi nem parecido com isso? Pouca gente em relação ao esperado? Faltou divulgação? Bobagem. Todo mundo estava sabendo. Não compareceram porque não quiseram.

Pois foi aí que me valeram estes dias de virose cívica. Pode ter sido efeito da febre ativando algum neurônio preguiçoso ou desativando algum outro defeituoso, mas tenho certeza de que matei a charada. As manifestações contra a corrupção contaram com público reduzido porque berrar contra a corrupção "sic et simpliciter" (até o latim me veio de volta com a febre) é mais ou menos como mobilizar-se em protesto contra o câncer ou contra a dengue hemorrágica. Todo mundo concorda, mas é completamente inútil.

Perdoem-me os promotores, muitos dos quais fraternos amigos. Eventos anteriores, assemelhados, alcançaram sucesso muito maior por dois motivos: contavam com apoio de segmentos da sociedade civil aparelhada pelo PT (aquela turma que, ao simples estalo de um dedo petista, embarca num ônibus e vai para onde mandam); e eram eventos com foco, estavam direcionados contra alguém com nome e sobrenome, partidos com letrinhas conhecidas, governos inteiros e responsáveis por escândalos que não caíam das manchetes. Era sempre "Fora alguém!".

Marcha contra corrupção sem foco? Corrupção de governo nenhum? Sem culpados com nome próprio? Sem siglas políticas a acusar? Sem lançar em rosto do Congresso as responsabilidades por termos uma densa legislação de proteção aos corruptos? Sem atribuir a quem quer que seja culpas pela lentidão dos processos? Sem combater os votos secretos nos parlamentos? Sem denunciar até o último fio de voz a danação ética de um sistema político canalha, ficha-suja, que protege, estimula e vive da corrupção?

CNBB e OAB, para ficarmos com as instituições mais luzidias, que me relevem o menosprezo. Mas não consigo imaginar furo n'água mais raso e inútil do que os tais gestos de protesto contra uma corrupção que não têm coragem de apontar alguém, nem de pronunciar um nome sequer. Que não revela discernimento necessário para indicar as falhas institucionais e comprometer-se com uma correta reforma do modelo político nacional e dos nossos códigos. Estes códigos são um "pálio de luz desdobrado" a iluminar o caminho dos corruptos na sinuosa marcha republicana rumo à prescrição.

Sinceramente, até os corruptos agradecem a fidalguia com que foram tratados! Governos podres de raiz, assumidamente podres, ardorosos defensores de seus próprios corruptos, que os homenageiam e desagravam, igualmente se sentem reverenciados nestas festinhas setembrinas de titubeantes virtudes cívicas.

Texto de 25 de setembro de 2011 recebido por este blogue via correio eletrônico.

sábado, 24 de setembro de 2011

Fifa ataca Governo Dilma, que devia botar essa cambada da Fifa pra correr

Resposta para Lance!:

Se dona Dilma cancelar a Copa no Brasil e botar essa cambada da FIFA pra correr, terá todo o meio apoio. Onde já se viu, uma entidade privada como a FIFA querer subjugar a soberania brasileira... Agora, se dona Dilma continuar levando essa farsa adiante e a Copa for o vexame que prevejo, depois da Copa devíamos escorraçar a esquerda inteira do poder, como fizemos com os demo-tucanos. Para que a esquerda volte ao ostracismo, de onde jamais deveria ter saído.

Fonte: Lance!.

Na reunião do Comitê Executivo da Fifa em 20 e 21 de outubro em Zurique, na Suíça, a entidade quer pressionar o governo Dilma Rousseff em relação aos preparativos da Copa de 2014.


Inconformada com os atrasos nas obras e com o recente anúncio de que o Maracanã não será mais finalizado em 2012, como prometido anteriormente, mas apenas no início de 2013, a Fifa partirá para o ataque e pedirá um relatório atualizado da situação no país.


Aproveitando a presença de políticos brasileiros, entre os quais governadores e prefeitos de Estados e cidades que serão palco dos jogos da Copa, vai pressioná-los em relação a questões de infraestrutura, como reforma e construção de estádios, mobilidade urbana e a crise do setor aeroportuario.


A Fifa, que na ocasião irá anunciar os locais de abertura e encerramento do Mundial, também reclamará da demora para emissão de vistos de trabalho a seus funcionários e da morosidade para adequar a legislação brasileira a suas exigências.

Joseph Blatter repetirá o discurso de que está mais complicado trabalhar com Dilma do que com Lula e vai apoiar seu amigo Ricardo Teixeira, presidente da CBF e do Comitê Organizador Local, que está cada vez mais escanteado pela presidente da República.

sexta-feira, 23 de setembro de 2011

Parlamentares usaram banheiros na negociação da Comissão da (Meia) Verdade

O quê esperar de uma Comissão da Verdade negociada por governistas, por tucanos e por demos (o DEM é a ex-Arena, aquele partido do regime militar) em banheiros? Só pode dar merda. Uma meia verdade, provavelmente.

Fonte: Yahoo Notícias.

Parlamentares usaram banheiros na negociação da Comissão da Verdade


Por Isabel Braga (isabraga@bsb.oglobo.com.br) | Agência O Globo


BRASÍLIA - Na busca por privacidade nas negociações para votação do texto da Comissão da Verdade dois banheiros da Câmara foram usados para pequenas reuniões: o da liderança do DEM e o da presidência da Câmara, onde ministros conversaram com a presidente Dilma Rousseff.


A primeira reunião ocorreu na liderança do DEM. Participaram os ministros José Eduardo Cardoso (Justiça), Maria do Rosário (Direitos Humanos), o presidente da Câmara, Marco Maia (PT-RS), o assessor do Ministério da Defesa, José Genoino, e os líderes ACM Neto (DEM), Duarte Nogueira (PSDB) e Paulo Abi-Ackel (Minoria).


- O texto da emenda foi submetido aos ministros e ao Marco Maia dentro do banheiro do DEM porque tinha outras reuniões acontecendo da liderança para ajustes no texto - justificou ACM Neto.


Logo depois, os ministros se reuniram no banheiro da presidência do Câmara para ligar para a presidente Dilma, que está em Nova York. Marco Maia confirma que outros líderes também participaram das negociações no banheiro da presidência. O local mede cerca de 1,5 metro por 2,60 metros.


- Foi inusitado. Em função da falta de espaço meu banheiro chegou a ser usado por seis pessoas. É a busca por privacidade - disse Maia.

quinta-feira, 22 de setembro de 2011

A grande apresentação do R.E.M. que eu presenciei

Diante do anúncio oficial do fim do R.E.M., só consigo lembrar o único show da banda em que fui. Foi na Arena Multiuso da Barra da Tijuca, durante a turnê do CD Accelerate. O disco em si é uma obra prima: R.E.M. contundente, R.E.M. tocando muito, Michael Stipe cantando como nunca, R.E.M. no segundo mais alto ponto da carreira (ponto mais alto, só o da turnê do Out Of Time).

Com uma banda dessas e um disco de inéditas histórico, o show da Barra só poderia ter sido o que foi: dos melhores que esta cidade já teve. Só uma banda como o R.E.M. tinha autoridade para, depois de trocentos anos e vários discos de inéditas, subir no palco pra tocar quase todo o Accelerate, resgatar músicas esquecidas (mas reconhecidas pelos fãs de carteirinha), brindar a plateia com grandes sucessos (que ninguém é de ferro) e deixar de fora um sucesso tido como bobo, como Shinny Happy People.

Fica aqui o agradecimento do blogue pela contribuição da banda para a história do rock. Não farei aqui a tripudiação que as hienas do Apocalipse já estão fazendo: de que a banda voltará para várias "turnês de despedida", quando a grana faltar.

Escolhi uma imagem não convencional para ilustrar o texto: o R.E.M. em sua versão simpson. Sensacional.

Texto publicado originalmente no blogue Kiss FM 91,9 Rio de Janeiro.

quarta-feira, 21 de setembro de 2011

Governo Lula-Dilma faz convênio até com Fundação Roberto Marinho

E não são blogues oposicionistas, direitistas, (neo)liberais ou reacionários que fazem a denúncia. São o insuspeito Com Texto Livre (aqui e aqui) e o blogue assumidamente lulo-dilmista Os Amigos do Presidente Lula.

Não que todos os trabalhos da Fundação Roberto Marinho sejam suspeitos. Mas a documentação colocada na Internet pelo Portal da Transparência e os comentários do programa Olá, Turista! no Twitter lançam sérias dúvidas sobre a seriedade da ONG das Organizações Globo.

Dúvidas sobre a Fundação foram levantadas em outras ocasiões, como neste vídeo aqui.

Não é à toa que o amigo Raphael Tsavkko Garcia rompeu com o Governo Lula-Dilma e com a autointitulada blogosfera progressista. Vemos o Governo Lula-Dilma fazendo convênios com ONGs fajutas, uma delas dessa pseudo-golpista Organizações Globo. Todo mundo junto: Governo, grande imprensa, governistas e golpistas sorridentes, saltitantes e serelepes faturando horrores com essa Copa 2014 e com a Olim Piada 2016.

Não poderia deixar de colocar aqui o comentário que meu amigo e xará Marcelo Pereira deixou no meu mural do Facebook:

Não acredito mais na Dilma. O governo dela virou direitista, com todas as letras. Estamos órfãos de orientação política.

terça-feira, 20 de setembro de 2011

Governo tucano paranaense privatiza até o 190

Resposta para Com Texto Livre:

Sabe qual é o problema de entregar o atendimento telefônico da polícia para terceirizados? É que os terceirizados não são policiais, e como tal, não recebem treinamento de policial. O policial bem treinado saberá atender corretamente o cidadão do outro lado da linha, que geralmente precisa de ajuda urgente (a não ser que seja trote) e tomará as providências pertinentes. Pode ser o envio imediato de outros policiais para o local da ocorrência.

O mesmo problema pode acontecer se terceirizarem o atendimento dos bombeiros. Mas é melhor não dar ideia. Vai que os pangarés do governo tucano paranaense resolvem pôr em prática...

PT, PSDB e a bandalheira da Copa 2014

Resposta para a comunidade Leu na Veja? Azar o seu!:

Nenhum desses partidos políticos me representa, pois nenhum é nacionalista.

Enquanto não surge um partido nacionalista, tenho que assistir esse Fla-Flu (ou GreNal, ou BaVi, ou Galo x Cruzeiro, como queiram) entre PT e PSDB.

Agora, apesar do velho imperador da CBF atuar nos bastidores ao lado de Aécio e da Rede Globo há anos, capaz de associarem o vexame e a bandalheira da Copa 2014 somente à dona Dilma. Afinal, a Copa é no Brasil, não num estado específico. E como a presidenta é ela...

Meu amigo blogueiro progressista Alexandre Figueiredo dos blogues Mingau de Aço e O Kylocyclo denuncia essa bandalheira há anos. Mas sempre associando à direita, nunca ao Governo Lula-Dilma.

Agora mesmo no Rio de Janeiro está acontecendo a bandalheira das desapropriações de imóveis promovidas pelo lulo-dilmista e ex-tucano Eduardo Paes. Essas coisas não aparecem no PiG. Muito menos para alguns colegas que acham que o Brasil se resume à Tucanolândia (leia-se o estado de São Paulo) e à terra de Aécio.

Que lulo-dilmistas e direitistas se lasquem.

segunda-feira, 19 de setembro de 2011

Resposta para o fã-clube de Paulo Henrique Amorim

Resposta para a comunidade Dial AM e FM do Rio de Janeiro:

gente que reclama do paulo henrique amorim
merecia o psdb de volta , o desmprego , as privatizações , rs

Santa ignorância. Quer dizer que quem reclama de PHA é necessariamente tucano ou privatista?

Não aguentam vozes discordantes. Mesmo que seja apenas contra um blogueiro de conversa fiada. Querem um pensamento único.

Não sei quanto aos colegas que criticam PHA. Eu não tenho nada a ver com esse quadro partidário, não. Aliás, o nervo exposto da Comunidade sempre fui eu. Estou insatisfeito com o dial carioca e com o quadro partidário aí presente, da extrema-esquerda à direita não assumida do demo-tucanato. Agora, tem gente que gosta de paliativos ou taxar os discordantes de tucanos.

Se podem taxar os colegas de tucanos ou privatistas, eu teria o direito de rechaçar e dizer em quê acredito. Mas a comunidade não é sobre política, não é minha e eu não mando nada, aqui. Só obedeço.

Sobre os elogios e as críticas à sobretaxação de carros importados

Resposta para O Globo:

O negócio é ferrarmos a gananciosa indústria de carros, toda controlada por gringos, que dominam a indústria nacional e a de fora. Temos que cobrar dos Governos um bom transporte público. Mas cobrar dos Governos dá trabalho demais. Qualquer cobrancinha nos taxam de golpistas...

domingo, 18 de setembro de 2011

Mídia pode ou não pode ter posições político-partidárias?

Resposta para Com Texto Livre:

Instituto Millenium? Ih, Zé Carlos, deixe eu ir ali no banheiro vomitar. A ânsia é muito forte. Depois eu acabo de ler.



















Voltei. Falta decidirmos, afinal de contas, se a mídia pode assumir posições políticos-partidárias (o que seria recomendável) ou não pode. E se pode, se as rádios e as TVs abertas também podem (como faz a americana Fox aberta, por exemplo) ou não podem. Eu vejo muitos colunistas como esse Marcos dizendo que a mídia tem sim que se posicionar, mas quando a mídia aberta se posiciona, esses colunistas são os primeiros a malhar, reclamando que essa mídia usa outorgas públicas, etc e tal.

Zé Carlos disse...


Assumir posições políticas os veículos podem e devem fazer, como qualquer cidadão.
Divulgar e apoiar essas posições, entretanto, somente a mídia impressa pode fazer - e não o faz para, hipocritamente, se dizer isenta - (exceto Estadão que nos últimos dias da campanha eleitoral do ano passado assumiu seu posicionamento; mídia eletrônica, por se tratar de concessão, deve manter-se isenta.

Warner relança três discos dos Inocentes

Uma das grandes notícias de 2011 é o relançamento de três discos que os Inocentes gravaram na Warner Music (então WEA) nos heróicos anos 80. São os CDs remasterizados (originalmente lançados em vinil) Pânico em S.P. (1986), produzido por Pena Schmidt e Branco Mello, Adeus Carne (1987), produzido por Pena Schmidt e Geraldo D'Arbilly, e Inocentes (1989), produzido por Roberto Frejat.

Pânico em S.P. foi o segundo disco dos Inocentes e o primeiro de uma banda punk brasileira gravado em uma multinacional. O que motivou críticas dos punks mais ortodoxos, mas até estes tiveram que concordar com a contundência das letras da banda, quase todas escritas pelo vocalista Clemente (atualmente também integrante da Plebe Rude). A crítica também aprovou o trabalho. Neste disco, a banda regravou algumas músicas da fase underground e também gravou músicas inéditas. Um dos clássicos foi o hino paulistano que dá nome ao disco. Nesta reedição de 2011, a banda acrescentou seis faixas bônus gravadas agora mesmo em 2011. Algumas são regravações de músicas antigas da banda.

Adeus Carne foi, oficialmente, o primeiro LP dos Inocentes na Warner, já que Pânico em S.P. foi na verdade um EP (vinil com apenas seis faixas). É também o disco mais coeso dos três desta fornada da Warner e também o disco com os melhores arranjos. Aqui temos uma resenha distribuída à imprensa e aos lojistas:

Adeus Carne, é o primeiro LP da história do Inocentes, saiu em 1987 ainda sob as cinzas do EP Pânico em SP que havia saído um ano antes. A música "Pátria Amada" que abre o disco, resumia o sentimento de todo brasileiro naquele momento, pós fracasso do Plano Cruzado, e foi direto para o top 10 das rádios rock de todo país. É o primeiro disco conceitual da banda, o nome é o significado da palavra Carnaval e por isso mesmo ele termina em samba com uma versão avassaladora de "Pesadelo" do Paulo César Pinheiro, e teve hits que continuam na memória como as músicas "Cidade Chumbo" e "Tambores", produzido por Pena Schimdth e Geraldo D'Arbily, teve seu som de guitarras elogiado até por Herbert Vianna.

Inocentes (1989) foi uma tentativa frustrada da banda e do produtor Frejat para levar a banda às grandes plateias. Há aqui influências de sons acústicos e hip hop aqui ou ali, mas sem perder o tom crítico e o peso característicos da banda. São deste disco: A Face de Deus, O Homem Que Bebia Demais, Promessas e a regravação de Garotos do Subúrbio, dos primórdios da banda.

Enfim, são os Inocentes mostrando que tem um bom currículo de serviços prestados ao punk rock nacional. Que estes três CDs relançados (mais as gravações inéditas inseridas em Pânico em S.P.) inspirem voos mais altos da banda.

Texto publicado originalmente no blogue Kiss FM 91,9 Rio de Janeiro.

sábado, 17 de setembro de 2011

Direita vítima de bulling? Nem tanto

Resposta para aquele blogue que não deixa comentarem mais:

Há várias semanas eu penso que a tática governista de aniquilamento da oposição de direita é arriscada. Pode fazer com que a direita se levante, afirmando ser vítima de processo de bulling e perseguição. Porque, bem ou mal, a população brasileira costuma ser solidária com quem pareça ser vítima, mesmo sem ser. Os direitistas podem adotar a tática do setor cultural, dominado pela esquerda até os anos 80 e hoje dominado pela direita.

sexta-feira, 16 de setembro de 2011

Daqui a pouco, revogar a Lei da Anistia será uma atitude inútil

Resposta para Tribuna da Imprensa:

A revogação da Lei da Anistia terá um efeito pouco prático. Os anistiados passíveis de punição estão todos na terceira idade. Daqui a pouco estarão todos mortos. Aí a revogação da Lei da Anistia não terá efeito nenhum. Vai ver é isso mesmo que o Governo Lula-Dilma quer: empurrar o problema com a barriga, pra ficar bem com todo mundo. Até mesmo porque há muitos ex-guerrilheiros e viúvas do Regime de 1964 integrando essa mesma base do Governo. Um dos viúvos de 1964 acaba de indicar mais um ministro para Dilma.

quinta-feira, 15 de setembro de 2011

Só a Europa é terra de missão, agora?

Resposta para Com Texto Livre:

Já Migliorelli, na época chefe da seção brasileira da Secretaria de Estado do Vaticano, reclamou ao diplomata americano sobre o fato de a América Latina não ser uma região prioritária para a Igreja Católica.

Por ser brasileiro, Migliorelli está realmente informado sobre a realidade latinoamericana, ao contrário da cúpula vaticana. Percebe-se claramente em todos os documentos do papa Bento XVI pré e durante seu Pontificado que, ao contrário de Migliorelli, sua mente é totalmente eurocêntrica. Pra ele, só a Europa é hoje terra de missão e as igrejas locais europeias estão enfrentando os desafios do secularismo e do Islã. Percebe-se claramente na atual gestão pontifícia que o papel destinado às demais regiões do planeta não é mais de serem destino de missões, mas de fornecimento de missionários para a Europa. Uma reversão do que acontecia séculos antes. Daí a pouca preocupação com a Teologia da Libertação e corporações eclesiásticas rivais na América Latina, temas com que que o antecessor João Paulo II e o próprio cardeal Ratzinger no Pontificado anterior se preocuparam muito mais. Hoje a TL caminha livre, leve e solta.

quarta-feira, 14 de setembro de 2011

Sobre o esgotamento das adaptações de HQs para o cinema

Resposta para O Globo:

Tá na hora de arrumarem novos autores e roteiristas que criem novas histórias e franquias originais para o cinemão americano, que há anos sobrevive à base de histórias baseadas em livros, HQs, séries de TV, videogames e até parques temáticos. O público de cinema-pipoca está dando seu basta nas bilheterias. Não engole mais coisas como o sr. Magneto, o ex-prisioneiro dos nazistas que se descobre "a verdadeira raça superior" e decide se vingar da humanidade com sua versão mutante do sionismo.

terça-feira, 13 de setembro de 2011

Organizadores da Bienal do Livro desconheciam campanha radiofônica do Pe. Marcelo Rossi

A Bienal do Livro terminou no domingo passado batendo recordes: de público (670 mil pessoas em 11 dias), de faturamento (R$ 58 milhões) e de exemplares vendidos (2,8 milhões).

A quarta-feira, feriado de 7 de setembro, teve a presença do Pe. Marcelo Rossi, autor do livro Ágape (Editora Globo, 6 milhões de exemplares vendidos). E o padre passou a semana toda no seu programa Momento de Fé na Rádio Globo chamando os ouvintes, fãs e fiéis para encontra-lo na Bienal. O resultado, segundo O Globo:

Com isso, o dia, que já prometia ser de Riocentro lotado, foi bastante confuso: o estacionamento de 8 mil lugares teve que ser fechado à tarde por falta de vagas disponíveis, o fornecimento de água foi prejudicado, as filas para lanchonetes e caixas eletrônicas demoravam ao menos meia hora e foi necessário paciência até mesmo para caminhar pelos três pavilhões que abrigam a Bienal. O local de autógrafos de Rossi teve que ser mudado, do estande da editora para um pavilhão vazio do Riocentro.


— A Bienal tem um limite, já estamos na nossa capacidade máxima. O que aconteceu na quarta-feira foi que se fez uma campanha muito forte no rádio, da qual não tínhamos conhecimento. Vamos ter que criar algumas regras para autores que não estão na programação oficial. Temos outros espaços no Riocentro que poderiam abrigar esse tipo de evento — disse Arthur Repsold, presidente da GL Events Brazil, holding que controla a Fagga Eventos, organizadora da Bienal em parceria com o Sindicato Nacional dos Editores de Livros (SNEL).

Não vou nem entrar aqui no mérito do padre, do quê ele escreve e de quem acompanha seu trabalho. Apenas digo que Pe. Rossi é autor, mas não propriamente escritor. É apenas um padre que vez ou outra escreve livros.

Me admira que os organizadores da Bienal do Livro não tomem conhecimento da campanha de comparecimento feita pelo seu maior vendedor em uma rádio de massa e ainda fiquem surpresos com a superlotação da feira.

Isso é demonstrar total desconhecimento a respeito de um de seus autores mais destacados e ignorância a respeito do potencial midiático que o rádio brasileiro tem, apesar do advento de tudo que veio depois, particularmente da TV e da Internet.

Depois dizem que os fãs do Pe. Marcelo Rossi é que são alienados.

segunda-feira, 12 de setembro de 2011

Ainda o 11 de setembro americano e o 11 de setembro chileno

Me recusei a tratar do tema do 11 de setembro americano ontem no blogue, pelos motivos que eu e o Zé Carlos descrevemos ontem no blogue dele: saturação do assunto e muito cinismo da mídia de massa a respeito. Agora trago os meus comentários (e a resposta dele) pra cá:

E quem chora as vítimas do imperialismo americano???
Até quando o cinismo vai prevalecer...

Teremos que esperar o ano de 2013 para responder a estas questões fundamentais. Estamos em 11/9/2011, data em que o 11/9 americano completa 10 anos e o 11/9 chileno completa 38 anos. A data americana é redonda. Mas em 2013 a situação se inverterá. O 11/9 americano completará 12 anos e o chileno completará 40 anos, uma data redonda e uma excelente data para lembrarmos a cafajestagem do carniceiro Pinochet e sua turma. Se o nível de saturação em torno dos 40 anos do 11/9 chileno não for no mínimo igual à saturação de hoje em torno do 11/9 americano, aí sim poderemos perder as esperanças. O cinismo terá saído vitorioso e eterno. Hoje me recuso a acompanhar o noticiário. A coisa está ridícula. Parece até que Nova York e Washington são cidades brasileiras, e a Pensilvania um estado brasileiro.

zcarlos disse...


É a subserviência da mídia tupiniquim ao imperialismo.

O imperialismo americano não respeita ideologia alguma que não seja o liberalismo. Qualquer coisa um pouquinho diferente do liberalismo ou que lhe seja frontalmente contrário é tratada à base de porrete. E um grande porrete, aquele famoso big stick.

P.S: Esta postagem é ilustrada pela foto de Salvador Allende, presidente do Chile eleito em 1970 pela coalizão liderada pelo Partido Socialista. Foi morto em 11 de setembro de 1973 durante um golpe militar liderado pelo próprio chefe das Forças Armadas no governo Allende: o general Augusto Pinochet. Foi só o começo da carnificina.

domingo, 11 de setembro de 2011

Sobre o regabofe da imprensa brasileira com sionistas em Israel

Resposta para Com Texto Livre:

Eu acompanho a bandalheira promovida pelo movimento sionista, que atenta contra o interesse tanto da população israelense como da comunidade judaica em todos os países, que em geral são pessoas pacíficas, até em virtude de não quererem reproduzir o mesmo comportamento dos algozes dos antepassados, do Faraó aos nazistas. O problema é que os sionistas reproduzem com os palestinos o mesmo comportamento dos algozes dos antepassados. O sionismo trata-se de um movimento que trava a paz entre Israel e a Palestina, que em breve será um Estado independente, quer queiram os sionistas ou não.

Agora, por quê será que a dona Record manda uma repórter para esse regabofe sionista, junto com repórteres da Globo, do Terra, do UOL, do Estadão, do Valor, da Folha, da Band AM, da CBN e da Band News FM? Isso só comprova minha tese: PiG governista e PiG golpista são duas faces da mesma moeda podre midiática.

zcarlos disse...


PIG é só um, e golpista, inclusive Record.
Marco Regulatório Já!

Vou fingir que não há Record, nem Carta Capital, nem Caros Amigos, nem Tupi AM/FM Rio nem a blogosfera governista, digo, progressista. Abs

Não poderia deixar esta postagem sem comentar algo sobre o termo Sion. Há um tempo atrás, a rede Nossa Rádio FM (que deixou o Rio de Janeiro, depois que sua filial carioca, que faz parte do espólio de Orestes Quércia, foi arrendada pela Rádio Globo) promoveu um concurso de novas bandas gospel. A banda vencedora ganhou um contrato para gravar um CD pela gravadora Graça Music, que a exemplo da rádio, também pertence ao missionário RR Soares. A banda vencedora, uma banda de hard rock, vem a se chamar Sion. A capa do primeiro disco era toda vermelha. Trazia o nome da banda no alto, em destaque e letras douradas, e no centro uma coroa de espinhos (alusiva à de Jesus Cristo) pingando sobre uma poça de sangue. Quando soube do resultado, pensei: ué, inventaram o sionismo gospel? Ou será o sionismo de Cristo?

putizgrila.com.br...

zcarlos disse...

Sionismo de Cristo... essa é boa!


sábado, 10 de setembro de 2011

Até Orlando Silva está preocupado com ritmo das obras da Copa

Lógico, senhor ministro. Essa Copa 2014 é a maior herança maldita deixada pelo Filho Bastardo do Brasil e guru de sua chefe. O Brasil até tem condições de sediar um evento desses. Mas à custa de muita bandalheira, muito estouro de orçamento, muitos atrasos propositais para dispensarem as licitações, muita subserviência a cartolas daqui e do exterior e à custa da postergação da resolução de problemas muito mais urgentes e relevantes.

Como não sou eu que trouxe essa encrenca pro Brasil, me mantenham fora dos esclarecimentos.



Fontes: JN e Globo.com.

sexta-feira, 9 de setembro de 2011

Um vice socialista para um prefeito tucano

Ontem eu vi o programa partidário do PSB na TV. Eis que aparece aquela procissão de socialistas e neossocialistas. Entre eles, Luciano Ducci, prefeito de Curitiba.

Aí pensei: "pombas, esse aí não era o vice do prefeito Beto Richa"? Este é o prefeito tucano eleito em 2004 e 2008 que largou o segundo mandato para se eleger governador do Paraná no primeiro turno do ano passado.

Essa amistosa convivência eleitoral de esquerdistas com direitistas (e vice versa) ajuda a afundar a política nacional. De um lado, temos o PSB, uma maçaroca socialista que admite de tudo, do "empresário bolivariano" Paulo Skaf ao carismático Gabriel Chalita. De outro, temos o PSDB, um partido morto eleitoralmente, que era para ser social-democrata mas acabou virando o mais legítimo representante do neoliberalismo tupiniquim com punhos de renda. E os caras ainda se aliam com os socialistas, que junto com os petistas lhes fazem assédio moral, chamando-os de neoliberais pra baixo (e são mesmo!).

Os tucanos gostam de apanhar. Parecem... Ah, deixa pra lá.

Esses socialistas e tucanos se merecem.

quinta-feira, 8 de setembro de 2011

Crianças só poderão ser matriculadas no Ensino Fundamental aos seis anos

Depois tem gente que reclama quando dizemos que a educação não é tratada como deveria. Agora estão segregando as crianças por idade. As nascidas até 31 de março e as nascidas depois. O Conselho Nacional de Educação quer obrigar as crianças nascidas de 1º de abril (tudo a ver com a medida) a 31 de dezembro a serem matriculadas na primeira série do Ensino Fundamental só aos 6 anos de idade. Dão argumentos pseudo-técnico-pedagógicos para a medida, para supostamente não atropelarem a evolução cognitiva dos pequeninos. Só que podem criar problemas de de autoestima nas nascidas pós-31 de março, separadas à força dos coleguinhas de mesma idade nascidos até esta data, além de atrasar o aprendizado. E ainda tem a questão de que há uma variedade grande de níveis de maturidade e de evolução cognitiva de uma criança para outra, algo que a medida do Conselho Nacional de Educação não leva em conta.

E essa data-limite de 31 de março? Foi escolhida com que critério? E por quê rejeitar todas as outras datas? Por quê não 30 de junho? Ou 30 de setembro? Ou 31 de dezembro? Não era melhor não escolher data alguma e não separar as crianças?

Cada uma que acontece...

Pra certas coisas, o tempo é fundamental e deve ser levado em consideração. Pra outras, "o tempo é uma ficção criada pelos homens", como disse uma vez o escritor José de Paiva Netto, pouco antes da virada dos séculos XX e XXI. Aliás, esta é uma das poucas frases de Paiva Netto que gosto.



Fontes: Bom Dia Brasil e Globo.com.

quarta-feira, 7 de setembro de 2011

A quarta mijada consecutiva na esgotosfera progressista

Foram os esquerdistas e progressistas que pediram. Me decepcionaram muito ao longo dos últimos oito anos. Agora aguentem a mijada. E olha que não sou nenhum manequinho...

As três primeiras mijadas foram aqui, aqui e aqui.

Hoje a mijada vai para o Altamiro, capitão-mor do Barão de Itararé. Até aproveitarei parte do texto que enviei para outro blogueiro.

A partir daqui, eis o texto que mandei para :

Lá na Europa e no mundo árabe, os protestos tem como alvo tiranos, traidores neoliberais como Berlusconi e traidores de esquerda como Zapatero. Não são protestos com viés ideológico de esquerda, como os blogueiros progressistas querem. São protestos plurais da população como um todo. Não se descarte que haja nesses protestos gente de tudo quanto é viés ideológico: direitistas, (neo)liberais, esquerdistas, socialistas, comunistas, reacionários, conservadores, progressistas, nacionalistas, internacionalistas e toda sorte de -istas. Se o regime for democrático MESMO, que ninguém seja impedido de se manifestar nem humilhado moralmente, pois isso não deixa de ser uma repressão e um assédio.

Com raras exceções (como aqueles que escrevem bons blogues colocados na lista do meu), os blogueiros progressistas são do tipo de gente que acha que o povo deve ficar em casa, dócil, grato a Lula e Dilma, sem se manifestar, achando o ápice da dignidade humana ficar na frente da TV de alta definição vendo novela e futebol, ou na frente do computador procurando notícias sobre as celebridades da TV e batendo boca com os falecidos demo-tucanos. Reclamar da TV? Só quando mostrarem matérias tendenciosas sobre a esquerda.

Só que agora desconfio que o blogue do capitão-mor do Barão de Itararé É um desses blogues que acham que o povo tem mais é que ser grato a Lula e Dilma e sossegar o traseiro em casa. Não me admira. Esse famigerado Barão de Itararé é tão somente uma versão à esquerda daquele antro de dondocas chamado Instituto Millenium.

Digo e repito: muitas coisas melhoraram no País nos últimos dez anos. APESAR DO GOVERNO, NUNCA POR CAUSA DELE. Mas se algum dia houver uma Primavera antigovernista no Brasil, virão as dondocas com aqueles gritos primatas de "Golpista! Golpista! Golpista! Golpista! Golpista! Golpista! Golpista! Golpista! Golpista! Golpista! PiG! PiG! PiG! PiG! PiG! PiG! PiG! PiG! PiG! PiG!", parecendo torcidas organizadas fanáticas por futebol. Poderão ser quantas pessoas forem. Até dez milhões de pessoas em cada manifestação (se for possível), coisa de fazer as Diretas Já parecerem reunião de condomínio. Mas logo logo dirão que é uma reprise da Marcha da Família com Deus pela Liberdade, do Cansei, da Marcha para Jesus ou alguma outra manifestação reacionária tipo essas aí. E com certeza o Altamiro fará o mesmo. Basta que não haja nenhum demo, tucano ou pepeessista nas manifestações.

A única crítica que faço a algumas dessas manifestações é o fato de sempre aparecer alguém nelas berrando que a manifestação é apartidária. Pombas. Se a bandalheira contra a qual se protesta é NO GOVERNO (não fora dele), a manifestação deixou de ser apartidária. Provavelmente esses berros são coisa de governista infiltrado na manifestação.

Tuitando com Paulo Henrique Amorim

Ontem troquei dois tweets com Paulo Henrique Amorim. O dele foi este:

@ConversaAfiada
IBOPE da Globo desaba de manhã. Sugestões para ela sair da crise http://bit.ly/oK6fJa

Ah, eu não podia perder essa chance. Como o tweet dele foi colocado exatamente às 20h31, quando Dilma Rousseff fazia seu pronunciamento nacional do 7 de Setembro em rede de TV aberta, um minuto depois mandei esse:

@mjdelfino
@ConversaAfiada Ibope da Globo deve estar desabando, agora. Tem uma mentirosa cretina falando

Ok, eu peguei pesado. Mas essas dondocas progressistas não entendem outra linguagem.

terça-feira, 6 de setembro de 2011

Controle social é igual a censura? Depende

Estou tocando neste assunto nas postagens dos últimos dias, mas falta esclarecer alguns pontos.

Controle social dos meios de comunicação seria a sociedade monitorando o que ela mesma recebe, enquanto usuária de serviços da mídia impressa, do rádio, da TV, da Internet e de qualquer plataforma que inventem, e também participando, tendo sua voz de alguma forma veiculada em entrevistas ou nos espaços para comentários. Ainda que um cliente desses órgãos goste da linha editorial, não é justo que o jornalismo do órgão vire monólogo dos patrões daquele veículo ou dos colonistas e jornalistas amestrados que lá trabalham. Deve-se diversificar as fontes e as informações, acabando com toda forma de autocensura. É fundamental que todos tenham vez e voz na imprensa.

Por outro lado, controle social não é censura. Censura é quando o Governo controla diretamente o que é veiculado. Colocam um ou vários interventores ou censores nas redações e nas produções, e eles é que decidem o que será veiculado e o que não será. Não serão os clientes (leitores, ouvintes, telespectadores ou internautas) que decidirão, muito menos os patrões daqueles veículos. Normalmente, censores do Governo atuam a serviço do governo de plantão. Ou seja: se o governo acerta, o veículo está liberado para veicular, sem ponderações. Se a oposição erra, ai dos funcionários que barrarem qualquer coisa a respeito. Se o Governo erra ou a oposição acerta, nem um pio ou caractere poderá ser veiculado sobre o fato.

Essa distinção entre controle social e censura é absoluta? Depende da índole do Governo de plantão. Se for um governo sério, haverá distinção. Para esse governo lulo-dilmista que está aí, uma coisa É necessariamente a outra. Ainda que falem ou escrevam bonito, usando os termos controle social e regulamentação, nunca o termo censura, é evidente que só os apadrinhados (da extrema-direita à extrema-esquerda fisiológicas) terão assento nos comitês (bem ao gosto do Governo Lula-Dilma, eles adoram inventar comitês pra tudo) de controle social e a palavra final em casos de dúvida ficará sempre com o Governo. NUNCA o Governo deixará veicularem algo desfavorável a eles ou favorável aos contestadores.

Na verdade, há índole autoritária em várias correntes políticas partidárias hoje atuantes. O que tem de governador e ex-governador (governista ou oposicionista) que já telefonou para patrão de meio de comunicação pedindo a cabeça de jornalista que disse ou escreveu algo desagradável daria para encher a blogosfera brasileira.

Sobre a regulamentação da mídia, eu não tenho parecer a respeito. Os favoráveis e os contrários tem argumentos bons. Os favoráveis alegam que muitos países decentes e democráticos têm mídia regulamentada pela sociedade. Os contrários alegam que já existe legislação prevendo punições para os abusos de patrões e empregados da mídia, como o Código Penal, o Código Civil, etc. E que o país não precisa de mais entulho legislativo, e sim de melhores leis.

segunda-feira, 5 de setembro de 2011

General Heleno: "Experiência no Alemão ensina que apenas tropas não são capazes de reduzir criminalidade"

E não foi nenhuma dondoca progressista nem um deputado frouxo que disse isso. Foi o nacionalista Augusto Heleno, ex-Comandante Militar da Amazônia que deu muita dor de cabeça ao Governo Lula por suas posições contrárias à constante internacionalização da Amazônia.

Boris Casoy é que não deve estar muito satisfeito em dividir espaço no Jornal da Noite com o general Heleno. Apesar de fingir respeito no ar. Esses vendilhões da Pátria que integraram o CCC tratam nacionalistas como tratam os lixeiros: com absoluto desprezo.

domingo, 4 de setembro de 2011

Rompendo com outro esquerdista

Resposta para Com Texto Livre, a respeito da Veja:

É, eu tou de saco cheio dessa revista nojenta há anos. Muito antes do lulo-dilmismo. Essa revista pisou em cima do cadáver ainda quente de Elis Regina. Detonou na capa o ainda vivo Cazuza. Os petistas deviam mandar o Mino Carta intervir nessa joça de vez.

Anônimo disse...


Essa porra merece mesmo é ser expulsa deste país. Não precisamos de mafiosos noticiando a todo momento mentiras calunias e difamações. Esse panfleto tem mesmo é que ir pros quintos dos infernos que não fará falta nenhuma.

Ah, que é isso. Não precisamos chegar à expulsão. Com a regulação da mídia, o Governo Lula-Dilma poderá nomear um interventor para cada um desses PiGs virar Partido da Imprensa Governista de vez. Para a Veja, Mino Carta. Para a Globo, Paulo Henrique Amorim. Para a Folha, o Luis Nassif. Pode até sobrar uma vaguinha de interventor para o amigo Zé Carlos na RBS. Aí eles poderão fazer propaganda para o Governo Federal, ao invés de questionar. Só poderão atazanar os demo-tucanos e os governos de São Paulo, de Minas, do Paraná...


Zé Carlos disse...

Regulação da mídia não é censura.

O PiG confundiu vc também, Marcelo?

Não, Zé Carlos. Você é um sujeito difícil de entender as coisas. Ou então não tem capacidade para tal. Só estou exercendo meu direito de romper com a esquerda, em quem votei em 2002 e só me envergonha. PiG golpista e PiG governista são duas faces da mesma moeda podre, assim como o Governo que está aí e tudo que veio antes na história do Brasil. Eu quero mais que os golpistas e vocês lulo-dilmistas se lasquem. Lutem na arena de gladiadores, até a morte. Surgirá algo melhor, depois que os golpistas e os governistas forem retirados da arena. Se eu quero ver briga, quero ver dona Dilma partindo pra briga, mesmo. Botar a Lei da Mídia em debate (nada de Ley de Medios, que isso é espanhol, não português). Quem sabe mandar os Dragões da Independência tirarem os golpistas da imprensa do Palácio do Planalto, até com golpes de espada contra os golpistas (não contra a Dilma, como sugeriu um jornal golpista) e tudo mais. Mas duvido que Dona Dilmona tenha capacidade para fazer alguma coisa dessas. E o Tsavkko também duvida.

Aliás, essa linguagem ríspida estou aprendendo com a presidenta da República. "Vocês não estão entendendo as coisas". Essa frase dela é sensacional. Pelo menos isso ficará de bom da atual gestão.

sábado, 3 de setembro de 2011

sexta-feira, 2 de setembro de 2011

A Primavera que os lulo-dilmistas temem... Ou podem Temer

Resposta para Mingau de Aço:

A "PRIMAVERA DE 2011": NO BRASIL, QUANDO CHEGARÁ?

É, amigo Alexandre. Não adianta eu responder na área de comentários de seu blogue, porque você bloqueou seu blogue. Nem deu outra alternativa para comentários. Correio eletrônico? Você não fornece no blogue. Twitter? Não adianta, porque seu último tweet foi de 19 de agosto. Se de lá para cá alguém tentou deixar comentários de 140 toques pelo Twitter, os leitores do Twitter do Mingau não ficaram sabendo.

Então responderei somente no meu blogue, mesmo.

Eu estou há meses resistindo a colocar comentários ríspidos a respeito do Mingau. Mas essa pergunta não me deixa alternativas. Eu seria muito omisso se continuasse guardando só para mim o que poderia ter escrito antes. Essa pergunta é a grande oportunidade.

Concordo contigo quando você afirma que o procedimento da grande mídia (gorda ou fofa, como você costuma descrever) deveria ser diferente. Deveriam dar espaço para os leitores/ouvintes/telespectadores/internautas. Não virar monólogo das grandes famiglias e de seus jornalistas e colonistas amestrados. Só que sua visão é de esquerda. A minha é nacionalista. Colocar os interesses da Nação e de sua população acima de tudo no campo político e econômico. Seu sonho e de todos os blogueiros progressistas (particularmente os do malfadado Barão de Itararé) é que, pra cada órgão do tão falado PiG, haja um interventor, que substitua o trabalho centralizador sujo do dirigente famigliar da empresa por outro trabalho sujo. Seu sonho é que, para cada Globo, haja um Paulo Henrique Amorim. Para cada Folha, haja um Luís Nassif. Para cada Abril, haja um Mino Carta. Para cada RBS, haja um Zé Carlos (e que seja também colorado, pra ser vermelho total). E assim por diante.

Você torce para que a população brasileira saia do comodismo regado a Música de Cabresto, TV aberta e futebol, e vá para as ruas protestar. Eu torço, também. Mas, pense bem. Não é arriscado demais um esquerdista querer que os brasileiros façam protestos como os feitos por outras populações? Porque, se for protesto de verdade, não terá como alvo somente o tão falado PiG governista tido como golpista. O alvo primordial será o Governo Lula-Dilma, principalmente essas duas figuras traidoras da confiança. Minha e de milhões de pessoas. A Dilma nem tanto, porque jamais votei nela. Só o Filho Bastardo do Brasil tem contas a prestar a mim e a quem votou nele apenas em 2002, alguns nos dois turnos, como eu.

Em quem muito se confia, desse se deve cobrar mais. Não dá para esperar nada de quem não se confia.

Lá na Europa e no mundo árabe, os protestos tem como alvo tiranos, traidores neoliberais como Berlusconi e traidores de esquerda como Zapatero. Não são protestos com viés ideológico de esquerda, como os blogueiros progressistas querem. São protestos plurais da população como um todo. Não se descarte que haja nesses protestos gente de tudo quanto é viés ideológico: direitistas, (neo)liberais, esquerdistas, socialistas, comunistas, reacionários, conservadores, progressistas, nacionalistas, internacionalistas e toda sorte de -istas. Se o regime for democrático MESMO, que ninguém seja impedido de se manifestar nem humilhado moralmente, pois isso não deixa de ser uma repressão e um assédio.

Com raras exceções (como aqueles que escrevem bons blogues colocados na lista do meu), os blogueiros progressistas são do tipo de gente que acha que o povo deve ficar em casa, dócil, grato a Lula e Dilma, sem se manifestar, achando o ápice da dignidade humana ficar na frente da TV de alta definição vendo novela e futebol, ou na frente do computador procurando notícias sobre as celebridades da TV e batendo boca com os falecidos demo-tucanos. Reclamar da TV? Só quando mostrarem matérias tendenciosas sobre a esquerda.

Digo e repito: muitas coisas melhoraram no País nos últimos dez anos. APESAR DO GOVERNO, NUNCA POR CAUSA DELE. Mas se algum dia houver uma Primavera antigovernista no Brasil, virão as dondocas com aqueles gritos primatas de "Golpista! Golpista! Golpista! Golpista! Golpista! Golpista! Golpista! Golpista! Golpista! Golpista! PiG! PiG! PiG! PiG! PiG! PiG! PiG! PiG! PiG! PiG!", parecendo torcidas organizadas fanáticas por futebol. Poderão ser quantas pessoas forem. Até dez milhões de pessoas em cada manifestação (se for possível), coisa de fazer as Diretas Já parecerem reunião de condomínio. Mas logo logo as dondocas dirão que é uma reprise da Marcha da Família com Deus pela Liberdade, do Cansei, da Marcha para Jesus ou alguma outra manifestação reacionária tipo essas aí.

Culturalmente falando, eu francamente estou indignado com essa tentativa torpe do blogue relacionar a cultura popularesca como algo exclusivo da direita e/ou mera herança do regime militar ou das eras Sarney, Collor e FHC. Isso acontece desde a fundação do blogue, que devia ser honesto quando trata de cultura. Tem que dizer que a esquerda se lambuza com essa música de cabresto, também. Tem que dizer que os movimentos sociais também prestigiam a Música de Cabresto. Eu mesmo soube de um protesto no Rio contra o então presidente FHC regado a músicas da Banda Eva, ainda com aquela distinta senhora sem graça nos vocais.

Tem que dizer que há bons artistas direitistas. Bons não por causa de suas crenças ideológicas, mas por não esconderem seus dons do seu público e não guardarem apenas para alguma rodinha de meia dúzia de "iluminados".

O saudoso radialista Beto Saloys perguntaria algo assim:

O deputado fanqueiro Marcelo Freixo é de direita ou é de esquerda? O próprio fânqui, apoiado pelo PSOL, é de direita ou é de esquerda?

Elvis Presley, que apoiou Richard Nixon, era de esquerda ou era de direita?

Neil Young, responsável pela melhor apresentação do Rock in Rio III e que exalta Ronald Reagan até hoje, é de esquerda ou de direita?

Johnny Ramone, estampado em camisetas de milhões de esquerdistas pelo mundo e que apoiou Reagan e George W. Bush, era de esquerda ou de direita?

E o Megadeth, que lançou o CD United Abominations acusando a ONU de "terrorismo" e apoiando as intervenções militares americanas no Oriente Médio, é de esquerda ou de direita?

Espero que não entenda estes comentários como um rompimento total. Rompimento ideológico pode até ser, mas jamais rompimento com as demais afinidades nossas. Eu tenho autocrítica suficiente para mudar alguns procedimentos. Tive que extinguir um blogue com 140 leitores declarados, por julga-lo deslocado para nossa época política e inadequado diante do avanço de ideias que eu mesmo tive. Espero que o Mingau possa mudar, também. Ou então o Mingau vai azedar de vez. E estragar que nem paçoca.

Prefeito diz que Rio pode enfrentar maior epidemia de dengue da história

Já vi esse filme. O final não é nada feliz.

Fonte: Globo.com.



Fonte: Globo.com.

quinta-feira, 1 de setembro de 2011

Catedral FM também criou seu blá blá blá esportivo

Não satisfeitos com o blá blá blá esportivo já presente em diversas emissoras FM (só em FM ou repetidoras de AM) como CBN, Globo, Tupi, Transamérica e Oi FM, a Catedral FM 106,7 também tem agora seu programa de debates e notícias esportivas. É o programa semanal Esporte Catedral, que estreou ontem (quarta-feira, 31 de agosto de 2011) às 20:45. Eis o texto do portal oficial da rádio, que mostra até a logomarca oficial do programa:

ESPORTE E RELIGIÃO: UMA MISTURA CAMPEÃ

Preparem-se para uma grande surpresa! Dia 31/08 o ESPORTE CATEDRAL fará sua estreia na Rádio Catedral. Toda 4ª feira, a partir das 20h45, o programa deixará você por dentro de tudo o que acontece no mundo dos esportes (como se as demais rádios não fizessem isso...). Com os comentários de Sergio Ricardo, Leandro Sauerbronn e Pe. Lino (capelão do Vasco da Gama), as noites de 4ª feira nunca mais serão as mesmas.

Se o surfista Pe. Zeca não tivesse deixado o ministério sacerdotal, provavelmente teria sido convidado para a equipe do programa.

Já escrevi em outros lugares e outras oportunidades que eu fui voluntário da minha paróquia junto à Catedral FM, nos anos de 1993 e 1994. Minhas tarefas eram divulgar a rádio na paróquia e levar para a rádio fichas de inscrição de novos Amigos da Rádio (ouvintes dispostos a fazerem uma doação mensal fixa para a rádio). Deixei o serviço porque estava atrapalhando minha vida profissional e porque percebi que não teria a menor condição de emplacar sugestões de mudanças (minha ou dos outros paroquianos) para a programação da emissora. Eu também discordava dos rumos que a direção da casa dava à emissora. A rádio estava tomada na época por uma grade de sucessos populares (até trilha do seriado Cavaleiros do Zodíaco os caras tocavam) e por programas AM em FM. Numa das últimas reuniões de representantes paroquiais em que eu estive, o então diretor geral Cônego Aroldo Ribeiro disse, com todas as letras, que a Catedral FM era uma "rádio AM no FM".

Já naquela época, a rádio loteava a grade não-musical para toda sorte de pastorais e movimentos ligados à Arquidiocese do Rio de Janeiro. Em meados dos anos 90, os sucessos populares foram substituídos por músicas católicas. Mas o loteamento da grade continua até hoje.

Tem outra questão: a rádio jamais teve uma grade linear, uma "cara". Cada programa é produzido por equipes diferentes e cada um tem um nível de qualidade diferente. Há programas bem produzidos, mas a maioria é tecnicamente uma lástima. Um verdadeiro desperdício das doações feitas à rádio.

Uma rádio FM deveria ser uma plataforma para cultura, música, jornalismo discreto e, eventualmente, prestação de serviço nos intervalos. Sem fazer concorrência desleal com as AMs. A Catedral FM não se contenta nem mesmo com um hipotético papel de divulgadora da cultura e da música católica. Nada indica que essa situação mudará um dia.

Com mais esse programa de blá blá blá esportivo, o dial FM carioca afunda cada vez mais.