Política, cultura e generalidades

sábado, 11 de junho de 2011

Protestantes e católicos só se unem nas catacumbas ou nas masmorras

Surgiu na comunidade da banda Resgate a notícia de que havia uma banda católica catarinense tocando uma música daquela banda protestante (a música Vou Me Lembrar, do mais recente CD Ainda não é o último) como Canto de Comunhão na missa. Membros evangélicos e membros católicos da comunidade passaram várias páginas do tópico apoiando a banda catarinense. Só que, mais adiante, em outra página, um dos evangélicos da comunidade passou a fazer ataques ao catolicismo em geral. Logo me veio à mente que a esquerda só se une na cadeia ou no exílio. Mesmo agora, quando temos um Governo de esquerda, e mesmo assim há divergências na base de apoio de esquerda e há partidos de esquerda na oposição. Citei isso na comunidade do Resgate, e ainda fiz uma analogia: tal como a esquerda que não se une, protestantes e católicos só se unem nas catacumbas ou nas masmorras. Não adianta procurar isso, porque o tópico da comunidade foi removido pela moderação.

Chega a ser patético que aconteçam essas picuinhas corporativas, que naturalmente só interessam aos líderes corporativos: apóstolos, patriarcas, missionários, papas, bispos, padres, pastores, reverendos, diáconos e quaisquer patentes que coloquem nos líderes das igrejas. No dia a dia, o povo simples das igrejas se respeita mutuamente, embora as divergências teológicas e comportamentais entre as denominações continuem existindo. A picuinha se torna mais patética ainda quando notamos que a oposição ao cristianismo não faz distinção entre denominações. Déspotas esclarecidos (?) combatem protestantes e católicos indistintamente: desde regimes de países socialistas e de países muçulmanos a meros big brothers aqui mesmo na nossa (?) Câmara dos Deputados. Enquanto a cristandade briga entre si, os movimentos cristofóbicos se unem no outro lado.

Hoje termina no Brasil a Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos, evento em que diversas denominações protestantes mais a Igreja Católica promovem reuniões de orações pela vida uns dos outros e por uma futura unidade plena, seja lá quando isso acontecer. No Rio de Janeiro, essas reuniões costumam reunir lideranças e membros de várias igrejas, como a Presbiteriana Unida, a Luterana, a Metodista (mesmo com a retirada da Igreja Metodista do Conic, ao qual o Conselho Municipal de Igrejas Cristãs é vinculado) e da Arquidiocese do Rio de Janeiro, e também costumam aparecer pastores de igrejas que formalmente jamais participaram dessas Semanas de Oração, como pastores da Assembleia de Deus. Ao longo da semana, as orações acontecem em várias denominações. Hoje à noite deve acontecer o encerramento da Semana de Oração deste ano, na paróquia católica de Copacabana, na Rua Hilário de Gouveia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário