Política, cultura e generalidades

domingo, 6 de fevereiro de 2011

Teste mostra que temperatura em ônibus sem ar-condicionado no Rio de Janeiro chega a 45 graus (em dia de máxima de 34)

Mas, na hora de fazer a nova licitação viciada, o prefeito paespalhão só se preocupou com o Bilhete Único e em maquiar os ônibus com pinturas padronizadas em quatro combinações, uma para cada consórcio da cidade. E com a logomarca da Prefeitura, pra todo mundo saber que o culpado agora é o prefeito.

Fonte: O Globo.

RIO - O calor do verão carioca dentro dos ônibus sem ar-condicionado - que chegam a 86% da frota que transporta cerca de 3,5 milhões de pessoas - está torrando a paciência e derretendo a disposição de quem precisa usar o principal meio de transporte da cidade. Muitas são as reclamações contra o desconforto provocado pela elevada temperatura, que pode ultrapassar os 45 graus na área próxima ao motor - conforme constataram repórteres do GLOBO em teste realizado na última quinta-feira com um termômetro digital. No corredor, o aparelho marcou 36 graus. Isso num dia em que a máxima, registrada em Santa Cruz, foi de 34 graus, marca ainda longe do dia mais quente do ano, registrado em 28 de janeiro: 41,4 graus.


- Todos os ônibus do Rio deveriam ter ar-condicionado. A cidade é muito quente e fica insuportável pegar um ônibus cheio com todo mundo suando, tendo que ir para o trabalho ou estudar. A sensação é de estar realmente numa sauna - reclama o estudante o estudante André Queiroz.


Cinquenta queixas por dia


O calor intenso já começa nos pontos de ônibus. Onde há abrigos, a sombra muitas vezes é insuficiente. Árvores, bancas, passarelas de pedestres, tudo o que amenizar o sol atrai passageiros esperando pelos ônibus. Sombrinha, leque e até mesmo pedaços de papelão viram acessórios. Não é raro ver motoristas que improvisam em suas janelas quebra-ventos de papelão para fazer o ar entrar.


- Entre meio-dia e 14h o calor é demais. O uniforme (gravata e calça escura) esquenta ainda mais. Os pelos da perna deixam até de nascer por causa dessa quentura do motor - diz um motorista da linha S-20 (Carioca-Recreio, via Linha Amarela), pedindo para não ter o nome revelado.


A Associação de Passageiros do Rio de Janeiro recebe em média 50 reclamações relacionadas a calor por dia, nesta época do ano.


- Os usuários acham que reclamar não vai dar em nada, por isso considero 50 reclamações por dia um número baixo - afirma Antônio Gilson, presidente da associação.


O calor em excesso pode causar desidratação, que traz consequências graves, explica o especialista em medicina esportiva Paulo Zogaib. Ele recomenda a ingestão de bastante água.


- O desconforto vem da desidratação. O calor aumenta a transpiração, que é um mecanismo de perda de calor. Conforme vamos perdendo água, pode ocorrer tonteira, moleza ou mal-estar. O ideal é não ficar exposto à alta temperatura. Como não é possível, o mecanismo principal de defesa seria fazer a ingestão de água.


O médico explica ainda, que é bom evitar enfrentar o calor com o estômago cheio:


- A digestão desvia parte do sangue para o estômago. Com menos sangue periférico, o corpo tem mais dificuldade de controlar a temperatura e aumenta a sensação de calor.


A sensação de calor é ainda maior do que indica o termômetro. O meteorologista Marcelo Pinheiro explica que a medição oficial da temperatura segue padrões internacionais: as estações ficam na sombra, em local ventilado e em área gramada:


- A temperatura da rua sofre diversas influências, como a do asfalto quente ou, no caso do ônibus, do calor do motor. Além disso, a alta umidade do ar no Rio aumenta a sensação térmica. Na última quinta-feira a umidade era de 52%, considerada alta, e que deve ter sido responsável por um aumento na sensação de calor de cerca de dois graus.


Questão de saúde pública


Para o engenheiro de transportes Fernando Mac Dowell, cidades quentes como o Rio de Janeiro não deveriam considerar ar-condicionado um luxo, mas questão de saúde pública:


- O transporte não pode ser formador de custo social. Quem vai trabalhar num calor como o do Rio de Janeiro acaba ficando desidratado, cansado e pode até parar no hospital. Os governos deveriam exigir o ar-condicionado. No metrô, a refrigeração significou 10% do valor da composição. Isso é muito pequeno no processo de investimento público.


A Fetranspor não deu entrevista. Em nota, a representante das empresas de ônibus se limitou a afirmar que cabe à Secretaria municipal de Transportes (SMTR) estabelecer os critérios para a circulação de ônibus na cidade, incluindo a utilização do Bilhete Único Carioca (BUC).


O secretário de Transportes, Alexandre Sansão, também não quis dar entrevista. Sua assessoria enviou uma nota em que alega que a licitação do sistema de transporte de ônibus não comporta carros com ar-condicionado porque "diferentemente do bilhete intermunicipal, as empresas do município não são subsidiadas, ou seja, não recebem o complemento do valor da passagem". A secretaria afirma ainda que no futuro poderá incluir os ônibus refrigerados no BUC, mas não dá prazos: "Não há mágica a ser feita. A melhoria do padrão da frota tem que ser feita de forma responsável, respeitando-se contratos e a sustentabilidade do sistema", afirmou Sansão na nota enviada por sua assessoria.

Nenhum comentário:

Postar um comentário