Política, cultura e generalidades

quarta-feira, 8 de setembro de 2010

Fim de carreira para Monsenhor Abílio Ferreira da Nova

Tem que ser muito mané para cometer um sacrilégio desses logo agora no fim da carreira eclesiástica.



Fonte: RJ TV.

Religioso é preso no Tom Jobim ao tentar embarcar com 52 mil euros

Pároco vai responder por crime de evasão de divisas, diz
Polícia Federal. Ele foi preso em flagrante no domingo (5), mas já foi liberado.

Do RJTV

Um monsenhor – administrador dos bens da
Arquidiocese do Rio e pároco de Copacabana, na Zona Sul da cidade – foi preso em flagrante no domingo (5) por agentes da Polícia Federal (PF) no Aeroporto Internacional do Rio de Janeiro, na Ilha do Governador, quando tentava embarcar para Portugal com 52 mil euros (cerca de R$ 115 mil) não declarados.

De acordo com a PF, o religioso – que tentava viajar com 7 mil euros na bagagem de mão e 45 mil euros na mala – vai responder por crime de evasão de divisas. A Justiça do Rio mandou soltar o pároco ainda no domingo.

Por lei, um passageiro só pode embarcar para fora do país com no máximo R$ 10 mil que devem ser declarados à Receita Federal.

A PF informou que a prisão do religioso só foi possível graças a uma denúncia anônima. Ao ser flagrado com o dinheiro, o monsenhor informou, ainda segundo os policiais, que o dinheiro era “fruto de muitos anos de trabalho e que tudo seria doado a parentes próximos em Portugal”.

Em nota, o religioso reconheceu o erro de ter tentado viajar ao exterior sem declarar o dinheiro.

"Em razão das notícias veiculadas, esclareço que resolvi viajar de férias à minha cidade natal, em Portugal, onde tinha intenção de descansar, cuidar de minha saúde, visitar meus parentes e celebrar um casamento e um batizado. Levava comigo parte de minhas economias pessoais, adquiridas ao longo de anos, cuja procedência é declarada", afirmou o pároco.

"Minha intenção era ajudar meus parentes pobres e a Paróquia onde fui batizado. Reconheço e lamento o erro de não ter informado, previamente, que estava de posse de minhas economias durante a viagem", concluiu em comunicado enviado pela Arquidiocese do Rio.

No cargo de administrador de bens da Arquidiocese, o pároco preso no domingo sucedeu um padre afastado em 2009, após denúncias de excesso de gastos, incluindo a compra de um apartamento de mais de R$ 2 milhões para uso do então arcebispo,
Dom Eusébio Scheid.

A assessoria da Arquidiocese informou ainda que o religioso já havia apresentado sua renúncia ao cargo de ecônomo da Arquidiocese em maio deste ano, alegando motivos de saúde e idade avançada. Sua substituição do cargo de ecônomo, ainda segundo a assessoria, será concluída no início de outubro.

Um comentário:

  1. OLÁ MARCELO.

    REALMENTE TÁ TUDO DOMINADO.

    ABS DO BETO

    ResponderExcluir