Política, cultura e generalidades

quarta-feira, 16 de março de 2011

Questões sobre mim e este blog

Um blog absolutamente provocador como este só pode gerar a ojeriza e a repulsa de quem gostaria de me ver tomando partido de alguma dessas correntes políticas que desgovernam ou desgovernaram este país. Já fui chamado de petralha e tudo. E com várias postagens deste mês, logo logo vão querer me ligar às dondocas neoliberais, millenaristas, olavetes ou coisa parecida.

No entanto, os amigos de verdade me compreendem. Ou quase. Meu xará Marcelo Pereira não entendeu até hoje o que escrevi na postagem anterior Eu sou um cimista, há mais de um ano. Fez uns questionamentos em seu blog Pizzaria do Poder.

Só veste a carapuça quem tem razões justas para isso. E eu tenho razões para declarar ser o cimista que o Marcelo citou no blog dele. Meu amigo Alexandre Figueiredo (irmão do Marcelo Pereira) também foi na minha, se declarando cimista e tudo, na época. Mas acredito que sou eu que devo satisfações, por ter inventado o termo.

O termo cimista não tem nada a ver com "pois aquele garoto que ia mudar o mundo / agora assiste a tudo em cima do muro", que Cazuza pôs em sua música O Tempo não Pára. Não tem a ver com ficar em cima do muro. Os tucanos é que eram dados a ficar em cima do muro, antes da Era FHC. Cimista tem a ver com o fato de o nosso país estar acima de tudo: acima do liberalismo, acima do direitismo, acima do esquerdismo, acima do socialismo. Pode até ser que algum seguidor dessas ideologias faça bons governos ou bons trabalhos parlamentares. Mas eu francamente acredito que o político ficará mais próximo do ideal se não tiver nenhuma dessas ideologias. Se pra estar com o Brasil acima disso tudo significa ser um cimista, cimista eu sou.

No entanto, reconheço que cimista foi um termo infeliz por mim criado num momento de pura indignação com a bandalheira reinante neste país. Eu não via caminho político algum como alternativa a estas tolas ideologias.

Eu peço ao xará Marcelo, ao Alexandre, ao Waldyr, ao Leonardo Ivo e aos demais amigos de verdade: não fiquem temerosos com meus posicionamentos políticos. Eu tenho a cabeça no lugar. Não estou consumindo meus neurônios nisso aqui. Uso apenas o tempo livre e os parcos recursos que tenho para vir aqui dizer o que deve ser dito e ninguém mais diz. Não pretendo mais usar este termo cimista, que é por demais complexo para a compreensão mesmo de pessoas inteligentes como meus amigos. Eu estou perto de encontrar um ideal político, e quem sabe, de encontrar um grupo de pessoas virtuosas e politicamente engajadas que pensem da mesma maneira que eu.

Aos que cobram posicionamentos políticos de minha parte, aviso: poderei adotar novos posicionamentos políticos no futuro, mas garanto que não será a adesão a essas ideologias que condeno. Meus novos posicionamentos podem até provocar mudanças neste blog. Pode ser que este blog deixe seu distanciamento e sua imparcialidade e passe a ser parcial, a favor de um ideal político que seja justo e benéfico para a Nação. Dependendo das mudanças que gostaria de ver na política nacional, talvez até mesmo o nome Brasil, um País de Tolos deixe de se referir ao Brasil do presente e passe a designar o país do passado, da época do Governo Lula-Dilma, que inventou o slogan Brasil, um País de Todos. De onde, aliás, veio o nome do blog. Talvez o blog mude de nome. Ou talvez eu deixe de fazer este blog, dependendo do nível de participação política que tiver assumido. Não quero acabar como Cesar Maia e Brizola Neto, que viraram blogueiros quase em tempo integral.

5 comentários:

  1. Eu meio que te entendo.

    Veja a minha situação, nos últimos anos tenho me limitado a votar nulo para quase todos os cargos parlamentares e para presidente, e na oposição nos cargos de prefeito e governador do Rio.

    Há 10 anos atrás eu votava em candidatos do Prona, não por gostar de todas ideías de extrema direita, mas sim por acreditar nas intenções do Enéas, e confesso tb tinha um que de galhofa e voto de protesto nisso. (Hj fazem isso votando no Tiririca, veja a diferença).

    Não sou verde, não sou socialista (na verdade detesto socialismo), só fiz a besteira de apoiar o PT uma vez em 2002 e nunca votei em um candidato tucano (Tenho ojeriza a Serra).

    Esses dias descobri que estou em uma lista chamada reaças e conservas: @negoailso/reaças-e-conservas

    Virei conservador e reacionário?

    logo agora que eu venho me encaminhando para o anarquismo? Sei que é perda de tempo e pura utopia. Prefiro seguir uma utopia que as correntes e partidos que vem se alternando no poder neste país.

    Eu não me considero em "cima do muro" mas um "do contra". Se apoio alguém seria bom saber que meu apoio vem condicionado a extrema critica caso fuja das minhas expectativas.

    E é mais ou menos como o vejo também, um incorformado, capaz de bater até em quem apoiou.

    Espero que não opte por nenhuma corrente, seu blog tem uma função útil. É quase como uma dessas criaturas mitológicas que cumprem uma tarefa específica de manter o equilíbrio das coisas. Ser justo a quem merece justiça, e critico a quem merece a critica, sem tomar partido, sem ter simpatia alguma a ninguém.

    ResponderExcluir
  2. MV Shogum

    Por enquanto, permaneço nesta condição hermética de não apoiar nada no quadro partidário. É que não confio em nenhuma das 27 legendas registradas no TSE. Na lista de legendas que buscam registro (disponível na Wikipedia), só uma me interessa. Mas como o TSE só registra essas tranqueiras tipo PSOL, PRB e provavelmente o PDB (Partido Da Boquinha) de Gilberto Kassab, permaneçerei de fora.

    A não ser que ocorra um milagre.

    Esse MV do seu codinome tem a ver com o MV (Movimento) do MV Brasil? O pessoal do MV Brasil é gente boa.

    ResponderExcluir
  3. Não, é apenas de Marcos Vinicius mesmo rs

    ResponderExcluir
  4. Gosto do MV Brasil também, achei genial a idéia dos cartazes espalhados no centro do Rio. Só não apoiei o cartaz que diz "helloween é satanismo, Brasil pais cristão" Não gosto quando começam a usar religião.

    ResponderExcluir
  5. Parece que o meu xará não entende posicionamentos inconformados (e às vezes angustiados) como os nossos, Shogum. Ele nos respeita, mas decididamente não concorda conosco.

    http://pizzariadopoder.blogspot.com/2011/12/nunca-e-bom-estar-em-cima-do-muro.html

    Até criei um banner no meu blogue, para facilitar o acesso. Pros leitores terem acesso direto e tirarem suas próprias conclusões.

    Eu é que não vou perder meu tempo respondendo a textos como esses. Primeiro porque eu não sou do tipo de gente que fica em cima do muro. Eu DESTRUO muros. Como aqueles que derrubaram o de Berlim. Os últimos que ficaram de fato em cima do muro, tão logo desceram do muro fizeram muita lambança no Governo. Me refiro aos tucanos. Segundo porque não sou corrupto. Se sou, devo ser o corrupto mais mal pago do país. Eu com meu contracheque de R$ 757,73, que o meu xará devia vir de Niterói só para ver.

    Os leitores (os meus e os do xará) que fiquem à vontade para responder.

    Eu também estou nessa lista de "reaças e conservas" no Twitter. O Zé Carlos (o blogueiro lulo-dilmo-colorado do Com Texto Livre) já perguntou se eu sou udenista. Ou insinuou que eu seja, nem lembro mais. Enquanto isso, no blogue Coturno Noturno os comentaristas já me classificaram como petralha, vermelhinho e comuna safado.

    Eu estou bem com essa turma, não é mesmo, Shogum? rs

    ResponderExcluir