Política, cultura e generalidades

domingo, 2 de maio de 2010

Lula chora por pós-Lula


Fonte: Estadão.

Lula chora ao falar da vida pós-Planalto em festa de 1º de Maio da CUT

'Vou continuar morando no mesmo apartamento, na mesma distância do sindicato que me projetou para a política e das empresas em que fiz as greves mais maravilhosas do País', diz

01 de maio de 2010 20h 27
Carolina Freitas, da Agência Estado

SÃO PAULO - O presidente Luiz Inácio Lula da Silva controlou a fala para não desobedecer a lei eleitoral em seu terceiro e penúltimo discurso em evento sindical do Dia do Trabalho. À vontade na comemoração de 1º de Maio da entidade sindical em que iniciou a carreira política, a Central Única dos Trabalhadores (CUT), Lula foi interrompido várias vezes ao longo do discurso de 30 minutos por um coro de "Dilma, Dilma", em apoio à pré-candidata do PT à presidência, Dilma Rousseff. A petista passou o Dia do Trabalho ao lado de Lula. "A legislação não me permite falar em candidatos", disse Lula em discurso, sendo interrompido pelo coro. E lamentou: "Eu não posso falar."

Diante de um público de pelo menos 10 mil pessoas, na capital paulista, Lula emocionou-se ao imaginar a vida depois de sair do Palácio do Planalto. "Quando eu deixar a Presidência, vou continuar morando no mesmo apartamento, na mesma distância do sindicato que me projetou para a política e das empresas em que fiz as greves mais maravilhosas do País", disse, com a voz embargada.

O presidente não conteve o choro ao dizer: "O que mais vai me dar orgulho é que eu vou poder dizer, ao encontrar qualquer trabalhador, ''bom dia, companheiro''. Porque eu fui leal ao que nós dissemos que íamos fazer."

Lula pediu aos dirigentes sindicais que o convidem para os festejos de 1º de Maio do ano que vem. "Se for alguém ruim, a gente vem aqui e mete o pau. Se for alguém bom, a gente vem aqui ajudar e aplaudir."

Ainda hoje, Lula e Dilma devem discursar em evento da CUT, em São Bernardo do Campo. O presidente e a ex-ministra Dilma receberam das mãos do presidente da CUT, Artur Henrique, o documento "Plataforma para as eleições 2010."

Segundo o dirigente sindical, o caderno traz 200 propostas dos trabalhadores para o "trabalho decente e a inclusão social". "As propostas consolidam as conquistas do governo Lula", disse o sindicalista.


Fonte: JB.

Chorando, Lula diz que temeu não dar certo e emociona Dilma

Hermano Freitas, Portal Terra

SÃO PAULO - O presidente Luiz Inácio Lula da Silva fez no final da tarde deste sábado o discurso mais emocionado das comemorações do 1° de Maio da Central Única dos Trabalhadores (CUT), no Memorial da América Latina, em São Paulo. Ele se emocionou várias vezes e chorou ao dizer que "foi leal aos trabalhadores do País".

"Quero dar bom dia aos companheiros e dizer que fui leal naquilo que fizemos", disse o presidente, que também emocionou a candidata petista à Presidência da República, Dilma Rousseff, que o acompanhava. Com lágrimas nos olhos, Lula afirmou que tinha medo de não dar certo no Palácio do Planalto porque isso iria "trair" a confiança depositada nele.

O presidente fez ataques à elite do Brasil, chamando de babacas aqueles que eram contra as obras de transposição do rio São Francisco, no Nordeste do País. "Tinha babaca que bebia água Perrier e era contra", criticou.

Sem conter a animação, o presidente Lula ainda se atrapalhou e chamou o rei Dom Pedro II de presidente, dizendo que ele foi "o último presidente a visitar o Líbano, em 1847".

19:53 - 01/05/2010

Fonte: JB.

Sem citar Dilma, Lula faz campanha: vocês sabem quem eu quero

Vagner Magalhães, Portal Terra

SÃO PAULO - Em seu discurso durante a comemoração do Dia do Trabalho, promovida pela Força Sindical e pela CGTB (Central Geral dos Trabalhadores do Brasil) neste sábado, na Praça Campos de Bagatelle, em São Paulo, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva discursou para os trabalhadores fazendo alusões à campanha da pré-candidata à presidência da República, Dilma Rousseff.

"No ano que vem, não estarei aqui como presidente. Mas quero vir aqui falar bem do próximo presidente, que vocês sabem quem eu quero que seja. Quero que continue o mesmo projeto de governo. Nos últimos cinco séculos, foram os ricos que ganharam. Agora é a nossa vez", disse Lula.

Mesmo com a menção indireta, Lula - que subiu ao palco com o boné da Força Sindical, que ele tirou antes da execução do Hino Nacional - negou o caráter político de sua presença no evento.

"É uma alegria pra mim participar desta festa de primeiro de maio. Muitas pessoas vão dizer que é um ato político porque eu vim. Agora, os sete anos que os outros vieram, não foi", afirmou o presidente, que enfatizou o fato de reencontrar seus eleitores após tanto tempo, com a popularidade ainda em alta.

"Depois de sete anos, encontrar trabalhadores cara a cara é pra poucos. Muitos presidentes entram com a popularidade lá em cima e depois saem pela porta dos fundos", disse.

14:16 - 01/05/2010

Nenhum comentário:

Postar um comentário