Política, cultura e generalidades

terça-feira, 2 de março de 2010

Sindicato dos Metroviários vai entrar com representação contra a Metrô Rio

Rio 2016 - Cidade dispendiosa
Fonte: O Globo.

Publicada em 01/03/2010 às 23h35m
O Globo

RIO - A concessionária Metrô Rio pode responder a mais uma ação judicial, desta vez na Justiça do trabalho. Além do processo enviado pelo Ministério Público estadual - que pede a interrupção por segurança das operações da Linha 1-A - o Sindicato dos Metroviários do Rio entrará com representação no Ministério Público do Trabalho, por considerar que os funcionários têm sido prejudicados tanto quanto os passageiros. Na manhã desta segunda-feira, um novo problema em uma composição da Linha 2 levou à volta da baldeação no Estácio. Segundo o Sindicato, os empregados sofrem agressões verbais de usuários irritados. Já teria ocorrido pelo menos dois casos de agressões físicas.

- A operação da Linha 1-A gerou irritação nos usuários, que descarregam nos empregados das estações. As pessoas saem apavoradas dos trens que dão defeito. Isso é uma consequência da ação irresponsável da empresa, que começou a operar uma linha sem que ela estivesse totalmente pronta - reclama o presidente do sindicato, Rubens Pinto Foligno.

Sindicato alega serem necessários o dobro de maquinistas

Segundo Rubens, no carnaval, um segurança foi ferido na cabeça por um passageiro e teria levado 16 pontos. Num outro episódio, um vigia teria sido atacado por um usuário. O sindicato vai alegar na ação que o metrô trabalha com metade do número de maquinistas necessário à operação das linhas. Segundo o sindicalista, são hoje 210 pilotos e seriam necessários 400.

O diretor de Relações Institucionais da Metrô Rio, Joubert Flores, confirmou a agressão ao segurança, mas negou que o fato tenha ligação com problemas de operação da Linha 1-A. Segundo ele, um vigia foi agredido na Cinelândia, após o desfile do Cordão do Bola Preta, porque a estação controlava o acesso para evitar superlotação. Ele negou que a empresa trabalhe com um número reduzido de condutores:

- Temos 250 condutores e cumprimos o acordo coletivo feito com o sindicato. Temos horas extras, mas elas não passam de uma média de duas horas por piloto/dia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário