Política, cultura e generalidades

sexta-feira, 25 de junho de 2010

Kiko do KLB vira DEMo e quer virar deputado federal


Romário (PSB-RJ), Edmundo (PP-RJ), Dedé Santana (PSC), Sérgio Mallandro (PTB), Túlio Maravilha (PMDB-GO) e Jean Willys ex-BBB (PSOL-BA), e agora essa!

Uma bancada da pesada, ideal para a presidenta palanqueira comprar votos, como fizeram Sarney, FHC e Lula.

Fonte: Congresso em Foco.

25/06/2010 - 07h00

K do KLB quer combater pedofilia como deputado federal

Astro pop-teen é uma das apostas do
DEM para tentar reverter este ano tendência de diminuição de votos nas urnas

Com desempenho eleitoral a cada ano menor, DEM apela para o K do grupo KLB para angariar votos em outubro

Fábio Góis

Franco Finato Scornavacca é músico, maestro (“de prática”), arranjador, tem 2,02 metros de altura e milhares, quiçá milhões, de fãs – eleitorado potencial que, caso demonstre nas urnas o mesmo entusiasmo com que entoa músicas como “Estou morrendo aos poucos”, pode garantir-lhe uma vaga na
Câmara dos Deputados. A eleição de outubro próximo será barbada caso a relação shows e urnas seja bem trabalhada. Essa é uma das apostas do DEM, partido herdeiro do extinto PFL, que vem experimentando uma diminuição de tamanho a cada eleição. Franco, ou Kiko, o "K" da banda pop-teen KLB, é um dos nomes com os quais o DEM conta para reverter essa tendência este ano.

Aos 31 anos, Kiko é uma das celebridades que disputarão as urnas em outubro,
uma tendência que o Congresso em Foco já havia anotado em março. Na última terça-feira (22), ele visitou o Congresso, onde foi ciceroneado pelo senador Magno Malta (PR-ES) e recebido pelo presidente do DEM, deputado Rodrigo Maia (RJ). A convite da cúpula do partido, Kiko vai se candidatar ao cargo de deputado federal por São Paulo nas eleições de outubro, e diz que, como Magno, presidente da CPI da Pedofilia, vai combater a mazela que atinge inúmeras famílias no Brasil.

“A partir das eleições de 2010, um novo tempo começa a ser instaurado dentro da política brasileira. As pessoas estão começando a se mobilizar para tudo, estão começando a perceber as coisas. Uma frase que eu costumo usar muito é: ‘Para que o mal se sobressaia, basta que o bem não faça nada’. De fato, o bem está muito omisso, ou submisso, ao mal’”, filosofou o aspirante a congressista.

Às vésperas da aprovação do plano de carreiras do
Senado, o cantor foi cortejado por Magno Malta, em discurso na tribuna do plenário, e por senadores como Romeu Tuma (PTB-SP) e Pedro Simon (PMDB-RS) – deste recebeu gracejos em relação ao vicejante crucifixo que pendia dos brincos.

“Ele é muito grande, não precisa nem ficar em pé para que possa ser percebido”, discursou Magno, em referência ao jovem postulante da política que, da área reservada à imprensa, assistia ao pronunciamento do senador. “O Kiko tem uma visão social muito aguçada. (...) Há dois anos e meio, eu me sentei com os meninos [além de Kiko, os irmãos Leandro e Bruno compõem a banda KLB], com o Kiko principalmente, e disse a ele: ‘Olha, há dois dramas terríveis no Brasil: o primeiro é o abuso de crianças’.”

“E o KLB é um desses instrumentos de massa e de boa referência, porque esses meninos não são drogados, esses meninos não são bêbados. Esses meninos vivem debaixo da autoridade de pai e mãe”, emendou o senador capixaba.

Já na linha de promover a aposta de seu partido, a senadora
Kátia Abreu (DEM-TO), que presidia a sessão de discursos, leu uma moção de aplauso requerida por Magno Malta aos préstimos sociais da banda KLB – eventualmente, o grupo musical realiza shows beneficentes e se engaja em campanhas contra as drogas e em favor das crianças, por exemplo.

“Com certeza, a Casa aprovará a homenagem à banda KLB, Kiko, Leandro e Bruno, pelo extraordinário trabalho que têm feito no Brasil”, elogiou Kátia, ao fazer um relato familiar da influência do grupo musical. “Em nome dos meus filhos – Irajá, Iratã e Iane –, que são seus fãs e já me ligaram aqui para falar da música 'Ela não está aqui', sucesso e paixão nacional, utilizem desse talento para encantar o Brasil. Não só corações e almas, mas a saúde dos jovens deste país. Sejam muito bem-vindos ao Senado Federal.”

Atento à pompa e circunstância parlamentar, Kiko agradeceu de mãos unidas como em oração. Logo após o discurso do senador, o pré-candidato à Câmara falou ao Congresso em Foco, entre outras coisas, sobre a disposição em combater a pedofilia, sua guinada à vida política e a óbvia possilidade de conversão de fãs em votos.

"Deus te ouça!", resumiu. "Exerço política desde que me conheço por gente."

Confira os principais trechos da entrevista:

Congresso em Foco: Como você decidiu fazer a migração de música para política?

Kiko: Na verdade, agora é música e política. Eu fico muito feliz de ter a oportunidade de fazer uma coisa que, na verdade, eu já fazia e faço há muito tempo. Aliás, ao contrário do que muita gente acha, política é um exercício de cidadania. Se fazemos, deveríamos fazer, todos os dias. Estou comprando, na verdade, essa briga, que é uma briga em que já estou há muito tempo – no [projeto] Todos Contra a Pedofilia eu já estou há quase seis anos, e há dois anos e meio, desde que foi instalada a CPI [da Pedofilia], eu sou membro voluntário, porque não tenho cargo público para ter algum tipo de função efetiva. Tenho participado com vereadores em audiências públicas e outras ocasiões, falando das leis, de como identificar os pedófilos, o modo operante...

Uma vez deputado, você vai seguir o modelo de combate à pedofilia adotado pelo senador Magno Malta?

É um modelo em que já estou dentro. Há mais ou menos seis anos a gente conversou pela primeira vez sobre isso, uma conversa muito séria com o Magno a respeito da pedofilia. Obviamente eu já sabia o que era pedofilia, mas não tinha a dimensão do quão grande é isso dentro do nosso país. E há dois anos e meio estou na CPI da Pedofilia. Como disse, eu não tenho cargo público e não posso ter um papel oficial, mas me tornei um membro voluntário, digamos assim. Tive e tenho acesso a todos os documentos, a todas essas coisas que a CPI apura – e, inclusive, ajudo nisso. Ajudo nos eventos contra a pedofilia, a vacinar as crianças, a ensinar como perceber uma criança abusada, como identificar o pedófilo, o modo operante dele. Inclusive em termos de lei. O senador chegou a citar na tribuna uma audiência pública que eu presidi em Ribeirão Preto [São Paulo], junto com o vereador Walter Gomes, em que alguns juízes e promotores que estavam lá desconheciam algumas mudanças nas leis. Hoje, de fato, eu me sinto parte dessa CPI, parte dessa causa, em que acredito.

Há quem diga que celebridades não estão preparadas para a política...

Acho que eles têm razão. Tem muitos que não estão [preparados] mesmo, são aventureiros. Alguns vão por qualquer motivo, por influência de alguém, porque alguém falou que seria interessante, legal. Eu exerço política na minha vida desde que me conheço por gente. Sempre fiz isso, apesar de ter prometido a mim mesmo que não me envolveria com o meio político, única e exclusivamente por um ideal que eu sempre tive, de fazer da música meu único e real mote. Porém, me vi necessitado, aos 31 anos, a tentar um passo a mais, de fazer o que eu já faço, mas com poder de decisão. Foi nessa busca de tentar ajudar a mais as pessoas que a gente já vem ajudando há muito tempo que eu me tornei voluntário nessa história de me candidatar.

São consideráveis as chances de que você seja eleito...

Deus te escute agora! Manda esse gravadorzinho pra Deus...

O “eleitorado” do KLB é muito grande, e vocês têm muitos fãs jovens. Você acha que esse público jovem pode ajudar a promover uma renovação no Congresso?

Acredito que vai haver a renovação do Congresso. A partir das eleições de 2010, um novo tempo começa a ser instaurado dentro da política brasileira. As pessoas estão começando a se mobilizar para tudo, estão começando a perceber as coisas. Uma frase que eu costumo usar muito é: “Para que o mal se sobressaia, basta que o bem não faça nada”. De fato, o bem está muito omisso, ou submisso ao mal. Eu tenho certeza de que, conhecendo muito as pessoas como conheço – não exatamente só aqui no Senado, mas no Congresso, na Câmara, prefeitos, vereadores. Conheço muita gente, na maioria pessoas boas, de boas intenções. Que essas continuem, mas que sejam mais ousadas nas suas atitudes.

O DEM teve um problema seríssimo aqui no Distrito Federal, com o ex-governador
José Roberto Arruda. Há como o partido reverter a mácula que ficou?

Na verdade, a minha ideia não é mudar o Democratas, minha ideia é que o partido aja – como agiu – com os rigores da lei e até mesmo da punição àqueles que não se enquadrarem dentro de uma filosofia correta. Eu estou afiliado ao Democratas já faz um bom tempo, e acredito que as pessoas que aqui estão, as que aqui permanecerem, são pessoas de boa índole, de boas intenções. A imagem do Democratas, de fato, esteve arranhada por alguns de seus representantes. Porém, se eu for fazer uma analogia, por exemplo, o padre desgraçado pedófilo Monsenhor de Arapiraca: não sei se ele conseguiu arranhar a imagem da Igreja, mas ele conseguiu pelo menos balançar a imagem de uma instituição chamada
Igreja Católica. É a mesma coisa que acontece, mais ou menos, aqui. A atitude de uma pessoa, de um ser individual, consegue arranhar a imagem de uma instituição chamada Democratas. Que a gente puna essas pessoas e possa, com certeza, colher bons frutos.

Como vai ser o embate Kiko versus corrupção aqui no Congresso?

Graças a Deus, sou um cara muito bem sucedido na minha vida. Graças a Deus, tive a oportunidade de fazer do meu maior gosto, que é a música, a minha profissão, minha vida, meu modo de sustento. É como o Magno me disse uma vez: “Kiko, você está comprando pra você uma coisa de que não precisa”. De fato, eu posso até não precisar por um lado, mas eu acredito que vai me fazer bem ter essa dor de cabeça, principalmente se eu conseguir, a partir dela, colher ou plantar bons frutos para as pessoas do Brasil inteiro.

Nenhum comentário:

Postar um comentário