Política, cultura e generalidades

segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

A votação para deputados e vereadores

Resposta para Com Texto Livre:

Aqui neste país, todas as formas de votação e eleição de deputados e vereadores possuem virtudes e defeitos. Não dá para fugir dessa realidade.

O atual sistema (votação nominal e proporcional ao mesmo tempo) é o pior possível. Reúne poucas virtudes dos demais sistemas e todos os defeitos.

Votação distrital transforma os deputados federais em 'vereadores federais', e desconsidera as minorias políticas, já que a tendência é de vitória apenas dos partidos majoritários.

O "distritão" estimula os partidos a buscarem apenas os bizarros campeões de votos, tipo Enéas, Tiririca e Romário. Tanto quanto na votação nominal proporcional.

A única votação que fortalece ideais políticos e as identidades partidárias é a votação proporcional em listas. Se há o problema de perpetuação dos mesmos nomes no topo das listas, isso se resolverá quando tivermos partidos não fisiológicos, impessoais e programáticos (não esses trastes de hoje em dia) e quando os interessados em política ingressarem nesses novos partidos e participarem das convenções que homologarem as listas.

Agora, há sempre a possibilidade de os partidos comandados por picaretas enfiarem seus nomes bizarros e chamativos no topo da lista e fazerem campanhas não pelos programas dos partidos, mas campanhas pessoais tipo "Tiririca é 22", "Romário é 40" e assim por diante.

Mas é aquela coisa: a democracia é o pior regime político, excluindo-se todos os outros.

Nenhum comentário:

Postar um comentário