Política, cultura e generalidades

segunda-feira, 18 de janeiro de 2010

Lambança gospel completa 1 ano

Casal Hernandes
Fonte: Estadão.

segunda-feira, 18 de janeiro de 2010, 09:46

Um ano após tragédia, famílias reclamam da Renascer
AE - Agencia Estado

SÃO PAULO - Parentes de mortos no desabamento do teto do templo da Igreja Renascer em Cristo, no Cambuci, zona sul de São Paulo, reclamam da falta de assistência da igreja depois que seus parentes foram enterrados. O telhado ruiu há um ano, matou nove pessoas e feriu mais de uma centena. Os familiares dizem que a Renascer pagou os sepultamentos e não os procurou mais. Pelo menos três das oito casas interditadas no acidente continuam com suas edículas destruídas.

"Estamos largados", diz a funcionária pública Vera Lúcia da Silva, de 50 anos, filha de Maria de Lourdes da Silva, de 67 anos, morta no acidente. "Estamos tristes porque eles (Renascer) falam de amor, mas não acolhem as famílias das vítimas", afirma Vera, que não entrou com ação na Justiça.

A reportagem procurou os parentes dos mortos, mas apenas dois relataram como foram os 12 meses que se seguiram ao desabamento. Outros seis não foram localizados. Um dos parentes não quis se manifestar por medo de retaliações por parte da Renascer.

A rotina do gerente Antonio Paro Júnior, de 33 anos, mudou depois que sua mãe, Dalva Ferreira, de 71 anos, morreu no desabamento. Era ela quem cuidava da neta, de 5 anos, durante a semana. "Minha mulher teve de deixar o emprego para cuidar de nossa filha", diz Júnior, que ainda decide se vai entrar com ação indenizatória na Justiça.

A Renascer quer reconstruir a sede no mesmo lugar. Mas as obras estão paradas porque a Justiça aceitou o pedido do Ministério Público para cassar o alvará concedido à igreja, alegando que é ilegal. O inquérito criminal que apontará os culpados pelo acidente não foi concluído. A investigação corre em Brasília e, se houver julgamento, este será feito pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

Edículas

As edículas de três das oito casas da Rua Robertson, vizinhas ao templo e que foram danificadas pelo desabamento, continuam iguais: destruídas e com entulho por todos os lados. "Está tudo parado. Não tivemos opção", diz o professor Felipe Ayub, de 33 anos, na casa de seu pai, Marassoré Morégola, de 68 anos. Ayub explica que seu pai ainda não reformou o imóvel porque depende de autorização judicial. "Entramos com um processo na Justiça."

A casa de outro morador, que preferiu o anonimato, depende da mesma autorização. "A Renascer ofereceu uma empresa inadequada, sem registro no Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia (Crea), para fazer a reforma. Nós não aprovamos." Dos quatro imóveis da via interditados, só um foi reformado. O dono da casa, que também não quis se identificar, diz que a Renascer pagou a obra.

Defesa

A Igreja Renascer afirmou em nota que o desabamento do teto de sua sede foi um de seus mais duros golpes. Segundo o texto, o que torna o tema menos doloroso "é a certeza no triunfo da Justiça, e as próprias investigações oficiais que demonstraram a isenção de culpa da igreja no ocorrido".

O laudo do Instituto de Criminalística, que investigou as causas do desabamento, apontou que o acidente foi provocado por falhas na manutenção da estrutura do imóvel. Das 14 tesouras que sustentavam o telhado, só uma, que ficava em cima do altar, não recebeu reforço metálico numa reforma realizada entre 1999 e 2000.

Em relação às reformas das casas vizinhas ao templo da igreja, a Renascer afirma que os reparos já foram feitos nos imóveis onde houve consentimento. A igreja não quis se pronunciar sobre temas ligados ao acidente porque estes estão em juízo. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário