Política, cultura e generalidades

segunda-feira, 4 de janeiro de 2010

Serra sem palanque em vários Estados

Sr. José Serra Burns
Estou aguardando a cambada d'O Globo fazer uma reportagem sobre os problemas com Dilma Rousseff nos Estados.

Fonte: O Globo.

Serra terá problemas com palanques nos estados

Publicada em 03/01/2010 às 23h54m
Adriana Vasconcelos e Isabel Braga

BRASÍLIA- A saída do governador mineiro Aécio Neves da disputa presidencial e a consequente consolidação do governador paulista José Serra como candidato do PSDB à sucessão em 2010 solucionou apenas um dos muitos impasses enfrentados pela oposição na corrida pelo Palácio do Planalto. A partir de janeiro, Serra terá de sair a campo se quiser garantir bons palanques nos estados. Isso porque os três partidos engajados em sua campanha - PSDB, DEM e PPS - estão sem candidatos e sem visibilidade em alguns estados estratégicos, como Rio de Janeiro, Ceará e Pernambuco. Para piorar a situação, esses mesmos aliados estão divididos em Mato Grosso, Paraná, Rio Grande do Sul e Goiás.

- Meu caminho é disputar a eleição no Senado. O que já é um caminho difícil. A candidatura ao governo, já descartei lá atrás - diz Gabeira.

- Gabeira e Cesar Maia não querem disputar o governo - confirma o presidente do DEM, deputado Rodrigo Maia (RJ).

Já em Pernambuco, Serra espera que o senador Jarbas Vasconcelos (PMDB-PE) atenda a seu apelo para que ele dispute o governo do estado, onde a candidata petista Dilma Rousseff já garantiu seu palanque: o do governador Eduardo Campos, candidato à reeleição. Mesmo relutante à ideia, Jarbas não descarta essa possibilidade, até porque ainda tem quatro anos de mandato de senador pela frente.

No Ceará, a situação é mais complicada. A alternativa mais viável para a oposição seria lançar o nome do senador Tasso Jereissati (PSDB-CE) ao governo do estado. Mas há um problema: amigo do atual governador Cid Gomes, do PSB, Tasso prefere se candidatar à reeleição para o Senado. Assim, não teria de enfrentar Cid, que lidera as pesquisas de opinião com folga, e ainda teria o apoio do amigo para sua eleição.

Com o escândalo que atingiu o atual governador do Distrito Federal, José Roberto Arruda, a oposição também ficou sem candidato na capital federal. Arruda foi obrigado a se desfiliar do DEM para não ser expulso do partido e seu vice, Paulo Octávio, ainda se mantém na legenda, mas enfrenta as mesmas acusações de que teria sido beneficiado pelo esquema de cobrança de propina de empresas que prestam serviços ao governo do Distrito Federal.

Serra também terá de intervir para pacificar seus aliados em alguns estados. No Paraná, por exemplo, enquanto o DEM negocia seu apoio à candidatura do senador Osmar Dias (PDT-PR), os tucanos insistem em ter candidatura própria. O nome mais forte é o do prefeito de Curitiba, Beto Richa, que está empatado tecnicamente com Dias.

No Rio Grande do Sul, a insistência da governadora tucana Yeda Crusius em disputar a reeleição se transformou num problema para os tucanos. Os aliados de Serra preferem uma aliança com o PMDB, que deverá lançar a candidatura do prefeito de Porto Alegre, José Fogaça. Já o DEM negocia uma aliança com o PDT e o PTB, numa tentativa de eleger uma bancada federal maior.

DEM e PSDB também poderão ficar em lados opostos em Mato Grosso. Enquanto o primeiro planeja lançar o nome do senador Jayme Campos para o governo estadual, os tucanos defendem a candidatura do atual prefeito de Cuiabá, Wilson Campos. Em Goiás, o PSDB aposta na candidatura do senador Marconi Perillo, ex-governador do estado. Mas o líder do DEM na Câmara, Ronaldo Caiado, já teria fechado um acordo para apoiar o candidato do atual governador de Goiás, Alcides Rodrigues, do PP.

- O ideal é que a chapa escolhida para o governo do estado e Senado favoreça a estrutura local para a candidatura de Serra. Por isso, nosso empenho será para concentrar esforços sempre em uma candidatura única nos estados - observa o deputado Jutahy Júnior (PSDB-BA), um dos articuladores da campanha de Serra.

Outra preocupação da oposição é ampliar a aliança eleitoral em torno de Serra. O foco principal dos tucanos está no PMDB, que sempre se divide nas disputas presidenciais.

Nenhum comentário:

Postar um comentário