Política, cultura e generalidades

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

Uma crítica à dupla transmissão AM+FM da Rádio Guaíba que você não verá nos blogs de esquerda

Muita gente boa da esquerda faz justas críticas há anos sobre a operação de dupla transmissão AM+FM que várias rádios de direita fazem desde os anos 90, como as rádios CBN e Bandeirantes (São Paulo), CBN, Globo e Tupi (Rio de Janeiro), Itatiaia (Belo Horizonte), Metrópole (Salvador) e Gaúcha (Porto Alegre). A estas se juntará em janeiro de 2011 a Eldorado de São Paulo.

No entanto, até agora os nobres amigos não fizeram NENHUMA referência à dupla transmissão feita há pouco tempo pela Rádio Guaíba de Porto Alegre, pertencente ao complexo Record-IURD do empresário e bispo Edir Macedo. A Rádio Guaíba transmitia em AM 720, mas sacrificou a rádio adulta Guaíba FM 101,3 e passou a repetir seu sinal no FM, jogando a Guaíba FM para o limbo da Internet.

Gente, eu não sei se vocês perceberam. Se perceberam ou não, saibam que sou realmente independente da esquerda e independente da direita, e este blog também é. Portanto, não só não tenho medinho de fazer críticas justas a emissoras do campo da direita, de linha neoliberal, do ramo golpista ou de qualquer tendência dessas que nós criticamos juntos, como também não tenho medinho de fazer críticas a emissoras governistas que façam o mesmo jogo sujo da dupla transmissão AM+FM feitos pelos grupos rivais, à custa da perda de diversidade no rádio (uma AM e uma FM distintas são melhores que duas rádios se repetindo mutuamente) e à revelia de sindicatos omissos diante das perdas de postos de trabalho. Sindicatos de radialistas e de jornalistas, tomados por pelegos de toda ordem. Ainda mais nos últimos anos.

Outro dia mesmo, vi uma dessas dondocas progressistas dizendo que criticava a Rede Globo e poupava a Rede Record porque o grupo Record não participou do Golpe de 1964, como as Organizações Globo. Ora bolas. Isso é um atestado de ignorância que a dondoca passou para si mesma e quis passar para os leitores.

As Organizações Globo participaram, sim, daquele golpe de 1964. Seria preciso uma mudança completa de procedimentos dos atuais dirigentes globais, para deixar o passado para trás e se credenciar a ser um grupo, digamos, ficha limpa. Mudanças do tipo entregar aos ouvintes-leitores-telespectadores vez e voz nas empresas do grupo.

No entanto, o grupo Record-IURD não participou do Golpe de 1964 apenas por uma questão cronológica. Edir Macedo só fundou a Igreja Universal do Reino de Deus em 9 de julho de 1977, e só comprou sua primeira empresa de comunicação (a Rádio Copacabana AM 680 do Rio de Janeiro) em meados dos anos 80, das mãos do também líder evangélico Francisco Silva (o atual dono da Melodia FM 97,5 do Rio de Janeiro). Nos anos 60 e 70, a TV Record e a Rádio Record AM 1000 (ambas de São Paulo) ainda pertenciam ao grupo Paulo Machado de Carvalho, o mesmo que já tinha a Rádio Panamericana de São Paulo (atual Jovem Pan AM 620) e hoje detêm também a Jovem Pan FM 99,7 de Santos (pertencente à rede da AM paulistana), a Jovem Pan AM 900 de São José do Rio Preto, a Jovem Pan AM 750 de Brasília (ex-Globo e ex-CBN), a rede Jovem Pan FM e a Classic Pan. O grupo Jovem Pan só vendeu a TV (onde Silvio Santos tinha se tornado sócio) e a Rádio Record para Edir Macedo em 1989.

Qualquer um desses grupos que fizer imbecilidades como dupla transmissão AM+FM e mesmo transmissões de programas "AM em FM" merece e merecerá críticas deste blog. Seja governista ou oposicionista. Seja simpático a PSDB, DEM, PT, PMDB ou qualquer partido aliado de algum destes. Aliás, todos esses grupos citados (da Globo à Record) praticam essas imbecilidades. E o grupo de comunicação que fizer asneiras não relacionadas ao rádio merecerá críticas no meu outro blog, Brasil, um País de Tolos.

Texto publicado originalmente no blog Preserve o Rádio AM.

Nenhum comentário:

Postar um comentário