Política, cultura e generalidades

sábado, 31 de julho de 2010

Se a Dilma chegar lá...



A criatividade dos gaiatos não tem limites.

Cria Serra Esperança


F1: Se não fosse a Globo...

Amanhã, haverá mais uma corrida de Fórmula 1. Há décadas a Globo transmite essa joça. Mas pelo menos no passado havia alguma graça, porque a F1 contava com pilotos talentosos e/ou carismáticos como Niki Lauda, Alain Prost, Nigel Mansell, além dos brasileiros Emerson Fittipaldi, Nelson Piquet e o saudoso Ayrton Senna.

Hoje restam um monte de pilotos muquiranas, além de um Schumacher francamente decadente. Fora os resultados armados, como o de domingo passado. Não que não houvesse armação nos tempos gloriosos (Senna foi vítima de algumas dessas armações), mas hoje a coisa está pior e mais explícita. Os pilotos e cartolas da F1 nem se preocupam mais em esconder. Fazem explicitamente, e fica tudo por isso mesmo.

Se não fosse a Globo, a F1 já teria caído no ostracismo aqui na terra brasilis.

A F1 merece sair da principal vitrine do PiG. Já que a Record anda tomando um monte de eventos transmitidos pela Globo, que tal levar a F1? Pelo menos a F1 perderá a audiência da legião de brasileiros que desconhecem o poder do controle remoto e permanecem o dia inteiro na Globo. Será uma queda e tanto.

Políticos, tirem as patas da TV por assinatura!

Encontrei hoje no Blog do Daniel Castro a seguinte nota sobre as TVs por assinatura:

Segundo o levantamento (do Ibope), a posse de TV por assinatura cresceu 40% entre 2009 e 2010, o país deverá fechar o ano com 9 milhões de domicílios com TV paga, atingindo 30 milhões de telespectadores. O crescimento está sendo impulsionado pela classe C. A posse do serviço na classe C aumentou 33% de 2009 para 2010.

Eu mesmo nem estou mais assistindo os canais locais de TV aberta. Ultimamente, só tenho visto o RJ TV. No resto do tempo em que vejo TV, só canais via satélite que não têm canais locais no Rio (isso há algumas semanas) ou canais fornecidos por uma empresa de TV a cabo (isso desde abril).

Não é à toa que uns gaiatos enfiaram no futuro novo marco regulatório das TVA (TVs por Assinatura) a inclusão do horário eleitoral. Vão pro quinto dos infernos, seus infelizes. Agora que o povão está fugindo da baixaria da TV aberta, vocês querem cortar o nosso barato? Só a burguesia tem direito de escapar das suas lorotas?

Tenho um amigo estudante de jornalismo que jura que esse artigo não passa. A conferir.

sexta-feira, 30 de julho de 2010

Serra: 'Quem está na direita é a turma do PT'


Momento para gargalhadas, por que este blog também se destina a coisas engraçadas e insólitas. E a vida é difícil demais pra ficarmos de cara amarrada o dia todo.

Tomara que José Serra seja tão divertido no Otário Eleitoral Gratuito como foi nessa sabatina.

Os amigos leitores da esquerda, da direita, de cima e de baixo (como diria a Plebe Rude) fiquem à vontade para comentar.

Fonte: O Globo.

Flávio Freire

SÃO PAULO - Numa semana em que recebeu criticas de petistas de que representaria a direita radical no país, o candidato à Presidência pelo
PSDB, José Serra, atacou nesta quinta-feira à tarde, em sabatina promovida pelo portal R7 e Record News, seus opositores do PT, dizendo que eles é que ocupam o espaço da direita na política brasileira. Segundo Serra, quem está na direita é a "turma do PT" que apoia, por exemplo, o presidente iraniano Mahamoud Ahmadinejad.

- Acho troglodita de direita quem apoia o Ahmadinejad, que é um governo que apedreja mulheres, que prende jornalistas, que enforca opositores - disse Serra.

- Eles (petistas) é que estão com o
Collor. E o Collor é de esquerda? - perguntou Serra.

Segundo o tucano, os que dizem que ele é de direita, não olham seu passado.

- Quem olha minha vida vê que eu sempre fui ligado aos direitos humanos. E falar em esquerda, é falar em direitos humanos, em políticas populares e não fazer o jogo de grupos econômicos - disse Serra.

Nesta quarta-feira, o assessor especial de Lula e um dos coordenadores da campanha de Dilma Rousseff,
Marco Aurélio Garcia disse que ao defender propostas da direita (quando o tucano criticou o MST e as Farc), Serra teria "um fim melancólico" .

- O Marco Aurélio Garcia nunca foi de esquerda - disse Serra, ao comentar as críticas do coordenador da campanha petista.

quinta-feira, 29 de julho de 2010

FM O Dia: O grande negócio cancelado



A grande verdade foi a seguinte: a dona Gigi e os bispos iniciaram negociações sim, senhor, tendo como objeto a FM O Dia. Só que o negócio melou, porque os bispos queriam tomar posse da rádio em setembro, e dona Gigi só queria entrega-la em janeiro. Entonces, nada de negócio.

Portanto, minha gente, nada do que foi dito pelo Ernesto (Dial AM e FM do Rio de Janeiro), pelo Alexandre Romero (Brasil Rádio News) e pelo Michel (Rádio de Verdade) foi atitude para derrubar a FM O Dia ou seu faturamento, como alguns cretinos insinuaram. Os amigos apenas divulgaram fatos reais: dona Gigi e os bispos já tinham combinado fechar negócio. Mas na hora da verdade (assinar a papelada), houve o impasse e a desistência. Abraços para os três amigos que nos mantiveram informados sobre as negociações e sobre o cancelamento.

Nesse feirão de drogas do dial carioca, nenhuma rádio é inegociável. Por mais audiência, faturamento e prestígio que tenha. Os amigos radialistas que pensam estar estabilizados em seus empregos podem comemorar hoje conosco, mas não se iludam. Não existe estabilidade nem para rádios nem para radialistas.

Espero que este assunto só tenha desdobramentos agradáveis daqui pra frente.

Texto escrito originalmente para a comunidade Dial AM e FM do Rio de Janeiro.

quarta-feira, 28 de julho de 2010

Cabral Filho elogia José Serra


Não adianta nada os fluminenses e cariocas insatisfeitos com os governos Lula, Cabral Filho e Eduardo Paes votarem em José Serra em protesto contra os três. Porque Cabral acaba de elogiar o presidenciável tucano.

Na hipótese impossível de Serra vencer, os três governos (federal, estadual e municipal) continuarão unidos, em sintonia, juntos e misturados. Contra a população.

Fonte: O Globo.

Cabral volta a defender trem-bala e privatização dos aeroportos do Rio

Publicada em 27/07/2010 às 21h10m
Cassio Bruno

RIO - Em encontro com intelectuais na segunda-feira à noite num restaurante de Ipanema, Zona Sul do Rio, o governador Sérgio Cabral, candidato à reeleição pelo
PMDB, voltou a dizer que é a favor da privatização dos aeroportos do Galeão e Santos Dumont e da construção do Trem de Alta Velocidade (TAV). Cabral afirmou ainda não ter a pretensão de acabar com o tráfico de drogas. O peemedebista elogiou o candidato do PSDB à Presidência, José Serra, referindo-se ao tucano como um "grande amigo". Mas, à plateia, disse que não deixaria de "defender o meu peixe" para a aliada Dilma Rousseff, do PT.

- É uma problemática (a não privatização dos aeroportos). O aeroporto de Cabo Frio é privatizado e está sendo um sucesso. A rodoviária (Novo Rio) é melhor do que o Galeão - disparou Cabral. - O trem bala, que ligará o Rio a São Paulo, é fundamental. É algo moderno, ambientalmente correto - completou.

Quando o assunto foi segurança pública, o governador elogiou, novamente, as Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs), apesar de admitir que não acabará com o tráfico.

- Não temos a pretensão de achar que vamos acabar com o tráfico de drogas. Infelizmente, onde há demanda, há oferta. O que não vamos admitir é um controle territorial. É isso que não admitimos. Claro que vamos continuar combatendo o tráfico de drogas, mas a essência da UPP é exatamente acabar com o controle territorial, seja do tráfico, seja da milícia - disse ele.

O encontro foi mediado por André Urani, diretor-executivo do Instituto de Estudos do Trabalho e Sociedade (IETS). Acompanhado por secretários e pelo vice-governador
Luiz Fernando Pezão, Cabral, ex-filiado do PSDB, elogiou Serra:

- Serra é um grande quadro (para a Presidência). Não tenho nada contra ele. Sou um grande amigo dele, mas não abro mão de defender a Dilma (...) Eu poderia ficar muito quieto aqui, na minha, porque sei que tem muito eleitor do Serra aqui, mas eu não vou deixar de defender o meu peixe.

Grupo Record-IURD comprou a rádio FM O Dia


A festa da FM O Dia pode estar com os dias contados. Diversas fontes confirmam a venda da FM O Dia para o grupo Record-IURD, ocorrida ontem. Nosso amigo Ernesto escreveu hoje na comunidade Dial AM e FM do Rio de Janeiro o texto mais informativo a respeito:

A rádio FM O Dia 100,5 foi adquirida pelo Grupo Record de Comunicação. A emissora será instalada em até 2 meses no complexo de mídia da Record no RJ, no bairro de Benfica. A FM O Dia continuará com sua programação normal, até a data de sua mudança para Benfica, assim que os estúdios ficarem prontos.

Segundo informações, o valor pago pelo Grupo Record foi de 53 milhões de reais.

A ideia é transformar a FM O Dia 100,5 na repetidora da
Record AM 990 do RJ
. No qual irá estrear sua programação em rede com SP em dezembro. Se tudo correr bem.

Festa na Beat 98 e luto para os profissionais da FM O Dia.

Mas outra ideia que poderá ser posta em prática é transferir o atual vitrolão secular da Record 990 para a Record FM 100,5, mesclando ou não com músicas e programas da atual FM O Dia.

A propósito: como fica aquele programa de fânqui da Furacão 2000? O sr. Rômulo Costa cobrará da Record o cumprimento do contrato de arrendamento de horários ou cobrará indenização por quebra de contrato?

Texto publicado originalmente no Tributo ao Rádio do Rio de Janeiro.

Para Plínio, Ficha Limpa só deve valer para os outros


Plínio Sampaio deixou claro em sabatina de agora há pouco na Record News que não concorda com a condenação que o ex-secretário municipal de Diadema Aldo Santos (hoje filiado do PSOL) sofreu na Justiça de São Paulo, por ter cedido um ônibus da Prefeitura para militantes sem-teto fazerem uma ocupação. Plínio disse que Aldo fez algo que é um orgulho para o PSOL. E que a tentativa do TRE paulista de impugnar a candidatura do sujeito ao cargo de vice-governador por conta da condenação na Justiça é uma "interpretação errada" da lei da Ficha Limpa.

Para Plínio Sampaio, a lei da Ficha Limpa só deve valer para quem não é filiado do PSOL.

P.S: Acabei de consultar o TSE. Além do próprio Aldo, outros três candidatos a vice-governador de Sâo Paulo também estão ameaçados de impugnação: Prof. Marcus Freitas (PP), Rogério Meneses (PV) e Wagner Farias (PCB). E também dois candidatos a governador: Igor Grabois (PCB) e Paulo Búfalo, colega de Aldo no PSOL.

P.S 2: Atendendo a pedidos, farei um esclarecimento aqui. Pelo que disse, Plínio Sampaio deixou claro que Aldo Santos não poderia ser criminalizado porque ao emprestar um ônibus da Prefeitura para sem-teto, ele ajudou um movimento social. É nesse sentido que ele disse que a condenação foi injusta. Ainda assim, a condenação permanece.

terça-feira, 27 de julho de 2010

Fiuk fora da Malhação

A decadente TV comercial aberta brasileira melhorará um pouco. Mas a faxina teria que ser muito maior.

Fonte: Revista da TV.

Fiuk se emociona na despedida de 'Malhação ID' e manda mensagem aos fãs pelo Twitter

Publicada em 27/07/2010 às 14h45m
Renata Leal

RIO - Ele esperava conseguir reunir seus fãs e ter tempo para se despedir das pessoas que formavam verdadeiros paredões humanos na porta do Projac durante as gravações de "Malhação ID". Esses eram os planos de
Fiuk, protagonista desta temporada da novela para adolescentes, cujos últimos capítulos serão gravados nesta terça, dia 27.

- Ontem eu coloquei Twitter que hoje era o último dia de gravação e que gostaria de me despedir. Mas tivemos que desmarcar. É muita correria - conta o ator e cantor, que poderá ser visto no ar na novelinha até o dia 20 de agosto.

Depois de testes, preparação e meses na pele de Bernardo, que como ele também é um jovem músico, Fiuk garante que vai sentir saudades.

- Eu tinha muita vontade de ser ator. Quando fui chamado para fazer o teste para "Malhação", queria muito passar. Está sendo difícil gravar nessas últimas semanas. Já chorei muito - confessa o ator, que relembrou o início da trama e se emocionou ao ver pela última vez o cenário que era o quarto de seu personagem.

Aos fãs que o esperavam na portaria do Projac, Fiuk agradeceu o carinho e, pelo Twitter, postou seguinte mensagem: "Hoje encerra uma grande etapa na minha vida. Coração na boca total. Obrigado pelo carinho de vocês, as críticas, os elogios, amor, etc... Aprendi muito com vocês, e continuo aprendendo".

Templo de Macedo vira chacota no NYT


Fonte: Genizah.

terça-feira, 27 de julho de 2010

Deu no New York Times: A réplica do Templo de Salomão fará de São Paulo a chacota gospel mundial!

Danilo Fernandes

Esta semana, enquanto judeus ao redor do mundo observam o dia de jejum de Tishá Be Av, comemorando a destruição do Primeiro e Segundo Templo judeu em Jerusalém antiga, uma mega igreja brasileira recebeu a permissão para construir uma réplica do Templo de Salomão (com capacidade para 10.000 pessoas) na cidade de São Paulo.

Foi com a introdução acima que um dos mais prestigiados jornais do mundo, o
New York Times deu a notícia do novo empreendimento megalomaníaco de Edir Macedo. Muito feliz e orgulhoso do seu projeto, o empresário da (s) fé (zes) estampou em seu orgão oficial, a Arca Universal, e com muito orgulho, a menção no The New York Times e também no The Guardian, este o mais conhecido dos periódicos ingleses.

O que eu não sei explicar é se o orgulho de aparecer nestes veículos tão importantes é maior do que a ignorância da turma da IURD (aqui desnudada na falta de proficiência da língua inglesa); ou se a cara de pau desta corja está tão lustrada que eles nem mesmo ligam de indicarem para seus leitores fieis estes dois artigos. Afinal de contas, os mesmos se demonstram assombro com a grandiosidade do projeto, não escondem o sarcasmo e uma clara ironia indicando o ridículo da empreitada.

Ademais, nos artigos, NYT e Guardian mencionam quase todas as porqueiras destes meliantes da IURD, incluindo: os escândalos financeiros da “empreja”, suas práticas medievais de exorcismo, a esquadrilha de aviões da igreja, a teologia da prosperidade, além de outras vergonhas que tão bem conhecemos.

Sorte do bispo Macedo que a maioria dos fieis da IURD, além de não compreender o inglês, também mal domina a própria lingua pátria, afora o QI abaixo da média e uma fé utilitária... Portanto devem achar tudo lindo e estão loucos para jogar na roleta da "arca" no futuro Macumbódromo, Resort & Cassino do Macedão.





No blog do Macedo:

Com bases nas orientações bíblicas, a
Igreja Universal do Reino de Deus construirá a réplica do Templo de Salomão, aqui no Brasil, na cidade de São Paulo (SP). Será uma mega igreja, com 126 metros de comprimento e 104 metros de largura, dimensões que superam as de um campo de futebol oficial e as do maior templo da Igreja Católica da cidade de São Paulo, a Catedral da Sé. São mais de 70 mil metros quadrados de área construída num quarteirão inteiro de 28 mil metros. A altura de 55 metros corresponde a de um prédio de 18 andares, quase duas vezes a altura da estátua do Cristo Redentor. Com previsão de entrega para daqui a 4 anos, a obra será um marco na história da Igreja Universal do Reino de Deus.

O complexo também contará com 36 Escolas Bíblicas com capacidade para comportar aproximadamente 1,3 mil crianças, estúdios de tevê e rádio, um auditório para 500 pessoas, além de um estacionamento para mais de mil carros.

De acordo com o arquiteto e autor do projeto, Rogério Silva de Araújo, o empreendimento é arrojado e emprega tecnologia de ponta, para que quando as pessoas entrem no local, viajem pelo tempo e sintam-se como se estivessem no primeiro templo construído por Salomão. “Começando pela fachada, passando pelo átrio e chegando internamente na nave, criamos uma visão de maneira a remeter as pessoas ao passado. Para tanto, estamos nos valendo de toda tecnologia de ponta associada ao bom senso na arquitetura de maneira a não criar este choque de épocas”, diz Araújo.

Ainda dentro da Igreja, uma arca representando a Arca da Aliança será colocada sobre o altar com o objetivo de proporcionar um efeito tridimensional, que, quando aberta, poderá ser observada totalmente em seu interior e também refletirá no batistério, criando a sensação, durante o batismo, de que a pessoa estará se batizando dentro da Arca. Na face frontal do altar serão aplicadas doze pedras representando as doze tribos de Israel, e todo o altar será ladeado por duas colunas diferenciadas chamadas Joaquim e Boaz, nomes também citados na Bíblia. A Igreja será no Brás (zona leste da capital paulista) e terá capacidade para mais de 10 mil pessoas sentadas.

Me assombra que este momento estabelece oficialmente a Universal como seita não cristã e, na verdade, anti-cristã. Afinal, arcas, templos, sacrifícios são heresias que assumem o “costurar do véu que Jesus rasgou”. Argumentos, os quais, nem me dou mais ao trabalho de repetir, deixando a quem ainda não os conhece, os links ao final da matéria.

Quando penso em uma "igreja" dita cristã que RECOMENDA ABORTO em casos de gravidez não planejada, fico pensando se não pensaram em ter tais clinicas (entre as facilidades proclamadas do futuro templo, conforme acima) a prática deste pecado hediondo, caso um dia a lei brasileira o permita. Não duvidaria!

Quanto a mim, profetizo (risos) que tal templo, uma vez construído, lotado, no dia de sua inauguração, recheado de todos os líderes apostatas da IURD, dos seus mais ardorosos fieis e das autoridades públicas que tenham a pachorra de comparecer, seja fechado à chave, transformando-se na mais grandiosa e suntuosa prisão do mundo.

Se cumprirão assim as Escrituras, no que dizem acerca da Arca, que não era para ser tocada, vista novamente ou refeita, bem como, acerca do Templo, que segundo o decreto do próprio Senhor Jesus Cristo foi destruido, de tal maneira que não sobrasse pedra sobre pedra. Ao que, só não peço bis pela vida das pessoas, me se ainda fosse na construção, estando o mesmo vazio, que seja BIS!

Que Deus tenha misericórdia!

O soldo do "progressista" vem do patrocínio da Caixa


Fonte: Coturno Noturno.

Leia aqui, no Imprensa Marron, o quanto Paulo Henrique Amorim, o inventor do PiG, subiu na vida. Progrediu. Ele agora é um ícone do petismo. Uma referência. Citado e badalado em todo a ratosfera. É da tropa de choque. Aliás, tropa do cheque. Cheque da Caixa, que tira dinheiro do FGTS dos trabalhadores para patrocinar o "conversa fiada". Vem pro caixa petista você também, vem!

Postado por O EDITOR às 11:12:00

Lucia Hippolito detona Serra e Dilma


Antes que as cavalgaduras governistas venham lembrar que a CBN integra a rede do PiG (como se aqui no blog só tivesse idiotas que não sabem disso), aconselho a todos (inclusive os governistas) a ouvirem isto aqui com atenção.

Denúncia de M.V "Shogum" é veículada n'O Globo

Parabéns ao amigo e leitor M.V "Shogum"!

Fonte: Lost and not found.

segunda-feira, 26 de julho de 2010

Denúncia do "Shogunidades" é veículada no
O Globo

A matéria escrita ontem, dia 25, sobre a desordem no Bairro da Glória foi reproduzida no site do Jornal o Globo hoje.

Esperamos que essa denûncia seja o inicio de alguma tomada de atitude de nossos governantes para a limpeza e segurança deste bairro histórico e que abriga a maior quantidade de estátuas e monumentos da cidade.

Mas nada disso adiantará enquanto houver quem compre essas traquitanas e dê esmola a essas pessoas.

Link:
http://oglobo.globo.com/participe/mat/2010/07/26/internauta-reclama-de-desordem-falta-de-fiscalizacao-na-rua-da-gloria-zona-sul-do-rio-917238972.asp


Postado por M.V "Shogum" às 20:56

segunda-feira, 26 de julho de 2010

Campanha pela melhoria da TV por assinatura


Fonte: Cultura Alternativa.


segunda-feira, 26 de julho de 2010

Campanha pela melhoria da TV por assinatura

A TV por assinatura corre o risco de parecer tão vulgar quanto a TV aberta. Além disso, os sistemas de TV por assinatura promovem a injustiça Sócio-Cultural jogando os pacotes básicos sem os melhores canais, enquanto muitos de seus canais se tornam desnecessários ou dispensáveis.

No sistema SKY, por exemplo, canais como o Canal Brasil seriam fundamentais para inclusão no pacote básico, mas só são acessíveis para assinantes do pacote avançado, que pagam mais caro. Em se tratando de um canal em crise, que precisa de audiência para sobreviver e que oferece filmes nacionais como poucas emissoras, é constrangedor que os assinantes de pacote básico, que pagam menos, não tenham acesso a um canal desses. Enquanto isso, há filme norte-americano a vontade para qualquer brasileiro ver, enquanto os brasileiros teriam que pagar mais para ter mais opções de Cinema Nacional na telinha.

Ainda no sistema SKY, enquanto canais interessantes como o citado Brasil, o Boomerang (de desenhos animados antigos, bem melhores que as chatices tipo Pokémon, Digimon e Cavaleiros do Zodíaco) e o Eurochannel só são liberados para os assinantes de pacote básico, canais totalmente dispensáveis para o grande público e que são essenciais apenas para especialistas (como Meteorologistas em relação ao canal Climatempo e os Agricultores para o canal Rural) são incluídos no pacote básico. Mas eles até que são alguma coisa.

O pior é a inclusão dos canais Rede TV e CNT, dois dos piores canais da TV aberta brasileira. A Rede TV, pelo menos, tem o ótimo "Jornal da TV" e alguma atração razoável, mas a CNT é um completo lixo. E a CNT já foi boa, exibia filmes que hoje só aparecem no pacote TeleCine e desenhos que hoje só aparecem no Boomerang. Mas hoje a CNT só serve de aluguel para produções de baixíssimo escalão. Programas religiosos, um programa com a "ex-mãe funk" (ela hoje está solteira e cobiçada pelos tigrões) Verônica Costa, baixaria policialesca com Wagner Montes
(Nota da Redação: Wagner Montes não está na CNT, e sim no programa policialesco Balanço Geral, da TV Record do Rio de Janeiro. Mas no momento Wagner está fora do ar, porque concorre à reeleição para deputado estadual pelo PDT-RJ) e programas chatos de televendas. Quem vai ver isso?

É uma vergonha que o pessoal que não pode pagar para ver o Canal Brasil para ver um bom filme nacional tenha como opção ver as propagandas mal dubladas de televendas do Polishop, na CNT.

Claro que nem tudo são flores, e o pacote avançado também inclui bobagens como Big Brother Brasil. Mas o pacote avançado, ainda assim, oferece opções de qualidade ao pacote básico da TV por assinatura, assim como esse oferece opções melhores do que a TV aberta. No entanto, devemos reagir para que a baixaria seja banida até mesmo da TV por assinatura.

Por isso mesmo, fazemos uma campanha para melhorar o sistema de TV por assinatura oferecido pelas empresas SKY, NET e DirecTV. Nossa proposta de um novo pacote básico deverá ser apoiada por você, internauta, e por isso pedimos que divulgue para o máximo de pessoas possível essa campanha, mesmo para pessoas que não usam serviço de TV por assinatura, que podem também apoiar a campanha e usá-la como um exemplo para a luta pela melhoria da televisão aberta.

Aqui estão as medidas que reivindicamos para o sistema de TV por assinatura.

CANAL RURAL - Deve deixar o pacote básico e passar a fazer parte de um pacote específico para moradores do interior do Brasil, em cidades onde a atividade agrícola é mais representativa. O preço seria o mesmo do pacote básico. Nas áreas urbanas, o canal fará parte do pacote avançado.

CLIMATEMPO - Deixa o pacote básico para entrar no pacote avançado. A programação interessa mais a especialistas ou a iniciados em previsões do tempo.

CNT - Deixa o pacote básico para entrar no pacote avançado. Como castigo por ter uma programação extremamente ruim, a pior segundo a coluna "Controle Remoto", do Segundo Caderno de O Globo. Além disso, pode causar sérios danos psicológicos ao telespectador.

AXN - Deixa o pacote básico para migrar para o pacote avançado. Sua programação é mais voltada aos enlatados e filmes comerciais de ação. Só se salva o seriado "Alias", com a bela Jennifer Garner no elenco.

PEOPLE & ARTS - Deixa o pacote básico para se mudar para o pacote avançado. Sua programação interessa mais a pessoas mais ricas por causa da vida de casais, celebridades etc.

BOOMERANG - Do pacote avançado para o pacote básico, sem aumento de custo.

BRASIL - O canal de Filmes Brasileiros deixa o pacote avançado para fazer parte do pacote básico. O canal precisa de audiência, estando à beira da falência, daí ser importante tornar o canal bem mais acessível.

EUROCHANNEL - Vai para o pacote básico. É uma forma de mostrar um pouco da Cultura Européia para os assinantes que pagam menos. Filmes, Eventos Musicais e Documentários de grande qualidade.

Postado por Bruno Melo às 15:33

A democracia de um peemedebista


O que diria o saudoso Ulysses Guimarães desta cena?

Fonte: Ricardo Gama.

domingo, 25 de julho de 2010

Desgovernador Sérgio Cabral DESEQUILIBRADO ofende gratuitamente blogueiro

Hoje em Copacabana somente por que eu ia fazer uma pergunta ao Sr. Desgovernador Sérgio Cabral, ele de forma DESEQUILIBRADA e DOENTIA me ofendeu, dizendo que eu sou o "maior picareta do Rio".

Clique e veja o vídeo do DOENTE e DESEQUILIBRADO do Sérgio Cabral, me ofendendo.





Claro que ao ser chamado de "picareta" fiquei aborrecido, e revidei imediatamente.

Mas para ser sincero, não foi nehuma surpresa, já que é hábito desse elemento Sérgio Cabral, ofender as pessoas, Cabral já chamou médicos, professores, e policiais militares de vagabundo.

Sérgio Cabral disse que as mulheres que moram em favelas são "fábricas de marginais", e por aí vai.

O meu objetivo era apenas lhe fazer uma pergunta sobre uma matéria que saiu no jornal
O Globo, e vocês podem ver pelo vídeo, que em nenhum momento, antes de ser ofendido, destratei esse animal do Sérgio Cabral.

Em tempo, só que todos nós sabemos quem é o MAIOR picareta do Rio de Janeiro, este título é do desgovernador Sérgio Cabral.

Postado por RICARDO GAMA às 12:59

domingo, 25 de julho de 2010

Vende-se o Brasil


Quero apresentar aqui a nova imagem que arrumei para o tucano, o mascote do PSDB. Nem precisam perguntar onde arrumei isso, até mesmo porque quem fez a imagem não deve estar nem aí para a proliferação da imagem. O negócio dele é detonar o tucanato. E o nosso também.

Reportagem da TV Aparecida sobre debate com presidenciáveis



Mais detalhes aqui.

Pití da Bispa Sônia no SBT


Fonte: Genizah.

Bispa Sônia dá "piti" no programa do Raul Gil e derruba os chapéus do apresentador...

A bispa
Sônia Hernandes, da Igreja Renascer, gravou o quadro do chapéu, do programa de Raul Gil, e acabou se estressando.

Fizeram um vídeo contando a história dela e, obviamente, citaram o episódio se sua prisão nos EUA.

Sônia virou uma fera.

Ficou brava com a produção, dizendo que tem muita coisa boa para contar sobre seus trabalhos sociais, por exemplo, e que não precisava falar da prisão...

Raulzinho, diretor do programa e filho de Raul Gil, diz que não vai editar o vídeo e disse: - A gente não tinha como não citar isso.

Mas afinal, a Sônia tirou ou não o chapéu para a Alfândega dos Estados Unidos?

Sexta-feira, 2 de julho de 2010

Política econômica: fica tudo como está


Fonte: Carlos Chagas.

Marina Silva acaba de confirmar nos Estados Unidos aquilo que Dilma Rousseff e José Serra vem dizendo por aqui: não muda nada na política macro-econômica, ou seja, se eleitos manterão as mesmas linhas fundamentais adotadas há quase dezesseis anos, quando Fernando Henrique assumiu o poder. Nada de reformas de base, sequer mudanças capazes de cercear benefícios ao capital estrangeiro. Facilidades aos investimentos externos, inclusive a especulação, campo aberto para os bancos e suas atividades financeiras, nenhuma taxação extraordinária para a especulação, muito pelo contrário. Sem esquecer a flexibilização de eventuais entraves constitucionais no setor social.

Numa palavra, os três propõem-se a desenvolver o mesmo modelo de FHC e de
Lula, ainda que dando ênfase ao assistencialismo. De uma forma ou de outra, três neoliberais...

A briga pelo voto evangélico


Nessa hora, todo mundo vira crente. Todos ficam contra o aborto, a favor da picaretagem gospel no rádio e na TV, etc.

Fonte: Henrique Lima.

24/7/2010

Os candidatos à Presidência estão de olho no voto dos evangélicos. Não por acaso. Juntos, eles representam cerca de 25% do eleitorado brasileiro, que é de 135 milhões de pessoas. Ou seja, uma massa de 33 milhões de eleitores.

Na corrida por essa saborosa fatia do eleitorado,
Dilma Rousseff (PT) e José Serra (PSDB) estão na frente. Eles brigam ferozmente pelo apoio das gigantes Assembleia de Deus e Igreja Universal. Ironicamente, a candidata do PV, Marina Silva, única evangélica da disputa, é quem tem mais dificuldades para costurar apoios com uma das frentes religiosas.

O maior imbróglio está na Assembleia de Deus. A igreja é dividida em duas partes – a
Convenção Nacional das Assembleias de Deus no Brasil (Ministério de Madureira) (Nota: Madureira é o bairro da Zona Norte carioca onde fica o templo-sede nacional da convenção) e a Convenção Geral das Assembleias de Deus no Brasil (CGADB). No total, a instituição conta com 16 milhões de seguidores, sendo que dez deles estão na corrente majoritária, a CGABD, liderada pelo pastor José Wellington Bezerra da Costa. Neste campo, é o tucano José Serra quem tem vantagem, já que é amigo do pastor e contou com seu apoio no segundo turno das eleições de 2002.

De acordo com o presidente do Conselho de Comunicação da CGADB, pastor Mesquita, a Assembleia de Deus “não apoia nenhum candidato oficialmente”. Ele afirma que a ala majoritária “demonstra apoio e proximidade a José Serra”. “Há uma resistência da CGADB a Dilma Rousseff, que é muito progressista e liberal em assuntos como ser favorável ao aborto e ao casamento gay. Não limitamos direitos. Eles [os homossexuais] têm direito a fazer o que quiserem, mas não absorvemos essas ideias e somos totalmente contrários”.

A outra ala da Assembleia de Deus, conhecida como Ministério Madureira, conta com 6 milhões de seguidores e está com Dilma. Neste sábado, o deputado federal
Pastor Manoel Ferreira (PR-RJ), líder da convenção nacional, organizou um evento em Brasília que com fiéis de diversas igrejas evangélicas para apoiar a petista, como Assembleia de Deus, Sara Nossa Terra e Igreja Universal do Reino de Deus. Segundo o deputado-pastor, o apoio à ex-ministra foi negociado e eles teriam recebido uma promessa de Dilma de que um eventual governo petista deixaria questões polêmicas como a legalização do aborto e a união civil entre homossexuais para ser discutida apenas pelo Congresso.

Foto desta postagem: Ilton de Freitas - Agência O Globo. Dilma Rousseff em encontro com evangélicos, ontem em Brasília.

sábado, 24 de julho de 2010

FHC e o Príncipe das Trevas



Fonte: Congresso em Foco.

“Talvez o epitáfio de Fernando Henrique devesse ser ‘Príncipe das Trevas’, uma amarga ironia para quem se queria o autor do renascimento brasileiro e que algum dia foi chamado por Glauber Rocha de ‘príncipe dos sociólogos’”

Tentando formular algumas características do atual momento político brasileiro, repasso alguns textos de Chico de Oliveira, publicados em A era da indeterminação (São Paulo, Boitempo, 2007), precisamente quando ele diz que um dos mais instigantes paradoxos da situação brasileira é que a participação da cidadania na política aumentou extraordinariamente no Brasil nos últimos 50 anos, principalmente pela ampliação do colégio eleitoral e diversificação da “oferta política”. O voto obrigatório contribuiu muito para romper o coronelismo, até em locais secularmente oligárquicos, incluindo-se o exponencial crescimento do associativismo civil. Mas é nessas condições extremamente favoráveis que ocorre a perda da representatividade.

Uma vez que temos aqui uma democracia apenas “formal” e não “de fato e de direito”. Segundo Chico, há uma “ação anticomunicativa”, uma falta de formas, sem as quais a política não se faz. Porque existe a chamada “autonomização do mercado” – nada a ver com a autonomia cidadã da tradição liberal, mas o seu contrário. Aqui “autonomização” significa que não há regras mercantis, é o mercado para além de si, um permanente ad hoc, em que não se fixam contratos.

Tal processo se fundamenta na financeirização dos Estados nacionais, e é igual à incerteza que se inscreve nos negócios ilícitos do narcotráfico: como as taxas de juros já não dependem do movimento interno de capitais, o movimento financeiro, que se transporta para o Estado e a produção, dança diariamente e somente os especuladores correm o risco. Não há mais parâmetros criados pela experiência: não há mais acumulação de experiências. Daí a financeirização frequentemente redundar em estagnação da produção material e destruição do aparato produtivo – que na periferia tem assumido os tons mais dramáticos.

É interessante notar que Chico faz um balanço dos dois mandatos de FHC, sobretudo o último: “Em termos macroeconômicos, o permanente ad hoc requer a violência estatal permanentemente, a 'exceção permanente' – que poderia sugerir que o monopólio legal da violência foi reconquistado pelo Estado. Longe disso: a violência permanente também significa que o Estado é ad hoc. A governabilidade é lograda graças ao uso permanente de medidas provisórias e a arquitetura das privatizações requer injeções de recursos públicos em larga escala para sustentar a reprodução do capital, a julgar pelo crescimento exponencial da dívida pública interna e externa e seus pesos no PIB.”

“A indústria elétrica privatizada, com o racionamento que se impôs para evitar o apagão geral, deixou de lucrar nos termos previstos na privatização e cobrou do Estado aquilo que a dança-de-são-guido do mercado não pode assegurar: a realização do valor. Os custos do racionamento estão sendo pagos pelos consumidores, que racionaram – helas! – seu consumo de energia elétrica, por meio duma alíquota específica nas contas de luz outorgada por medida provisória do presidente!”

“O Congresso leva meses para – com enorme custo e utilização dos recursos políticos do típico presidencialismo imperial brasileiro – votar um orçamento: uma penada do Banco Central, para vender títulos com correção cambial e enfrentar ondas especulativas que se repetem como norma no período, e leva à explosão da dívida pública interna. Talvez o epitáfio do presidente FHC pudesse ser ‘Príncipe das Trevas’, uma amarga ironia para quem se queria o autor do renascimento brasileiro e que algum dia foi chamado por Glauber Rocha de ‘príncipe dos sociólogos'”.

Para além da tomada de consciência sobre as desigualdades abissais, nas dobras da crítica ao Estado como “mau gerente”, há a privatização das políticas sociais, a “desuniversalização”, a “filantropização da pobreza”. O aumento do associativismo civil no Brasil, que tem virtualmente capacidade para fornecer as bases para um novo pacto ou contrato social para uma nova hegemonia, com o deslocamento do trabalho e das relações de classes, esvazia essa “sociedade civil” do conflito que estrutura alianças, opções e estratégias. Porque essa “sociedade civil” fica restrita aos arranjos locais e localizados, enquanto as operações da política se tornam “reserva de caça” das grandes empresas e do mercado.

E Chico conclui: “E todos os programas dos partidos são parecidíssimos porque todos estão pautados pela herança do desastre do neoliberalismo de FHC, e todos buscam representar o irrepresentável: a burguesia nacional, que já não manda; o capital financeiro, que é o obstáculo para o desenvolvimento e que já se desligou de qualquer representação de classe e cujos interesses promovem a exclusão; a classe trabalhadora, cujos recursos políticos foram terrivelmente danificados no período neoliberal. A educação e a cultura são transformadas em territórios não-conflitivos, esquecendo-se, novamente, Walter Benjamin, pois cultura e barbárie sempre andaram juntas”.

E nem precisa ir muito longe, nem muito fundo, é só vocês conferirem aí do lado as colunas do Mirisola, velho de guerra.

23/07/2010 - 06h20

Quantos otários "católicos" esses petistas enganarão?


Fonte: Falando Francamente.

Petralha tenta aproximar Dilma de católicos

Assessor de Lula busca aproximar Dilma de católicos.
Bispo recomendou voto contra Dilma por posição do
PT favorável ao aborto.
Gilberto Carvalho vai promover encontros reservados com clero.

Preocupado com a disseminação de rumores que têm criado mal-estar entre religiosos e a candidata do PT,
Dilma Rousseff, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva escalou seu chefe de gabinete, Gilberto Carvalho, um ex-seminarista, para aproximar a petista da Igreja Católica. Lula quer evitar que Dilma seja carimbada como defensora do aborto e ganhe a antipatia de bispos e padres. Carvalho já tem acompanhado a ex-ministra da Casa Civil em visitas a igrejas, mas vai reforçar o trabalho, promovendo encontros reservados para ela.

Em duas entrevistas concedidas na quinta-feira (22), Dilma destacou que nunca pregou o aborto. Foi uma resposta ao bispo de Guarulhos (SP), dom Luiz Gonzaga Bergonzini, que em
artigo no site da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), intitulado "Dai a César o que é de César e a Deus o que é de Deus", defendeu o boicote à candidatura de Dilma por considerar que o PT é a favor da interrupção da gravidez.

Dilma disse admitir o aborto nos casos previstos em lei, como em gravidez resultante de estupro. Destacou, no entanto, que o Estado não pode deixar mulheres com menor poder aquisitivo utilizarem métodos medievais para pôr fim à gestação. ""O aborto é uma violência contra o corpo da mulher. Agora, tanto eu como o presidente Lula reconhecemos que é uma questão de saúde pública."

Postado por Jorge Magalhães às 7/23/2010 03:10:00

José Serra em HD

Lula e o Diabo na Terra do Sol


Se Deus está morto, como disse Nietzsche, Ele já tem um substituto: o presidente Lula.

Fonte: Sanatória da Notícia.

Baixou o Santo

Ontem, Lula foi mais presideus do que nunca ao palanquear por
Dilma em Garanhuns: regorgou que a elite política do país tentou dar o golpe em seu governo depois do escândalo do mensalão, no longínquo, deglutido e esquecido ano de 2005.

Ele falou olhando para o ínclito político daquelas redondezas,
Severino Cheque-Cheque Cavalcanti: "Eles queriam me derrubar, mas como a tentativa foi frustrada, os golpistas derrubaram Severino Cavalcanti da presidência da Câmara dos Deputados".

E nem ficou vermelho nem nada: "Tem gente que tem vergonha de se aproximar de você. Mas nessa campanha a gente não quer só ganhar eleição, mas amadurecer politicamente". Cavalcanti babava na platéia.

E usando o típico
Odorico Paraguassu como plataforma, lançou o seu discurso de sempre: "Meu querido companheiro Severino, a elite da câmara elegeu você presidente para você fazer o jogo sujo que ela queria, mas não tinha coragem de fazer que era pedir meu impeachment em 2005", engrolou.

Aí, baixou o santo: "Meu corpo estaria mais arrebentado que o corpo de
Jesus Cristo depois de tantas chibatadas", disse já como se fosse o sal da terra e a luz do mundo ao se referir às críticas que padeceu durante seu governo.

Foi então que baixou à Terra e disse: "O que tentaram fazer comigo, fizeram com
Getúlio e ele deu um tiro no peito. O que tentaram fazer comigo fizeram com Jango que teve que sair do Brasil. O que não sabiam, é que Lula era milhões de Lulas espalhados por esse país", endeusou-se novamente.

Inflamado e, na falta de dona Marisa Letícia, Lula chamou Dilma de "galega". Quase humano e sem ter o dom da clarividência deixou baixar o caboclo comentarista e exaltou a a pesquisa Vox Populi que apontou a sua postulante preferida com 8 pontos na frente do tucano Zé Serra. "Ela já tem quase 8 pontos na frente. No Nordeste, é proibido ouvir Serra. Queremos ouvir agora é a Dilma", disse.

Essa discursalhada de Lula, o presidente que só tira folga para ser cabo-eleitoral de Dilma, a candidata caxangá, foram colhidas pela reportagem de Simone Iglesias, enviada da Folha de S. Paulo a Caetés e Garanhuns, em Pernambuco. Não dava para não ler.... E multiplicar.

Entrementes... Lula leva as chibatadas e os homens de boa vontade desse país carregam a cruz.

Postado por Laoviah Raziel às 06:46

Que tal extinguir partidos que já governaram o Brasil?

Acompanhando a campanha de diversos candidatos como Dilma Rousseff e Zé Maria, vejo que eles se borram todos com a candidatura de José Serra, já morta e enterrada. Dizem coisas como "A direita pode ganhar e se reapropriar do Estado", frase publicada num texto do blog ContrapontoPIG que comentei aqui. Dizem que os tucanalhas e os demos não podem voltar. Ai, que mêda...

Daí eu lanço uma ideia para os amigos esquerdistas com calças borradas. Que tal extinguir partidos que já governaram o Brasil? Não falo em transformar em partidos nanicos nem permitir que se fundam entre si ou com outros partidos. Falo em fechar as portas e cassar o registro. Baseados na premissa do revezamento do poder, podemos dizer que quem governou o país deve se retirar e dar vez a novos políticos, novos partidos, novas ideologias. Governou e não resolveu? Perdeu a vez. Afinal, se nem Lula resolveu todos os problemas do País de Tolos, imaginem os outros cretinos...

De cara, teríamos que extinguir o PSDB de FHC e o PMDB de José Sarney, que apoiou FHC e apóia Lula. Na hipótese impossível de Dilma perder neste ano, teríamos que extinguir o PT, também.

Se não concordam com nada disso que escrevi, parem de dar pití. Sejam os legalistas que vocês dizem que são. Ponham calças, cuecas e calcinhas limpas, façam suas campanhas e deixem os demo-tucanalhas fazerem a campanha deles. Vençam-os nas urnas. E preparem-se para enfrentarem a sucessão etária no PSDB e no DEM, com a aposentadoria de José Serra & cia. e a ascensão dos jovens que não participaram sequer do governo FHC.

sexta-feira, 23 de julho de 2010

Depois de 8 anos de FHC e 8 anos de Lula...

Apesar de progresso, Brasil permanece um dos mais desiguais do mundo, diz ONU.

Fonte: BBC.

Apesar dos progressos sociais registrados no início da década passada, o Brasil continua entre os países mais desiguais do mundo, segundo atesta um relatório do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud), que será divulgado nesta sexta-feira.

O índice de Gini - medição do grau de desigualdade a partir da renda per capita - para o Brasil ficou em torno de 0,56 por volta de 2006 – quanto mais próximo de um, maior a desigualdade.

Isto apesar de o país ter elevado consideravelmente o seu índice de desenvolvimento humano – de 0,71 em 1990 para 0,81 em 2007 – e ter entrado no grupo dos países com alto índice neste quesito.

O cálculo do indicador de desigualdade varia de acordo com o autor e as fontes e a base de dados utilizados, mas em geral o Brasil só fica em melhor posição do que o Haiti e a Bolívia na América Latina – o continente mais desigual do planeta, segundo o Pnud.

No mundo, a base de dados do Pnud mostra que o país é o décimo no ranking da desigualdade.

Mas os dados levam em conta apenas 126 dos 195 países membros da ONU, e em alguns casos, especialmente na África subsaariana, a comparação é prejudicada por uma defasagem de quase 20 anos de diferença.

Na seleção de países mencionada no relatório do Pnud, os piores indicadores pela medição de Gini são Bolívia, Camarões e Madagascar (0,6) e Haiti, África do Sul e Tailândia (0,59). O Equador aparece empatado com o Brasil com um indicador de 0,56.

Colômbia, Jamaica, Paraguai e Honduras se alternam na mesma faixa do Brasil segundo as diferentes medições.

Desigualdade e mobilidade

O relatório foca no problema da desigualdade na América Latina, o continente mais desigual do mundo, segundo o Pnud. Dos 15 países onde a diferença entre ricos e pobres é maior, dez são latino-americanos.

Em média, os índices Gini para a região são 18% mais altos que os da África Subsaariana, 36% mais altos que os dos países do leste asiático e 65% mais altos que os dos países ricos.

O documento traça uma relação entre a desigualdade e baixa mobilidade social, caracterizada pelo círculo de aprisionamento social definido pela situação familiar de cada indivíduo.

No Brasil e no Peru, por exemplo, o nível de renda dos pais influencia a faixa de renda dos filhos em 58% e 60%, respectivamente.

No Chile esse nível de pré-determinação é mais baixo, 52% - semelhante ao da Inglaterra (50%).

Já nos países nórdicos, assim como no Canadá, a influência da situação familiar sobre os indivíduos é de 19%.

Alemanha, França e Estados Unidos (32%, 41% e 47%, respectivamente) se incluem a meio do caminho.

"A mobilidade educacional e o acesso à educação superior foram os elementos mais importantes na determinação da mobilidade socioeconômica entre gerações." - Relatório do Pnud

No campo educacional, os níveis de educação dos pais influenciam o dos filhos em 55% no Brasil e em 53% na Argentina. No Paraguai essa correlação é de 37%, com Uruguai e Panamá registrando 41%.

A influência da educação dos pais no sucesso educacional dos filhos é pelo menos duas vezes maior na América Latina que nos EUA, onde a correlação é 21%.

"Estudos realizados em países com altos níveis de renda mostram que a mobilidade educacional e o acesso à educação superior foram os elementos mais importantes na determinação da mobilidade socioeconômica entre gerações", afirma o relatório.

Para o Pnud, a saída para resolver o problema da desigualdade na América Latina passa por melhorar o acesso das populações aos serviços básicos – inclusive o acesso à educação superior de qualidade.

O relatório diz que programas sociais como o Bolsa Família, Bolsa Escola e iniciativas semelhantes na Colômbia, Equador, Honduras, México e Nicarágua representaram "um importante esforço para melhorar a incidência do gasto social" na América Latina, sem que isso tenha significado uma deterioração fiscal das contas públicas.

"No que diz respeito à distribuição (de renda), as políticas orientadas para o combate à pobreza e à proteção da população vulnerável promoveram, na prática, uma incidência mais progressiva do gasto social, que por sua vez resultou em uma melhor distribuição da renda."

Governo Lula quer proibir o acúmulo de aposentadoria e pensão


Fonte: Correio Braziliense.

Ministério quer proibir o acúmulo de aposentadoria e pensão

Vânia Cristino
Publicação: 23/07/2010 08:03 Atualização: 23/07/2010 08:53

A aposentadoria concedida pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) não poderá mais ser acumulada com pensões. Se depender do ministro da Previdência Social, Carlos Eduardo Gabas, essa será uma das propostas que estarão sobre a mesa para mudar as regras de concessão dos benefícios previdenciários de forma a garantir a sobrevivência do sistema ao longo do tempo. “É evidente que existem distorções”, admitiu o ministro ao anunciar ontem o resultado do INSS no acumulado do semestre. Na visão de Gabas, o país passa por uma conjuntura adequada para discutir o rombo nas contas, pois o emprego com carteira assinada bate recordes sucessivos e a arrecadação cresce, acompanhando o atual ciclo de desenvolvimento econômico.

“Este é o momento de discutir sem paixão a alteração de regras que, muitas vezes, pode ser feita na legislação infraconstitucional, sem precisar mexer na lei máxima do país”, observou. Segundo o ministro, a acumulação de benefícios contraria a boa técnica previdenciária, não sendo permitida na maioria dos países. Caso se concretize, essa não será a primeira investida do governo contra a superposição. A medida já foi tentada no passado recente. Durante a gestão de Fernando Henrique Cardoso, o ministério tentou impedir o pagamento simultâneo, dando a opção aos segurados de escolherem o de maior valor. A decisão, tomada de forma administrativa, foi derrubada na Justiça e a iniciativa foi revogada.

Pelos dados do INSS, dos 23,1 milhões de benefícios pagos mensalmente, as aposentadorias por idade, invalidez e tempo de contribuição somam 15,332 milhões. A taxa de crescimento dos pagamentos previdenciários em 12 meses é de 3,2% — as aposentadorias aumentaram 3,8%. Atualmente, a pensão por morte é paga a 6,539 milhões de pessoas. O ritmo de expansão dessa rubrica é de 2,8%. O INSS não informou qual é o percentual de acumulação nem quanto essa “distorção” representa nas suas despesas mensais, que já ultrapassam R$ 19 bilhões.

A acumulação de benefícios não é o único ponto que Gabas pretende atacar. Outro diz respeito à concessão de pensões. “É justo que alguém com 23 anos, bem posicionado no mercado de trabalho, ganhe uma pensão por toda a vida ao se casar com uma pessoa bem mais velha que pode até morrer no dia seguinte?”, perguntou o ministro. Essa é uma situação extrema, mas que, segundo ele, pode ocorrer.

O ministro também defendeu a aproximação de regras entre o regime geral e o dos servidores públicos. Segundo ele, não é verdade que os servidores pagaram o tempo todo 11% sobre o salário integral para ter direito à aposentadoria pelo último vencimento, como argumentam representantes do funcionalismo. “Antes do Regime Jurídico Único, eles eram filiados do INSS e, portanto, pagavam 11% até o teto do salário de benefício e não pelo salário integral”, esclareceu.

Para evitar que esse descompasso continue — servidores recebendo aposentadorias equivalentes ao último salário e trabalhadores da iniciativa privada limitados ao teto, hoje de R$ 3.416,54 —, seria preciso aprovar a proposta enviada ao Congresso para criar o fundo de pensão do funcionalismo. Com ele, o governo só garantirá a aposentadoria para novos servidores até o teto do INSS. Quem quiser ganhar mais terá que contribuir para o fundo.

» Deficit aumenta 7,4%

A Previdência Social registrou em junho deficit de R$ 2,778 bilhões, 7,4% a mais do que o saldo negativo verificado em maio, que foi de R$ 2,586 bilhões. Nos primeiros seis meses do ano, as contas do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) estão no vermelho em R$ 22,832 bilhões. O resultado do semestre está pouco acima do registrado no mesmo período de 2009, que foi de R$ 22,572 bilhões. Os dados foram divulgados ontem.

Segundo o ministro da Previdência Social, Carlos Eduardo Gabas, os números acumulados no ano ainda não contemplam a diferença a ser incorporada aos benefícios de valor superior ao salário mínimo, que começa a ser paga em agosto, tendo julho como referência. O governo tinha concedido às aposentadorias e às pensões mais altas reajuste de 6,14%. O Congresso inflou o reajuste para 7,72%, índice sancionado pelo presidente Lula. Só a disparidade custará R$ 1,6 bilhão este ano.

Por conta desse reajuste maior, o ministério reviu a projeção de deficit para o ano, que estava em R$ 45 bilhões, para R$ 47 bilhões. Durante a divulgação dos dados, Gabas demonstrou preocupação com o nível da recuperação de crédito. Segundo ele, a Previdência tem mais de R$ 400 bilhões para receber e o índice de recuperação mensal está na ordem de R$ 770 milhões, considerado insuficiente.

“O nível está até mais baixo que o do ano passado porque, para participar do novo parcelamento, que é mais favorável, é preciso fazer a consolidação do débito. Enquanto isso, as empresas devedoras pagam apenas R$ 100,00 por mês”, explicou. Na estimativa oficial, a consolidação deve ser concluída até o fim do ano, com as empresas voltando a recolher a parcela correta em 2011.

O ministro também admitiu que uma parte considerável da dívida ativa de R$ 400 bilhões não será recebida. “Esse volume se refere ao estoque. Nele, estão empresas que não existem mais ou que não têm como pagar a dívida”, reconheceu. Para evitar o acúmulo do débito durante anos, ele disse que está em estudo no Ministério da Fazenda uma possível mudança da legislação para garantir a celeridade na cobrança. As atividades de arrecadar e ir atrás dos devedores saíram das atribuições da Previdência Social desde a criação da Super-Receita.

Recorde no FGTS

O Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) arrecadou um valor recorde no semestre passado, com uma entrada líquida de recursos de R$ 5,862 bilhões. O volume inédito para os seis primeiros meses do ano representou um crescimento de 158,4% na comparação com igual período de 2009, segundo a Caixa Econômica Federal. O desempenho é resultado da elevação de 9,88% nas receitas brutas, que somaram R$ 29,779 bilhões, e da diminuição de 3,69% nos saques (R$ 23,918 bilhões). A quantidade sem precedentes de trabalhadores com carteira assinada no país, resultado da expansão econômica, elevou o número de contas do fundo para 32,470 milhões. O dinheiro recolhido pelas empresas é usado no financiamento da casa própria e em obras de infraestrutura.

A maior ação social
Gabriel Caprioli

Estudo do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) mostra que, apesar do alarde em torno do Bolsa Família, a Previdência é o maior programa social do governo federal e o que mais tem contribuído para a redução da pobreza. Sem o pagamento dos benefícios previdenciários e os repasses da União nas outras ações sociais, 40,5 milhões de pessoas estariam vivendo com menos de um quarto de salário mínimo, renda que as incluiria na faixa de extrema pobreza. Hoje, essa parcela da população chega a 18,7 milhões de brasileiros.

De acordo com comunicado divulgado ontem pelo Ipea, que reúne dados de 1978 a 2008, os repasses do governo representam cerca de 20% do rendimento das famílias brasileiras e atingem quase 50% da população. O estudo engloba as transferências feitas por meio da Previdência e do Bolsa Família.

Segundo o diretor de Estudos e Políticas Sociais do instituto, Jorge Abrahão de Castro, o incremento da renda via poder público é influenciado principalmente pela Previdência Social e atinge várias classes de renda. “Há uma mudança em todos os perfis (de orçamento). A rede de proteção não afeta apenas os mais pobres, mas todo o conjunto da economia”, afirmou.

Orçamento

O peso da Previdência na complementação da renda fica mais explícito quando observadas as diferentes unidades da Federação. Nos estados do Nordeste, onde a renda é menor, a participação dos benefícios no orçamento familiar é maior. O Piauí é o estado com o maior percentual (31,2%), seguido pela Paraíba (27,5%) e por Pernambuco (25,7%).

Estados com uma fatia maior de idosos na população também ocupam lugares de destaque na lista. No Rio de Janeiro, onde 10,2% dos moradores têm idade acima de 65 anos, 25,5% do rendimento das famílias são provenientes das transferências públicas. Na avaliação de Castro, o custo da manutenção dessa rede de proteção social é alto, mas segue a tendência de países desenvolvidos.

“Estamos seguindo o que há de melhor e a sociedade está de parabéns em ter construído uma estrutura desse porte”, considerou. Nos últimos meses, o Ipea tem divulgado estudos na área social, levantando a suspeita da Oposição de que o objetivo é ligar os números ao governo e a sua candidata à Presidência, Dilma Rousseff.

Autor: Waltercy Santos
Um novo gênio de ocasião, querendo reinventar a roda. Ora Gabas, vá cobrar os grandes sonegadores. Vá inserir os informais na contribuição. Ora vá..

Autor: Lyvio Oliveira
No dia em que ele trabalhar de verdade, poderá até pensar em modificar as regras. Por que não param de ROUBAR a previdência ??? Talvez esteja aí o rombo. Quem se lasca é o trabalhador... querem uma guerra civil ????

Autor: Carlos Frade
Como comparar o INSS com uma instituição de cunho de ação social? As pessoas que recebem esse "benefício", é porque ela contribuiu anos a fio. Se o governo está dando dinheiro do INSS para quen não contribuiu está aumentando o rombo previdenciário.

Autor: João Oliveira
Para a Previdência Social acabar com o déficit, se verdadeiramente existe, bastaria algumas proviências: A) - O INSS pagar benefícios somente a qué, de fato, contribuiu. B) - Cobrar as dívidas de todos os devedores do INSS, inclusive dos Governos. C) - Fiscalizar melhor as despesas do INSS.

Usuários voltam a ocupar cracolândia no Jacarezinho


Taí a eficiência do Choque de Ordem dos governos estadual e municipal.

Fonte: O Globo.

Dois meses após choque de ordem, usuários voltam a ocupar cracolândia no Jacarezinho

Publicada em 22/07/2010 às 23h15m
Ediane Merola

RIO - Dois meses depois de
a prefeitura acabar com a "cracolândia" que funcionava na linha férrea na altura da Favela do Jacarezinho, usuários de drogas voltaram a ocupar o local. A qualquer hora do dia, é possível encontrar homens e mulheres sentados nos trilhos dos trens ou perambulando pela área, onde foi realizado um choque de ordem no dia 20 de maio. Na ocasião, 39 construções irregulares foram demolidas e 23 moradores de rua acolhidos. No entanto, pelo menos um novo barraco já foi erguido na região. O problema se repete em Manguinhos, onde outra "cracolândia" foi flagrada ontem.

De acordo com a Secretaria Especial da Ordem Pública (Seop), a
SuperVia deveria ter feito a manutenção da via férrea e, por enquanto, não será feita nova operação no Jacarezinho. Na internet, um vídeo de quase dois minutos, postado no fim de semana passado, mostra imagens feitas na "cracolândia" nos dias 3 e 10 deste mês. Nas cenas é possível ver que a área, restrita à circulação dos trens, está repleta de pessoas. Em nota, a SuperVia informou que o consumo de drogas é um problema grave de saúde e segurança pública e que mantém entendimentos com os órgãos públicos para realização de ações no sistema de trens. A empresa informou ainda que, após a intervenção realizada em maio, foi feita a recuperação do muro e a limpeza do local.

De acordo com a Polícia Militar, o 3º BPM (Méier) está monitorando a área e, no momento oportuno, realizará uma operação de repressão à venda e ao uso de crack no Jacarezinho. Segundo a PM, a região necessita de uma ação multidiciplinar e o batalhão já atua em parceria com outros órgãos, como a própria SuperVia e a Seop.

Mais um blog irmão nosso


Encontrei ontem mais um blog que compartilha de várias de minhas ideias: Dilma=Serra=Marina, que também está no Twitter. Altamente recomendável.

Já estou esperando os pitís das serretes, das dilmetes e das marinetes.

quinta-feira, 22 de julho de 2010

Ratos da CNBB retiram artigo de bispo de Guarulhos



Pior que a interferência de religiosos na política partidária (praxe no meio evangélico e em segmentos da RCC e da Teologia da Libertação) é a capacidade que alguns deles têm de não defenderem suas ideias quando elas já foram expostas. É uma demonstração de fraqueza de pessoas que se deixam levar pelos ventos da falsa doutrina ou de pessoas que adoram a conveniência de ficar de bem com todo mundo.

O bispo de Guarulhos deveria ter escrito o artigo sem citar nome de político cretino algum. Se publicou, deverá levá-lo até o fim. Os ratos da assessoria da CNBB é que não estão dispostos a assumir nada.

A CNBB continua tomada por bispos e assessores vermelhos. Não o vermelho do sangue dos mártires ou da roupa dos cardeais. É o vermelho do comunismo, do socialismo e de outros -ismos assemelhados.

Quero deixar claro que sou contrário à atitude de ministros de qualquer credo (padre, pastor, bispo, reverendo, missionário, apóstolo, sheik, alaitolá, pai de santo, mãe de santo ou qualquer outro) que pede votos para candidatos ou pede boicote a outros. É uma interferência indevida de uma pessoa com prestígio numa comunidade de fé em um assunto totalmente distante da transcendência dos assuntos divinos. Já escrevi textos contra o cônego Aroldo Ribeiro (pároco da Catedral do Rio de Janeiro), que fez campanha para o atual prefeito Eduardo Paes (PMDB) em 2008. E contra os bispos Dom Orani João Tempesta e Dom Filippo Santoro, que fizeram uns acordos com o governador-candidato Sérgio Cabral Filho (PMDB), chegando a convencer o político Carlos Dias (PT do B) a se candidatar ao Senado, não ao Governo estadual. Vide artigo aqui.

Fonte: Terra.

CNBB retira do site artigo de bispo que pediu voto contra Dilma

22 de julho de 2010 • 14h42
Juliana Dal Piva

O artigo do bispo de Guarulhos, Dom Luiz Gonzaga Bergonzini, que recomendava que os "verdadeiros cristãos e católicos não votem na candidata à presidência pelo
PT, Dilma Rousseff," não está mais no site da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB). O texto publicado, na segunda-feira (19), ainda pode ser encontrado no site da Diocese do bispo.

A reportagem do Terra procurou o Secretariado Geral da CNBB, mas foi informada que apenas o padre Geraldo Martins estava autorizado a falar sobre o assunto. De acordo com a assessoria de imprensa, a comunicação seria difícil porque ele estaria palestrado em um evento em Aparecida (SP) e, por isso, não responde aos telefones da reportagem. O padre Geraldo, segundo os assessores, é o coordenador do site da instituição. O bispo Dom Luiz também não foi encontrado.

Apesar de ressalvar a importância da separação entre política e religião, Dom Luiz justificava o pedido contra Dilma pela posição do PT em relação ao aborto. "A liberação do aborto que vem sendo discutida e aprovada por alguns políticos não pode ser aceita (...) não temos partido político, mas não podemos deixar de condenar a legalização do aborto", escreveu o sacerdote.

Sob o título "Dai a César o que é de César e a Deus o que é de Deus", o texto de Bergonzini defende a interferência dizendo que a
Igreja Católica deve se manifestar em campanhas eleitorais em casos em que um "partido ou candidato que torne perigosa a liberdade religiosa e de consciência ou desrespeito à vida humana e aos valores da família". O Bispo fez menção na nota aos Congressos Nacionais do PT de 2007 e 2010, no qual o partido ratificou o 3º Plano Nacional de Direitos Humanos (PNDH3), e se posicionou publicamente a favor da legalização do aborto.

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) divulgou em maio, no encerramento de sua 48.ª Assembleia Geral, em Brasília, uma declaração na qual incentivou os cidadãos a escolher "pessoas comprometidas com o respeito incondicional à vida, à família, à liberdade religiosa e à dignidade humana".

Mesmo sem referência à questão do aborto, ficou implícito, com a fala cardeal-arcebispo de São Paulo,
D. Odilo Scherer, de que a Igreja não apoia candidatos que defendem a posição. "Além da descriminalização do aborto, há outras distorções inaceitáveis, como a união, dita casamento, de pessoas do mesmo sexo, a adoção de crianças por pessoas unidas por relação homoafetiva e a proibição de símbolos religiosos (em repartições públicas)", disse em coletiva.

Posição dos presidenciáveis

Até agora, nenhum dos três principais candidatos à presidência defendeu mudanças na atual legislação sobre o aborto. Em junho, durante entrevistas concedidas à imprensa em Porto Alegre, Dilma Rousseff, declarou que aborto é uma questão de saúde pública. "Um governo não tem de ser a favor ou contra o aborto. Tem que ser a favor de uma política pública", afirmou. "Aborto não é questão de foro íntimo meu, seu, da Igreja, de quem quer que seja; é uma questão de saúde pública." Nestes termos, segundo a ex-ministra, o aborto para ser possível tem de estar previsto em lei.

José Serra (PSDB) manifestou posição semelhante em maio, no programa do Ratinho. "Eu não sou a favor do aborto. Não sou a favor de mexer na legislação. Agora, qualquer deputado pode fazer isso. Como governo, eu não vou tomar essa iniciativa", declarou o tucano.

Marina Silva se declara pessoalmente contrária à legalização, mas sugere a realização de uma consulta à sociedade. "Essa é uma responsabilidade do Congresso Nacional, mas considero que uma questão tão complexa e importante como essa deve ser decidida diretamente pela sociedade, através de um plebiscito", afirmou a candidata do PV.

O ARTIGO DA DISCÓRDIA

Fonte: Diocese de Guarulhos.

Dai a César o que é de César e a Deus o que é de Deus
01-07-2010 - 11:35

Com esta frase Jesus definiu bem a autonomia e o respeito, que deve haver entre a política (César) e a religião (Deus). Por isto a Igreja não se posiciona nem faz campanha a favor de nenhum partido ou candidato, mas faz parte da sua missão zelar para que o que é de “Deus” não seja manipulado ou usurpado por “César” e vice-versa.

Quando acontece essa usurpação ou manipulação é dever da Igreja intervir convidando a não votar em partido ou candidato que torne perigosa a liberdade religiosa e de consciência ou desrespeito à vida humana e aos valores da família, pois tudo isso é de Deus e não de César. Vice-versa extrapola da missão da Igreja querer dominar ou substituir- se ao estado, pois neste caso ela estaria usurpando o que é de César e não de Deus.

Já na campanha eleitoral de 1996, denunciei um candidato que ofendeu pública e comprovadamente a Igreja, pois esta atitude foi uma usurpação por parte de César daquilo que é de Deus, ou seja o respeito à liberdade religiosa.

Na atual conjuntura política o Partido dos Trabalhadores (PT) através de seu IIIº e IVº Congressos Nacionais (2007 e 2010 respectivamente), ratificando o 3º Plano Nacional de Direitos Humanos (PNDH3) através da punição dos deputados Luiz Bassuma e Henrique Afonso, por serem defensores da vida, se posicionou pública e abertamente a favor da legalização do aborto, contra os valores da família e contra a liberdade de consciência.

Na condição de Bispo Diocesano, como responsável pela defesa da fé, da moral e dos princípios fundamentais da lei natural que - por serem naturais procedem do próprio Deus e por isso atingem a todos os homens -, denunciamos e condenamos como contrárias às leis de Deus todas as formas de atentado contra a vida, dom de Deus, como o suicídio, o homicídio assim como o aborto pelo qual, criminosa e covardemente, tira-se a vida de um ser humano, completamente incapaz de se defender. A liberação do aborto que vem sendo discutida e aprovada por alguns políticos não pode ser aceita por quem se diz cristão ou católico. Já afirmamos muitas vezes e agora repetimos: não temos partido político, mas não podemos deixar de condenar a legalização do aborto. (confira-se Ex. 20,13; MT 5,21).

Isto posto, recomendamos a todos verdadeiros cristãos e verdadeiros católicos a que não dêem seu voto à Senhora Dilma Rousseff e demais candidatos que aprovam tais “liberações”, independentemente do partido a que pertençam.

Evangelizar é nossa responsabilidade, o que implica anunciar a verdade e denunciar o erro, procurando, dentro desses princípios, o melhor para o Brasil e nossos irmãos brasileiros e não é contrariando o Evangelho que podemos contar com as bênçãos de Deus e proteção de nossa Mãe e Padroeira, a Imaculada Conceição.

D. Luiz Gonzaga Bergonzini
Bispo de Guarulhos

Colecionando multas


Charge do Lute para o jornal Hoje em Dia - 22/07/2010.

O futuro depois da derrota

Fonte: Carlos Chagas.

quinta-feira, 22 de julho de 2010 07:00

Em tempo de eleição os candidatos só pensam na vitória. Fala-se de candidatos para valer, é claro, dada a existência daqueles que entram nas disputas eleitorais para fazer figuração ou até por questões patológicas. Mas os verdadeiros candidatos nem de longe raciocinam com a derrota. Pensarão nela quando chegar a hora.

Mesmo assim, aqui de fora, não nos sentimos limitados para deixar de imaginar o que acontecerá com os derrotados. Qual o futuro deles?

Vale começar com o mais velho. José Serra, caso perca a eleição, não repetirá o percurso anterior, de candidatar-se a prefeito de São Paulo, depois a governador do estado. Menos pelos seus 68 anos de idade, mais por enfado, quem sabe por cansaço. Perdendo a corrida para o único cargo que ainda não exerceu na política, a presidência da República, tudo indica a disposição de recolher-se à vida acadêmica. Quem sabe aceitará consultorias em empresas privadas? Afinal, não sendo rico, apesar das aposentadorias de prefeito e governador, precisará prover o futuro com algum trabalho. Dificilmente admitirá permanecer no primeiro plano da política tucana, fazendo oposição a um novo governo do PT.

Já Dilma Rousseff, se não for eleita, também precisará trabalhar. Não é mulher para ficar apenas cuidando dos netos e nem dispõe de patrimônio capaz de garantir-lhe o ócio. Como executiva, enriqueceria qualquer empresa privada. Poderá, com facilidade, integrar governos estaduais chefiados por companheiros e aliados, do Rio Grande do Sul, se Tarso Genro eleger-se, ao Acre, com Tião Viana. Não aceitaria qualquer participação num governo do PSDB, se lhe fosse oferecida. Continuaria na linha de frente do PT, junto com o Lula.

Marina Silva sabe estar plantando para o futuro. Deixa uma reeleição mais do que certa no Senado, muito possivelmente disputará outra vez o palácio do Planalto, em 2014. Permanecerá como férrea defensora de causas ecológicas e ambientais.

Quanto aos candidatos à vice-presidência, mais sofrerá Michel Temer, com a derrota. Pensará sempre que poderia ter permanecido na presidência da Câmara pelo biênio 2011-2012, desde que se reelegesse, não fosse a ambição de tornar-se companheiro de chapa de Dilma. Fora de seus planos estará a disputa municipal de daqui a dois anos, em São Paulo, restando-lhe retornar como deputado em 2014.

Sobre o Índio da Costa, lamentará apenas haver trocado a Câmara Federal pelo sonho de ser vice sem voto, mas, pela pouca idade, poderá imaginar-se nas eleições para a prefeitura do Rio, dentro de dois anos.

Em suma, hoje os candidatos referidos torcerão o nariz diante de qualquer pergunta sobre uma eventual derrota, que não aceitam. Ou será que lá no fundo, bem no fundo, a hipótese já foi cogitada por eles?

Ria com José Serra!


Fonte: Carlos Chagas.

Todo mundo escorrega, José Serra também teve o seu dia. Falando a empresários de Goiás, saiu-se com a seguinte definição: “o papel mais importante do empresário não é ficar rico, mas gerar empregos e ajudar a construir o Brasil.” A platéia não riu por delicadeza.

Muito religiosa, essa Dilma Rousseff...


Fonte: Os Amigos da Presidente Dilma.

Dilma recebe apoio de 15 igrejas evangélicas

22 de julho de 2010

A candidata
Dilma Rousseff, receberá no sábado, 24, em Brasília, o apoio formal dos representantes das principais igrejas evangélicas do país. O deputado Pastor Manoel Ferreira (PR-RJ) reunirá representantes de 15 denominações - apenas a Assembleia de Deus, Ministério Madureira, presidido por Ferreira, conta com seis milhões de seguidores, segundo ele. Será a primeira reunião do grupo com Dilma após o início da campanha presidencial. Durante a pré-campanha, Dilma já havia participado de um culto da Assembleia de Deus em São Paulo.

De acordo com a Pastora Eloá, que participa do mesmo Ministério de Pastor Ferreira, a decisão de apoiar Dilma foi tomada porque ela representa a continuidade do governo
Lula. "O presidente Lula foi bastante comprometido com o nosso segmento. Acreditamos que Dilma também terá o mesmo tipo de relação conosco", completou Eloá.

Segundo ela, uma das principais ações do governo aconteceu durante as votações do Código Civil, quando alguns setores parlamentares tentaram transformar o Estatuto de funcionamento das Igrejas em Associações, o que, segundo elas, modificaria a atuação dos evangélicos. "Isso tiraria a nossa liberdade de culto. Não somos uma associação, somos baseados em princípios teocráticos", completou a Pastora.

Segundo Eloá, o evento de sábado não será um culto, e sim, um ato político de apoio à petista. Ela lembrou que, ainda durante a pré-campanha, Dilma reuniu-se com o pastor Manoel Ferreira e assumiu alguns compromissos com o setor. "Ela nos assegurou que, durante o seu governo, não partiria do Executivo iniciativas propondo a união civil dos homossexuais e a legalização do aborto no país", afirmou.

A pastora disse que os pedidos não significam qualquer tipo de preconceito com os homossexuais, lembrando que cada um tem o direito de escolher sua opção sexual. "Mas nós também temos o direito de lutar contra algo que não concordamos, como a possibilidade de sermos obrigados a realizar casamentos homossexuais em nossas igrejas"", completou.

Pelos cálculos da pastora, os evangélicos representariam entre 33% a 35% da população brasileira, embora os censos recentes restrinjam esse percentual a 26%. Eloá acredita que as eleições de outubro trarão um aumento na bancada evangélica do Congresso. Apenas a Assembleia de Deus Ministério Madureira, da qual Eloá e Manoel Ferreira fazem parte, conta com 12 deputados federais.

Na sexta à noite, Dilma estará no Festival de Inverno de Garanhuns, em Pernambuco. O Pesidente Lula estará no mesmo evento. Diferentemente da última sexta, quando participou de comício na Cinelândia ao lado da candidata petista, Lula estará em Garanhuns em um evento oficial como presidente da República. Segundo o PT, isso não representa crime eleitoral. Dilma pode participar de eventos ao lado do presidente, desde que o ato não seja transformado em um comício, com pedidos formais de votos ou uso da máquina pública para beneficiar candidaturas eleitorais.