Política, cultura e generalidades

segunda-feira, 11 de abril de 2011

Como se defender de pressão ideológica

Fonte: comunidade Anti Foro de São Paulo.

Kagemusha


Sumário - Como se defender de pressão ideológica


Este tópico foi criado porque percebi que o tamanho do texto original intimida alguns interessados. Ele é apenas um sumário, para facilitar um pouco a compreensão dos itens.


Neste texto, procuro mostrar como se defender de algumas estratégias usadas para impor idéias. Espero que seja útil.


1-Imagem auto-idolatrada
Exageram a importância de sua causa. Alguns podem ser apenas fanáticos ou iludidos, mas tem os que fazem deste item um “kit 4 em 1”, onde impressionam a platéia, podem conseguir fazer o questionador se sentir culpado (se ele não conhecer o truque, claro), e desviam do assunto, justificando com os FINS quando são questionados sobre a validade dos MEIOS que usam. Aliás, também aproveitam para impor a idéia de que os fins justificam os meios, mas de um jeito disfarçado, sem dizer com todas as palavras, para evitar que esse pensamento prejudique sua imagem.


2-Demonizam críticos e questionadores
Quase igual ao anterior, mas ao invés de elevar a si mesmos, tentam rebaixar o oponente, às vezes de um jeito disfarçado.


3-Só sabem contar até dois
Dividem o mundo em dois “lados”, e falam como se ter razão fosse uma questão de tomar partido, e não de lógica. Tentam conduzir o debate pela idéia de que, se você não concorda com UM ponto defendido pelo lado deles, automaticamente discorda todos os outros, e isso já te classificaria como um “inimigo da humanidade”. E se concordar com UMA idéia deles, já falam como se isso te impusesse alguma obrigação de concordar automaticamente com todas as outras.


4-Idéias “embutidas”, por associação e insinuadas
É difícil descrever resumidamente, mas consiste na estratégia de tentar impor que duas ou mais idéias estão obrigatoriamente ligadas, ou uma influencia a outra, e tudo que eles querem impor tem que ser aceito como parte do “pacote”. Porém, na maioria das vezes, eles não conseguem dar uma explicação convincente de que essa ligação exista.


5-Clichês e outras táticas
Tem vários exemplos acima e na versão completa. Dois dos mais comuns são: a) Apelarem para um pensador, dizerem que quem não leu a obra dele é ignorante e incapaz, e decidirem que venceram o debate; e b-)Atirarem para todos os lados, até achar um argumento que os favoreça (ou desfavoreça o oponente), e insistirem nisso, mesmo tendo pouco ou nada a ver com o ponto em questão.

6-Linha de ação
Normalmente tentam se impor pela pressão, disparando um arsenal de clichês que levam tempo para rebater corretamente. Assim, ainda que sejam desmascarados depois, já conseguiram instalar as idéias que queriam e fica difícil desalojá-los, mesmo desmentidos.

7-Enxergam tudo por uma única interpretação/versão/perspectiva
Invocam todos os valores que podem, mas ao mesmo tempo deixam claro que não respeitam nenhum deles realmente. Afinal, só usam as partes que interessam (pois é, assim como eles tentam criar ligações que não existem, às vezes ignoram as que existem), e não admitem que esses MESMOS valores sejam usados contra eles próprios. Além disso, logo mostram que pensam que não é sua ideologia que tem que caber no mundo, mas o mundo tem que caber em sua ideologia.

(Já tinha postado este texto em outras comus, mas só depois fui convidado para esta. Espero que vocês gostem)

Nenhum comentário:

Postar um comentário