Política, cultura e generalidades

domingo, 5 de junho de 2011

A verdadeira trilha sonora do Governo Sérgio Cabral Filho

Não são aqueles fanquinhos que ele dança! É esta música aqui:

2 comentários:

  1. Por que o ato dos bombeiros cria um precedente perigoso

    Os bombeiros assim como qualquer categoria têm o direito de pedir melhoria salarial, ocorre que por servirem junto com a PM, sob regime militar, lhes é vetado o direto à greve. Nos últimos dias o que tenho visto no Rio é um circo. Uma categoria que vem sendo “doutrinada” por políticos faz meses, chega ao ponto de rasgar sua lei militar, invadir um quartel, ocupar e inutilizar viaturas.
    Ora, isso é inadmissível em um estado de direito. Imaginemos se médicos decidem fazer greve, invadir hospitais, furar pneu das ambulâncias e trancar as portas; E se um dia policiais em greve ocuparem os presídios e ameaçarem soltar os presos? Não obstante, teríamos ainda a possibilidade de Soldados do exército em greve, colocarem tanques para obstruir vias. Pergunto: Onde a sociedade vai parar? É esse o precedente que a sociedade deseja abrir com os bombeiros?
    Para que não corramos esse risco há uma legislação militar que rege as FFA, Bombeiros e a PM. Independente de qualquer pleito salarial, ela tem de ser respeitada. No momento em que a sociedade permitir que essa lei seja ignorada, estará pondo em risco sua própria ordem.

    ResponderExcluir
  2. Discurso peemedebista-cabralista detectado.

    Quando tropas militares se voltam contra a sociedade, elas agem a mando dos governantes, como descrito aí nessa música da Plebe Rude. Não com a reprovação dos governantes, como agora.

    Além do mais, no Governo do Estado do Rio de Janeiro, o Estado de Direito foi extinto há décadas.

    Agora, se quiser discutir a desmilitarização do Corpo de Bombeiros, pode me chamar. Tenho sérias dúvidas se os bombeiros do serviço público deveriam ser, de fato, militares. Deveriam ter sido servidores estatutários civis, desde sempre.

    ResponderExcluir