Política, cultura e generalidades

sábado, 24 de abril de 2010

O incêndio de Ciro (ou Pyro) Gomes na base governista

Ele está mais para Pyro, aquele mutante incendiário dos quadrinhos X-Men.

Fonte: Estadão.

Ciro frustra o Planalto e irrita Lula com elogio a tucano

Furioso, presidente orientou Dilma a não entrar no bate-boca para não jogar mais combustível na crise

24 de abril de 2010 0h 00
Vera Rosa e Tânia Monteiro - O Estado de S.Paulo

De todas as estocadas do deputado
Ciro Gomes (PSB-CE), a que mais surpreendeu e irritou o presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi o elogio feito pelo antigo aliado a José Serra, candidato do PSDB ao Palácio do Planalto. Furioso, Lula orientou Dilma Rousseff, concorrente do PT, a não entrar no bate-boca para não jogar mais combustível na crise.

Para Lula, o fato de Ciro ter dito que ele está "navegando na maionese" não passa de "bobagem", mas a declaração referente a Serra - definido pelo deputado como "mais preparado, mais legítimo e mais capaz" do que Dilma - foi recebida como traição. Em público, Lula não comentou a entrevista de Ciro ao portal iG.

"Estou mudo", disse ele, ao chegar ontem para a posse do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Cezar Peluso. Longe dos holofotes, porém, não escondeu a contrariedade. No seu diagnóstico, Ciro quebrou o acordo de tudo fazer para ajudar Dilma.

O presidente qualificou a situação como "dolorosa". A auxiliares, afirmou que não havia chamado Ciro para uma conversa a sós, até hoje, porque aguardava um sinal do PSB. Na prática, não sabia o que fazer. A certa altura, chegou mesmo a achar que ele aceitaria ser candidato ao governo de São Paulo, com o apoio do PT. Era o script combinado.

Depois, quando Ciro começou a bater cada vez mais duro, Lula recebeu da cúpula do PSB a garantia de que a desistência do cearense da disputa presidencial seria "administrada". O ex-ministro, porém, fugiu do controle.

Lula gosta de Ciro. Queria oferecer a ele a coordenação da campanha de Dilma ou afagá-lo de outra forma, mas não poderia jamais lhe dar a vice na chapa petista, já prometida ao
PMDB. Para o governo, era isso o que o ex-ministro realmente queria.

"Ciro fez declarações injustas porque nós o acolhemos e brigamos com vários petistas por causa dele, quando havia a hipótese de sua candidatura ao governo paulista", afirmou o líder do governo na Câmara, Cândido Vaccarezza (PT-SP). "Mas ele é nosso aliado. Não temos de cutucá-lo."

O ministro das Relações Institucionais, Alexandre Padilha, também evitou a polêmica com Ciro. Cauteloso, Padilha disse que a comparação entre Dilma e Serra será feita pelos eleitores. "A campanha caminha para a polarização entre dois projetos e esperamos que o PSB esteja junto conosco", insistiu.

Na direção do PT, os recados de Ciro a Lula, a Dilma e ao PMDB provocaram extremo mal-estar, mas a ordem do Planalto, que também chegou lá, foi para não esticar a corda. "As declarações que Ciro fez sobre o presidente e Dilma foram equivocadas, mas precisamos compreender que a situação dele é delicada", amenizou o deputado Geraldo Magela (DF), secretário de Assuntos Institucionais do PT.


Fonte: O Globo.

Ciro Gomes critica Lula e diz que Serra é mais preparado do que Dilma. Governo minimiza as declarações

Publicada em 23/04/2010 às 18h33m
Adriana Vasconcelos, Cristiane Jungblut e Maria Lima

BRASÍLIA - O ministro de Relações Institucionais, Alexandre Padilha, procurou minimizar nesta sexta-feira os ataques feitos por Ciro Gomes (PSB), em entrevista ao iG . O deputado federal criticou o presidente dizendo que "Lula está navegando na maionese", fazendo referência ao "apoio desmedido" à pré-candidata dele, a ex-ministra petista Dilma Rousseff.

- Ele está se sentindo o todo-poderoso e acha que vai batizar Dilma presidente da República. Pior: ninguém chega para ele e diz 'Presidente, tenha calma'. No primeiro mandato eu cumpria esse papel de conselheiro, a Dilma, que é uma pessoa valorosa, fazia isso, o Márcio Thomaz Bastos fazia isso. Agora ninguém faz - disse Ciro, na entrevista.

O parlamentar disse também que o pré-candidato tucano, José Serra, está mais preparado para governar do que Dilma. Pela primeira vez, Ciro admitiu que sua candidatura à Presidência está chegando ao fim e afirmou que poderá largar a política partidária ainda neste ano.

- Minha sensação agora é que o Serra vai ganhar esta eleição. Dilma é melhor do que o Serra como pessoa. Mas o Serra é mais preparado, mais legítimo, mais capaz. Mais capaz inclusive de trair o conservadorismo e enfrentar a crise que conheceremos em um ou dois anos - afirmou.

- Não vou fazer nenhuma declaração a esse respeito. Não costumo comentar questões de outras possíveis candidaturas - avisou.

Já Padilha saiu em defesa de Dilma:

- O presidente Lula não vai comentar a declaração do deputado Ciro. Mas acredito que a comparação entre Dilma e Serra será feita pela população brasileira. A maioria dos partidos demonstra desejo de estar ao lado da ministra Dilma.

Padilha disse que é preciso "respeitar" o processo interno de decisão do PSB, que no dia 27 decide se desistirá ou não de ter uma candidatura à Presidência.

Os petistas e os coordenadores da campanha de Dilma se calaram ante as pesadas criticas. O líder do PT na Câmara, Fernando Ferro (PE), entretanto, avalia que os ataques são resultados das frustrações do deputado cearense, por não ter conseguido aglutinar e se viabilizar entre os partidos da base. Ferro disse que é preciso esperar Ciro esfriar a cabeça.

- Ciro está ressentido por não ter conseguido emplacar sua candidatura. Lamentavelmente o ressentimento nunca é um bom conselheiro para a política, o que leva a exageros. Nós, do PT, vamos tentar entendê-lo. Mas ninguém é candidato de si próprio. Se ele não conseguiu se viabilizar, precisa fazer uma autocrítica, não ficar culpando os outros - comentou o líder Fernando Ferro.

Ele rechaçou a declaração de Ciro de que o tucano José Serra (PSDB-SP) vai ganhar a disputa pelo Planalto, porque é mais preparado que Dilma.

- Ciro já disse isso lá atrás de Lula, que não podia ser presidente porque não tinha preparo. Já ouvimos essa estória antes - completou.

O presidente nacional do PSB e governador de Pernambuco,
Eduardo Campos, procurou minimizar as declarações de Ciro Gomes. Segundo ele, o partido decidirá, na próxima terça-feira, sobre a possibilidade de ter ou não um candidato à Presidência , escolha que deverá ser aceita por todos, inclusive por Ciro.

- Essa é a opinião do Ciro, não é a minha. Vamos fazer esse debate com tranquilidade. Cada um é livre para fazer declarações - afirmou Campos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário