Política, cultura e generalidades

quarta-feira, 31 de março de 2010

Admirável executiva da Folha assume papel oposicionista

Parabéns à executiva da Folha de São Paulo. É melhor ser sincera do que assumir uma imparcialidade que não existe.

Mas depois não reclame da vingança dos governistas.

Também gostei da observação de que a oposição no Brasil está fragilizada. Prefiro dizer que ela não existe. Ou se existe, é uma piada de mau gosto. Faltam políticos e partidos assumidamente direitistas. Faltam políticos e partidos assumidamente conservadores. Faltam políticos e partidos assumidamente neoliberais. E políticos que não sejam necessariamente as três coisas ao mesmo tempo.

O que temos hoje é um bando de esquerdistas e um bando de direitistas, neoliberais, pseudodireitistas e pseudoconservadores querendo exercer o poder pela direita com discurso progressista, para obter o voto de esquerdistas e o voto de eleitores conservadores não assumidos.

E são esses eleitores conservadores a maioria absoluta do eleitorado brasileiro. São eles que decidem todas as eleições, dos vereadores ao presidente da República.

Fonte: CMI Brasil.

Somos, sim, partido político e daí? - confessa uma executiva da Folha

Por Gilson Sampaio 31/03/2010 às 20:51

FINALMENTE O PIG CONFESSOU QUE É O PIG

Enfim, o PIG assume Que é o PIG.

Mídia venal assume vocação golpista.

Jogo aberto. A mídia venal arranca a máscara, rasga a fantasia e assume sua identidade golpista.

Terá sido um deslize da madama presidente da ANJ e empregada da foia ditabranda?

Lembremo-nos do golpe frustrado na Venezuela e preparemo-nos para tudo.

- A liberdade de imprensa é um bem maior que não deve ser limitado. A esse direito geral, o contraponto é sempre a questão da responsabilidade dos meios de comunicação. E, obviamente, esses meios de comunicação estão fazendo de fato a posição oposicionista deste país, já que a oposição está profundamente fragilizada. E esse papel de oposição, de investigação, sem dúvida nenhuma incomoda sobremaneira o governo [Lula].

A declaração franca e sincera partiu da executiva do grupo Folhas e presidente da ANJ (Associação Nacional dos Jornais), Maria Judith Brito. A inconfidência se deu no dia 18 de março último em reunião na sede da Fecomércio, no Rio, e contou com o testemunho de jornalistas e dirigentes das entidades de imprensa, Abert (Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e TV) e Aner (Associação Nacional dos Editores de Revistas).

O que a presidente da ANJ admitiu é precisamente o que este blog DG repete desde que veio ao mundo, cinco anos atrás: a mídia brasileira é o grande partido político de oposição no Brasil, face à opacidade dos partidos tradicionais e seus líderes. Esse fato não seria tão grave, se a própria mídia admitisse a condição de partido político de oposição.

Mas na prática não é o que se vê, a grande imprensa insiste em representar o (falso) papel de protagonista da isenção política e da neutralidade ideológica.

Com a confissão de Judith Brito (a rigor, uma trapalhada política imperdoável, se vista sob o prisma de interesses da direita) a conversa sai do território do cinismo e começa a adentrar uma área de menos fricção e mais sinceridade, por parte dos donos e executivos da mídia brasuca.

Agora, só resta aos afiliados e associados da ANJ reproduzirem em editoriais altissonantes a admissão tardia de sua liderança maior. Acho difícil que isso aconteça, mas de qualquer forma fica o registro (indelével) para a posteridade.

As palavras de Judith Brito estão gravadas no bronze incorruptível da nossa memória. (Retórica à moda de Gaspar da Silveira Martins, líder maragato guasca.)

Fonte: Diário Guache

'Chaninha' gera polêmica em escolas do Rio


A educação pública na gestão municipal carioca é levada na brincadeira. Só pode ser isso.

Se a chaninha não está com um bom odor, que tal lava-la bem, pra ficar cheirosinha?

Fonte: O Globo.

'Chaninha' gera polêmica em escolas do Rio

Publicada em 30/03/2010 às 23h05m
Carla Rocha


RIO - Um palavrão ou uma palavrinha? A polêmica está lançada. O Sindicato Estadual dos Profissionais de Educação do Rio (Sepe) vai denunciar a prefeitura ao Ministério Público estadual por causa da cartilha que começou a ser distribuída este ano na rede municipal. À parte as divergências pedagógicas - que são muitas -, o Sepe declarou guerra ao uso da palavra "chaninha" em um dos textos que fazem parte do material. Para o Instituto Alfa e Beto de Brasília, que desenvolveu o kit vendido ao município, o singelo diminutivo é um regionalismo que significa chinelo; para o sindicato, é um jeito obsceno e grosseiro de se referir ao órgão sexual feminino.

A coluna de Ancelmo Gois noticiou nesta terça-feira que o Sepe estava disposto a ir à Justiça. A diretora do sindicato, Maristela Abreu, afirma que o projeto pedagógico é ultrapassado:

- Foi dinheiro jogado fora. É um retrocesso educacional. Alguns textos são surreais - afirma Maristela, rebatendo o argumento de que se trata de regionalismo. - O material didático não pode servir de piada entre os alunos ou favorecer situações humilhantes.

Segundo Maristela, o sindicato não conseguiu obter uma cópia da cartilha que cita a palavra "chaninha". O texto seria: "Minha chaninha cheira mal. Cheira a chulé". Vale destacar: como se trata de gíria, o palavrão ou a palavrinha da discórdia poderiam ser grafados tanto com x quanto com ch. O professor de português, Sérgio Nogueira, acha que os autores devem ter mais cuidado com textos que vão para todo o país, em especial se voltados para educação: - Houve descuido. Eu não usaria, por exemplo, no Pará ou no Maranhã, a palavra rapariga numa cartilha porque lá significa prostituta.

O Sepe vai juntar à denúncia análises feitas por professores de língua portuguesa. A diretora Maristela adianta que serão apresentadas uma série de razões para impedir o uso do material. Entre elas, o fato de se utilizar o método fonético na alfabetização, que o Sepe considera ultrapassado, e outros tantos exercícios e textos propostos para a educação infantil e a alfabetização.

- Há exercícios absurdos. Um deles, para crianças de 4 e 5 anos, pergunta qual é o lugar mais frio, se a Patagônia ou a Groenlândia. Outro, inicia o aprendizado das horas com o ponteiro dos segundos!

A briga em torno do kit do Instituto Alfa e Beto, de Brasília, é longa. Antes, em São Gonçalo, o motivo da discórdia foi uma brincadeira com rimas. Eis os versinhos: "Fui andando pelo caminho. /Éramos três/ Comigo quatro /Subimos os três no morro/ Comigo quatro/ Encontramos três burros/Comigo quatro." Na denúncia, foi dito que a leitura deixava professores e alunos em situação humilhante.

Diretor do Instituto Alfa e Beto, o educador João Batista de Oliveira rebate as acusações e diz que o problema em São Gonçalo girava em torno de um texto consagrado de Cecília Meireles. Ele vê patrulhamento nas críticas e interesses políticos:

- Além disso, proibir palavras que possam ter conotação diferente em algum lugar é erro de entendimento da língua. O professor está em sala de aula para lidar com essas questões e não para fazer patrulhamento ideológico. Não podem impor um filtro e ignorar a dinâmica da língua.

A Secretaria municipal de Educação informou que o programa Alfa e Beto destina-se à alfabetização de crianças do ensino fundamental e apresenta metodologia pautada no método fônico, mundialmente utilizado com sucesso na aprendizagem da leitura e da escrita. O ponto de partida desse método são os fonemas da língua e sua grafia. Ainda segundo a secretaria, o investimento na nova metodologia foi de aproximadamente R$ 526 mil.

Travestis que foram presos por assaltar um taxista que não pagou o programa

Este vídeo é uma homenagem aos ignorantes que pregam que homossexuais são incapazes de cometerem crimes. Como se fossem criaturas imaculadas ou coisa parecida.

Escova "egípsia"


Este é um cartaz de um salão de cabeleireiros que oferece tratamento de escova "egípsia". O salão fica na Rua da Abolição, no Rio de Janeiro.

Podia ter mandado esta foto para a seção Pracas do Braziu, do Kibe Loco. Mas deixarei só aqui, mesmo.

terça-feira, 30 de março de 2010

PMDB ganha liminar para tirar propaganda do PSOL da TV


Fonte: Ricardo Gama.

Reprodução da matéria do Extra, coluna da Berenice Seara.

O
PMDB conseguiu na Justiça uma liminar que proíbe a veiculação na TV do programa do PSOL. Nele, o deputado Marcelo Freixo fez críticas ao transporte público do Rio, e cobrou do governador Sérgio Cabral explicações sobre o fato de o escritório da primeira-dama, Adriana Ancelmo, advogar para o Metrô Rio em processos movidos pelo estado. Foram três inserções de 30 segundos veiculadas no último fim de semana em cadeia nacional. O governador Sérgio Cabral já tinha, inclusive, reclamado nervosamente com o deputado federal Chico Alencar, argumentando que é "um absurdo" e que "aquilo não dá voto".

O PSOL já recorreu da liminar obtida pelo PMDB e dará maiores detalhes numa entrevista coletiva marcada para amanhã, às 11h, na sede do partido. Estarão lá o presidente do PSOL, Jeferson Moura, o secretário de comunicação do partido, Milton Temer, e o deputado estadual Marcelo Freixo.


Debatedores confundem Jorge Maravilha com Fio Maravilha


Mais uma asneira do programa de debates Vox Populi, da Catedral FM 106,7, para deleite dos fanáticos por rádio AM em FM. Hoje, alguém lembrou que, na época da Censura pós-1964, Chico Buarque usava às vezes um pseudônimo, para ter suas músicas aprovadas pela Censura, que a certa altura vetava qualquer composição nova assinada com o nome original Chico Buarque. Só que ninguém lembrou do pseudônimo usado por Chico.

Eu mesmo mandei uma mensagem de MSN pra eles, informando que o pseudônimo de Chico era Jorge da Adelaide. Só que, minutos depois, eu mesmo me corrigi, informando que o pseudônimo mesmo era Julinho da Adelaide, e que Jorge era apenas um personagem de uma das músicas compostas por Julinho (na verdade, Chico Buarque). Citei o nome da música: Jorge Maravilha.

Pra quê? Para as antas esclerosadas do Vox Populi não lembrarem da música, e ainda preferirem debater sobre outra música: o sucesso Fio Maravilha, de Jorge Ben Jor. Vai ver os debatedores ficaram achando que eu misturei o nome Fio Maravilha com o nome de seu compositor.

Bem feito. Quem mandou eu ajudar ignorantes natos como esses que fazem debates em FM?

Para quem se interessar: coloco aqui a música Jorge Maravilha, com o próprio Chico Buarque.

Queimando livros

BBB, a máquina de fazer loucos


Fonte: O Dia.

Dicesar revela que recebeu ameaças de morte

Supostos fãs de Dourado publicaram 34 mil mensagens agressivas nas duas páginas do Orkut do ex-BBB, que ontem deletou os perfis

POR BEATRIZ MOTA

Rio - Eliminado do ‘Big Brother Brasil 10’, Dicesar continua temendo Dourado e seus seguidores. Em participação no programa ‘Mais Você’, na manhã de ontem, o transformista afirmou que recebeu milhares de ameaças de morte da torcida do lutador. “Eu tenho 11 mil ameaças na Internet de fãs do Dourado. Estou um pouco assustado com essas mensagens”, disse o ex-BBB.

Amigo e assessor de imprensa de Dicesar, Anderson Azevedo, disse ainda que além dos 11 mil recados ofensivos postados no Orkut do brother, houve mais 23 mil no perfil de Dimmy Kieer, personagem que encarna como drag queen. “Dicesar deu a senha do Orkut do Dimmy a um fã para que ele apagasse as mensagens e me disse que cancelaria também o dele, pois sua sobrinha estava muito preocupada com o que leu”, disse Anderson. O amigo ainda informou que Dicesar está avaliando se contratará seguranças pessoais: “Ele me disse que não vai ignorar as ameaças e vai pensar direitinho, pois algumas mensagens foram bem pesadas”.

A Globo informou, por meio de sua assessoria de imprensa, que não disponibilizou seguranças para acompanhar o ex-BBB. “Temos apenas produtores que o levaram, depois de cumprir suas obrigações no Projac, até o hotel, no sábado. Mas há isso com todos os participantes”, afirmou a assessoria da emissora. O diretor do programa, Boninho, não foi encontrado para comentar o fato. Amigos e familiares de Dourado não quiseram falar sobre o assunto.

Defesa de Dourado

O fim da rivalidade dentro da casa não deu fim à discussão sobre a homofobia atribuída por alguns a Dourado. Em seu Twitter, a autora Gloria Perez defendeu o lutador. “Atribuir homofobia e nazismo ao Dourado é má-fé”, disse ela, discordando da luta travada pelos gays contra o gaúcho. “Essa campanha mancha a imagem do movimento: mostra os gays se comportando como os homofóbicos”.

O apresentador Bruno Chateaubriand, homossexual assumido, rebateu as declarações de Gloria. “Ele tem atitudes homofóbicas sim. Mas não podemos taxá-lo assim. A gravidade disso, no entanto, é que a caricatura criada dele fomenta na sociedade os grupos homofóbicos, que se valem de suas declarações e atitudes. Sua figura estimula esse retrocesso, e por isso sou anti-Dourado”.

Globo terá que esclarecer sobre formas de contaminação do HIV

Até o final desta edição do ‘Big Brother Brasil 10’, a Globo terá que exibir um esclarecimento à população sobre as formas de contração do vírus HIV, de acordo com determinação do Ministério da Saúde. Essa foi uma decisão liminar do juiz federal substituto Paulo Cezar Neves Junior, da 3ª Vara Federal Cível de São Paulo, proferida ontem.

A ação foi proposta pelo Ministério Público Federal (MPF) depois de uma polêmica e equivocada declaração do ‘brother’ Marcelo Dourado que foi ao ar no ‘reality show’: “Hetero não pega AIDS, isso eu digo porque eu conversei com médicos e eles disseram isso. Um homem transmite para outro homem, mas uma mulher não passa para o homem”, disse ele.

O Departamento de HIV e Aids do Ministério da Saúde esclarece que as formas de transmissão do HIV são: “pelo sangue, sêmen, secreção vaginal e pelo leite materno”. No processo, o Governo Federal ainda informa: “É significativamente maior no Brasil o número de casos de homens infectados com o HIV por mulheres em relação ao número de casos de homens infectados por outros homens. Além disso, a epidemia está estabilizada entre os homossexuais e vem crescendo entre os heterossexuais”.

A assessoria de imprensa da Globo informou ontem que a emissora ainda não foi comunicada sobre essa decisão. Há pena de multa no valor de R$ 1 milhão caso o canal não leve ao ar o esclarecimento, que deve ter o mesmo tempo utilizado na exibição das informações incorretas dadas por Dourado.

Sobre escândalos no Clero

As cobranças por uma limpeza ética e moral do clero partem de dentro da própria Igreja: alguns bispos, sacerdotes e fiéis. Vários dos padres americanos denunciados foram denunciados por bispos e colegas do sacerdócio.

As cobranças de fora se dividem entre cobranças justas por quem quer ética e moral em todos os campos da sociedade, e entre os interesseiros que veem na Igreja um obstáculo para seus interesses particulares ou grupais, não raramente políticos. Basta um cisco no olho da Igreja para isso virar tora a ser apontada.

Não tem como negar: ou o cardeal Ratzinger (ainda não Papa) ignorou as denúncias (um erro pastoral crasso), ou a burocracia vaticana é tão pesada que as denúncias chegam nas mãos de quem não pode agir.

De qualquer forma, é o tipo de erro pastoral de quem privilegia mais honrarias e política que o zelo pela obra de Deus. O mesmo tipo de erro que possibilita a criação de grupos conservadores extremistas, da Teologia da Libertação, da CPT...

De qualquer forma, o próprio Evangelho já previa que as portas do Inferno não prevalecerão contra a Igreja. O próprio papa Paulo VI disse nos anos 70 que a fumaça do Inferno tinha entrado na Igreja depois do Vaticano II... Mas ela não caiu.

As congregações do Vaticano

O PiG americano diz que as denúncias contra padres ianques foram encaminhadas ao cardeal Ratzinger, na época prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé. Ora, esse era o lugar errado para esse tipo de denúncia. O lugar correto seria a Congregação para o Clero, que orienta a conduta pastoral dos padres e diáconos e investiga desvios de função como esses denunciados. Se fosse um caso de heresia ou blasfêmia pregada ou falada, aí sim seria um caso a ser denunciado para o cardeal Ratzinger. Como o famoso caso do ex-frei brasileiro Leonardo Boff, quando Ratzinger agiu implacavelmente.

segunda-feira, 29 de março de 2010

Sai o nome do maior adversário do bispo Crivella e de Cesar Maia


Só estão aparecendo tranqueiras nessa corrida pelo Senado no Rio de Janeiro.

Fonte: O Globo.

Lindberg Farias vence Benedita nas prévias do PT para escolha do candidato ao Senado

Publicada em 28/03/2010 às 21h59m
Cássio Bruno

RIO - O prefeito de Nova Iguaçu, Lindberg Farias, foi declarado vencedor das prévias do PT do Rio para escolher o candidato do partido a uma vaga no Senado. O prefeito derrotou a secretária estadual de Assistência Social Benedita da Silva.

O resultado foi anunciado na noite deste domingo pelo presidente do diretório regional do partido, deputado federal Luiz Sérgio.

Até as 21h30m, dos 27.636 votos (99,9% do total), 18.546 (67,1%) foram para Lindberg. A secretária estadual de Assistência Social e de Direitos Humanos, Benedita da Silva, naquele horário, tinha 9.090 (32,9%). As parciais indicavam ainda 78 votos em branco e 73 nulos.

- Eu não esperava a diferença tão grande, o resultado surpreendeu - disse o prefeito de Nova Iguaçu ao saber do resultado.

Já ao votar, por volta de 11h30m, no Esporte Clube Iguaçu, o prefeito se mostrava otimista com a vitória, e esperava ter 60% dos votos. Segundo Lindberg, o partido saiu desgastado após seis meses de luta interna. Ele acredita que, com isso, o partido deixou de fortalecer a candidatura da ministra Dilma Rousseff, pré-candidata a presidente, no Rio.

- Foi um processo longo e desgastante - disse o prefeito, que participa nesta segunda-feira do lançamento do Programa de Aceleração do Crescimento 2 (PAC-2), carro-chefe da campanha de Dilma, em Brasília.

Pela manhã, Benedita, que votou por volta de 9h, no Chapéu Mangueira, negou que o partido vá sair dividido da disputa.

- Tivemos a oportunidade de fazer a discussão na base com o partido. E diante disso, o PT está refletindo para votar hoje. Nunca houve divisão no estado do Rio por conta de prévia. Isso eu sei por estar participando da quarta, sempre foi assim e é muito bom - declarou.

Segundo ela, sua prioridade é a campanha de Dilma, e a reeleição do governador Sérgio Cabral (PMDB). Benedita disse ainda que não abriu mão da indicação porque já está há oito anos tentando uma legenda para o Senado. Ela lembrou que, em 2002, teve que renunciar para reforçar o palanque de Lula no estado.

"Nossa Rádio" pode entrar no lugar da Rádio Relógio


Parece que a evangélica "Nossa Rádio" terá uma sobrevida no dial carioca. Caso seja confirmada a informação de que a Rádio Globo passará a transmitir também através dos 89,3 MHz, desalojando a "Nossa Rádio", a emissora vinculada à Igreja Internacional da Graça de Deus pode optar por desalojar a Rádio Relógio (que pertence à família de RR Soares). Seria então a "Nossa Rádio" AM 580.

Na verdade, a Rádio Relógio acabou faz tempo. Houve um tempo em que a rádio era uma excelente alternativa de serviços no dial AM. A rádio tinha jornalismo, o informativo Você sabia? durante toda a programação e o tique taque contínuo, com a hora certa do Observatório Nacional de minuto a minuto.

Até que o concessionário da rádio, bispo Robert McAlister (já falecido) da Igreja de Nova Vida vendeu a rádio para a família Soares, que tratou de vincular a rádio à IIGD. O resultado: tiraram o Você sabia? do ar e encheram a programação com música evangélica, tornando quase impossível ouvir a hora certa, que dirá o tique taque característico da Rádio Relógio.

Nos últimos tempos, eles até colocavam uma excelente programação de jornalismo e serviços nas manhãs e tardes dos dias úteis. Agora, nem isso: a rádio virou praticamente uma repetidora da "Nossa Rádio" FM, franquia da IIGD.

Com o fim oficial da Rádio Relógio (porque na prática a rádio acabou faz tempo), teremos que dar adeus ao tique taque característico e à hora certa no dial carioca. Que está mortinho. Só falta enterrar.

Texto publicado originalmente no Tributo ao Rádio do Rio de Janeiro.

Religition

Curral Religioso: Religião + política partidária = Religition.

domingo, 28 de março de 2010

O que os hermanos dizem sobre nossa eleição


É a primeira vez que este blog reproduz um texto em espanhol. Dá para saber o que parte da imprensa argentina diz sobre a sucessão presidencial brasileira de 2010.

O governo argentino não vai muito com a cara do jornal. Mas, quanto mais um jornal é odiado pelo Governo de seu país, melhor.

Fonte: El País.

El opositor Serra supera en nueve puntos a la candidata de Lula

Dilma Roussef ha sido criticada por su omnipresencia en los medios y su falta de experiencia

JUAN ARIAS - Río de Janeiro - 27/03/2010

La noticia política que domina las primeras páginas de los diarios brasileños la han brindado los resultados de un sondeo nacional realizado por el Instituto Datafolha en los que el opositor y socialdemócrata, Jose Serra, gobernador de Sao Paulo, gana por nueve puntos a la candidata del presidente Luiz Inácio Lula da Silva, la ministra de la Casa Civil y ex guerrillera, Dilma Rousseff.

El candidato de la oposición, Serra, que será oficializado como tal el día 10 de abril en Braslia, aparece con el 36% de los votos, contra el 27% de Rousseff. En una segunda ronda entre ambos, Serra ganaría al día de hoy con el 48% de los votos contra el 39% de la candidata del
Partido de los Trabajadores (PT).

Lo que más preocupa al
Gobierno de dicho sondeo es que en el espacio de un mes en el que Serra aún no se sabía si iba a ser candidato (y Rousseff haba tenido una exposición récord gracias a la publicidad que le ha hecho Lula, a quien ella acompaña en la inauguración de todas las obras y actos públicos hasta el punto de haber sido sancionado dos veces en una semana por anticipación de campaña) Rousseff no solo no ha crecido sino que ha perdido un punto, mientras que el candidato opositor crece cuatro puntos.

Otro motivo de preocupación para Lula es que, según el sondeo, en el Sur rico del país, de donde es oriunda la candidata del Gobierno, Serra presenta un consenso mayor entre las mujeres y los más pobres, dos campos que deberían ser de Rousseff, por su condición de mujer y de candidata de izquierdas apoyada por Lula, adorado por los pobres.


Cambio de estrategia

Según algunos analistas políticos, quizá la candidata del Gobierno deber cambiar su estrategia. Tanta presencia mediática aun antes de haber comenzado la campaña, ha podido dar su imagen. A favor de ella juega, sin duda, el apoyo del carismático mandatario brasileño y a favor de Serra su mayor experiencia política ya que ha sido dos veces ministro, alcalde de Sao Paulo, una de las tres mayores urbes del mundo con 22 millones de habitantes y además gobernador de dicho Estado, que posee el 25% de la riqueza bruta del país.

Rousseff tiene en su contra el no haberse presentado nunca a unas elecciones, ni haber sido diputada ni senadora. Tampoco en su partido, el PT, al que llegó tarde, después de haber militado en el
PDT, tuvo nunca ningún cargo. Su fuerza es la sombra de Lula. Ella, ya sola, sin él, frente a frente con Serra, deber demostrar que ofrece para el país, mayores garantías de estabilidad y de futuro que su contrincante, por lo que los analistas políticos pronostican una campaña civilizada, pero reñida y disputada, seguramente, voto a voto. Será la primera en 20 años sin Lula como candidato.

A volta do viés oposicionista do Rio de Janeiro


Resposta para Pesquisas: Nuvens negras vem do céu do Rio de Janeiro sobre Dilma:

Miguel, estou descobrindo seu blog hoje. Como eu estou extremamente decepcionado com muitas coisas que o PT fez nesses últimos anos (e olha que votei no Lula contra José Serra nos dois turnos de 2002, pois não sou o típico direitista neoliberal demo tucano, como vocês chamam dissidentes e discordantes), me sinto no direito e no dever de apenas acompanhar seu blog, mesmo discordando de sua linha chapa branca. Tanto que ele não terá espaço na lista de blogs do Brasil, um País de Tolos, ainda que haja outros blogs esquerdistas ali.

Sobre a cidade do Rio de Janeiro, é inegável que ela tem praticamente metade do eleitorado do estado ao qual pertence. A população da cidade tem uma longuíssima tradição de fazer oposição ao Governo Federal, seja qual for o cretino que estiver ocupando a Presidência. Tem sido assim, praticamente desde Castelo Branco.

Houve uma trégua com Lula durante seu primeiro mandato e até meados do segundo mandato. Nada mais justo: ele representava alguma renovação. Mas a ilusão se desfez como bolha de sabão. Voltamos à realidade oposicionista, tão incompreendida pelos amigos brasileiros de outros estados. Afinal, é duro eleger um presidente duas vezes e ve-lo aliar-se com figuras adjetas da direita, como José Sarney, Jader Barbalho, Fernando Collor, Henrique Meirelles (que saiu do PSDB direto para o Governo), Paulo Maluf, Sérgio Cabral Filho e Eduardo Paes. Vale lembrar que os dois pmdbistas cariocas são tão privatistas quanto os tucanos e os demos.

Pode ser que em outubro haja uma recaída chapa branca no estado do Rio, como houve nas eleições de 2006. Mas, levando em consideração que seu texto muito bem escrito é bem realista e sincero, e vindo de quem vem, me faz acreditar que o viés oposicionista poderá voltar com tudo em outubro. E aí, babau Dilma.

E olha que os fluminenses em geral desprezam José Serra, pois ele foi o constituinte responsável pelo envio do ICMS do petróleo para os estados consumidores, não os produtores como o Rio. E ainda tem aquela histórica perseguição tucana contra as estatais sediadas no Rio e outras...

Mas parece que o velho viés oposicionista parece estar prevalecendo nos corações fluminenses.

Texto original de Miguel Grazziotin:

O Jornal O DIA, do Rio de Janeiro teve acesso exclusivo a uma pesquisa realizada pelo VOX POPULI, entre 20 e 22 deste mês.

Nela Dilma/PT tem 29% dos votos e Serra/
PSDB 28%, Ciro/PSB tem 16% e Marina/PV 9%.

Muitas vezes já escrevi aqui o que penso das pesquisas de TODOS os institutos. Não acredito que algum deles seja totalmente imparcial e muito menos que não sirva à alguma força em especial. Porém, o VOX POPULI e o CNT/SENSUS vem, historicamente tendo maior coerência que os “suspeitíssimos DATAFOLHA e IBOPE.

Por esta razão, embora haja na rua uma pesquisa Datafolha, para mim, totalmente distorcida visando o lançamento da candidatura Serra, procurei analisar a pesquisa do estado carioca e fiquei, como apoiador de Dilma, bastante preocupado.

Se considerarmos que o governador carioca apóia o governo federal, se considerarmos a conquista das
Olimpíadas pelo Rio, além do histórico de votação do estado, teremos , no momento, um quadro para lá de preocupante.

Vamos nos recordar que em 2006 Lula fez 49,18% contra 28,86 de
Alckmin/PSDB. Uma diferença considerável, num estado populoso.

Porém, nesta pesquisa de março, vemos um empate entre as forças petistas e tucanas.

No meu modo de ver, uma grande vitória do PSDB.

É óbvio que falta ainda muito tempo para a eleição, mas Dilma terá que compensar as prováveis derrotas que sofrerá nos estados do Sul e
São Paulo. E não será com uma vitória apertada no Rio que conseguirá isto.

Nesta etapa da disputa, deveríamos ter Dilma com uma folga acentuada no Rio, e isto não está acontecendo.

Em São Paulo, com todos os acontecimentos negativos – competentemente blindados pela mídia amiga – Serra deverá ter uma vitória folgada. As pesquisas mostram que Alckmin está, este sim, com uma boa margem de liderança na corrida estadual, o que refletirá na votação de Serra.

Algo não está fluindo como deveria na campanha de Dilma no Rio.

Se o comando da campanha da ministra não atacar os problemas imediatamente, talvez não haja tempo no futuro.

Nuvens negras se aproximam de Dilma, e elas vem do céu Carioca.


P.S: A pesquisa Vox Populi para o jornal O Dia.

Altamiro, direita e esquerda

Resposta para Quem acredita na pesquisa do Datafolha?:

E a esquerda não mente também, Altamiro? É muita ingenuidade de sua parte. Não é à toa que digo que este país é um País de Tolos.

A diferença entre a direita e a esquerda é que a direita rouba com a mão direita e a esquerda rouba com a mão esquerda.

Há também os centristas (a maioria da base de apoio de Lula), que roubam com as duas mãos.

P.S: Eu também não acredito no Datafolha.

Método musical de combate à Dengue

Monte um palco numa praça do bairro ou da comunidade e chame representantes da Música de Cabresto Brasileira para tocarem (?) e cantarem (?). Com certeza, os mosquitos não ficarão na comunidade para ouvir.

Hoje, às 17h, a Vila Cruzeiro terá um show gratuito da campanha de combate à Dengue do Conexões Urbanas (parceria do AfroReggae com a TV Globo Rio). Se ainda fosse só a rapaziada esforçada do AfroReggae, tudo bem. O problema é que subirão ao palco também o grupo fânqui Os Havaianos, a banda Calypso, a cantora (?) Preta Gil e DJs e MCs da Furacão 2000.

sábado, 27 de março de 2010

TV, a máquina de fazer loucos


Só mesmo a TV brasileira é capaz de produzir loucos desocupados querendo matar um inocente útil (útil para a alienação global) como Dicesar.

Fonte: Sidney Rezende.

'BBB 10': Rede Globo vai colocar seguranças para acompanhar Dicesar
Redação SRZD BBB 10 26/03/2010 16:45

Depois que o brother Dicesar deixar a casa do
Big Brother Brasil 10, a Rede Globo vai colocar seguranças para acompanhá-lo da saída do Projac até o hotel e, durante os compromissos dele com a emissora, como ir ao Domingão do Faustão, entre outros, informou a jornalista Fabíola Reipert em seu blog.

O motivo da precaução é garantir a proteção do maquiador contra os defensores de Marcelo Dourado, inimigo declarado de Dicesar. O homossexual está sendo ameaçado de morte até mesmo em sua página do site de relacionamentos
Orkut.

Preocupações de telealienados


Estou aqui vendo o Orkut, e encontrei a seguinte pérola de um desocupado que está chorando porque hoje, no Big Bosta Brasil, o concorrente Dourado derrotou o rival Dicesar, enquanto este deixou o programa:

Juninho

REALMENTE A
GLOBO E O BONINHO MANIPULAMMMM

É UMA PENA NÉH, PQ É UM PROGRAMA Q TINHA DE TDO P/ CONTINUAR FAZENDO SUCESSO E SUPERANDO ÍNDICES DE AUDIÊNCIA,MAS DEPOIS DE HJ,AFF*

BBB------------>JA ERA!!!!!!!!!!!

ESTOU PASSADO O BRASIL PREFERE UM HOMOFÓBICO?
PRECONCEITUOSO???????
MAXISTA????????

NOSSA POLÍTICOS NAUM VAUM ROUBAR+ E A ISABELLE NARDONNI NAUM SOFREU UM CRIME QUE MERECE PUNIÇÃO, UMA PRISÃO PERPÉTUA!!!!!!

E NOSSO PAÍS É MSMO SUBDESENVOLVIDO*

Putizgrila! A Globo sempre manipulou, principalmente a política brasileira. E só agora esses otários percebem que a Globo é manipuladora? Teve que acontecer um revés numa futilidade como o BBB para os otários perceberem?

E, francamente, "maxista" é uma demonstração de cultura fenomenal.

Renato Russo faria hoje 50 anos



Autor: Alexandre Figueiredo

Eu me lembro como se fosse ontem de quando a Legião Urbana lançou suas gravações em fita demo pela Fluminense FM. Bons tempos aqueles em que o rádio AM não sofria a concorrência desleal das FMs, e que a música brega-popularesca, mesmo ligada às oligarquias dominantes, não se colocava acima da MPB.

A Legião Urbana era uma banda de rock emergente, não havia feito mais que um ano de existência em 1984, e o grupo mesclava em seu repertório músicas novas, da fase intermediária do Trovador Solitário (primeira investida solo de Renato) do tempo do Aborto Elétrico, a banda punk de Renato Russo, que marcou história no cenário de Brasília. Apesar disso, Renato era um carioca da gema, tendo nascido na Ilha do Governador há 50 anos.

Nascido Renato Manfredini Jr., ele ficou doente na infância, viveu alguns anos nos EUA, leu muitos livros, trabalhou como professor de inglês em Brasília. Era intelectualizado para os padrões meramente revoltosos do punk rock brasileiro, que era coisa de proletário ou de cidadão de classe média baixa. Mas tornou-se, mesmo assim, um importante menestrel punk, numa abordagem crítica e ácida dos fatos.

Não é preciso explicar os primeiros versos de "Que País é Este?", que o Aborto Elétrico tocava em 1978: "Nas favelas / No senado / Sujeira pra todo lado / Ninguém respeita a Constituição / Mas todos acreditam no futuro da nação / Que país é este?". Retrato contundente dos tempos da ditadura? Pode ser, mas os versos fazem sentido se relacionados aos nossos dias. E qual o "funk carioca", qual a axé-music, qual a "conscientizada" dupla de "sertanejo universitário" terá coragem de escrever versos assim tão raivosos? Ninguém, é claro. Nem os funqueiros "de raiz", tão metidos a se dizerem "de protesto".

A Legião Urbana durou apenas treze anos. De 1983 a 1996. No final de 1984, foi lançado o primeiro LP, que considero o mais "cru" da banda. Tem até música que critica a juventude alienada, "A Dança", que era endereçada aos playboys dos conjuntos da Colina, em Brasília, mas pode muito bem ser endereçada aos jovens de hoje com arrogância reacionária, defendendo o brega-popularesco, o emo, as noitadas compulsivas, as gírias ridículas, o "internetês" ou qualquer onda da grande mídia com mãos de ferro.

Como os Beatles, a Legião Urbana teve duas fases. A primeira foi de 1984 a 1988, mais punk, só que dentro da perspectiva pós-punk, devido ao trabalho melódico (com ecos de U2 e Smiths). Havia ênfase nas letras políticas e nas temáticas sociais. Mas havia espaço para coisas pouco convencionais, como a longa faixa "Faroeste Caboclo", de 1987, originária da fase Trovador Solitário de Renato, com um enredo que certamente agradaria Glauber Rocha se ele tivesse vivido para ouvir a música.

Antes da segunda fase, houve um incidente em Brasília, em 18 de junho de 1988. Renato Russo se desentendeu com a plateia, que em boa parte estava desequilibrada, confusa, revoltada. Renato desistiu da apresentação e então houve um quebra-quebra, com vários feridos. A banda deixou de se apresentar em Brasília. Algo comparável ao cancelamento das apresentações ao vivo dos Beatles em 1966.

A segunda fase veio, portanto, logo depois, quando Renato Russo passou a trabalhar temas pessoais, mais emotivos e existencialistas. Seu lirismo a princípio causou estranheza, até mesmo a mim. Mas só depois pude entender o sentido de "Disciplina é liberdade" e "Você culpa seus pais por tudo / Isso é absurdo". Versos bem diferentes do que Renato escrevia cinco anos antes, mas pensando bem sempre dentro do estilo dele. Renato Russo apenas mudou seus interesses, pensava menos em política e mais nos seus dramas pessoais. Como Bob Dylan que deixou de fazer letras de protesto para trabalhar temas mais complexos e existenciais.

Renato Russo investiu depois em carreira solo. Não no contexto do Trovador Solitário, mas a princípio gravando covers. A essas alturas, ele já tornou-se querido pela MPB autêntica, compondo com Leila Pinheiro, Marisa Monte e Flávio Venturini, entre outros. Gravou música italiana, o que causou estranheza. Mas o sobrenome Manfredini explica a ascendência italiana. E Renato admitia que era um trabalho que não cabia em sua banda.

Nos últimos meses de vida, infectado pelo vírus HIV e sofrendo de anorexia, Renato estava amargurado com o país e com os dramas pessoais. Era homossexual e sofreu uma desilusão amorosa com um namorado. Mas estava revoltado com os rumos do país de FHC. O último álbum da Legião Urbana, A Tempestade ou o Livro dos Dias, foi lançado em 1996 e era melancólico. É desse álbum a música mais triste da banda, "Natália", relato amargurado dos rumos do país.

Renato Russo morreu pouco depois do lançamento do LP, em 11 de outubro, aos 36 anos. Mas tornou-se desprezado por uma geração esnobe e alienada de jovens, fanáticas por grupos tipo Charlie Brown Jr., por noitadas e curtição excessiva. A juventude dessa época personificou bem o retrato lamentado por Renato Russo em "A Dança": "Você é tão esperto / Você está tão certo / Que você nunca vai errar / Mas a vida deixa marcas / Tenha cuidado / Se um dia você dançar".

Mas um dia as bandas de proto-emo, os funqueiros, os "sertanejos universitários", todos eles passam, e a boa música é a que fica. Mesmo morto, Renato Russo vive e viverá para quem aprecia seu talento, sua obra e sua vida.

Texto publicado originalmente no blog Kiss FM Rio de Janeiro.

José, a Rainha do Deserto


Fala, aloprado!

Fonte: O Globo.

Rainha, líder do MST, promete batalha no campo por Dilma

Publicada em 26/03/2010 às 23h59m
Jean Oliveira e Bianca Notário*

ANDRADINA E PRESIDENTE PRUDENTE - O líder de uma ala do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) no Pontal, José Rainha Júnior, declarou nesta sexta-feira, em Andradina, que "todos os acampamentos comandados por ele serão um comitê pró-Dilma Rousseff", a ministra da Casa Civil e pré-candidata do PT à Presidência da República. Rainha disse isso no dia em que o governador José Serra (PSDB) visitou Andradina, a 650 quilômetros de São Paulo, para inaugurar o Ambulatório Médico de Especialidades (AME), que já está funcionando desde o dia 2 deste mês.

- Já estamos em campanha e vamos fazer um campo de batalha, no campo, por Dilma - disse Rainha, que pretende mobilizar mais de 13 mil pessoas, entre acampados e assentados, no "abril vermelho", com ocupações de terra na região de Andradina.

O governador, ao final da inauguração, não comentou a declaração de Rainha. Serra foi recebido aos gritos de "mentiroso" por um grupo de cem professores ligados ao Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo ( Apeoesp). Serra qualificou como "inexpressivo" e "pequeno" o protesto. Os integrantes do MST chefiados por Rainha na região não compareceram aos atos dos professores, como ameaçara o líder sem-terra.

* Especial para O GLOBO

Bento XVI e o PiG

Agora que todo mundo já fez frevo por conta desse assunto que tenta ligar Bento XVI a escândalos de pedofilia (Vaticano condena alegação de que papa não agiu em caso de pedofilia, Bispos defendem Bento XVI em meio a novos escândalos de pedofilia na Igreja, mas pedem medidas urgentes e Pedofilia : o Papa foi "atingido bem no fundo", diz bispo francês), também farei o meu.

Essa discusseira toda é inútil. Quem gosta do Papa terá mais motivos para gostar dele. O credo católico valoriza o martírio acima de tudo. Quem sempre odiou o Papa terá mais desculpas para continuar odiando. O mesmo vale com relação à própria Igreja, o credo católico ou qualquer outro credo ou agremiação afim, seja uma corporação concorrente (uma igreja protestante, por exemplo) ou alguma organização não cristã.

O que me impressiona é que denúncias envolvendo padres traidores da Igreja e do Evangelho ocorrem em qualquer época, e devem ser feitas mesmo. Mas ataques ao Papa e à Igreja na Quaresma e na Semana Santa viraram uma rotina suspeita, independente do mérito ou da falta de mérito. Todo ano tem.

E essa agora do New York Times me parece mais uma do PiG, que nós brasileiros conhecemos bem. Mas para tristeza do PiG, não passa na cabeça de ninguém que tropas militares invadam o Vaticano para dar um Golpe de Estado no Papa, como já foi feito com outros chefes de Estado e de Governo na América Latina.

Se querem fazer alguma crítica à atuação pastoral do Papa, não o façam por coisas que ele não fez mas que nem se sabe se ele podia fazer. Façam por algo que ele comprovadamente pode ainda fazer mas não fez ainda. Como não ter feito ainda uma intervenção ou mesmo a dissolução da CNBB, por conta dos fatos descritos em carta para a Congregação para a Doutrina da Fé.

Lula chorando por causa de "tablóides"

Esta é a imagem da semana neste blog.

sexta-feira, 26 de março de 2010

'Renato Russo: duetos', um tributo que tem cara de insulto

Concordo com Antônio Carlos Miguel.

Quem autoriza esses discos caça-níqueis é o único herdeiro de Renato Russo: Giuliano Manfredini. E ele ainda disse que não viveria do espólio do pai...

Como muita gente leva este lançamento em alta consideração, isso mostra que Renato morto está muito mais vivo que os pseudo-talentos de hoje em dia. Por outro lado, isso é também uma amostra do desespero da agonizante gravadora EMI.

Fonte: O Globo.

Plantão Publicada em 25/03/2010 às 08h59m
Antônio Carlos Miguel

RIO - Renato Russo deve estar se revirando no túmulo com "Duetos" (EMI), CD caça-níqueis que se aproveita de mais uma efeméride. Dos 15 encontros do projeto concebido pelo pesquisador Marcelo Fróes, sete não aconteceram, os convidados botaram suas vozes depois, a partir das gravações de Russo. Sendo que dois desse duetos falsos aproveitam registros distintos, reunidos na mesa de edição: "Cathedral song"/"Catedral" é o "dueto" pioneiro, montado em 2003 para outro disco-insulto, "Renato Russo presente", juntando as gravações de Russo (no CD "The Stonewall Concert Celebration") e Zélia Duncan (em sua estreia) para o sucesso de Tanita Tikaran; enquanto "Vento no litoral" traz base instrumental nova, a cargo do produtor Clemente Magalhães, acompanhando as vozes de Russo (de uma fita de 1991) e Cássia Eller (de um tributo ao "legionário", em 1999).

Pode até soar bonito, a edição é bem-acabada, e muitos discos de duetos recentes são gravados sem que os cantores dividam o mesmo estúdio, mas no caso de um artista morto esse tipo de álbum é eticamente questionável. Como os herdeiros de Russo permitiram isso? Como Caetano (em "Change partners"), Leila Pinheiro (em "Solitudine"), Fernanda Takai (em "Like a lover", versão de "O cantador"), Laura Pausini (na sua "Strani amore") e Célia Porto ("Come fa un'onda", versão italiana de "Como uma onda") concordaram em participar?

Além dos sete falsos duetos, o disco traz oito reais, alguns saídos de precários registros ao vivo. Valem pela curiosidade: é o caso de "Summertime", com Cida Moreira, de uma fita cassete com o show da cantora e pianista em Brasília, em 1984; de "Nada por mim", com Herbert Vianna, do especial "Paralamas & Legião", produzido para a TV Globo em 1988. Ou o inusitado - pelas diferenças de geração e estilo - encontro com Dorival Caymmi, no samba-canção "Só louco", tirado do programa de TV "Por acaso", de José Maurício Machline, em 1994. Dessa mesma fonte veio o com Adriana Calcanhotto, em "Esquadros".

A coletânea ainda reúne participações de Russo em discos de outros artistas: Paulo Ricardo (em "A cruz e a espada"), Erasmo Carlos ("A carta") e Flávio Venturini e 14 Bis ("Mais uma vez"). Há também um encontro com Marisa Monte, em "Celeste", apresentado como um dos trunfos de "Duetos". Na verdade, trata-se do rascunho da parceria dos dois "Soul Parsifal" (lançada pela Legião em "A tempestade", de 1996). Fãs vão gostar de ouvir a fita DAT que estava guardada nos arquivos de Marisa, mas "Celeste"/"Soul Parfisal" é canção esquecível, caso no qual a soma do talento dos dois ficou perto do zero.

Guns N' Roses marca nova data de show no Rio

O Rio não perdeu nem perde muita coisa.

Fonte: O Globo.

Plantão Publicada em 25/03/2010 às 11h58m
O Globo

RIO - Axl Rose e cia. já têm data de volta ao Brasil. O Guns N' Roses tocará no Rio de Janeiro dia 4 de abril. O local será o mesmo da apresentação cancelada no último dia 14, a Praça da Apoteose. O grupo nâo pôde apresentar o show da turnê "Chinese democracy" porque as fortes chuvas que atingiram a cidade na ocasião destruíram parte do palco.

O vocalista da banda ficou feliz com a remarcação da data: "Excursionar pelo Brasil e não tocar no Rio de Janeiro deixa uma sensação de que a turnê não foi completa", escreveu ele em mensagem para os fãs.

O Guns conseguiu encaixar na agenda o novo show no Brasil depois da última data da turnê na América do Sul, em Quito, Equador, dia 2 de abril.

"Nós fizemos quatro grandes shows no Brasil e voltaremos para completar a turnê com a apresentação do Rio de Janeiro, onde tocamos pela última vez em 2001. Os fãs podem se preparar", completou o vocalista na mensagem.

Os ingressos comprados para o show cancelado continuam válidos para a nova apresentação no mesmo setor. Não há necessidade de troca. Os tickets adquiridos na pré-venda para clientes Credicard, Citibank e Diners também não sofrem alterações.

Ainda há entradas disponíveis.

Serra e Dilma disputam feitos na saúde


Fonte: Estadão.

Em evento no interior, ministra critica falta de adesão do governo paulista ao Samu, enquanto governador cobra melhorias no setor

26 de março de 2010 0h 00
José Maria Tomazela, ENVIADO ESPECIAL / TATUÍ - O Estadao de S.Paulo

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o governador de São Paulo, José Serra (PSDB), e a ministra da Casa Civil Dilma Rousseff, foram personagens de um embate político em torno do tema saúde, ontem , em evento no interior paulista.

Ao discursar, antes de Lula, Serra cobrou melhorias na área, apesar de considerar o Serviço Único de Saúde (SUS) o melhor da América Latina. "Temos de torná-lo cada vez melhor, com atendimento mais de primeira classe. Não podemos ter na saúde atendimento de primeira e de segunda classe."

Em resposta, o presidente disse que o SUS está se aperfeiçoando. "Tudo o que a gente tenta dar para todo mundo sai de pouca qualidade, mas o Serra tem razão, é o melhor plano de saúde da América Latina."

Dilma, ao discursar, criticou indiretamente a falta de adesão do governo paulista ao Sistema de Atendimento Móvel de Urgência (Samu). No Estado, o programa funciona graças a acordos com prefeituras. "O governo federal não consegue sozinho levar à frente essa política generosa que é implantar o Samu e dar cobertura a 100% dos brasileiros se não contar com parcerias com os prefeitos. Aqui em São Paulo, o governo federal participa também do custeio, ou seja, tira dinheiro do bolso e ajuda pagar os médicos, enfermeiros e a sustentar esse projeto que é o Samu."

As declarações foram dadas na solenidade de entrega de 650 ambulâncias do Samu, na empresa Rontan, em Tatuí, a 137 km de São Paulo - os veículos estavam prontos desde o final de fevereiro. Lula repetiu críticas à imprensa, alegando que, se não estivesse na entrega das ambulâncias, o evento não mereceria "nem uma notinha de rodapé". Aplaudido pelos dois mil trabalhadores da empresa, fez brincadeiras e se considerou "quase um portador de deficiência" por ter perdido um dedo mínimo em acidente de trabalho. "Fosse hoje, teriam implantado o dedo", disse, depois de criticar o elitismo da saúde no Brasil.

Lula não se referiu ao fato de o governo paulista não ter aderido ao Samu, mas destacou que havia desconfiança quando o programa foi criado, em 2004. Sem citar nomes, disse que a prefeitura do Rio, na época, não pôs para funcionar 80 ambulâncias que recebeu. "Só para ter ideia, nem o Bolsa-Família eles cadastraram, por achar que o governo federal não deveria chegar até os pobres do Rio de Janeiro." Lula disse que até julho voltará à cidade para entregar mais 1.650 ambulâncias. Disse ainda que o Samu deverá dispor de aviões e helicópteros.

Serra não considerou ter havido crítica a seu governo e disse que o governo estadual coopera com o governo federal. "De nossa parte há uma iniciativa que complementa todo o sistema de saúde, que é o hospital e o atendimento de emergência. Nos últimos três anos fizemos dez hospitais novos em São Paulo."

Dilma encerrou seu discurso com referência ao slogan "a esperança venceu o medo", usado por Lula na campanha de 2002. "Nós podemos transformar (o País) e, sobretudo, nós vamos fazer isso, cercados por essa imensa força desse sentimento que é a esperança que mais uma vez vem vencendo o medo no Brasil", discursou a ministra.

Imposto do cheque

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse ontem que o próximo presidente terá de encontrar um substituto para a CPMF, "Não é possível fazer saúde neste país sem dinheiro, pois custa caro."

quinta-feira, 25 de março de 2010

Sociólogo sugere emenda anticensura

Vale lembrar que o Estadão está sob censura há meses. Está proibido de fazer qualquer referência aos inquéritos que citam Fernando Sarney, o Filho do Homem do Maranhão e do Amapá.

Fonte: Estadão.

Demétrio Magnoli abriu seminário sobre liberdade de imprensa na América Latina

25 de março de 2010 0h 00
Bramatti - O Estadao de S.Paulo


O sociólogo Demétrio Magnoli disse ontem que o Brasil poderia evitar casos de censura à imprensa impostos pela Justiça se tivesse em sua Constituição uma emenda que proibisse claramente qualquer entrave à liberdade de expressão.

Magnoli proferiu a conferência inaugural do seminário Liberdade de Expressão/Direito à Informação nas Sociedades Contemporâneas da América Latina, promovido pela Fundação Memorial da América Latina.

O estudioso fez um relato sobre a doutrina do "terrorismo midiático", propagada, segundo ele, por governos e partidos identificados com o presidente da Venezuela, Hugo Chávez. Essa doutrina, delineada em evento patrocinado por Chávez em 2008, estabelece que a informação deve ser "objeto de políticas públicas permanentes", ou seja, submetida a controles estatais.

O governo brasileiro, segundo Magnoli, não adota a tese do terrorismo midiático e respeita a liberdade de imprensa "quase o tempo todo". "O presidente Lula reclama da imprensa, como todos os demais, mas isso é um sinal de que a imprensa é livre." Para o sociólogo, porém, a doutrina é predominante no PT, "partido que vive um processo de restauração stalinista".

Supremo. O sociólogo se referiu a uma possível mudança na Constituição ao comentar a censura ao Estado, determinada pela Justiça há 237 dias. Para ele, o País poderia se inspirar em lei norte-americana que proíbe expressamente o Congresso de legislar sobre mecanismos que imponham censura prévia à imprensa.

"No caso do Estado, o STF não julgou o mérito, ou seja, não avaliou se é ou não um caso de censura. Quando isso acontecer, creio que haverá uma vitória para a liberdade de expressão", disse Magnoli.

O patético chororô de Lula

PT
Fonte: Estadão.

Lula se diz vítima de 'má-fé' da mídia

Presidente acirra ataques, afirma que jornais brasileiros publicam 'muita mentira' e os compara a tabloides sensacionalistas londrinos

25 de março de 2010 0h 00
Leonencio Nossa - O Estadao de S.Paulo

BRASÍLIA - O presidente Luiz Inácio Lula da Silva fez ontem duros ataques à atuação de TVs e jornais, no mesmo tom crítico adotado na crise política de 2005 e na campanha pela reeleição em 2006. Ele acusou a imprensa de agir de "má-fé" e dar informações erradas sobre o governo.

"Se daqui a 30 anos alguém tiver que fazer alguma história do Brasil e tiver que ler alguns tabloides, vai estudar muita mentira", disse, comparando os periódicos brasileiros aos jornais sensacionalistas de Londres.

Ao participar de evento de divulgação do programa Territórios da Cidadania, no Centro de Convenções Ulysses Guimarães, Lula reclamou especialmente do noticiário recente sobre suas viagens e inaugurações de obras. "É triste quando as pessoas têm dois olhos bons e não querem enxergar e têm a oportunidade de escrever a coisa certa e escrevem errado", disse.

Até ontem, as críticas de Lula à imprensa no segundo mandato tinham sido mais brandas do que as feitas nos quatro primeiros anos de governo. Ele agora elevou o tom, na avaliação de assessores, porque os jornais e TVs, neste começo do processo de sucessão, teriam acabado com a trégua, recorrendo a notícias "erradas" e "contra" o governo.

O presidente, no discurso de ontem, disse que estava fazendo o desabafo para o noticiário não piorar ainda mais. "Se você se acovardar, eles (jornais) vêm para cima. Se tem uma coisa que não temos que ter é vergonha do que fizemos neste país", afirmou. Ele reclamou, em especial, da cobertura das inaugurações de obras.

"Esses dias eu fiquei triste. Inaugurei duas mil casas e não vi uma nota no jornal. Mas, quando cai um barraco, eles dizem que caiu uma casa", disse. "É uma predileção pela desgraça."

Confecom. Ele ainda reclamou que empresários do setor foram convidados a participar da Conferência Nacional de Comunicação (Confecom), organizada pelo governo no ano passado, mas não compareceram. Ao reclamar da cobertura negativa de suas ações, Lula voltou a acusar a imprensa de preconceito por sua origem. "Se não querem saber pelos seus olhos, poderiam saber pelas pesquisas de opinião pública. Mas ainda assim não querem ver", disse.

Lula disse que os embates políticos, decorrentes da disputa eleitoral deste ano, não podem atrapalhar o andamento das ações do governo e especialmente os programas sociais. Ele reafirmou que lançará na próxima segunda-feira a segunda etapa do Programa de Aceleração do Crescimento, o chamado PAC 2, para garantir ao próximo presidente orçamento para tocar as obras. Nesse momento do discurso, os participantes do evento começaram a gritar o nome da ministra da Casa Civil, ministra Dilma Rousseff, pré-candidata do PT à Presidência.

"Eu não posso dizer quem vai ser (o próximo presidente), apesar de, na minha cabeça, eu ter consciência do que vai acontecer neste ano", afirmou.

Multa. Na semana passada, o presidente foi multado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) por propaganda indireta e encoberta da candidatura de Dilma durante inauguração de obras, em maio de 2009, na favela de Manguinhos, no Rio. Na ocasião, ao ser interrompido pela plateia aos gritos de "Dilma", o presidente expressou sua expectativa: "Que a profecia que diz que a voz do povo é a voz de Deus esteja correta neste momento."

Dança. À tarde, numa entrevista após almoço com o rei da Suécia, Carl Gustaf, Lula disse que, na reta final do mandato, quer aproveitar o máximo de sua equipe. Mais descontraído, afirmou que os novos ministros que entram no governo no dia 1.º de abril terão de trabalhar mais do que os que deixarão o governo para disputar as eleições. "É quase natural. Você está no fim da festa e quer sentar numa cadeira e não quer dançar mais. Agora, eu quero que a turma dance", comparou, ressaltando que ainda tem muitas obras para concluir até o fim do mandato. "Esse pessoal que vai entrar vai trabalhar muito mais que o pessoal que sair."

Ele ainda mandou um recado para a secretária executiva da Casa Civil, Erenice Guerra, que comandará a pasta. "Quem entrar no lugar da Dilma, vai trabalhar muito mais que ela."

Segundo ele, também "não vai ter nervosismo desta vez", porque o governo tem consciência do que quer fazer até a conclusão de seu mandato. "Não vamos brincar com a estabilidade econômica. A questão fiscal continuará sendo tratada com seriedade e a inflação tem quer ser controlada porque se ela voltar vai para cima do pobre", afirmou.

O QUE LULA JÁ DISSE SOBRE A IMPRENSA

15/10/2009
Ao visitar obras do S. Francisco "Vá ser azedo assim em outro lugar"

8/3/2010
Inauguração na Rocinha "Coisa boa não interessa, o que interessa é desgraça"

11/3/2010
Em Brasília
"Leiam os editoriais para ver os falsos democratas"

12/3/2010
No Paraná
"Setores da imprensa costumam publicar desgraça o dia inteiro"

2010 - Cristais Quebrados


ELE TEM TODA RAZAO NO QUE DIZ.
NÓS É QUE SOMOS CEGOS, SURDOS E BURROS...

*Carlos Vereza

Não é necessário ser profeta para revelar antecipadamente o que será o ano eleitoral de 2010.

Ou existe alguém com tamanha ingenuidade para acreditar que o “fascismo galopante” que aparelhou o estado brasileiro, vá, pacificamente, entregar a um outro presidente, que não seja do esquema lulista, os cargos, as benesses, os fundos de pensão, o nepotismo, enfim, a mais deslavada corrupção jamais vista no Brasil?

Lula, já declarou, que (sic) “2010 vai pegar fogo!”. Entenda-se por mais esta delicadeza gramatical, golpes abaixo da cintura: Dossiês falsos, PCC “em rebelião”, MST convulsionando o país… Que a lei de Godwin me perdoe - mas assistiremos em versão tupiniquim, a Kristallnacht, A Noite dos Cristais que marcou em 1938 o trágico início do nazismo na Alemanha.

E os “judeus” serão todos os democratas, os meios de comunicação não cooptados (verificar mais uma tentativa de cercear a liberdade de expressão no país: em texto aprovado pelo diretório nacional do PT, é proposto o controle público dos meios de comunicação e mecanismos de sanção à imprensa). Tudo isso para a perpetuação no poder de um partido que traiu um discurso de ética e moralidade ao longo de mais de 25 anos e, gradativamente, impõe ao país um assustador viés autoritário. Não se surpreendam: Há todo um lobby nacional e internacional visando a manutenção de Lula no poder.

Prêmios, como por exemplo, o Chatham House, em Londres, que contou com “patrocínios” de estatais como Petrobras, BNDS e Banco do Brasil, sem, até agora, uma explicação convincente por parte dos “patrocinadores”; matérias em revistas estrangeiras, enaltecendo o “mantenedor da estabilidade na América Latina”. Ou seja: a montagem virtual de um grande estadista…

Na verdade, Lula, é o übermensch dos especuladores que lucram como “nunca na história deste país”.

Sendo assim, quem, em perfeito juízo, pode supor que este ególatra passará, democraticamente, a faixa presidencial para, por exemplo, José Serra, ou mesmo Aécio Neves?

Pelo que já vimos de “inaugurações” de obras que sequer foram iniciadas, de desrespeito às leis eleitorais, do boicote às CPIs, como o da Petrobras, do MST e tantos outros “deslizes”, temos o suficiente para imaginar o que será a “disputa” eleitoral em 2010.

Confiram.

Carlos Vereza - ator

PARA QUEM NÃO SABE, CARLOS VEREZA FOI UM DOS FUNDADORES DO PT.

quarta-feira, 24 de março de 2010

A via-crúcis dos cadeirantes nos ônibus do Rio - 2

Rio 2016 - Cidade dispendiosa
Já toquei neste assunto ontem, e só pra completar, trago aqui o vídeo da novela Viver a Vida. Se fizeram essa buesta de novela só para poder colocar cenas como esta, pelo menos para isso valeu a pena.

A situação dos cadeirantes no Rio de Janeiro é caótica. E ainda querem Copa do Mundo e Olim Piadas nesta cidade. A Globo, governista que só, pôs na boca dos personagens em outra cena (não a deste vídeo) alguma ponta de esperança de que as coisas melhorem em função desses eventos.

Só a personagem Luciana não deu muita fé nisso.

Um encontro dos paspalhões que trabalharão na campanha de Dilma Rousseff

A cara do bipartidarismo brasileiro

Romero Jucá é a cara desse nefasto projeto de bipartidarismo comandado pelo PT e pelo PSDB.

Fonte: Adriana Vasconcelos.

Enviado por Adriana Vasconcelos - 23.3.2010 15h06m

O eterno líder do governo

Mais uma vez o líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), entrou em cena para consertar um escorregão da base aliada, que na semana passada cochilou mais uma vez e permitiu a aprovação da convocação do tesoureiro nacional do PT, João Vaccari Neto, na CPI das ONGs.

Enquanto parlamentares petistas se preparavam para revidar a ação da oposição, apresentando outros requerimentos de convocação para constranger o
DEM e o PSDB, Jucá preferiu cortar o mal pela raiz.

Em vez em alimentar uma nova batalha sangrenta entre governo e oposição, o que poderia atrapalhar sua articulação para garantir a votação dos projetos do pré-sal, Jucá está propondo a rejeição da ata da sessão da CPI das ONGs que aprovou a convocação de Vaccari.

A estratégia de Jucá é simples, mas poderá ser muito mais eficaz que a preparada por petistas, na medida em ajudará a enterrar mais uma vez a moribunda CPI das ONGs.

É por essas e outras que Jucá conseguiu o posto de líder do governo do ex-presidente
Fernando Henrique Cardoso, o mesmo cargo que ele ocupa agora no governo Lula.

Aliás, foi Jucá quem garantiu no mês passado que a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado voltasse atrás na convocação da ministra-chefe da Casa Civil e pré-candidata petista à sucessão presidencial,
Dilma Rousseff.

Isso após um vacilo da base governista, que permitiu que a oposição convocasse a ministra para explicar o Programa Nacional de Direitos Humanos (PNDH).

Ninguém se espante se Jucá permanecer no posto de líder do governo no Senado no próximo ano, seja quem for o candidato eleito.

terça-feira, 23 de março de 2010

Instituto Millenium e Conversa Afiada no mesmo dia

Minha lista de blogs está uma geleia geral. Só hoje entraram dois novos blogs: o do Instituto Millenium e o Conversa Afiada de Paulo Henrique Amorim. Ou seja: as duas fases do PiG: o Golpista e o Governista.

Eu não confio em nenhum dos dois. Mas estou botando os dois para se digladiarem na lista de blogs. Que os tolos do Brasil escolham seu lado nesta arena. Que os não tolos façam como eu: metam porrada em ambos.

Críticas a Lula e ao PAC na CPT - 2


Comentários para Críticas a Lula e ao PAC na CPT:

Rudá Ricci disse...

Marcelo,
Sua mensagem demonstra desconhecimento em relação à CPT. Eles nunca foram militontos. Nunca. Um ministro lulista chegou a confidenciar a dificuldade do governo lidar com a CPT. Disse que o movimento sindical, feminista, estudantil, negro estavam, todos, articulados ao redor do governo e citou verbas governamentais que foram repassadas. Mas lamentava a postura permanentemente crítica da CPT.
Só para dar um exemplo.

17 de março de 2010 20:10

Marcelo Delfino disse...

Eu posso até dar o braço a torcer, parando de associar o CPT ao PT. Mas que historicamente a ala dita progressista da CNBB é, digamos, mãe do PT (o pai é o movimento sindical do ABC paulista, de onde Lula veio), isso é inegável.

Seu blog é excelente, Rudá. Mas não espere que eu concorde com tudo que está escrito nele.

21 de março de 2010 11:49

Rudá Ricci disse...

Marcelo,
Nem precisa dar o braço a torcer, nem quero que concordem com tudo o que penso. Calma! Não estamos disputando quem tem mais razão.
Você se engana mais uma vez. A CNBB se dividiu entre o petismo e o apoio a Covas, por muito tempo. Foi, inclusive, noticiado na grande imprensa.
Acho que você ideologiza muito tudo e tenta forçar a barra política. Tem teoria conspiratória para tudo.

21 de março de 2010 18:38

Sabe, Rudá, eu realmente sou um cara desiludido com as ideologias políticas em voga no Brasil. Por isso não estranhe minha aspereza. Se a direita nos deu o regime de 1964, suas viúvas e seus filhotes (o PiG, por exemplo), a esquerda me dá a decepção total a cada pedinte, a cada mendigo e a cada criança abandonada que vejo nas ruas. O governo Lula se esforçou bastante para reverter o quadro, mas ainda assim foi muito pouco. E muito abaixo do que este País precisava e merecia. Vai ver seus aliados da direita (PMDB e demais partidos de aluguel) não deixaram o Governo cumprir com suas promessas e obrigações mais básicas. E ao contrário de FHC, que privatizou parcialmente o Estado para aliados do empresariado e do mercado financeiro, Lula privatizou o Estado para o Partido e seus companhêro.

A esquerda tem responsabilidade pelo que está aí, e muito, tal como os tucanalhas e as viúvas e filhotes de 1964. O PSOL e a extrema esquerda (do PSTU ao PCO) têm sua cota de culpa, pois não passam de madalenas arrependidas do lulo-dilmo-petismo.

Pouco importa se a CNBB se divide ou não entre petistas e simpatizantes do tucanato. Pra mim, a CNBB é uma entidade não confiável, seja de que maneira for.

P.S: Rudá Ricci disse...
Marcelo,
Neste ponto (o da desilusão) coincidimos. Mas não acho a CNBB irrelevante. Mesmo porque, faz parte e define em muito a cultura política do país, cuja população é majoritariamente católica.

23 de março de 2010 13:36


Gente, eu nem pretendo responder sobre este assunto no tópico do Rudá, porque o assunto se esgotou. Mas vou encerrar por aqui dizendo que, por mais que a CNBB seja altamente relevante no cenário nacional, isso não faz dela uma entidade totalmente confiável.

E o Papa que não intervém nessa joça...

12 mil livros em lixão de Goiás

Vez ou outra aparece uma reportagem mostrando livros (geralmente didáticos) jogados em lixões pelo país afora. Esta aqui é apenas mais uma ocorrência.

A via-crúcis dos cadeirantes nos ônibus do Rio

Rio 2016 - Cidade dispendiosa
O jornal informa que a personagem Luciana de Viver a Vida começou a viajar de ônibus ontem, quando na verdade só deve começar a fazer isso hoje.

Fonte: O Dia.

A via-crúcis nos ônibus do Rio

Desafio vivido ontem por Luciana na novela é rotina de cadeirantes, que sofrem com despreparo no transporte coletivo

POR NATALIA VON KORSCH

Rio - A cadeirante Luciana, personagem de Alinne Moraes em ‘Viver a Vida’, começou a passar ontem por aventura que milhares de homens e mulheres na mesma situação são obrigados a enfrentar todos os dias: (tentar) pegar ônibus nas ruas do Rio. Entre as dificuldades encontradas pela personagem, estão falta de rampas para atravessar a rua, mesas de bares espalhadas nas calçadas, carros mal-estacionados e poucos ônibus adaptados.

Ao menos neste caso a novela imitou a vida real. Esses e outros obstáculos foram flagrados ontem por O DIA, que levou o público Robson Goulart, 39 anos, para testar o serviço no trajeto do trabalho, no Centro, à sua casa, na Baixada. Ao contrário da milionária do horário nobre, que ‘escolhe’ viver essa experiência, ele não tem opção. Robson ganha um salário mínimo (R$ 510) e pega pelo menos 4 ônibus — e dois trens — para se deslocar todo dia. “É uma falta de respeito com os cadeirantes. Além das ruas esburacadas e da falta de rampas, a grande maioria dos ônibus ainda não está adaptada para nos levar”, lamenta.

Ontem, a viagem-teste do cadeirante durou três horas. Nos quatro veículos de diferentes linhas e empresas em que ele conseguiu entrar, pelo menos um problema foi verificado: defeito no equipamento ou falta de treinamento do motorista. Sem contar as demais viações, que sequer pararam nos pontos para pegar o servidor público.

Se Robson conseguiu chegar ileso ao destino, foi graças à boa-vontade de motoristas e passageiros, coisa que ele garante não ser lá muito comum: “Normalmente eles sequer olham para a gente, ficam reclamando por estarmos ‘atrasando’”.

Segundo a Rio Ônibus, apenas 16% dos 8.600 ônibus da frota fluminense estão adaptados para deficientes.

O CALVÁRIO DE TODO DIA

C10 (TRANSURB)
Robson chegou às 16h20 ao ponto final, na Central, e levou 20 minutos até achar um motorista que soubesse operar o elevador de cadeirantes. No primeiro veículo, a condutora não tinha a chave que aciona o controle. No segundo, o elevador emperrou, mas o motorista Rodrigo de Jesus deu uns pulinhos em cima do equipamento e ele funcionou: “Trabalho aqui há quase dois anos e nunca tivemos treinamento, foi o próprio Robson quem me ensinou a operar o elevador”, admitiu. Detalhe: o cinto de segurança estava quebrado.

1136 (EXPRESSO PÉGASO)
Depois de aguardar cerca de 15 minutos até um ônibus adaptado parar no ponto da Av. Presidente Vargas, Robson ainda teve de ensinar o motorista Francisco Ribeiro a operar o elevador, o que levou 8 minutos. “É fácil, mas temos de ter muito cuidado para ele não cair na calçada”, explicou Francisco, que também não recebeu treinamento.

SANTA CRUZ (ALGARVE)
Dois ônibus da linha — ambos com adesivo que os identificava como adaptados — foram parados pelo cadeirante na Av.Brasil e não tinham elevador nem espaço reservado para deficientes.

541 (N. S. PENHA)
Às 19h, ele pegou o último ônibus do trajeto, mas teve de ensinar o condutor a operar o elevador. Não havia cinto de segurança.

ALA - Amigos de Lulinha Anônimos

Fonte: O Globo.

Governo se recusa a divulgar lista de amigos de Lulinha que pegaram carona em voo da FAB

Publicada em 22/03/2010 às 23h56m
O Globo

BRASÍLIA - O governo federal se recusou a fornecer a lista dos nomes dos amigos de Fábio Luiz Lula da Silva, filho do presidente Lula, que pegaram carona num voo da Força Aérea Brasileira (FAB), em 9 de outubro de 2009 . Lulinha, como Fábio é conhecido, também estava no Boeing 737, o Sucatinha, no trecho de São Paulo a Brasília. Em resposta a um pedido de informações do deputado Duarte Nogueira (PSDB-SP), o ministro da Defesa, Nelson Jobim, não enviou a relação, nem quantos eram os "passageiros da Presidência da República", como foi tratado o grupo de Fábio.

A resposta do ministro listou os nomes da tripulação do avião naquele dia (23 militares) e o do presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, autoridade que usou o Sucatinha na ocasião. Para não informar os nomes dos demais passageiros, Jobim recorreu a um decreto de maio de 2002, do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, que regulamenta o transporte de autoridades. Jobim afirma, no ofício à Câmara, que compete às autoridades apoiadas (Meirelles, no caso) informações sobre o destino, os horários e o número de passageiros. O decreto não proíbe a revelação das identidades dos passageiros.

A assessoria do Banco Central informou, na ocasião, que somente soube da presença dos amigos do filho do presidente no momento do embarque.

Deputados apresentam moção de apoio a Cuba

Nisso que dá misturar o país Cuba, que é maravilhoso, com o seu Governo. Governos passam, mas o país fica. Destroçado, melhorado ou não.

Fonte: Estadão.

Deputados apresentam moção de apoio a Cuba

Documento exalta compromisso cubano com 'democracia e justiça social' e ataca 'campanha' contra a ilha

23 de março de 2010 0h 00
Denise Madueño - O Estadao de S.Paulo
BRASÍLIA

Um insólito "protesto" em favor da ditadura cubana ganha força na Câmara dos Deputados. O grupo parlamentar Brasil-Cuba, comandado pela deputada Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM), está recolhendo assinaturas em uma moção de solidariedade ao governo de Raúl Castro, enquanto dissidentes cubanos lançam uma apelo internacional contra o "crime de consciência" na ilha.

O texto da moção dos deputados trata o movimento de dissidentes em Cuba e as manifestações contra o regime dos irmãos Castro como uma "cruzada infame" fabricada contra a soberania, a independência, a dignidade e o heroísmo do povo cubano.

O documento servirá de contraponto a outra moção, apresentada na semana passada no plenário da Câmara, de "irrestrito apoio e solidariedade aos presos políticos que, em Cuba, lutam por liberdade e democracia". O requerimento foi retirado de votação, na quarta-feira, pelo presidente da Câmara, Michel Temer (PMDB-SP), até que os líderes partidários discutam o encaminhamento que deverá ser dado ao documento. A reunião deverá ocorrer hoje.

"Na verdade, os virulentos ataques a Cuba escondem um alvo maior, que são as conquistas de governos populares comprometidos com a democracia e a justiça social das grandes maiorias da nossa América", diz a moção de apoio a Cuba. Ela considera ainda haver uma "insistente campanha promovida por meios de comunicação intransigentemente comprometidos com a desinformação", despertando o ânimo dos políticos reacionários.

Até agora, de acordo com dados da assessoria de Grazziotin, cerca de 30 deputados assinaram o documento.

A moção de apoio aos presos políticos foi apresentado pelo deputado Jair Bolsonaro (PP-RJ), conhecido na Casa por suas posições de direita, como apoio ao regime militar brasileiro. O requerimento obteve apoio de parlamentares do PP, do PPS, do PMDB, do PSDB, do DEM.

O documento de Bolsonaro foi reduzido a três linhas, com a retirada de termos mais incisivos contra o governo cubano. O documento de Grazziotin, ao contrário, é mais extenso e ataca o que chama de "inimigos" de Cuba.

"A Revolução Cubana é marcada por um bem-sucedido processo de transformações políticas, econômicas e sociais caracterizadas nas condições de vida do seu povo, principalmente na saúde e na educação", continua Grazziotin. "Por obra da mídia mercantil, do seu bloqueio informativo, nada disso chega aos leitores e telespectadores brasileiros", ressalta a deputada na moção.

segunda-feira, 22 de março de 2010

Galeria do Rock Lado B

Já que a Galeria do Rock original virou locação de novela das 7 e está virando espaço para modismos, que se crie outra "Galeria do Rock".

Eu estive na Galeria do Rock original em novembro passado. Ainda era uma autêntica Galeria do Rock. Mas muita coisa mudou de lá para cá.

Sem contar aquela tentativa de enfiarem uma estátua de Michael Jackson na Galeria do Rock, logo após a morte dele.

Fonte: Jornal da Tarde.

Segunda-feira, 22 março de 2010

VARIEDADES

Galeria do rock lado ‘b’

Com instituto cultural, Nova Barão quer atrair ‘órfãos’ do espaço que faz sucesso na TV

Marcelo Moreira, marcelo.moreira@grupoestado.com.br

Uma feira itinerante de compra, venda e troca de LPs e CDs e jam sessions com músicos famosos uma vez por mês regadas a cerveja gelada. Essas são as primeiras atividades do “instituto cultural informal” formado pelas lojas da Rua Alta da Galeria Nova Barão, no centro de São Paulo.

Enquanto a famosa Galeria do Rock se torna “personagem” da novela Tempos Modernos, da TV Globo, e acentua cada vez mais a sua nova vocação de shopping center de novas tendências de comportamento e moda, as 11 lojas vinis e CDs da Nova Barão começam a se movimentar para transformar o seu espaço na alternativa para os órfãos do rock tradicional.

A ideia da criação de um instituto cultural na Rua Alta não é nova e pode sair formalmente até o final de 2010. Enquanto isso, o casal Kátia Pimentel e Carlos Suárez, da Big Papa Records, e os irmão Cláudio e Márcio Morais, da Art Rock, lideram o movimento para atrair os amantes de música descontentes dos rumos que a Galeria do Rock original, entre as ruas 24 de Maio e São João, tomou em direção ao mundo fashion.

“Fui o primeiro a chegar aqui, há dez anos, e mantenho a loja como um ponto de encontro de amigos que gostam de ouvir um bom rock e tomar cerveja”, diz Cláudio Morais, engenheiro químico psico-pedagogo que toca a Art Rock com irmão Márcio, jornalista e professor. “Em que outro lugar é possível juntar gente legal, com bom gosto, tomar cerveja e ouvir rock progressivo?”

Já Kátia e o norte-americano Suárez, da Big Papa, são os mentores do projeto em si do instituto cultural e os coordenadores da primeira feira itinerante de troca, compra e venda de LPs de São Paulo. Eles ainda promovem sessões de música no interior da loja, que vende gravuras e pinturas de artistas sem espaço para expor seus trabalhos (leia texto abaixo).

Migração

As 11 lojas do bulevar da Rua Alta devem se tornar 13 até o meio do ano. Lojistas tradicionais da Galeria do Rock têm espaços reservados no local, já prevendo a possível decadência da venda de música no tradicional reduto de roqueiros da cidade.

É o caso dos sócios Fausto Mucin e André Mesquita, da Die Hard, especializada em heavy metal e rock clássico. Os dois já compraram uma loja na Nova Barão. “O público atual não tem o mesmo apreço pela música e se contenta com arquivos simples de áudio no computador. E esse é o público atual da Galeria do Rock”, diz Mucin, que não tem data para migrar. “Enquanto der, vamos ficando, mas uma hora teremos de tomar uma decisão. O aluguel na Nova Barão é um terço do que pagamos hoje aqui. Quando o consumo de música for se tornar uma coisa ‘cult’ deveremos ir para lá.”

Embora predominem as lojas especializadas em rock e em venda de vinis, o conceito cultural é mais amplo - pelo menos essa é a ambição de quem trabalha ali. A Big Papa, por exemplo, tem um acervo bastante interessante de CDs e LPs de jazz e música brasileira em geral, atraindo aficionados estrangeiros, como a estudante canadense Sarah Anton, frequentadora assídua das lojas e fã de Gal Costa e Maria Betânia.

“Venho pelo menos duas vezes por mês aqui e sempre encontro o que quero. Agora sou ‘sócio’ da Art Rock”, brinca Celso Capanema, consultor em tecnologia. Ricardo “Cachorrão” Flávio é outro que adora passar tardes de sábado passando por todas as lojas. “Conheço pessoas diferentes, ouço boa música, ensino meu filho a escutar coisa boa e me divirto tomando cerveja. Bom demais.