Política, cultura e generalidades

quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

Dondocas progressistas terão que aguentar livros de direita nas livrarias

Resposta para Mente Conservadora:

Outro dia, um integrante do grupo dos ditos "blogueiros progressitas" (blogueiros de esquerda que apoiam o Governo Lula-Dilma e que eu carinhosamente chamo de dondocas progressistas) propôs um boicote à Livraria Cultura de São Paulo, por esta vender livros de direita. Com essa lei, o boicote das dondocas perderá totalmente a eficácia.

Se o projeto estivesse em vigor, talvez não fosse tão difícil encontrar nas livrarias o mais recente livro do jornalista Aristóteles Drummond, Um Conservador Integral. Livro que só li porque o próprio autor me enviou de presente. Aristóteles é filiado do PP, saudoso de 1964, se diz de direita, mas hoje em dia nem é tanto assim, pois que está na base de apoio do Governo Lula-Dilma.

Fonte: Agência Câmara.

29/12/2010 11:02


Projeto proíbe livrarias de selecionar livros que vendem


Diógenes Santos


Andrada diz que as livrarias não podem se orientar por preferências pessoais. Tramita na Câmara o Projeto de Lei 7913/10, que obriga livrarias e pontos de venda de livros a comercializar todas as obras enviadas a eles. Caso o comerciante se oponha a vender, deverá comunicar os motivos por escrito ao autor ou editor, que poderá apresentar recurso à Câmara Brasileira do Livro ou às câmaras estaduais.


A proposta pretende garantir a “livre circulação de livros no País". Na opinião do autor, deputado Bonifácio de Andrada (PSDB-MG), "livrarias não podem ficar submetidas ao jogo econômico e às preferências pessoais".


Segundo o deputado, é comum as grandes editoras e distribuidoras contarem com livrarias próprias. "Isso resulta na impossibilidade de autores de menor capacidade financeira colocarem à venda sua obras, que, em certo casos, representam importante contribuição à vida cultural do País", diz.


A proposta também define toda livraria como "núcleo cultural de importância social protegida pelo poder público". As livrarias, para o autor do projeto, "não são meras casas comerciais, mas locais de transmissão e circulação de ideias e produtos intelectuais de interesse da cultura nacional".


Tramitação


O projeto tramita em caráter conclusivoRito de tramitação pelo qual o projeto não precisa ser votado pelo Plenário, apenas pelas comissões designadas para analisá-lo. O projeto perderá esse caráter em duas situações: - se houver parecer divergente entre as comissões (rejeição por uma, aprovação por outra); - se, depois de aprovado ou rejeitado pelas comissões, houver recurso contra esse rito assinado por 51 deputados (10% do total). Nos dois casos, o projeto precisará ser votado pelo Plenário. e será analisado pelas comissões de Educação e Cultura; e de Constituição e Justiça e de Cidadania.


Íntegra da proposta: PL-7913/2010

Reportagem - Maria Neves
Edição - Daniella Cronemberger

Um comentário:

  1. Desculpem-me os leitores deste blog, mas não dá para aguentar mais tanta idiotice. É por isso que tem tanta coisa imbecilizadora em termos de literatura, música, teatro, etc. rolando por ai, por falta de seleção. Daqui um pouco vão legislar para obrigar as farmácias a venderem merda enlatada, porque existem pessoas acometidas de coprofagia. Obrigar as livrarias expor para venda obras idiotas, sem poder selecionar -- é de uma falta de bom-senso, para não dizer de extrema burrice.

    ResponderExcluir