Política, cultura e generalidades

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2010

Bispos católicos fazem abaixo-assinado contra PNDH-3

CNBB
Até Dom Orani, tido como esquerdista pela Associação Cultural Montfort aderiu ao abaixo-assinado.

Tomara que a CNBB corte para sempre suas ligações com o PT, do qual é genitora. Pra quem não sabe, o PT é um filho bastardo da CNBB com o Sindicato dos Metalúrgicos do ABC paulista.

Que ninguém se meta a besta em dizer que a CNBB não é comprometida com os Direitos Humanos, pois é o que ela mais fez ao longo da História, juntamente com entidades como OAB e ABI. Fez isso até mais do que sua atividade-fim, que é a evangelização.

Fonte: O Globo.

Bispos católicos fazem abaixo-assinado contra programa de direitos humanos. Vannuchi diz que aborto será excluído

Publicada em 03/02/2010 às 00h01m
O Globo

RIO e BRASÍLIA - Sessenta e sete bispos católicos, entre eles dom Orani João Tempesta, arcebispo do Rio de Janeiro, e dom Eugenio Sales, arcebispo emérito do Rio, assinaram um abaixo-assinado rejeitando pontos do III Programa Nacional de Direitos Humanos . A nota, do dia 28 de janeiro, reafirma a posição da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) contra a descriminalização do aborto, a união entre pessoas do mesmo sexo e a ideia de impedir a ostentação de símbolos religiosos .

"A CNBB reafirma sua posição muitas vezes manifestada em defesa da vida e da família e contrária a descriminalização do aborto, ao casamento entre pessoas do mesmo sexo e o direito de adoção de crianças por casais homoafetivos. Rejeita, também, a criação de mecanismos para impedir a ostentação de símbolos religiosos em estabelecimentos públicos".

A nota assinada pelos bispos diz que o programa tem "propostas que banalizam a vida e (...) corre o risco de reacender conflitos sociais já pacificados com a lei de anistia. Estas propostas constituem, portanto, ameaça à própria paz social".

Vannuchi ouve queixas de secretário-geral da CNBB

"Por determinação do presidente Lula, esse ponto será revisto. Sobre outras mudanças, serão necessárias consultas com os movimentos"

Em Brasília, o ministro da Secretaria Especial de Direitos Humanos, Paulo Vannuchi, reuniu-se com integrantes da CNBB e ouviu queixas do secretário-geral da entidade, dom Dimas Lara Barbosa, sobre alguns pontos do programa de direitos humanos. A CNBB pediu revisão não só do artigo que trata do aborto mas também a exclusão do decreto da proibição de símbolos religiosos e a retirada da permissão de adoção de crianças por casais homossexuais.

Vannuchi disse à CNBB que a defesa da descriminalização do aborto será extraída do programa, mas não deu a mesma garantia sobre os outros pedidos.

- Por determinação do presidente Lula , esse ponto será revisto. Sobre outras mudanças, serão necessárias consultas com os movimentos. Não pode parecer uma posição unilateral.

Dom Dimas disse a Vannuchi que o governo errou ao tratar de variados assuntos. Sobre a proibição de símbolos religiosos, ele afirmou que, em muitos locais públicos, o crucifixo nem deveria estar lá.

- Há cortes judiciais e casas legislativas onde imperam a iniquidade que a afronta é ao crucifixo - disse dom Dimas, que considera a proibição intolerância religiosa.

Vannuchi disse não acreditar que o Congresso aprovará a criação da Comissão Nacional da Verdade , que levantará informações sobre excessos do regime militar.

- Dificilmente será aprovado este ano. Mas espero que não leve quinze anos, como algumas propostas que defendemos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário