Política, cultura e generalidades

quinta-feira, 22 de abril de 2010

FMI ainda mete o bedelho no Brasil


A cambada do Governo não tinha pago a dívida com o FMI exatamente para eles pararem de meter o bedelho no Brasil?

Parece que não deu muito certo...

Fonte: Estadão.

FMI vê risco em 'aquecimento' no País

Relatório eleva estimativa de crescimento em 2010 para 5,5%, mas adverte para risco de superaquecimento e de pressão inflacionária

22 de abril de 2010 0h 00
Rolf Kuntz - O Estado de S.Paulo
ENVIADO ESPECIAL
WASHINGTON

A economia brasileira crescerá 5,5% neste ano e 4,1% no próximo, segundo o Fundo Monetário Internacional (FMI), com inflação média de 6,2% e 5,9%. A demanda é mais forte que em outros países da América Latina e o limite de capacidade está mais próximo, disse a chefe de pesquisa da Divisão de Estudos da Economia Mundial, Petya Koeva Brooks.

Por isso, acrescentou, espera-se a retirada de estímulos monetários e fiscais. Isso explica o menor crescimento projetado para 2011. Mesmo assim, os novos números são maiores que os estimados em janeiro, quando as previsões eram de 4,7% e 3,7%.

A expansão da economia será acompanhada de piora nas contas externas. O déficit em conta corrente ficou em 1,7% e 1,5% do Produto Interno Bruto (PIB) nos últimos dois anos. Chegará a 2,91% neste e no próximo, de acordo com estimativas publicadas no Panorama Econômico Mundial (World Economic Outlook), apresentado ontem pelo economista-chefe, Olivier Blanchard, e líderes de sua equipe.

A conta corrente do balanço de pagamentos é a soma da balança comercial de mercadorias, da balança de serviços (onde entram viagens, fretes, seguros, lucros e juros) e das transferências unilaterais (como remessas de trabalhadores). No Brasil, a primeira e a terceira são superavitárias, mas o balanço de serviços é fortemente negativo. Quando há buraco na conta corrente, o resultado é coberto por investimento estrangeiro, financiamentos ou perda de reservas.

O crescimento brasileiro deve ser puxado neste ano pelo consumo privado e pelo investimento, segundo o Panorama. Na seção sobre América Latina, só o Brasil é citado, quando há referências ao risco de forte aquecimento econômico e preocupações com a dívida pública. Com a recuperação ganhando impulso, a política monetária deve tornar-se menos folgada na América Latina. Também nesse caso o Brasil se diferencia. No grupo daqueles com regime de metas de inflação, o País poderá ser o primeiro a iniciar um aperto.

Reservas. Os autores do relatório admitem, no entanto, um argumento a favor da manutenção de juros baixos, apesar das demais considerações econômicas: taxas mais altas podem atrair capitais especulativos. Algumas economias latino-americanas já receberam volumes consideráveis em papéis internos e títulos oficiais. A reação de alguns países foi acumular reservas, deixar a moeda nacional valorizar-se e eventualmente introduzir controles de capitais.

A única forma de controle ensaiada pelo governo brasileiro foi um imposto, quando a cotação do dólar ameaçou ficar abaixo de R$ 1,70, mas o relatório não entra nos detalhes de cada país. A melhor resposta dependerá da situação de cada um ? e o aperto das contas públicas, lembram os autores do Panorama, pode ajudar.

A América Latina e o Caribe enfrentaram bem a crise e estão numa firme recuperação, segundo o relatório. "Mais equilibrado que em muitas outras áreas, o crescimento na região é sustentado tanto pela demanda externa quanto pela interna." Os governos adotaram políticas antirrecessão, vários países foram favorecidos pelos preços das matérias-primas e os bons fundamentos econômicos estão ajudando as economias a atrair capitais. A referência a "bons fundamentos" ? contas públicas em ordem, inflação baixa e contas externas administráveis ? seria inimaginável, há alguns anos, na seção sobre a América Latina.

As exceções são a Venezuela, com inflação alta e crescimento baixo, e a Argentina, com as estatísticas postas em dúvida.

4 Ricardo Valle Aleixo
22 de abril de 2010 7h 51

Se o FMI tivesse apontado e inibido a crise econômica atual, talvez nos merecesse respeito.

Mas os caras só praticam os deveres impostos pelo sistema financeiro mundial, reafirmando suas mentiras como as que acabaram por estourar com a bolha imobiliária americana.

Os americanos mentiram para os investidores mundiais, e quem paga a conta é cada poupador, cada cidadão do mundo, pois a "ajuda" governamental (outra mentira) se faz com dinheiro que não existe, e vai estourar novamente (a Grécia não será única) no bolso do povo.

Para quem é
lulista de carteirinha, não esqueçam que pagar a dívida com o FMI foi uma das maiores contradições do PT, que acreditava (como eu ainda acredito) que os juros da dita dívida eram uma agiotagem, uma nova forma de exploração dos países ricos contra os que eles oprimiam.

E o PT pagou!

Que pena que tenha se voltado tão à direita mesmo com esse discurso populista de esquerda, como fazem todos os regimes tententes ao totalitarismo.

Ainda bem que nossa democracia é mais crível, mais forte que as dos países onde essa esquerda populista que restou tenta se impor.

O debate ajuda a tirar as mentiras de baixo do tapete.

Ah! e o teu
Meireles era PSDB, não?

3 G Cesar Santos
22 de abril de 2010 7h 45

O Capital Mercadoria quer porque quer; dar uma contida no Mercado Interno Brasileiro; ou assombrar; para que o Capital Mercadoria tenha esprede alto no Brasil e dê resultados pecuniários em favor dos seus interesses corporativos no Mundo.

O Politica Econômio-Financeira do Brasil; Moeda & crédito; fáz escola com a vertente boa; do capital americano: O Braço Social do Capitalismo é a Cartilha.

FMI vem de quem...?

Da outra corrente; daquela que não previu a gande críse e agora está querendo dar uma de bonzão e continuar a engessar as economias dos emergentes.

Sai de retro; assombração!

Vá baixar noutro centro!

2 Edson Estevan Méscua
22 de abril de 2010 7h 24

Super-aquecimento da economia, na minha opinião é enriquecimento acelerado! Será que esses procuradores da escravidão e do imperialismo do FMI vão continuar dizendo que para nós isso é pecado? Preocupação causa empobrecimento seja lá a que ritmo for, por favor parem de nos fazer de palhaços, LIBERDADE ANTES TARDE QUE NUNCA.

2 comentários:

  1. Quem e que acredita que lula pagou a divida? Mas e ser muito ingenuo mesmo! Ele nao pagou nem um tostao da divida, duplicou-a isso sim! O que ele fez foi negociar com os banqueiros que iria pagar so os juros durante seu governo, mas AQUELE juro! E foi o que ele fez, triplicou a taxa de juros e pagou-os sempre antes do prazo para que seus amigos banqueiros ficarem com um sorriso de orelha a orelha. E assim estamos, pagando mais de 30% do que produzimos ao FMI! Quem duvida, va ao meu blog e procure 26/03/2010 no comentario "Vamos desmascarar Lula que mentiu sobre a divida com o FMI" Preste atencao ao grafico!

    ResponderExcluir
  2. Eu disse que o Lula pagou a dívida com o FMI, mas não mencionei a dívida externa com os banqueiros privados. Que aumentou e muito, como você apontou. Na prática, as dívidas externa e interna continuam sendo problemas graves do Governo.

    Mas fique aqui seu excelente comentário.

    ResponderExcluir