Política, cultura e generalidades

quarta-feira, 7 de abril de 2010

Ironia do destino: Thatcher dos Pampas pode ser obrigada a demitir Dilma Rousseff


Sabemos que funcionários públicos concursados não podem ser demitidos por motivos políticos. Só podem ser demitidos se fizerem muita mierda, tipo abandonar o emprego (faltar mais de 30 dias consecutivos ou uma determinada quantidade de vezes em 1 ano). Dilma Rousseff é funcionária de uma fundação ligada ao governo gaúcho. Mas pode ser demitida pela governadora Yeda Crusius se não voltar a trabalhar lá.

A ironia da história é que ninguém poderá dizer que a governadora tucanalha estará perseguindo a rival petista. Até mesmo porque Dilma não é mais ministra de Lula e o governo gaúcho (a instituição permanente, não a figura da governadora) tem direito de querer que sua funcionária retorne ao cargo para o qual fez concurso.

Obviamente, Yeda não poderá esperar sair a candidatura presidencial de Dilma para exonera-la. Aí seria, sim, perseguição política, porque funcionários públicos têm direito e até o dever de se afastarem do trabalho sem serem demitidos, quando se lançam candidatos.

Fonte: Meu Araripe.

quarta-feira, 7 de abril de 2010

Dilma some do emprego e pode perdê-lo

A candidata do PT à presidência da República, Dilma Rousseff, terá de reassumir a função de técnica da Fundação de Economia e Estatística Siegrefried Emanuel Heuser (FEE), do governo do Rio Grande do Sul, sob pena até de demissão por abandono de emprego. Há anos Dilma estava à disposição do governo federal, “com ônus” para o governo gaúcho, mas a governadora tucana Yeda Crusius revogou a cessão.

Dilma Rousseff tem fama de “Caxias”, mas em sua ficha funcional já constam três faltas ao trabalho: ela deveria ter reassumido no dia 1º.

Como não se cogita que Dilma Rousseff abandone a campanha para voltar ao emprego em Porto Alegre, espera-se que ela se demita. (Coluna de Cláudio Humberto)

Postado por MEU ARARIPE às 05:57

Nenhum comentário:

Postar um comentário