Política, cultura e generalidades

sexta-feira, 22 de julho de 2011

Geraldo Alckmin, um homem sem palavra, se une à bandalheira futebolística do PT e do Governo Lula-Dilma

“Não tem sentido colocar dinheiro público em estádios. Deve ser privado”.

O desgovernador Geraldo Alckmin disse isso no ano passado, respondendo a quem perguntava se o Governo do Estado de São Paulo colocaria dinheiro público na construção do Itaquerão, estádio que o Corinthians está construindo no bairro Itaquera (zona leste da capital paulista) para sediar jogos da Copa 2014.

Mas eis que o Governo paulista (nas mãos do PSDB desde 1995) vai usar dinheiro do contribuinte para colocar mais 20 mil cadeiras no novo estádio corinthiano, para que o mesmo possa sediar o jogo de abertura da Copa 2014.

Resumindo: Geraldo Alckmin é um homem sem palavra. Não pratica o que fala.

Tenho aqui alguns textos sobre o tema.

Fonte: Coturno Noturno.

quinta-feira, 21 de julho de 2011


Os políticos perderam a vergonha na cara.


É geral. É arquibancada. É cadeira cativa. Ninguém se salva. Salve-se quem puder. Lula buscou a Copa do Mundo e a Rio 2016 e nos condenou a um buraco de. por baixo, R$ 50 bilhões, sem o trem-bala. Desta soma absurda, R$ 10 bilhões escorrerão pelo ralo da corrupção. Foi assim no Pan, que deveria custar R$ 400 milhões e acabou custando quase R$ 4 bilhões. Está nos jornais. O petista Agnelo Queiroz, que era Ministro dos Esportes, atualmente governando o Distrito Federal, está com os seus bens indisponíveis, por ter participado de uma falcatrua de milhões no aluguel da Vila do Pan. De brinde, como um penduricalho, vieram os risíveis Jogos Mundiais Militares, uma fraude esportiva, uma fraude promocional. O país está enterrando R$ 1,5 bilhão nesta pouca vergonha que estamos assistindo, onde atletas olímpicos, atletas profissionais, atletas de ponta receberam divisas militares para vencer competições.


Kassab, prefeito de São Paulo, acaba de conceder R$ 420 milhões para a construção do Estádio 24 horas, que somente terá serventia para abrir a Copa. Isso se abrir, porque não há confirmação alguma. Publicamos ontem um post que mostra que esta renúncia fiscal representa 10% de tudo o que a prefeitura gastou em saúde, em 2010. E que o valor é mais de 3% de toda a arrecadação paulistana. O prefeito diz que isto vai gerar R$ 1,5 bilhão de receita para a cidade. Conversa mole. Conversa fiada, quer dizer, cara, muito cara. O ISQN de São Paulo é no máximo 5%. Para recolher R$ 1,5 bilhão, precisaria haver um gasto de R$ 30 bilhões. Vamos fazer de conta que 200.000 pessoas estarão na cidade por 15 dias, em função da Copa do Mundo. Cada uma terá que gastar R$ 10 mil por dia para recolher R$ 1,5 bilhão de impostos. Alguém vai dizer que o município se beneficiará pelas transferências compulsórias estaduais e federais, mas isto dará mais ou menos a mesma coisa que a arrecadação própria. Portanto, para gerar R$ 1,5 bilhão, cada um dos 200.000 visitantes estimados deverá gastar R$ 5 mil por dia. São Paulo é uma cidade cara, mas este valor está 20 vezes maior do que a média do turismo mundial.


Por fim, Geraldo Alckmin, governador de São Paulo, vai pagar R$ 70 milhões por 20.000 cadeiras, que serão utilizadas por um dia, na abertura da Copa. Isto dá um valor de R$ 3,5 mil por cadeira! Não, elas não serão compradas, serão alugadas, retiradas pelo fornecedor depois da competição.“O que o Estado vai fazer é dar apoio logístico ao evento de abertura da Copa e não ao estádio do Corinthians. Após a realização dos jogos, essa estrutura será retirada. Nenhum parafuso ficará com o Corinthians”, orgulhava-se o pomposo Emanuel Fernandes, secretário estadual de Planejamento e Desenvolvimento Regional e coordenador do Comitê Paulista da Copa. Alguém que diz uma merda destas deve achar que o eleitor tem um parafuso a menos na cabeça.


Então, meus caros e caras, o nosso problema não é só o PT e o PR, infelizmente. O nosso problema são os políticos de forma geral que perderam a vergonha na cara. Os seus governos estão cheios de técnicos ganhando salários altíssimos e muito mais capazes do que este blogueiro para fazer contas antes de tomar este tipo de decisão. Não fazem porque não querem. Não fazem porque o Brasil tem um povo burro, sem educação, sem cultura, sem instrução, sem cidadania, sem vergonha na cara também, esta é a grande verdade.Tem gente muito culta botando camiseta de time paulista para discutir o estádio do Corinthians. A web já está cheia de piadinhas de corintiano levando vantagem. Vai esperar o quê de um povo destes?


Postado por O EDITOR às 07:05:00

Marcelo Delfino disse...

Boa, Coronel! Se me permitir, reproduzirei seu texto no meu blogue, com os devidos créditos. O que devíamos fazer também é boicotar todos os presidentes, governadores e prefeitos dos estados e cidades-sede da Copa 2014 e da Olim Piada 2016, que tiveram ou tem mandatos no período 2007-2010 ou 2011-2014. Nunca mais elege-los pra coisa alguma. O que inclui os presidentes Lula e Dilma, seus aliados do PMDBosta e demais partidos fisiológicos, os neo PSDistas e os demo-tucanos. Falta um partido nacionalista para suplantar todos esses que estão aí. Devemos também perder a confiança nos liberais e nos direitistas, tanto quanto na corja lulo-dilmo-esquerdista.

Fonte: Coturno Noturno.

quinta-feira, 21 de julho de 2011


Alckmin, pior do que Kassab.


Teve um tucano na área de comentários que lamentou a comparação entre Alckmin e Kassab, no caso da arena corintiana, por ser injusta. É injusta com Kassab. Torrar R$ 70 milhões em 20.000 cadeiras alugadas por um dia, como o governador está fazendo, é muito mais grave do que a irresponsabilidade de enfiar R$ 420 milhões públicos em estádio de futebol privado. É aluguel x construção. É dinheiro vivo x renúncia de receita. O governador e o prefeito poderiam, pelo menos, exigir que o Corinthians pagasse parte da conta com a doação de 50% da bilheteria nos próximos anos. Com a cessão dos direitos de propaganda na arena. Com espaço na camiseta para jogar com o escudo da cidade e do estado. Enfim, exigir pelo menos algum tipo de compensação pela doação. Por onde anda o Ministério Público para sequestrar as receitas do clube até pagar a conta? Reafirmo: Kassab e Alckmin, a exemplo da maioria dos políticos, perderam a vergonha na cara.


Postado por O EDITOR às 13:47:00

Fonte: Alerta Total.

QUINTA-FEIRA, 21 DE JULHO DE 2011


Governo de São Paulo e Petrobrás devem dar dinheiro público para obra do Lula Stadium


Por Jorge Serrão


O futuro estádio Luiz Inácio Lula da Silva, o Itaquerão do Corinthians, começa a ser construído com a arquitetura da politicagem. A obra privada será mesmo bancada com dinheiro público. O governo do Estado de São Paulo deve gastar uns R$ 70 milhões para bancar uma estrutura provisória, a ser desmontada depois da Copa de 2014, que dará 20 mil lugares a mais ao estádio. De olho no imenso eleitorado corinthiano, o governador Geraldo Alckmin usará recursos do estado para bancar a ampliação temporária do futuro “Lula Stadium”.


Os R$ 820 milhões programados pela construtora Norberto Odebrecht como “preço fixo” só prevê a construção de um estádio com 42 mil lugares – e não de 62 mil, como exige a FIFA, para que São Paulo possa sediar o jogo de abertura da competição privada de futebol. No valor também não está incluído o custo para transferência do duto da Transpetro que passa pelo terreno, em Itaquera. A mudança custaria R$ 30 milhões, em condições normais, mas pode chegar a R$ 100 milhões. Ainda paira a ameaça de que a Petrobrás seja politicamente forçada a bancar tal obra.


A Odebrecht avalia que os lugares extras no Itaquerão – que serão custeados pelo governo de São Paulo – não devem custar menos de R$ 70 milhões. Somando-se ao gasto com o remanejamento dos dutos da Petrobrás na área de estacionamento, o custo final do Estádio deve ultrapassar, facilmente, R$ 1 bilhão. Metade da obra (R$ 420 milhões) será financiada via isenção de impostos concedida pela Prefeitura de São Paulo ao Corinthians. A outra metade (R$ 400 milhões) virá de um empréstimo do BNDES. O governo Alckmin banca a arquibancada provisória. E alguém (provavelmente a Petrobrás) entrará pelo cano com a obra do oleoduto.


Recordar é...


Os políticos pragmáticos mudam depressa de opinião quando lhes convém.


Geraldo Alckmin, em 2010, declarou que o estádio corinthiano deveria ser financiado com recursos privados:


“Não tem sentido colocar dinheiro público em estádios. Deve ser privado”.


Agora, ela vai jogar nosso dinheiro na privada, botando dinheiro público para construir arquibancadas provisórias que serão retiradas depois da Copa...


Lula Stadium


Foi uma promessa do presidente do Corinthians, André Sanches, que o futuro estádio do Corinthians vai homenagear seu ilustre torcedor e presidente de honra.


O Itaquerão só não vai se chamar Estádio Luiz Inácio Lula da Silva, caso o ex-presidente avalie que isto não fará bem a sua imagem.


Não há impedimentos legais para que Lula empreste seu santo nome para batizar um estádio particular.


O precedente já foi aberto com um estádio público, o Engenhão, no Rio de Janeiro, que leva o nome de uma pessoa viva (e muito viva): João Havelange, ex-presidente da FIFA...

Nenhum comentário:

Postar um comentário