Política, cultura e generalidades

segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

Detonando outro blog lulo-dilmista que comemora a volta da CPMF

Resposta para Desabafo Brasil:

O engraçado é que trabalho como servidor concursado estatutário da Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro desde 2002. Desde os tempos da CPMF, portanto.

Apesar dos bilhões de reais arrecadados com a CPMF na época, nenhum tostão caiu na minha conta, eu que trabalho na ponta, diretamente com a população, ao contrário de presidentes, presidentas e presidAntas, prefeitos, ministros e secretários.

Pelo contrário: o dinheiro saía bonitinho, em descontos de 0,38%, como comprovam meus extratos bancários da época.

domingo, 27 de fevereiro de 2011

Repórter global disse que Colin Firth é atriz

Como a Rede Globo insiste em transmitir o Oscar só depois do lixo daquele BBB, eu assisto pelo TNT.

Mas foi só dar uma zapeada agora à pouco para a Globo para encontrar a repórter global ao vivo no tapete vermelho entrevistando três integrantes do filme Lixo Extraordinário (que NÃO É SOBRE O BBB, que fique claro).

Não é que a repórter resolve comentar também sobre os favoritos em algumas categorias do Oscar, e disse que Colin Firth (que interpreta o rei George VI em O Discurso do Rei) é o favorito ao Oscar de melhor ATRIZ?

Claro que um ou dois dos representantes do Lixo Extraordinário ouviram a asneira que a repórter não percebeu e não corrigiu. Quem ouviu riu, e cochichou pra quem não ouviu, e os três riram no ar, ao vivo pra todo o Brasil ver.

Vai ver, mudaram o nome do prêmio, mudaram o regulamento do prêmio de melhor atriz (e Natalie Portman viraria a principal concorrente de Colin) ou Colin Firth é biba e eu não tava sabendo.

Não precisa ser dondoca progressista para perceber que o jornalismo global está baixando de nível não é de hoje.

P.S: Será que alguma alma caridosa colocará o vídeo com esta lambança na Internet? Se eu ver, colocarei aqui no blog.

A putrefação da esquerda

Resposta para Mingau de Aço:

O amigo Alexandre Figueiredo é dos poucos sujeitos de esquerda com quem ainda tenho estômago para conversar. O outro talvez seja o Zé Carlos, o gaúcho colorado e lulo-dilmista do Com Texto Livre. O resto, francamente, eu deixo na mesma vala comum dessa esquerda caótica que eu deixei desde 2003. Na verdade, eu sempre fui antidireita, não propriamente um esquerdista. Aderia à esquerda para combater o PiG, combater o demo-tucanato e combater essa direita lulo-dilmista, quase toda citada na sua postagem. Hoje descobri que é possível NÃO ser reacionário, NÃO ser direitista e NÃO ser neoliberal, e mesmo assim se opor a essa decadente esquerda brasileira (seja a extrema-esquerda, o PSOL ou o PT e demais partidos lulo-dilmistas), que torço francamente para que entre no mesmo estado de putrefação em que se encontra o demo-tucanato. Obviamente, teremos que esperar a saída do PT do Governo. Como não sou dondoca golpista, posso esperar esse momento, quando provavelmente estarei na fase dos quarenta, a primeira da era dos –enta.

Estou repercutindo este texto nas redes sociais. Tou pensando até em criar um banner para o Brasil, um País de Tolos.

sábado, 26 de fevereiro de 2011

Mais um arrependido de ter sido um otário da campanha da Dilmona

Resposta para Escrevinhador:

Viriato Lopes disse:


Também acho que a palavra traição é a melhor para definir essa guinada da presidente. Se soubesse que isso ia acontecer, tinha votado no Plínio e não teria perdido meu tempo trabalhando feito um louco para ajudar a eleger essa senhora.


25 de fevereiro de 2011 às 17:00

O mundo em preto e branco dos governistas

Resposta para Mingau de Aço

Ah, mas os dois maiores problemas da política nacional são esses mesmos: a esquerda e a direita fisiológica, juntas, serelepes e saltitantes. Se alguém acender o fogo nesse botijão de gás com querosene dentro dessa casa lulo-dilmista fumegante, é um favor que estará fazendo ao país. Se os movimentos sociais não quiserem arder nessa fogueira santa (como diria o bispo Crivella), tratem de sair de lá. Ou então paguem o preço da fisiologia, queimando junto.

Agora, eu fico puto com esse tal de Raphael. Ele fica dizendo que a oposição é necessária, até para o aperfeiçoamento do regime democrático por meio do debate político. Mas quando aparecem as primeiras críticas ao Governo, ele e outros saltitantes governistas assumidos ou enrustidos (caso do Raphael) urram aos brados de "Golpista! Golpista! Golpista! Golpista! Golpista! Golpista! Golpista! Golpista! Golpista! Golpista!", "PiG! PiG! PiG! PiG! PiG! PiG! PiG! PiG! PiG! PiG!", como ensandecidas torcidas organizadas de futebol ou galeras de bailes fânqui. Pros atuais governistas, oposição boa é oposição morta. E pronto.

Sem contar que a quase totalidade dos governistas não enxerga os oposicionistas existentes fora do reacionarismo, do direitismo e do neoliberalismo. O mundo pra essa cambada é em preto e branco, não em cores.

Tem problema não. Quando nos enxergarem, já estaremos jantando todos eles ao mesmo tempo: a esquerda, a direita fisiológica e o demo-tucanato.

Leia mais:
Artigo de Raphael Garcia sobre os mesmos temas abordados por Mingau de Aço.

sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

O Big Brother no exterior

Resposta para Mingau de Aço:

Eu tenho uma informação interessante. Os defensores do BBB alegam que o Big Brother continua no ar em diversos países, inclusive alguns do Primeiro Mundo, em alguns deles há bem mais tempo que os 11 anos do BBB.

Só que não falam que, em praticamente todos esses países, o Big Brother não tem essa audiência estupidamente (ainda) alta do BBB. E lá o Big Brother não passa em TV aberta antes das 23h, pois é classificado como produção destinada apenas a maiores de 16 e até 18 anos.

quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

Dondocas progressistas não sabem mais o que fazer com o próprio poder

Resposta para Cinema & Outras Artes:

Depois da morte do demo-tucanato e do início da metástase do PiG (que, espero, parta dessa para uma pior), agora me divirto com as dondocas progressistas metendo o pau (ui!) uns nos outros. Não sabem mais o que fazer com o poder que tem na Internet e no Governo. No Governo, então, muito menos, pois ainda temos muitos neoliberais, direitistas, reacionários e golpistas (saudade de 1964) na base do Governo: Maluf, Sarney, Renan, Collor, etc. Têm que dividir cargos e benesses com essa cambada toda.

Sobre o PiG, uso a mesma sigla para me referir ao Partido da Imprensa Governista: grupo Record-IURD, Carta Capital, Caros Amigos, Rádio Tupi do Rio de Janeiro, etc.

O demo-tucanato é o passado (ainda bem!), a esquerda é o presente e o futuro será algo muito melhor do que isso tudo.

Muito gentil, essa Mãe Loura!

Depois do homem gentil, a mulher gentil.

Fonte: Extra.

Vêronica Costa é procurada pela polícia


Policiais da 42ª DP (Recreio dos Bandeirantes) tentam localizar a funkeira Verônica Costa. Ela será intimada a prestar esclarecimentos à polícia por causa das supostas agressões ao marido, Márcio Costa. A funkeira pode ser indiciada pelo crime de tortura.


Nesta quarta-feira, o segurança do condomínio onde o casal vive e um vizinho que ajudou a socorrer Márcio Costa prestaram depoimento na delegacia. Os policias que investigam o caso fizeram uma perícia na residência de Verônica e Márcio Costa. Eles encontraram gasolina e gaze, que teriam sido usados na suposta sessão de tortura.


O marido da funkeira Verônica Costa acusa a mulher de tortura e tentativa de homicídio. Márcio Costa, esteve, na noite desta terça-feira, na 42ª DP. Segundo o empresário, por volta de 21h de segunda-feira, o irmão, a irmã, o cunhado e o padrasto da funkeira foram até a residência do casal. Em seguida, por ordem de Verônica, eles teriam amarrado Márcio Costa no banheiro e iniciado uma sessão de agressões e tortura. Márcio Costa só conseguiu escapar na terça-feira à tarde, quando pulou o muro e pediu ajuda a um vizinho.

quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

Muito gentil, esse prefeito de Manaus!

Os otários são capazes de reeleger o homem. Lembram daquele prefeito demo que expulsou um homem de um posto de saúde municipal aos berros ("Vagabundo! Vagabundo!") e ainda foi reeleito?

terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

A pouca utilidade do Facebook e os brasileiros no Orkut

Respostas para Comunidade Rio de Janeiro - RJ:

Eu uso o Facebook para divulgar coisas que escrevo ou leio. Nada mais.

Troço ridículo, esse Facebook.

E quanto aos que dizem que os usuários de outras nacionalidades fugiram do Orkut por causa dos brasileiros, vocês podem ter razão. É um caso a pensar. Provavelmente esse pseudo-prestígio do Brasil no cenário internacional seja uma mera farsa ufanista e propagandista do Governo Lula-Dilma. E esse prestígio cairá ainda mais quando estourarem os escândalos de roubalheira e de desperdício da Copa 2014 e das Olim Piadas 2016.

A grande verdade é que o Brasil ainda continua sendo visto lá fora como o país do futebol (de Pelé, especialmente), do carnaval, das mulatas e das novelas (bleargh). É constrangedor: o brasileiro que não gosta de nada disso (ou quase nada disso) vai lá pra fora e os gringos acham que o brasileiro tem obrigação de conversar sobre esses assuntos só por ser brasileiro.

Alek


Os gringos fugiram do Orkut com razão devido à falta de educação e comportamento inapropriado de muitos brasileiros. Quando o Orkut era somente em inglês não havia tantas comunidades de ódio, preconceito, tráfico, xenofobia, pedofilia, pirataria, pornografia, e tantas outras ias. Nem correntes, pirâmides, links para vírus, fakes marrentos...


Lembro que muitos donos de comunidades gringas pediam que se respeitasse a língua original na hora de se participar, mas mesmo assim muito brasileiro entrava escrevendo em português mesmo, postanto coisas que nada tinham a ver com o assunto.


Se o Facebook já estiver em português será só uma questão de tempo. Brasileiro na web se sente o Hulk, cria uma coragem imensa pra dizer coisas que jamais arriscaria dizer cara a cara.


Daniel


O pessoal saiu do Orkut porque o pessoal fala em português, língua quase inexistente fora do Brasil. Aí os americanos e outros caíram fora, não faz sentido fazer parte de uma rede social se o sujeito não entende nada do que está escrito lá.

Mas o Facebook JÁ ESTÁ em português. Até quando os gringos continuarão? Eu mesmo sou fã de uma banda australiana chamada Hoodoo Gurus. Os caras não tem perfil no Orkut e sequer no Twitter, mas têm no Facebook. É outro motivo para eu estar lá.

Aliás, eu mesmo conheci pelo menos umas duas comunidades dedicadas ao Hoodoo Gurus. Ambas originalmente em inglês. Não adiantou nada os donos e moderadores clamarem para que escrevessem só em inglês. Os brasileiros tomaram conta e converteram o idioma na marra.

Ainda sobre o idioma: não tem Twitter em português. Ainda. Mas talvez isso não faça diferença nem para brasileiros nem para gringos. Só pessoas inteligentes se expressam bem em qualquer idioma apenas com 140 toques.

Se bem que tem muito brasileiro avacalhando o Twitter também. Até o José Serra virou troll do Twitter, na absoluta falta do que fazer.

segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

A preocupação das dondocas progressistas com as moribundas dondocas reacionárias

Resposta para Blog da Cidadania:

Gente, não se preocupem com esses derrotados. Demo-tucanos, globetes, folhetes, vejistas, etc. O tempo deles passou. São cadáveres ainda com os últimos reflexos nervosos atuando nos músculos. Logo logo a canela deles esticará.

O tempo do PT e de toda a esquerda também passará. Mas não será para a ascensão de nenhum reacionário, viu? Será para a ascensão de algo muito melhor que todos eles juntos.

A votação para deputados e vereadores

Resposta para Com Texto Livre:

Aqui neste país, todas as formas de votação e eleição de deputados e vereadores possuem virtudes e defeitos. Não dá para fugir dessa realidade.

O atual sistema (votação nominal e proporcional ao mesmo tempo) é o pior possível. Reúne poucas virtudes dos demais sistemas e todos os defeitos.

Votação distrital transforma os deputados federais em 'vereadores federais', e desconsidera as minorias políticas, já que a tendência é de vitória apenas dos partidos majoritários.

O "distritão" estimula os partidos a buscarem apenas os bizarros campeões de votos, tipo Enéas, Tiririca e Romário. Tanto quanto na votação nominal proporcional.

A única votação que fortalece ideais políticos e as identidades partidárias é a votação proporcional em listas. Se há o problema de perpetuação dos mesmos nomes no topo das listas, isso se resolverá quando tivermos partidos não fisiológicos, impessoais e programáticos (não esses trastes de hoje em dia) e quando os interessados em política ingressarem nesses novos partidos e participarem das convenções que homologarem as listas.

Agora, há sempre a possibilidade de os partidos comandados por picaretas enfiarem seus nomes bizarros e chamativos no topo da lista e fazerem campanhas não pelos programas dos partidos, mas campanhas pessoais tipo "Tiririca é 22", "Romário é 40" e assim por diante.

Mas é aquela coisa: a democracia é o pior regime político, excluindo-se todos os outros.

Dilma no País das Maravilhas

Convido os leitores para acompanharem o blog relacionado Montagem Virtual, que apresenta montagens de pôsteres e embalagens de DVDs e Blu-Rays de filmes, sempre relacionando as montagens a fatos e personalidades do noticiário.

A montagem Dilma no País das Maravilhas é apenas a primeira montagem que vi. Mas o blog também traz montagens envolvendo a oposição de direita e a oposição de esquerda. O que pode fazer do blog um parceiro deste aqui.

domingo, 20 de fevereiro de 2011

E as penas continuam voando na Tucanolândia: comentarista do "Jornal da Cultura" critica Governo do Estado

Pra completar o quadro da Tucanolândia, a notícia foi repercutida pelo indefectível portal tucano folha.com.

Fonte: Ilustrada.

18/02/2011 - 09h05


"Jornal da Cultura" critica Estado ao vivo


ROBERTO KAZ
DE SÃO PAULO


Na terça-feira, o "Jornal da Cultura" -- da rede vinculada ao governo do Estado -- noticiou um projeto da Secretaria Estadual de Saúde para desafogar os hospitais públicos da cidade de São Paulo.


O vídeo dizia que "a ideia é oferecer serviços de qualidade no litoral e interior do Estado para evitar que os pacientes venham à capital".


Finda a reportagem, o sociólogo Demétrio Magnoli, comentarista do programa ao lado do jornalista Eugênio Bucci, pediu a palavra. Reclamou que "notícia é quando o governo tomou uma atitude, e não quando declara que fará alguma coisa".


Foi amparado pela opinião de Bucci: "Nós precisamos usar o jornalismo muito mais para cobrar e fiscalizar o poder do que para promover o anúncio de nobres interesses".


Quando a apresentadora Maria Cristina Poli perguntou se aquilo era uma crítica, Magnoli respondeu: "Parece merchandising do governo".


A cena foi ao ar, ao vivo, no noticiário noturno da TV Cultura, veiculado de segunda a sábado, às 21h. À Folha, Bucci disse que a situação foi "indiscutivelmente positiva" para o programa: "O colocou em um patamar de transparência que nenhum outro jornal televisivo tem".


Bucci, que durante o primeiro mandato do governo Lula foi diretor da Radiobrás, credita a notícia a um "comportamento arraigado" nas emissoras públicas: "Nos 4 anos, 3 meses, 20 dias e 2 horas em que comandei a Radiobrás, vi que essas instituições foram adestradas a agradar às autoridades".


Demétrio Magnoli descarta a possibilidade de intervenção do governo estadual. "Há uma pressão permanente não de cima, mas das assessorias, que produzem cachoeiras de pautas até que se emplaque algo. Tenho a impressão que vêm daí reportagens como essa", disse.


Magnoli diz que "à diferença do que acontece na TV Brasil, a TV Cultura não é chapa branca".


A TV Cultura declarou que "o jornalista Eugênio Bucci e o sociólogo Demétrio Magnoli, assim como os demais comentaristas do JC", expõem "sempre suas opiniões com total liberdade".




Doutor de Higienópolis (160) em 18/02 às 18h32


LIBELU




gustavo rost (61) em 18/02 às 18h10


AUGUSTO JOSÉ, DEIXA DE SER O.TÁRIO, COMO O MAGNOLI TÁ FAZENDO CRÍTICA AO PT SE ELE TÁ RECLAMANDO DE UMA MATÉRIA SOBRE O GOVERNO DE SP??!!!!!


SE LIGA, SEGUIDOR DE DITADORIZINHOS!




Renato M. (364) em 18/02 às 14h21


Chamar a Tv Brasil de chapa branca é uma piada, só pode. Foi a Tv do Lula e será a Tv da Dilma...além de ser uma porcaria.




Márcio Mello (2) em 18/02 às 14h20


Não foi a primeira vez que os dois comentaristas criticaram, ao vivo, o próprio telejornal. Há semanas atrás, numa matéria sobre as propostas do novo governo paulista, eles também disseram que parecia propaganda governamental. Gosto do estilo do Jornal Cultura (com comentaristas analisando as notícias), e sou telespectador assíduo.




Marcelo Silvestre (663) em 18/02 às 13h21


O jornal é tão chapa branca que até o Demétrio Magnoli ficou incomodado.




Marcelo Gomes Freire (302) - GOIANIA/GOem 18/02 às 13h05


Quem fala o que quer vai acabar ouvindo o que não quer. Foi o que aconteceu com Paulo Beringhs (ex-TV Brasil Central) mantida pelo governo de Goiás, em Goiânia. Beringhs declarou que estava sendo censurado pelo então governador Alcides Rodrigues (PP). A declaração foi feita ao vivo, durante a transmissão do Jornal Brasil Central. "Estamos sendo censurados. Estamos sob intervenção",disse o jornalista.Beringhs se referia ao veto à entrevista com Marconi Perillo adversário político de Rodrigues.




Anne Schaim Sterblitz (807) em 18/02 às 12h48


Claro, a TV cultura é imparcial como a Fôia, UOL, Veja, Rede Globo...claro....




fabricio camargo (488) em 18/02 às 12h21


pô,o cara levou 4 anos não sei que la,mais tantos dias para perceber que a agencia que ele trabalhou era para agradar o governo??que hipocrita,saisse no primeiro dia.agora posa de bom moço!






Leonardo Ucha (53) - PORTO ALEGRE/RSem 18/02 às 12h03


A estrutura do referido jornalístico é excelente, e a liberdade que os "comentaristas" tem para falar me parece ampla. Detalhe que os comentaristas sempre tem profissão (filósofo, geógrafo, economista, escritor, etc, e de todas as posições políticas), diferente do que acontece com os comentaristas da Globo News. Sempre tratam com seriedade sobre os assuntos levantados pelos jornalistas, buscando embasamento, deixando de falar como se emitissem opiniões no nível de senso comum.




Augusto José Prates (35) em 18/02 às 11h44


Esse Demétrio. Não tem jeito mesmo. O cara não perde a chance de fazer campanha política contra o PT, mesmo fora de época. A jornalista Maria Cristina Poli é ótima, mas a TV Cultura tá na lona. O que fizeram com o Roda Viva é o maior exemplo de parcialidade jornalística. Colocar Augusto Nunes num programa de televisão é para nausear sonrisal.




Vagner Silva (57) - MOGI DAS CRUZES/SPem 18/02 às 11h20


Por menos a Jornalista Salete Lemos foi demitida da TV cultura porque expressou sua opinião contraria ao Governo na bancada do jornal da cultura.




antonio francisco (66) em 18/02 às 11h14


Mais uma posição preconceituosa dessa folha.a TV Brasil nunca foi chapa branca,embora não seja sensacionalista como tem sido as demais.Demetrio Magnoli é da direita.Não precisa ser muito inteligente para ver basta observar suas posições assumidas publicamente.Sempre em comum acordo com o DEMO e Os tucanos.




Hector Rafael Santos (1) em 18/02 às 09h52


Antes de tudo a crítica foi direcionada ao governo, não ao Estado. Creio que as opiniões emitidas ao vivo no telejornal foram pertinentes e cabíveis ao contexto.




Caetano Coelho de pinho (93) em 18/02 às 09h38


Isso se chama jornalismo verdade, o gov sempre usou seus meio de comunicação para divulgar projeto nem tudo tudo que projetado é colocado em pratica ou quando se coloca vem pela metade, por ex os ames especialidade que o Serra tanto falava, em todo estado de SP só tem 16 ora para o tamanho do estado e seu milhoes de habitantantes não passa de ser uma propaganda de projetos.




Fellipe Weno (91) em 18/02 às 09h36


I like that...




pedro rocha (58) em 18/02 às 09h26


Parabéns a todos do Jornal da TV Cultura, pela imparcialidade, e pelo punho forte. Pelo poder que exerce sobre as pessoas comuns, a mídia deveria servir de quarto poder, fiscalizando e apontando irregularidades dos poderes executivo, legislativo e judiciário. Não ficar fazendo propaganda pessoal de quem quer que seja. Ainda mais de algo que nem sequer foi feito ainda. Abraço a todos, pra frente BRASIL.




fabio silva (60) em 18/02 às 09h25


E TOTAL LIBERDADE ENTES ASPAS NE ,PQ ONTEM EU VI O JORNAL E OS DOIS NAO ESTAVAM LA ERAM OUTROS


Hugo Souza (644) em 18/02 às 09h26


HÁ UM REVEZAMENTO DE COMENTARISTAS, CADA DIA SÃO DOIS DIFERENTES, MAS NA SEMANA SEGUINTE ESÃO DE VOLTA, ISSO SE NÃO HOUVER ALGUMA RETALIAÇÃO!!




Hugo Souza (644) em 18/02 às 09h22


FELIZMENTE, EU SOU UM TELESPECTADOR ASSIDUO DESTE JORNAL QUE CONSIDERO O MELHOR DA TV ABERTA. NÃO TEM RABO PRESO COM PODER PUBLICO, SEUS COMENTARISTAS (SEMPRE DOIS)GERALMENTE TEM IDEOLOGIAS DIFERENTES MAS SEMPRE TEM OPINIÔES INTELIGENTES E REALISTAS, PRINCIPALMENTE EM RELAÇÃO A POLITICA E COTIDIANO E ASSISTO TODOS OS DIAS.


É MUITO MELHOR QUE ASSISTIR O JN OU A NOVELA DAS NOVE!!!!!


ASSISTAM O JORNAL DA CULTURA DAS 21 AS 22 HS.




Marcio Chagas (197) em 18/02 às 09h16


'Total liberdade na cultura"? KAKAKAKA. Heródoto Barbeiro e outros do Roda Viva dançaram porque mesmo??


Edson Fernando de Jesus Barbosa (47) em 18/02 às 14h24


Jornalista imparcial que trabalhe na TV Cultura é sinônimo de futuro desempregado.


E tem gente que acredita na inocência do Governo.


Gustavo de Souza Pereira (207) - CURITIBA/PRem 18/02 às 11h46


Sei lá, porque a audiência estava baixa? Responde aí, você sabe? Também queremos saber.

Mais um profundo ensinamento do Pe. Marcelo Rossi

sábado, 19 de fevereiro de 2011

Plateia do Oficina G3 vaia nome de deputado estadual evangélico

Pra vocês verem o quanto o público fã de rock autêntico é um público diferenciado, com mais sabedoria e consciência. Mesmo dentro do chamado mercado gospel. Ontem o grupo Oficina G3 fez uma apresentação ao vivo num evento no River Futebol Clube (bairro Piedade, cidade do Rio de Janeiro) com outras bandas de rock evangélicas. O Oficina era o último grupo a se apresentar.

Bem antes da apresentação do Oficina, o diácono evangélico que apresentava as bandas fez aquela indefectível sessão de agradecimentos, com citação dos patrocinadores e tudo mais. No meio, enfiou o nome do deputado estadual Marcos Soares (PDT-RJ), mais um desses deputados dito "evangélicos" que se elegem com o apoio da máquina eclesiástica oficial. No caso, da Igreja Internacional da Graça de Deus, liderada pelo missionário RR Soares. Não por acaso, pai do deputado. O PDT já foi um partido mais sério.

Pra quê o diácono fez isso? Pra levar uma sonora vaia do público do Oficina G3. Ele e o deputado queridinho de RR Soares. O diácono paspalhão ainda tentou emendar, dizendo coisas tipo "Isso é guerra. Mandamos um pra frente (de batalha). Se ele cai, mandamos dez no lugar. O próximo pode ser você".

Não, obrigado. O público do Oficina G3 (seja o evangélico ou o não evangélico) tem consciência, senhor diácono. Cada um tem a sua fé, e ter fé é algo legítimo e um direito inalienável. No entanto, esse mesmo público não aceita virar joguete de picaretagem gospel. Alguém pode até entrar pra política partidária, se eleger e fazer um bom trabalho, mas não se elegerá à custas de conchavos e currais eleitorais gospel.

A própria banda nunca foi de ficar só no discurso de "Senhor, Senhor". A banda também é consciente. Como mostram estas duas músicas, uma antiga, outra recente, sendo que Ver Acontecer foi tocada ontem no clube River.



Ver Acontecer

Oficina G3
Composição: Oficina G3

Você já viu
Os dentes brancos dos comerciais?
Falsos sorrisos, slogans, nada mais
O resultado que se esconde
Do útimo carnaval?
E o programa contra a fome
Da nossa capital?

Quando vamos começar a ver
Tudo o que não vemos na TV
Os homens do poder
Assumindo que não conseguem resolver?
Será que um dia vamos assumir
Que sem Deus não vamos conseguir?
Depende de mim e de você, depende de nós

Como filhos,

Temos muito pra entender
Temos onde aprender
Nós queremos...

Ver, ver o que temos que aprender
O que Deus quer
Ver, ver, ver acontecer
Uma mudança em nós

Você já viu
Onde escondem a vitória
Da guerra atual, que nos vendem nos jornais?
O fim do preconceito, impresso em cartazes
E a vitória da justiça, a violência nacional?



Indiferença

Oficina G3
Composição: Oficina G3

Um farol nas esquinas da cidade
A infância na marginalidade sem família nas ruas a viver
Mãos estendidas esperando receber

Vidros fechados, gestos mudos do outro lado.

Troca de olhares, indiferença, rejeição
Mais um número, nesse mundo cão!

Vidros fechados, gestos mudos do outro lado
Vidros fechados, gestos mudos do outro lado

Os vícios, o crack, constantes ilusões,
de vidas banidas em meio as multidões.
A lei do mais forte, é o que rola pra viver
Brincando com a morte sem ter nada a perder.

Vidros fechados, gestos mudos do outro lado.

Abra o vidro do seu coração, o amor gera atitudes
Comece a agir, chega de falar, só com palavras não se pode mudar

Globo e Record respondem a nota da presidência da CNBB

CNBB
A Globosta e a Recópia tentando justificar o injustificável.

Fonte: comentários no blog de Luis Nassif.

A polêmica entre a CNBB, Globo e Record

Ontem (dia 17) a CNBB emitiu nota afirmando que a transmissão de reality shows na TV é um " atentado a dignidade humana "


Em resposta à declaração da CNBB, a TV Globo, que exibe, além de Big Brother Brasil, o reality Hipertensão, divulgou nota, na qual afirma que " é uma emissora laica, com uma visão de cultura e mesmo de comportamento social e moral que não segue preceitos religiosos"


A nota, assinada pela Central Globo de Comunicação, observa que a emissora tem "tradição de estar, no campo institucional, ao lado da maioria das causas da CNBB" e concorda com os bispos a respeito do papel dos pais: "Cabe aos pais selecionar o que seus filhos devem assistir - como tudo que pode influenciar na formação dos jovens".


O texto da Globo também destaca a liberdade de escolha do telespectador: "É o mesmo cidadão-eleitor que, a cada momento, tem plena liberdade de decidir o que é melhor para si e sua família."


A Record também se manifestou por meio de nota, assinada pela Rede Record de Comunicação. Segundo o texto, a declaração dos bispos não faz referência a nenhum dos cinco programas na linha reality transmitidos pela emissora: "A Fazenda convida os participantes a atividades relacionadas ao campo e à natureza, promove a vida no campo, Ídolos procura novos intérpretes, Aprendiz oferece oportunidades de trabalho, Troca de Família relata experiências de convivência de estilos de vida diferentes e Extreme Make Over Social acompanha a construção de creches."


Segundo a Record, "todos são programas que respeitam os participantes e os telespectadores."


Leia nota da Rede Globo:


A Rede Globo é uma emissora laica, com uma visão de cultura e mesmo de comportamento social e moral que não segue preceitos religiosos. Temos tradição de estar, no campo institucional, ao lado da maioria das causas da CNBB. No que nos refere, somos gratos pelo reconhecimento do papel positivo que a televisão aberta e privada desempenha no Brasil e concordamos que cabe aos pais selecionar o que seus filhos devem assistir - como tudo que pode influenciar na formação dos jovens.


O telespectador é o mesmo cidadão-eleitor que, a cada momento, tem plena liberdade de decidir o que é melhor para si e sua família.


Leia nota da Rede Record:


A Rede Record considera que a nota da CNBB não faz referência a nenhum dos programas do tipo reality shows produzidos em nossa emissora.


O programa A Fazenda convida os participantes a atividades relacionadas ao Campo e à natureza, promove a vida no Campo, Ídolos procura novos intérpretes, Aprendiz oferece oportunidades de trabalho, Troca de Família relata experiências de convivência de estilos de vida diferentes e Extreme Make Over Social acompanha a construção de creches. Todos são programas que respeitam os participantes e os telespectadores, inclusive, alguns deles, tem classificação indicativa que permite a exibição em qualquer horário do dia.

Nota oficial divulgada pela CNBB

sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011

A incultura popular que denigre e cria estereótipos do próprio povo

Respostas para postagem anterior:

Já entendi qual é a sua, Bruno Melo. Primeiro, você veio aqui fazer comentários em defesa da incultura popular, e isso num tópico com um assunto nada a ver: um tópico em que eu lembrava o passado dos parlamentares do PT, passado que eles mesmos deixaram para trás. E ainda esculhamba o blog, esculhamba a mim e esculhamba o Alexandre Figueiredo, que nem é responsável pelo blog, não escreve nele e tem posições antagônicas a algumas das minhas posições. Achei o texto tão interessante que resolvi publica-lo em postagem à parte, bem no espírito do blog (o Brasil é mesmo um País de Tolos), já que bobagens e tolices nem são dignas de resposta. São dignas de exposição e execração pública.

Não satisfeito, você colocou na mesma postagem mais comentários, que só confirmaram sua defesa da incultura popular. Por sinal, você mesmo disse que tentou defender essa incultura lá nos blogs do Alexandre, pródigos em combater a incultura popular, posição esta que compartilho inteiramente.

Malandragem sadia? Não existe malandragem sadia. É a malandragem sadia uma das coisas que afundam este País de Tolos há séculos. Um monte de gente chegou ao poder na base de muita conversa mole, ou seja, de muita "malandragem sadia", sem usar armas, mas enganando a população para conseguir seus votos. Os malandros que governaram e os que governam o país continuam levando vários problemas adiante, e ainda criam outros.

Mulata faceira? Isso é um eufemismo muito usado pelos que veem algumas das maravilhosas mulheres brasileiras como meras mulheres-objeto, a satisfazer as fantasias de muitos machões abestalhados. Será que é essa a sua visão das mulheres?

Humorismo popular? Você está falando desse humorismo que explora vários estereótipos da sociedade humana? Esse humorismo que gera coisas adjetas como o Zorra Total e o Casseta & Planeta? Ou fala de parcelas do humorismo popular que exploram os mesmos estereótipos?

"Mulheres que buscam a ascenção através de um trabalho polêmico mas que muitas vezes é a única opção na vida delas"? Tou sentindo aqui uma defesa das mulheres-fruta, das mulheres que só dançam mas são tidas como "cantoras" (coisa comum no axé, no forró eletrônico, no acocha, nas aparelhagens, etc) e das mulheres do fânqui. Todas são formas de incultura que só dão a chance de a mulher ascender (???) se for como mulher-objeto.

Eu converso com gente de todas as matizes, desde progressistas a reacionários. Dialoguei com alguns reacionários ano passado mesmo. E olha que nem todos eram contra o Governo. Houve até um lulo-dilmista que é saudoso do Golpe de 1964, do qual ele participou pessoalmente, aos 19 anos, como organizador de protestos de estudantes conservadores, já que ele era universitário na época. O cara até me deu um livro de autoria dele. De modo que, mesmo me afastando daqueles reacionários, aprendi a reconhecer um reacionário de longe. Basta ver o que faz, o que escreve e o que fala.

Talvez você seja um reacionário e nem saiba. Ou sabe mas não admite. Aliás, eu lembro de ter visto alguém muito parecido com você (se não for você mesmo) na comunidade do Geraldo Alckmin (PSDB? DEM? Hummm...), em 2006.

Seu texto foi uma bronca para mim e este blog. Está longe de ser uma autocrítica.

Já imagino as respostas que o Alexandre dará a você. Não só aqui, mas também nos blogs dele. O amigo Leonardo Ivo foi mais rápido: já respondeu, aqui no blog.

Leonardo Ivo comentou em postagem anterior:

Marcelo,

Como esse rapaz é volúvel. Há um ano atrás ele elogiava o Alexandre Figueiredo e o que ele escrevia, e ainda compactuava com tudo o que o último dizia. Agora além de mudar de lado, agora ataca os outros? E olha que cheguei a escrever um texto em meu blog elogiando os textos que este rapaz publicava juntamente com o seu blog, o do Marcelo Pereira e de seu irmão, Alexandre. O que fez este rapáz mudar deste jeito? Que decepção!

E tome bronca no blog!

Fonte: comentários para postagem anterior.

Bruno Melo disse...


Você deve se achar superior aos "tolos" que compõem a identidade cultural deste país, não é mesmo? Pois te asseguro que não irá muito longe com esse linguajar chulo típico de um garoto de cinco anos.


Grande mudança essa a que estamos assistindo. O povo está trocando o Faustão pelo Rodrigo Faro, o Silvio Santos pelo Pânico na TV e os humorísticos populares pelo besteirol da MTV. Se isso é motivo de comemoração, então algo está muito errado.


Sei que seu blog, por ser provocador, não só publicará minha mensagem como dedicará um tópico a ela, certamente redigido com a habitual prepotência do seu autor. Ao menos você não é arrogante como o seu coleguinha comunista, Alexandre Figueiredo, que exclui todos os comentários discordantes.


A resistência e a reação virão à tona mais rápido do que vocês imaginam, e nossa gente sofrida busca a esperança através da própria arte saída das camadas mais humildes. Viva a malandragem sadia, viva o samba, viva a mulata faceira e todos os elementos que constituem a nossa formação cultural.


A casa vai cair em breve, seu intelectual de araque. Abra os olhos.


17 de fevereiro de 2011 21:50

Desabafo do internauta Fred Perenyi sobre a vinda da Kiss FM para o Rio de Janeiro

Sinceramente... Eu duvido que a Kiss venha mesmo, principalmente para o Rio. Essa cidade virou a Capital do Funk e pagode!!


PQP, onde eu passo e onde eu esteja, eu escuto aquele maldito chiado do funk, pois pra mim isso é um barulho e não musica.


Sendo assim, nenhuma rádio terá coragem de se arriscar para daqui ha algum tempo dar espaço a rádios ridículas como temos atualmente no dial.


Temos o exemplo de quando a Flu voltou, da Radio Cidade, que mesmo sendo comercial não aguentou, e por fim a espetacular Venenosa, que nem pelo rádio tive o prazer de ouvir, apenas pela net.


Bom amigos, não quero ficar agourando, mas estou sendo bem realista, estamos numa das piores fases desse mundo. Estes jovens principalmente tem como espelho o Funk, pagode e outros e assim a personalidade deles foram pro saco, pois essa parada aí que é a modinha desse maldito século.


Me sinto envergonhado, porém orgulhoso de ser diferente e de sentir nojo desses estilinhos ridículos e medíocres de funkeiros, pagodeiros e etc, com cabelinhos moicanos, pintados de loiro e outras bizarrices que vemos nas ruas, nos ônibus, no metrô e, além disso, a tecnologia que chegou para piorar a situação em determinadas situações, como esses celulares com auto falantes que tocam mp3 que nos obrigam a escutar essas merdas em ônibus, metrôs e tal.


Desculpem o desabafo, mais tá insuportável conviver com isso!!


Um abraço a todos!

Autor: Fred Perenyi. Texto escrito para a comunidade Kiss FM - Rio de Janeiro, publicado também no blog Kiss FM 91,9 Rio de Janeiro.

quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

Bispos divulgam nota sobre ética e programas de TV. Sobrou para os "riéliti xôus"

CNBB
Fonte: CNBB.

CNBB divulga nota sobre ética e programas de TV
Qua, 16 de Fevereiro de 2011 18:26


O Conselho Episcopal Pastoral da CNBB (Consep) divulgou uma nota no final da tarde desta quarta-feira, 16, manifestando-se sobre o “baixo nível moral que se verifica em alguns programas das emissoras de televisão”. Os bispos citam especialmente os reality shows “que têm o lucro como seu principal objetivo”.


Após destacar a importância da TV para a sociedade brasileira, reconhecida pelo prêmio Clara de Assis de Televisão dado pela CNBB anualmente, os bispos lamentam que “serviços prestados com apurada qualidade técnica e inegável valor cultural e moral” sejam “ofuscados” por programas como os reality show.


Para os bispos, os reality shows “atentam contra a dignidade da pessoa humana, tanto de seus participantes, fascinados por um prêmio em dinheiro ou por fugaz celebridade, quanto do público receptor que é a família brasileira”.


A nota se dirige tanto às TVs quanto ao Ministério Público, aos pais, mães, educadores, anunciantes e publicitários, conclamando cada um desses atores a refletir sobre sua responsabilidade em relação à qualidade dos programas na televisão.

A íntegra da nota

Fonte: CNBB.

CONFERÊNCIA NACIONAL DOS BISPOS DO BRASIL
Conselho Episcopal de Pastoral – 25ª Reunião
Brasília – DF, 15 a 17 de fevereiro de 2011


P – Nº 0131/11


NOTA DA CNBB SOBRE ÉTICA E PROGRAMAS DE TV


Têm chegado à CNBB diversos pedidos de uma manifestação a respeito do baixo nível moral que se verifica em alguns programas das emissoras de televisão, particularmente naqueles denominados Reality Shows, que têm o lucro como seu principal objetivo.


Nós, bispos do Conselho Episcopal Pastoral (CONSEP), reunidos em Brasília, de 15 a 17 de fevereiro de 2011, compreendendo a gravidade do problema e em atenção a esses pedidos, acolhendo o clamor de pessoas, famílias e organizações, vimos nos manifestar a respeito.


Destacamos primeiramente o papel desempenhado pela TV em nosso País e os importantes serviços por ela prestados à Sociedade. Nesse sentido, muitos programas têm sido objeto de reconhecimento explícito por parte da Igreja com a concessão do Prêmio Clara de Assis para a Televisão, atribuído anualmente.


Lamentamos, entretanto, que esses serviços, prestados com apurada qualidade técnica e inegável valor cultural e moral, sejam ofuscados por alguns programas, entre os quais os chamados reality shows, que atentam contra a dignidade de pessoa humana, tanto de seus participantes, fascinados por um prêmio em dinheiro ou por fugaz celebridade, quanto do público receptor que é a família brasileira.


Cônscios de nossa missão e responsabilidade evangelizadoras, exortamos a todos no sentido de se buscar um esforço comum pela superação desse mal na sociedade, sempre no respeito à legítima liberdade de expressão, que não assegura a ninguém o direito de agressão impune aos valores morais que sustentam a Sociedade.


Dirigimo-nos, antes de tudo, às emissoras de televisão, sugerindo-lhes uma reflexão mais profunda sobre seu papel e seus limites, na vida social, tendo por parâmetro o sentido da concessão que lhes é dada pelo Estado.


Ao Ministério Público pedimos uma atenção mais acurada no acompanhamento e adequadas providências em relação à programação televisiva, identificando os evidentes malefícios que ela traz em desrespeito aos princípios basilares da Constituição Federal (Art. 1º, II e III).


Aos pais, mães e educadores, atentos a sua responsabilidade na formação moral dos filhos e alunos, sugerimos que busquem através do diálogo formar neles o senso crítico indispensável e capaz de protegê-los contra essa exploração abusiva e imoral.


Por fim, dirigimo-nos também aos anunciantes e agentes publicitários, alertando-os sobre o significado da associação de suas marcas a esse processo de degradação dos valores da sociedade.


Rogamos a Deus, pela intercessão de Nossa Senhora Aparecida, luz e proteção a todos os profissionais e empresários da comunicação, para que, usando esses maravilhosos meios, possamos juntos construir uma sociedade mais justa e humana.


Brasília, 17 de fevereiro de 2011


Dom Geraldo Lyrio Rocha
Arcebispo de Mariana
Presidente da CNBB


Dom Luiz Soares Vieira
Arcebispo de Manaus
Vice-Presidente da CNBB


Dom Dimas Lara Barbosa
Bispo Auxiliar do Rio de Janeiro
Secretário Geral da CNBB

PiG muda de mão conforme o governo abordado

Resposta para Com Texto Livre - Alckmin foge do escândalo de corrupção das propinas da Alstom e Siemens:

Ontem tínhamos o império de Assis Chateaubriand versus o jornal Última Hora de Samuel Wainer. Hoje nós temos as redes Globo e Record.

Os dois PiGs (o governista e o golpista) continuam numa boa. No caso do governo paulista, o PiG governista (e abafador, no caso) tem a Rede Globo, a Folha, o Estadão e a Abril, e o PiG golpista tem a Rede Record, a Carta Capital e quem mais aparecer.

Para distinguir um PiG do outro em relação ao Governo Federal, basta inverter a mão de direção de um e de outro.

Definitivamente, não confio nos partidos políticos (NENHUM dos registrados) nem na imprensa que apóia ou combate uns ou outros conforme suas conveniências.

terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

Brasil terá o box de Star Wars em Blu-ray mais caro do mundo!

Fonte: Blog do Jotacê.

É isso mesmo, fomos contemplados novamente com o título de MAIS CARO DO MUNDO, desta vez com o box em Blu-ray da Saga Completa de Star Wars, futuro lançamento da Fox.

Confira abaixo os preços da edição em diversos paises. Para facilitar e não haver necessidade de converter os valores das moedas locais, TODOS os preços estão em DÓLAR, e baseados nos valores anunciados pelas Amazons ao redor do mundo (que, no final das contas, é quanto todos vão pagar pela coleção mesmo).

Nos Estados Unidos...

No Reino Unido...

Na Argentina...

Na Espanha...

No Japão...

E em nossa querida pátria amada Brasil

Pois é amigos colecionadores, em 2009 os Blu-rays nacionais de Wall-E e The Dark Knight foram considerados os mais caros do mundo (além disso, ambos foram lançados em edição SIMPLEX, enquanto lá fora saíram com 2 discos)! Agora em 2011, no lançamento mundial de Star Wars em alta definição, a maldição se repete.

Sobre a embalagem da saga, tudo indica que será algo padronizado no mundo inteiro. Mas mesmo assim, ainda sofreremos com a péssima qualidade das impressões e do material utilizado pela Microservice (replicadora da Fox no Brasil), principalmente nas mídias, que possuem impressão áspera e com definição muito ruim nas imagens. Provavelmente nossa impressão de Star Wars ficará desta forma (clique na imagem para ampliar):



Ou seja, mesmo pagando mais caro que o resto do mundo, não teremos a mesma qualidade do material “físico” que nossos amigos gringos. As chances são remotas, mas caso as embalagens não sejam as mesmas no mundo inteiro, possivelmente receberemos a PIOR EMBALAGEM DO MUNDO, como já é de costume.

Ao comparar os preços mundiais desta edição, a primeira coisa que vem a cabeça é… POR QUÊ? Já temos replicação nacional de BDs, aumento nas vendas, Blu-ray de banca a R$ 29,90, players com preços acessíveis, e ainda assim temos sempre os maiores preços, e na maioria das vezes com qualidade inferior em relação as edições internacionais. Isso é mesmo revoltante!

Financeiramente falando, a realidade do Brasil é BEM diferente dos outros paises, e ainda assim somos alvos da ganância das produtoras, algo que parece não ter fim.

O objetivo do post é mostrar que em um lançamento mundial e em edição (provavelmente) padronizada, nós brasileiros vamos pagar mais caro. Mesmo chegando por aqui uma super edição em Digipak, falar que o preço “está bom” é incentivar essa ganância. Só um surto/cuponagem pode nos salvar deste absurdo!

Neste caso, se confirmado áudio e legendas em PT-BR lá fora (principalmente Estados Unidos e Reino Unido pelo fator Amazon), fica a recomendação da edição importada. Maior qualidade do produto e mesmo com tributação, menor preço.

Sabemos que independente de preço e embalagem este box baterá recordes de vendas, boicote não adiantará. Isso requer mudança de mentalidade por parte das produtoras, algo bastante improvável. Desta forma, vamos valorizar nossa coleção, um item histórico como a saga Star Wars merece o MELHOR produto, mas por aqui, provavelmente teremos só o MAIOR preço.


Problemas revelam omissão do governo

Pelo visto o corte no Orçamento vai ser maior do que o anunciado, já que, por não ter certeza do apoio da base aliada para aprovar o mínimo de R$ 545, o governo já admite subir este valor para R$ 560. Diante deste cenário nada animador, Lula ainda afirma o seguinte: "O sucesso de Dilma é o meu sucesso". Sucesso onde? A Região Serrana do Rio veio abaixo, por omissão também de seu governo. Sem falar nos apagões recorrentes.

Autora: Mara Montezuma Assaf. Carta publicada ontem em O Dia.

segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

Primeira aposta do blog para as Eleições 2012

Claro que o prefeito paespalhão deve se reeleger no Rio de Janeiro. Os únicos capazes de derrota-lo são o bispo Crivella (PRB) e o deputado estadual Wagner Montes (PDT), também apresentador do Balanço Geral da TV Record. Qualquer um deles viria com o apoio da máquina midiático-eclesiástica do grupo Record-IURD. Por isso o PiG vai jogar tudo na reeleição do paespalhão. E deve ganhar.

domingo, 13 de fevereiro de 2011

Traficantes suspeitos de controlar ferros-velhos

O maior ferro-velho de verdade é esse Governo do Estado. A bandidagem está driblando o Governo direto.

Tem nada não. Até 2014 esses marginais terão que atravessar a fronteira estadual, pois vai ter UPP no estado inteiro. Aí eles terão que tocar o terror lá na terra do Aécio e na Tucanolândia, governada pelos tucanos desde os tempos de Franco Montoro.

Mas aí nenhum habitante do Estado do Rio de Janeiro ficará sabendo, porque a Rede Bobo protege o PSDB. Talvez os fluminenses saibam de alguma coisa da Tucanolândia só no lugar de sempre: o programa policial do Datena na Band.

Fonte: O Dia.

Bandidos de favelas com UPPs estariam à frente de estabelecimentos clandestinos


POR FRANCISCO EDSON ALVES


Rio - Acuados com a expansão das Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs) na capital, traficantes estão migrando para outros tipos de crimes, como o controle de ferros-velhos clandestinos. Investigações da Delegacia de Roubos e Furtos de Automóveis (DRFA) apontam que bandidos de morros ocupados pela Polícia Militar estariam assumindo o controle de pontos de vendas de peças de carros roubados na Baixada Fluminense e na Região Metropolitana.


Agentes da DRFA encontraram indícios da influência de pessoas ligadas ao tráfico na organização e venda de materiais, ao fecharem, quinta-feira, um grande depósito ilegal, às margens da Via Dutra, em Nova Iguaçu, na Baixada.


“Encontramos mais de 10 mil peças novas, escondidas sob lixo, folhas secas, plásticos e lonas. A forma com que estavam dispostas, demonstrando organização, com todo tipo de identificação retirado, nos faz crer que há novas cabeças nesse tipo de negócio. A maioria dos ferros-velhos tradicionais não tem a mínima estrutura organizacional”, descreve o titular da DRFA, Márcio Mendonça.


Nos fundos do terreno, localizado na altura do número 16.000 da Avenida Brasil, sentido Centro, havia até uma saída de emergência, usada para fugas. Há informações de que traficantes dos complexos da Penha e Alemão estariam à frente do negócio.


Segundo Mendonça, o espaço de 2 mil metros quadrados funcionava como uma espécie de distribuidor para outros ferros-velhos menores. No local, dois suspeitos foram presos, mas a polícia acredita que ambos não tenham importância no esquema. A quantidade de peças apreendidas — que lotaram mais de 10 caminhões — impressionou os policiais da especializada.


“Dava para montar carros de diversas marcas, como Hyundai Tucson, Idea, Voyage, Capvita, Sienna, Meriva, Fiat Tipo, entre outros”, comentou o agente Raimundo Carvalho Chirame. No local, havia centenas de portas, parachoques, painéis, vidros elétricos, amortecedores, pneus, hidrovácuos, retrovisores, suspensões e outros tipos de peças e acessórios, chamadas de “filés” pelos ladrões de carros, por serem consideradas caras. “Todas novas. Debaixo do lixo, encontramos ‘ouro’”, completou Chirame.

Recópia

sábado, 12 de fevereiro de 2011

Krep's Suisso da Keké

Quer comer um krep's suisso? Então procure esta barraca de crepes na Rua da Abolição, no Rio de Janeiro.

Se quiser comer crepe (suíço ou não), terá que procurar em outro lugar. Ou fazer em casa.

sexta-feira, 11 de fevereiro de 2011

Povo foi para a rua

para protestar e para exigir a mudança do regime de governo. E agora vai para a rua comemorar a queda do regime dominante. O povo não se vende por espelhinhos, por desktops, por laptops, por celulares 3G nem por TVs HD. Pelo contrário: usou os recursos da informática (como o Twitter) para derrubar o regime que passou muitos anos tentando enganar a população dizendo que está tudo bem e enriquecendo muitos malandros.

Obviamente, estou me referindo ao povo do Egito. Parabéns para ele.

Direita e esquerda trocam de posições: as moscas mudaram de lugar, mas a merda continua a mesma

Resposta para Mingau de Aço:

Só houve uma troca de posições, Alexandre. As moscas mudaram de lugar, mas a merda continua a mesma. No regime militar, a direita tinha o Governo e a esquerda tinha o mainstream cultural. Até Chico Buarque (aquele que disse que reprova ditaduras de direita mas aprova as de esquerda) tinha espaços generosos na mídia governista da época, Globo à frente. Hoje é a esquerda que está no Governo. Dilma Rousseff tem postura de autêntica esquerdista, com todos os méritos e deméritos (entre os deméritos, os flertes com a direita fisiológica) desta posição. A mesma sinceridade de Lula, que assumiu jamais ter sido esquerdista. Alijada do poder institucional, a direita fica onde sempre esteve: o comando da grande mídia, noves fora as exceções de sempre: Record-IURD, Carta Capital, etc, e tomou o poder no mainstream cultural, com essas figuras grotescas da Música de Cabresto Brasileira. Enquanto isso, Chico Buarque tem que se virar nos 30: vendendo livros no insipiente mercado editorial nacional e vendendo seus antigos CDs a preços promocionais com distribuição da (ironia das ironias) Editora Abril.

Marta repreende Sarney e leva resposta da velha raposa da base de todos os governos

Podem reparar. Feministas só chamam a Dilmona de presidenta. Os funcionários do Governo e das estatais (EBC incluída) também, por ordens da Dilmona.

Oposicionistas e independentes mandam todos se danarem e chamam dona Dilmona de presidente, mesmo. Sabemos que a norma culta da língua portuguesa permite as duas formas: presidenta para mulheres e presidente para os dois gêneros.

Marta poderia ter passado sem essa. Tentou repreender a velha raposa amapo-maranhense colega da bancada governista e levou um sabão. Que humilhação!

Fonte: Congresso em Foco.

08/02/2011 - 23h01


Marta repreende Sarney quanto a uso de ‘presidenta’


Fábio Góis


Alçada à condição de 1ª vice-presidente, ou melhor, 1ª vice-presidenta do Senado, a senadora petista Marta Suplicy (SP) voltou a dar sinais de rigidez no exercício do mandato. Durante a sessão deliberativa desta terça-feira (8), Marta reclamou do tratamento dado pelo presidente da Casa, José Sarney (PMDB-AP), à presidenta da República, Dilma Rousseff, no que se refere às preferências gramaticais da mandatária-mor.


Na presidência da sessão, Sarney já havia pronunciado várias vezes a combinação “presidente Dilma” – seja lá qual for a razão, a ex-ministra-chefe da Casa Civil no governo Lula prefere o termo “presidenta”. De acordo com as regras gramaticais, ambas as formas estão corretas.


Depois da enésima vez em que Sarney usou a palavra “presidente” – substantivo comum de dois gêneros –, Marta pediu a palavra e apregoou ao microfone. “Pela ordem, senhor presidente. Senhora presidenta da República”, interveio Marta, acentuando a terminação feminina. A senadora tem a prioridade de substituir Sarney na presidência do Senado, em determinadas situações previstas no regimento. Como a mera ausência do titular em sessões com quorum mínimo, por exemplo.


Calejado em sua quarta gestão à frente do Senado, Sarney demonstrou certo constrangimento com a reprimenda da colega de base governista. Mas, na condição de poliglota e membro da Academia Brasileira de Letras, lembrou que todos os dicionários do país e o próprio colegiado admitem as duas formas. E ainda recorreu à intimidade com outros idiomas para responder à intervenção de Marta. “Muito obrigado a vossa excelência. Mas eu sempre estou usando a fórmula francesa: madame le président”, reagiu o cacique peemedebista.


Última palavra


Na semana passada, Marta já havia demonstrado pulso firme na condução de sua primeira sessão plenária, uma das primeiras do ano. Ao ser convidada por Sarney para ocupar a principal cadeira da Mesa Diretora, a petista abreviou o discurso do ex-marido, Eduardo Suplicy (PT-SP), ao informá-lo que o tempo de fala havia terminado – na ocasião, já o havia lembrado das restrições de tempo por três vezes.


“Último minuto, senador, porque [o tempo] já foi prorrogado várias vezes. Agora, vamos para mais um minuto e encerramos”, proferiu Marta, em ordem obedecida pelo ex-cônjuge. Marta foi em frente. “Acabou o tempo. A palavra está com o senador Inácio Arruda [CE], pela liderança do PCdoB.” O costume, nas ocasiões em que não haja proposições pautadas para votação, é de flexibilização do tempo reservado aos senadores na tribuna.


joprado (09/02/2011 - 18h38)


essa baranga não tem mais o que dizer não? Quer assassinar o português e corrigir Sarney? para puxar o saco da governanta? Porqwue ela não aproveitou e cobrou do Sarney a reposição da moralidade? Ai a coragem acaba né perua!


Ademar (09/02/2011 - 14h04)


Essa Marta é mesmo muito arrogante, prepotente e pensa que tem o rei na barriga. Quando assume um cargo com alguma importancia então, nem Cristo aguenta essa louca. Já o seu ex, o Eduardo Suplicy é o campeão da chatisse. Só abre a boca para falar besteiras. É um verdadeiro inútil. Anda com uma alça de caixão no bolso e comparece ao enterro de todos os famosos, usando a alça solta para ajudar a carregar o caixão e aparecer para a imprensa. OS DOIS JUNTOS NÃO DÃO UM QUE PRESTE.


Jr (09/02/2011 - 11h01)


A Marta Suplicy perdeu um momento impar de ficar calada, além de demonstrar total ignorância da linguagem culta; tanto assim, que, acabou sendo catracada pelo Sarney. Em relação a rigidez com casou a palavra do Suplicy no Senado não é lá novidades, pois é notório de todos que quando casados e até hoje, quem manda nele é ela. A Marta Suplicy, com o perdão da palavra, deveria fazer o que ela mais gosta: "Relaxar e gosar!"



Se bem que o Congresso em Foco tem cada comentarista... Falam da ignorância da Marta em português e cometem ataques ao idioma que envergonhariam os grandes mestres da ABL.